As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 26-06-2010. Acessado 1107 vezes.
Título da Postagem:AUTO-SUFICIÊNCIA DE PETRÓLEO – A PROPAGANDA ENGANOSA DO PETISMO
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 26-06-2010 @ 05:32 pm
[ Avise alguém sobre este texto ]

AUTO-SUFICIÊNCIA DE PETRÓLEO – A PROPAGANDA ENGANOSA DO PETISMO

O PETISMO LULISTA SE REVELA UM SISTEMA IDEOLÓGICO SEM CONTEÚDO E SEM CAPACIDADE DE EMPREENDIMENTO, MOSTRANDO UMA PRÁTICA ANÁRQUICO-SINDICALISTA, COM SUA CULTURA DE MALANDROS E CONSPIRADORES. A HISTÓRIA SINDICAL BRASILEIRA ESTÁ REPLETA DE EPISÓDIOS DE CORRUPÇÃO, CRIMES E ANARQUISMOS ADMINISTRATIVOS E ESSES PROCEDIMENTOS SÃO TRANSFERIDOS PARA A GRANDE ESCALA DAS INSTITUIÇÕES NACIONAIS E SUAS EMPRESAS ESTATAIS, COM O SEU LULA NA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA.

O PT – PARTIDO DOS TRABALHADORES NÃO POSSUÍA (E NEM POSSUI) UM PLANO DE GOVERNO, COM ITENS DE CONTROLE CIENTÍFICOS, DE METAS E RESPECTIVOS MÉTODOS, FICANDO AO SABOR DA BOA OU MÁ SORTE, DE JULGAMENTOS NÉSCIOS, DE AVALIAÇÕES DE RESULTADOS ALEATÓRIAS E DA COORDENAÇÃO DE CONHECIMENTOS RUDIMENTARES PARA A ADMINISTRAÇÃO DO PAÍS, DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS EM QUE GOVERNA. EM SUMA, PARECE “COCÔ DE MARINHEIRO NA MAROLA DO MAR”, À DERIVA E EM RUMOS CASUÍSTICOS. E ISSO SE REFLETE EM SUAS PROPAGANDAS DE GOVERNO E ELEITORAIS.

A PRÁTICA PROPAGANDISTA DESSE PT, DE CANALHAS E LADRÕES, SE ASSEMELHA A AQUELA DO EXTINTO SOCIALISMO SOVIÉTICO. ESSE ÚLTIMO SE TORNOU UM GRANDE SISTEMA DE ILUSÕES, E ENGANAÇÕES, COM SUAS PROPAGANDAS E PUBLICIDADES ENGANOSAS. AS ESTAÇÕES ESTATAIS DE RÁDIO E MAIS TARDE AS DE TV, ALÉM DOS JORNAIS, TENDO O PRAVDA COMO ARTICULADOR CENTRAL, FAZIAM O USO EXCESSIVO DE PUBLICIDADE E PROPAGANDA ENGANOSA, POR DOUTRINA DEFINIDA PELO KREMLIN, COMO UM SUPORTE DA REVOLUÇÃO COMUNISTA, EM QUE QUALQUER MODALIDADE DE INFORMAÇÃO OU COMUNICAÇÃO DE CARÁTER PUBLICITÁRIO OU PROPAGANDÍSTICO, ERA INTEIRA OU PARCIALMENTE FALSA, E UTILIZAVA PESSOAS, EXPRESSÕES LITERAIS, IMAGENS E DADOS COM VALORES, NÚMEROS E CÁLCULOS TECNICAMENTE INCORRETOS, QUE ERAM CAPAZES DE INDUZIR EM ERRO DE INTERPRETAÇÃO E ENTENDIMENTO, DO PROLETARIADO E DOS (AS) “CAMARADAS” RUSSOS (AS), SOBRE A EFICÁCIA E O DESEMPENHO DOS PROCESSOS ADMINISTRATIVOS, SEUS OBJETIVOS E METAS. E NISSO A RÚSSIA FICOU POR MAIS DE 60 ANOS (DE 1928 A 1989).

