As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 01-27-2009. Acessado 445 vezes.
Título da Postagem:Os Estados Unidos e sua desastrada política externa
Titular:Manuel Cambeses Júnior
Nome de usuário:Cambeses
Última alteração em 01-27-2009 @ 05:16 pm
[ Avise alguém sobre este texto ]
Curriculum 
Vitae

 

 

 

Autor: * Cel Av RR Manuel Cambeses Júnior

 * Manuel Cambeses Júnior
        No final dos anos 80 do século passado, o renomado escritor Paul Kennedy escreveu sua consagrada obra intitulada "Ascensão e Queda das Grandes Potências". Nesse livro, com notável maestria, ele visualizava a situação dos Estados Unidos no futuro, abordando os riscos representados pelas políticas simplistas em meio a um mundo cada vez mais complexo.
        Enfatizava que os piores danos que poderiam sofrer seriam auto-inflingidos, caso não soubessem se adaptar a um mundo em transformação. Assinalava, inclusive, que os recursos consideráveis de que dispunham os EUA deveriam ser utilizados de maneira judiciosa, reconhecendo suas próprias limitações.
        Alguns anos depois do livro de Kennedy, surgiu na revista National Interest um instigante artigo de Charles Krauthammer, intitulado "O Momento Unipolar". Ali ficou plasmado, pela primeira vez, o credo neoconservador, que uma década mais tarde haveria de conformar a base da política externa do presidente George W. Bush.
        Krauthammer se referia à capacidade norte-americana de moldar o mundo à sua vontade, impondo regras de jogo universais que respondessem unicamente a seus reais interesses. Segundo suas palavras: "Após o 11 de setembro de 2001, o Momento Unipolar transformou-se na Era Unipolar".
        Lamentavelmente, a administração Bush não soube entender que essa capacidade para moldar o mundo em seus próprios termos já existia, através de uma velha estrutura hegemônica desenhada à imagem e semelhança dos interesses estadunidenses. Da mesma maneira que tampouco soube compreender que a preservação dessa estrutura requeria aquilo que Zbigniew Brzezinski definiu como "o exercício da liderança através de sutis vias indiretas".
        Ao tentar obter o mesmo resultado, mediante o exercício prepotente do unilateralismo, somente conseguiu divorciar o poder dos mecanismos que potencializavam e facilitavam seu exercício. Projetou-se, assim, uma visão imperialista que deixou sem sustentação uma arquitetura hegemônica, cujo principal beneficiário era o governo estadunidense.
        Os diversos instrumentos e mecanismos que davam sustentação a essa hegemonia foram desarticulados ou fraturados. Desde o Conselho de Segurança da ONU, fortemente desestruturado em virtude da atual política norte-americana de torcer braços e proferir ameaças, até a Aliança Atlântica, que entrou em curto-circuito funcional por causa do distanciamento entre os EUA e a maior parte de seus parceiros europeus.
        Desde os organismos financeiros multilaterais, deixados à deriva como resultado do unilateralismo e da falta de atenção de Washington, até a Rodada de Doha, da OMC, cujos objetivos foram relegados através de sua especial ênfase nos tratados de livre comércio bilaterais.
        Desde o processo de paz entre Israel e Palestina, deixado sem bases e completamente desacreditado em face do apoio descarado e irrestrito a Israel, até a relação com os governos amigos do Oriente Médio, seriamente afetada devido ao nefasto messianismo democrático adotado pela superpotência.
        Desde a lamentável fratura dos equilíbrios de poder no Oriente Médio até a alienação da América Latina, não ficou uma só área na política externa que não se visse afetada pela imposição de ações simplistas, pela falta de adaptação a um mundo em transformação e pelo desconhecimento de suas reais limitações.
        O fato de esposar o pensamento de Krauthammer, relegando a segundo plano o de Paul Kennedy, certamente tem acarretado profundas implicações ao desastrado Governo Bush.
        Oxalá Barack Obama dê um novo curso à política externa estado-unidense.
* Coronel-aviador da reserva da Força Aérea, é conferencista especial da ESG, membro do Instituto de Geografia Militar do Brasil e vice-diretor do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica.




Bookmark and Share
Outas colaborações de Cambeses
Veja Mais
Perfil de Cambeses
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!