NESSES 40 MESES DECORRIDOS, DA “ADMINISTRAÇÃO TEMERÁRIA DO PETISMO” (DESDE DE JANEIRO DE 2003), DIVERSOS EXEMPLOS DE PROPAGANDAS ENGANOSAS E COM FINS DE MÁ FÉ ELEITOREIRA, FORAM VEICULADOS SEM UMA INTERVENÇÃO LEGAL DE SUSPENSÃO E PENALIDADES AOS SEUS RESPONSÁVEIS. O MOMENTO MÁXIMO VEIO A OCORRER COM O ATINGIMENTO DA AUTO-SUFICIÊNCIA DO PETRÓLEO, CAUSANDO INDIGNAÇÃO NAS PESSOAS QUE ACOMPANHARAM A EVOLUÇÃO DO PROCESSO DE BUSCA DESSA META NACIONAL E ESTRATÉGICA.

POR NÃO HAVER UMA MOBILIZAÇÃO NACIONAL, PARA COIBIR ESSE TIPO DE MALANDRAGEM, PRECISAMOS DENUNCIAR, AO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, FUNDAMENTADOS EM REGRAS UNIVERSAIS QUE JÁ CONSTAM EM OUTROS CÓDIGOS E LEGISLAÇÕES, E, ASSIM, ARGUMENTARMOS COM O QUE SEGUE ABAIXO, EM DEFESA DO ELEITOR, QUE FICA AO SABOR DA DERIVA CRIMINOSA DO PETISMO LULISTA:

1. A PUBLICIDADE OU A PROPAGANDA DEVE SER VEICULADA DE TAL FORMA QUE O ELEITOR FÁCIL, E IMEDIATAMENTE, A IDENTIFIQUE COMO TAL. A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA EM SUA PUBLICIDADE OU PROPAGANDA MANTERÁ, EM SEU PODER, PARA INFORMAÇÃO DOS LEGÍTIMOS INTERESSADOS, OS DADOS FÁTICOS, TÉCNICOS E CIENTÍFICOS QUE DÃO SUSTENTAÇÃO À MENSAGEM PUBLICITÁRIA OU A PROPAGANDA.
2. DEVE SER PROIBIDA TODA PUBLICIDADE OU PROPAGANDA ENGANOSA OU ABUSIVA, TANTO PARA A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA QUANTO PARA OS PARTIDOS POLÍTICOS, ORA INVESTIDOS DA RESPONSABILIDADE ADMINISTRATIVA, TIDA OU NÃO COMO PROPAGANDA OU PUBLICIDADE ELEITORAL OU DE PRESTAÇÃO DE CONTAS.
3. É ENGANOSA QUALQUER MODALIDADE DE INFORMAÇÃO OU COMUNICAÇÃO DE CARÁTER PUBLICITÁRIO OU PROPAGANDÍSTICO, INTEIRA OU PARCIALMENTE FALSA, QUE UTILIZE PESSOAS, EXPRESSÕES LITERAIS, IMAGENS, FATOS E DADOS COM VALORES, NÚMEROS E CÁLCULOS TECNICAMENTE INCORRETOS, CAPAZES DE INDUZIR EM ERRO DE INTERPRETAÇÃO E ENTENDIMENTO, DO ELEITOR, SOBRE A EFICÁCIA E O DESEMPENHO DOS PROCESSOS ADMINISTRATIVOS, SEUS OBJETIVOS E METAS.
4. É ABUSIVA, DENTRE OUTRAS, A PUBLICIDADE OU PROPAGANDA DISCRIMINATÓRIA DE QUALQUER NATUREZA, A QUE INCITE À VIOLÊNCIA, EXPLORE O MEDO OU A SUPERSTIÇÃO, SE APROVEITE DA DEFICIÊNCIA DE JULGAMENTO E EXPERIÊNCIA DO ELEITOR, DESRESPEITA VALORES AMBIENTAIS E JURÍDICOS, OU QUE SEJA CAPAZ DE INDUZIR O MESMO A SE COMPORTAR DE FORMA PREJUDICIAL OU PERIGOSA À SUA SAÚDE OU SEGURANÇA.
5. O ÔNUS DA PROVA DA VERACIDADE E CORREÇÃO DA INFORMAÇÃO OU COMUNICAÇÃO PUBLICITÁRIA OU PROPAGANDÍSTICA CABERÁ AO ÓRGÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA QUE A PATROCINAR.
6. A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, EM SEUS TRÊS NÍVEIS DE GOVERNO DEVE, OBRIGATORIAMENTE, POSSUIR E IMPLEMENTAR PROGRAMA DE GOVERNO, O QUAL DEVE TER SEU CONTEÚDO SOB CONHECIMENTO PRÉVIO DO ELEITOR, REDIGIDO DE MODO A FACILITAR A COMPREENSÃO DE SEU SENTIDO E ALCANCE, SEUS OBJETIVOS E METAS, BEM COMO SUA APLICABILIDADE EM TERMOS DE CUSTOS E BENEFÍCIOS À SOCIEDADE, OU A COMUNIDADE, SUJEITO À PRESTAÇÃO DE CONTAS PERIÓDICAS (POR PERÍODOS ADMINISTRATIVOS DE 1 – UM - TRIMESTRE) EM CÂMARAS PÚBLICAS.
7. HAVENDO UM DESCUMPRIMENTO, TOTAL OU PARCIAL, DAS OBRIGAÇÕES REFERIDAS NA LEI APLICÁVEL, SERÁ A ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA, POR SEUS GESTORES E PREPOSTOS, COMPELIDA A CUMPRI-LAS COM O RIGOR NECESSÁRIO, NO PRAZO MÁXIMO DE UM PERÍODO ADMINISTRATIVO - DE 1 (UM) TRIMESTRE - SUJEITANDO-A AO IMPEDIMENTO CASO NÃO HAJA A DEVIDA CORREÇÃO ADMINISTRATIVA.

O DESCARAMENTO PETISTA SOBRE A OCORRÊNCIA DA AUTO-SUFICIÊNCIA DO PETRÓLEO ATINGE, COMO UMA MALDIÇÃO À DEMOCRACIA BRASILEIRA E OS VERDADEIROS ARTÍFICES DA CONSTRUÇÃO DO PLANO TÉCNICO, CIENTÍFICO E POLÍTICO, PARA O ALCANCE DESSE MOMENTO HISTÓRICO DA INDÚSTRIA PETROLÍFERA BRASILEIRA. O PT NADA FEZ PELA AUTO-SUFICIÊNCIA A NÃO SER ANUNCIAR A MESMA, CAPITALIZANDO INTENÇÕES ELEITORAIS EM ATIVIDADE ECONÔMICA, E DE PRODUÇÃO ESTRATÉGICA, EM QUE NADA FEZ DE CONCRETO EM SEU BENEFÍCIO. A NÃO SER “MANTER A ROTINA” DA PETROBRÁS, QUE SE MOBILIZA À LUZ DA CAPACIDADE E INTELIGÊNCIA DE SEUS ADMINISTRADORES, ENGENHEIROS, TÉCNICOS E OPERÁRIOS, INDEPENDENTE DOS PLANTONISTAS DE BRASÍLIA – DF.

A REVISTA VEJA – EDIÇÃO 1953 – ANO 39 – Nº 16 DE 26 DE ABRIL DE 2006, EM ARTIGO ESCRITO POR GIULIANO GUANDALINI E CÍNTIA BORSATO - ENERGIA - NÃO SOBRA PETRÓLEO. FALTA CRESCIMENTO, NOS FUNDAMENTA MELHOR PARA ELUCIDAÇÃO DO CRIME DE PROPAGANDA ENGANOSA PRATICADA PELO PETISMO - A AUTO-SUFICIÊNCIA CHEGA EM BOA HORA, MAS ELA É FRUTO TAMBÉM DO PÍFIO AVANÇO DO PIB BRASILEIRO.

A PETROBRÁS FOI CRIADA EM 1953 POR DECRETO DO PRESIDENTE GETÚLIO VARGAS, COM O OBJETIVO DE TORNAR O BRASIL AUTO-SUFICIENTE EM PETRÓLEO.

COM A PERDA DA PLATAFORMA P-36, NUM GRAVE ACIDENTE EM MARÇO DE 2001, NA BACIA DE CAMPOS (RJ), QUANDO HENRY REICHSTUL ERA PRESIDENTE DA PETROBRÁS, A QUAL VEIO A AFUNDAR, PERDEMOS DE 9 VIDAS HUMANAS E, AINDA, SE PERDEU O PRIMEIRO MOMENTO DE CONCRETIZAÇÃO DA AUTO-SUFICIÊNCIA. ERA UMA DAS MAIORES PLATAFORMAS DO MUNDO E AO PREÇO DE U$ 1 BILHÃO. DEPOIS DAQUELE ACIDENTE A PETROBRÁS CONCENTROU ESFORÇOS PARA A ENTRADA EM OPERAÇÃO DA PLATAFORMA P-50, NA BACIA DE CAMPOS (RJ). AÍ, NESSE MOMENTO, O PAÍS FINALMENTE ATINGIU O PATAMAR DA AUTO-SUFICIÊNCIA. MAS EXISTEM AINDA OBJEÇÕES REALISTAS SOBRE A AUTO-SUFICIÊNCIA.

O BARRIL DE PETRÓLEO ATINGIU A MARCA DE US$ 70,00 – SEMANA DE 26 DE ABRIL DE 2006, PELAS TENSÕES INTERNACIONAIS E A AUTO-SUFICIÊNCIA PROTEGE O BRASIL DAS OSCILAÇÕES DE PREÇO E DE PRODUÇÃO INTERNACIONAIS. E PELA PRIMEIRA VEZ NA HISTÓRIA A BALANÇA COMERCIAL DO ITEM PETRÓLEO FICARÁ POSITIVA EM US$ 3 BILHÕES. NA DÉCADA DE 1980 O BRASIL IMPORTAVA CERCA DE 80% DO PETRÓLEO QUE CONSUMIA.

A AUTO-SUFICIÊNCIA SÓ FOI POSSÍVEL POR DOIS MOTIVOS: (A) BAIXO CRESCIMENTO ECONÔMICO DO BRASIL E (B) DIVERSIFICAÇÃO DA MATRIZ ENERGÉTICA, COM O AUMENTO DA UTILIZAÇÃO DO GÁS NATURAL E DO ÁLCOOL COMBUSTÍVEL E A ECONOMIA DIÁRIA DE CONSUMO DE BARRIS DE PETRÓLEO FORAM, EM 2005, DE 300.000 BARRIS PELO GÁS NATURAL E 200.000 MIL BARRIS PELO ÁLCOOL COMBUSTÍVEL;

ENTRE 2000 E 2005 O CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO FOI DE 2,5% AO ANO. TIVESSE SIDO DE 5% AO ANO JOGARIA A AUTO-SUFICIÊNCIA, NA MELHOR DAS HIPÓTESES, PARA O ANO DE 2010. QUANTO MAIOR A ATIVIDADE ECONÔMICA MAIOR O CONSUMO DE COMBUSTÍVEIS. A AUTO-SUFICIÊNCIA – ONDE CONSUMO É IGUAL À PRODUÇÃO OCORRERIA, ENTÃO, EM 2010 NA FAIXA DE 133,4 BILHÕES DE LITROS.

A RELAÇÃO DE CONSUMO E PRODUÇÃO FOI DE: (A) 1995 – CONSUMO DE 71,1 BILHÕES DE LITROS E PRODUÇÃO DE 40,2 BILHÕES DE LITROS. EM 2005 – CONSUMO 98,7 BILHÕES DE LITROS E PRODUÇÃO DE 98,1 BILHÕES DE LITROS. O PIB BRASILEIRO CRESCEU EM MÉDIA 2,5% NOS ÚLTIMOS DEZ ANOS, BEM ABAIXO DA MÉDIA MUNDIAL. COMO A ECONOMIA AVANÇOU POUCO, O CONSUMO DE PETRÓLEO FICOU ESTAGNADO DE 2000 EM DIANTE (EM BILHÕES DE LITROS), NA FAIXA DE 90 A 95 BILHÕES DE LITROS, ATINGINDO O VALOR DE 98,7 BILHÕES DE LITROS EM 2005. O CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO DE PETRÓLEO FOI CONFORME A TABELA DO CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO DE PETRÓLEO PELA PETROBRÁS DE 1995 A 2006, EM ANEXO.

A PRODUÇÃO MUNDIAL DE PETRÓLEO DEVE ATINGIR SEU PICO EM MENOS DE 20 ANOS, CAUSANDO UMA CRISE DE ESCASSEZ COM EFEITOS QUE PODEM SUPERAR AS RUPTURAS MUNDIAIS DECORRENTES DOS CHOQUES DE OFERTA DA DÉCADA DE 1970.

A PRODUÇÃO BRASILEIRA DE PETRÓLEO SE BASEIA, EM MAIORIA, NA ZONA ECONÔMICA EXCLUSIVA (ZEE), NA PLATAFORMA MARÍTIMA CONTINENTAL, E TEM CERCA DE 70% DOS POÇOS DE PETRÓLEO QUE SE ENCONTRAM A 400 METROS ABAIXO DO NÍVEL DO MAR. E ISSO NOS REMETE A UMA REVISÃO HISTÓRICA RESUMIDA DA INDUSTRIALIZAÇÃO DO PETRÓLEO NO BRASIL.
O PRIMEIRO CHOQUE DO PETRÓLEO – O PREÇO MÉDIO DO BARRIL DE PETRÓLEO (UM BARRIL É IGUAL A 159,2 LITROS) AUMENTOU DE US$ 2,91 EM SETEMBRO DE 1973 PARA US$ 12,45 EM MARÇO DE 1975 – E UMA GRAVE CRISE NO MERCADO INTERNACIONAL DE AÇÚCAR LEVARAM À CRIAÇÃO, EM 14 DE NOVEMBRO DE 1975, DO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL, O PROÁLCOOL, PELO ENTÃO PRESIDENTE GENERAL EMÍLIO GARRASTAZU MÉDICI (DE 30/10/1969 A 15/03/1974), SENDO QUE O GENERAL ERNESTO GEISEL ERA O PRESIDENTE DA PETROBRÁS (NO PERÍODO DE 1970 AO INÍCIO DE 1974).

O OBJETIVO PRINCIPAL DO PROÁLCOOL ERA O DE DIMINUIR A DEPENDÊNCIA EXTERNA DE ENERGIA – UMA QUESTÃO ESTRATÉGICA E DE SEGURANÇA NACIONAL – MAS TAMBÉM PROPICIAR UMA MELHORA NO BALANÇO DE PAGAMENTOS, REDUZIR DISPARIDADES REGIONAIS DE RENDA, EXPANDIR A PRODUÇÃO DE BENS DE CAPITAL E GERAR EMPREGOS. E REDUZIR A IMPORTAÇÃO DE PETRÓLEO, COM A ADIÇÃO DE ÁLCOOL ANIDRO À GASOLINA, DIMINUINDO ASSIM O CONSUMO INTERNO DE PETRÓLEO.

O PROÁLCOOL ALIOU COMPETÊNCIAS TÉCNICAS DE IMPORTANTES INDÚSTRIAS E INSTITUIÇÕES DE PESQUISA, SEMPRE COM O APOIO CONTINUADO DE ORGANISMOS GOVERNAMENTAIS EM DIVERSAS ÁREAS – TECNOLOGIA, POLÍTICA INDUSTRIAL, PLANEJAMENTO ENERGÉTICO, AGRICULTURA, ENTRE OUTRAS – PARA REALIZAR UMA DAS POUCAS INICIATIVAS DE INOVAÇÃO DE ALCANCE GLOBAL JÁ OCORRIDAS NO BRASIL.

A PARTIR DE 1978, O BRASIL PASSA A EXPORTAR ÁLCOOL, SOBRETUDO PARA OS ESTADOS UNIDOS E O JAPÃO.

O GOVERNO FEDERAL REPASSA A TECNOLOGIA JÁ DESENVOLVIDA POR ALGUMAS ESTATAIS E FECHA ACORDO COM AS INDÚSTRIAS PARA INICIAR A FABRICAÇÃO DE CARROS MOVIDOS A ÁLCOOL. O CARRO A ÁLCOOL VEIO CONSOLIDAR O PROÁLCOOL. MAS A SUA ACEITAÇÃO PELO MERCADO NÃO FOI IMEDIATA, DEVIDO AOS PROBLEMAS DE CORROSÃO E PARTIDA, SÓ SUPERADOS EM 1981.

OS CARROS MOVIDOS A ÁLCOOL E A MISTURA DE ÁLCOOL À GASOLINA REDUZEM OS NÍVEIS DE POLUIÇÃO AMBIENTAL NAS GRANDES CIDADES. DO PONTO DE VISTA ESTRATÉGICO, O ÁLCOOL CARBURANTE É UMA FONTE DE ENERGIA ALTERNATIVA SOB CONTROLE DO GOVERNO BRASILEIRO.

UMA NOVA FASE DO PROÁLCOOL NASCE COM O SEGUNDO CHOQUE DO PETRÓLEO, EM 1979. OS CONFLITOS NO ORIENTE MÉDIO PROVOCAM UMA NOVA CRISE E O PREÇO DO BARRIL CHEGA AO INCRÍVEL PATAMAR DE SESSENTA DÓLARES. A PARTIR DE 1986, OS PREÇOS DO PETRÓLEO SE ESTABILIZAM, COM TENDÊNCIA DE QUEDA. E O PROÁLCOOL ENTRA EM PROCESSO DE ESTAGNAÇÃO.

EM 1994, QUANDO ENTRA EM VIGOR A LEI DE PROTEÇÃO AMBIENTAL QUE OBRIGA A MISTURA DE 22 % DE ÁLCOOL À GASOLINA, O DÉFICIT CHEGA A UM BILHÃO DE LITROS.

EM FINS DE 1995, O GOVERNO FEDERAL REVÊ O PROÁLCOOL E DECIDE VOLTAR A INCREMENTÁ-LO. AS MONTADORAS, DIANTE DA CRISE DE ABASTECIMENTO, REDUZEM DRASTICAMENTE A FABRICAÇÃO DO CARRO A ÁLCOOL. OS USINEIROS, POR SUA VEZ, COM UMA DÍVIDA DE CINCO BILHÕES DE DÓLARES, PREFEREM PRODUZIR AÇÚCAR, CUJA COTAÇÃO INTERNACIONAL ESTÁ EM ALTA, EM VEZ DE VENDER ÁLCOOL A PREÇO BAIXO PARA A PETROBRÁS.

O PERÍODO 1970 -1974 - A ADMINISTRAÇÃO ERNESTO GEISEL NA PETROBRÁS SE REVELOU MUITO DINÂMICA, CONCLUINDO OU DANDO PROSSEGUIMENTO EM PRAZO RELATIVAMENTE CURTO A OBRAS JÁ PROGRAMADAS, OU DANDO INÍCIO A NOVOS PROJETOS COM O FIM DE ENFRENTAR A NOVA DIMENSÃO DO MERCADO; NEGOCIANDO OPERAÇÕES DE PESQUISA NO EXTERIOR E CRIANDO UMA SUBSIDIÁRIA PARA ESSE FIM, AO MESMO TEMPO EM QUE DESENVOLVIA A PESQUISA NA PLATAFORMA SUBMARINA, INICIADA EM 1968 E PROJETADA, EM FASE DE AUTORIZAÇÃO DE ENCOMENDAS DE EQUIPAMENTOS, DESDE 1966.

INTENSIFICAVA-SE E DIVERSIFICAVA-SE O CONSUMO DO PETRÓLEO, TENDO POR OBJETIVO PRIMORDIAL O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. CRIOU A BRASPETRO, SUBSIDIÁRIA DA PETROBRÁS PARA A PESQUISA E OUTRAS ATIVIDADES NO EXTERIOR, ENTROU EM FUNCIONAMENTO EM 1972.

INCENTIVOU O AUMENTO DO RITMO DE EXPLORAÇÃO DE NOSSAS BACIAS SEDIMENTARES TERRESTRES E DA PLATAFORMA CONTINENTAL, QUE CONTINUARIAM A MERECER TODO ESFORÇO. O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO BASEADO NO CONSUMO CRESCENTE DO PETRÓLEO COMEÇOU A ENFRENTAR DIFICULDADES SÉRIAS A PARTIR DE FINS DE 1973, COM A CRISE DEFLAGRADA A PARTIR DO CONFLITO ÁRABE-ISRAELENSE DE OUTUBRO DAQUELE ANO.

EM 1975, O PRODUTO INTERNO BRUTO APRESENTOU NOTÁVEL QUEDA NO SEU RITMO DE CRESCIMENTO; A DÍVIDA EXTERNA AUMENTOU ASSUSTADORAMENTE. EM 9 DE OUTUBRO DESSE ANO, O GENERAL ERNESTO GEISEL (JÁ COMO PRESIDENTE DA REPÚBLICA DE 15/03/1974 A 15/03/1979), JUNTAMENTE COM OUTRAS MEDIDAS PARA CORRIGIR O DESEQUILÍBRIO DO BALANÇO DE PAGAMENTOS DO PAÍS, AUTORIZOU A REALIZAÇÃO DE CONTRATOS DE SERVIÇOS COM CLÁUSULA DE RISCO NA PESQUISA DO PETRÓLEO.

A AUTORIZAÇÃO PARA A ASSINATURA DOS CONTRATOS DE RISCO, EM FINAIS DE 1975, ERA UM SINAL CLARO QUE AS EXIGÊNCIAS IMPOSTAS PELO CHOQUE DO PETRÓLEO NÃO PODERIAM ESPERAR UMA TRANSIÇÃO LENTA DA EXPLORAÇÃO EM TERRA PARA A PESQUISA NO MAR. COM UMA PRODUÇÃO DECLINANTE ATÉ O ANO DE 1978, A EMPRESA VIVERIA O RESTO DA DÉCADA SOB FORTE PRESSÃO POR RESULTADOS. MAS PARALELAMENTE À EXPANSÃO DE SUAS ATIVIDADES, O SETOR DE EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO IA EXPERIMENTANDO MUDANÇAS ADMINISTRATIVAS.

NA BACIA DE CAMPOS, O GRANDE DESAFIO ERA REPRESENTADO PELO VOLUME INÉDITO DE INVESTIMENTOS NECESSÁRIOS PARA PRODUÇÃO NO MAR, QUE EXIGIRIA INCLUSIVE UM ESFORÇO IMPORTANTE DE PESQUISA TECNOLÓGICA. AMBOS OBJETIVOS FORAM CUMPRIDOS SATISFATORIAMENTE.

ENTRE 1975 E 1981, O INVESTIMENTO DA EMPRESA EM EXPLORAÇÃO E PRODUÇÃO AUMENTOU SIGNIFICATIVAMENTE, REPRESENTANDO, NESTE ÚLTIMO ANO, 83% DO INVESTIMENTO TOTAL DA COMPANHIA. O DESAFIO PARA A PRODUÇÃO RÁPIDA FOI CUMPRIDO COM O DESENVOLVIMENTO DOS CHAMADOS SISTEMAS PROVISÓRIOS DE PRODUÇÃO. ESTES SISTEMAS PREVIAM A COMPLEMENTAÇÃO SUBMARINA DOS POÇOS, CONECTADOS ATRAVÉS DE LINHAS DE FLUXO EM GRANDES VÁLVULAS QUE CONDUZIAM O PETRÓLEO PARA AS PRÓPRIAS PLATAFORMAS DE EXPLORAÇÃO OU NAVIOS-SONDA EQUIPADOS PARA A SEPARAÇÃO DA ÁGUA, GÁS E SAL, SEGUINDO ENTÃO PARA NAVIOS-TANQUE OU SISTEMAS EM TERRA.

APESAR DAS DIFICULDADES NA OPERAÇÃO DOS SISTEMAS PROVISÓRIOS, A PRODUÇÃO NA BACIA DE CAMPOS VAI ATINGINDO NÍVEIS CADA VEZ MAIORES. QUANDO OS SISTEMAS DEFINITIVOS COMEÇARAM A SER POSTOS EM OPERAÇÃO NOS PRIMEIROS ANOS DA DÉCADA DE 1980 - A PRIMEIRA PLATAFORMA FIXA FOI INSTALADA EM 1983 NO CAMPO DE NAMORADO - OS ÍNDICES DE PRODUÇÃO FORAM SENDO SEGUIDAMENTE SUPERADOS. EM 1985, O PAÍS JÁ PRODUZIA 50% DO PETRÓLEO QUE CONSUMIA, MUITO ACIMA, PORTANTO, DOS 14% REGISTRADOS EM 1979.

A BRASPETRO ESTENDEU BASTANTE, ALÉM DOS LIMITES IMAGINADOS, OS HORIZONTES OPERACIONAIS DA PETROBRÁS INTERNACIONALMENTE E FIRMOU VÁRIOS CONTRATOS DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA, OBTEVE ÁREAS - PARA EXPLORAÇÃO E COORDENOU ATÉ MESMO O NASCENTE COMÉRCIO ENTRE O BRASIL E OS PAÍSES PRODUTORES DE ÓLEO.

ALÉM DE CONHECIMENTOS ADICIONAIS SOBRE ÁREAS AINDA NÃO EXPLORADAS PELA PETROBRÁS, 12 ANOS DE CONTRATOS DE RISCO ELEVARAM O POTENCIAL TÉCNICO E ADMINISTRATIVO DA EMPRESA.

EM MEADOS DOS ANOS 1980, A SOLUÇÃO INTERNA HAVIA SE MOSTRADO A MAIS EFICIENTE. EM 1983, ANTIGAS ÁREAS PRODUTORAS NO RECÔNCAVO RETOMAVAM O CRESCIMENTO DA PRODUÇÃO, CONSEGUIDO COM NOVAS DESCOBERTAS E NOVAS TÉCNICAS DE EXPLORAÇÃO DOS CAMPOS. ENTRE NOVEMBRO DE 1984 E FEVEREIRO DE 1985, A EMPRESA ANUNCIA A DESCOBERTA DOS CAMPOS GIGANTES DE MARLIM E ALBACORA. AINDA QUE SITUADOS EM LÂMINAS DE ÁGUA JAMAIS EXPLORADAS ANTES, APONTAVAM, PELO VOLUME DE RESERVAS, PARA A AUTO-SUFICIÊNCIA E PARA NOVOS HORIZONTES EXPLORATÓRIOS EM TODA A PLATAFORMA CONTINENTAL.

EM 1986, OS 30 ANOS DE PESQUISA NA AMAZÔNIA APRESENTAVAM FINALMENTE RESULTADOS POSITIVOS, COM A DESCOBERTA DAS RESERVAS DE PETRÓLEO NO RIO URUCU, BACIA DO SOLIMÕES. ERA A PRIMEIRA DESCOBERTA EM BACIAS PALEOZÓICAS. DE UM SÓ GOLPE DOIS MITOS LIGADOS À PRÓPRIA CRIAÇÃO DA EMPRESA - A AUTO-SUFICIÊNCIA E O PETRÓLEO DA AMAZÔNIA - PODERIAM SER SUPERADOS.

OS PAÍSES COSTEIROS, COMO O BRASIL, HISTORICAMENTE, SEMPRE ACEITARAM A EXISTÊNCIA DO MAR DAS TRÊS MILHAS (5,56 KM). ESSA DISTÂNCIA ERA, JUSTAMENTE, O ALCANCE DOS CANHÕES DAS FORTALEZAS TERRESTRES CONTRA AS ARMADAS DE GUERRAS QUE AMEAÇAVAM INVASÕES. OU SEJA, DEPOIS DAS TRÊS MILHAS HAVIA A TOLERÂNCIA DOS PAÍSES E ERA CONSIDERADO UM MAR DE TODOS.

A CONVENÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE O DIREITO DO MAR (CNUDM) – ASSINADA PELO BRASIL EM 10 DE DEZEMBRO DE 1982 E, POSTERIORMENTE, RATIFICADA EM 22 DE DEZEMBRO DE 1988 – INTRODUZ E/OU CONSAGRA OS CONCEITOS DE MAR TERRITORIAL, ZONA ECONÔMICA EXCLUSIVA E PLATAFORMA CONTINENTAL, QUE, EMBORA DISTINTOS E APLICÁVEIS A ESPAÇOS OCEÂNICOS PRÓPRIOS, TÊM SIDO FREQÜENTEMENTE CONFUNDIDOS E ERRONEAMENTE UTILIZADOS.

EM 4 DE JANEIRO DE 1993, O GOVERNO BRASILEIRO SANCIONOU A LEI Nº 8.617, QUE TORNOU OS LIMITES MARÍTIMOS BRASILEIROS COERENTES COM OS LIMITES PRECONIZADOS PELA CNUDM. MAR TERRITORIAL - NOS TERMOS DA CNUDM (ARTS. 2 E 3), REPRESENTA A SOBERANIA DO ESTADO COSTEIRO SOBRE O SEU TERRITÓRIO E SUAS ÁGUAS INTERIORES ESTENDE-SE A UMA FAIXA DE MAR ADJACENTE – MAR TERRITORIAL –, COM DIMENSÃO DE ATÉ 12 MILHAS MARÍTIMAS (M.M.; 1 M.M.= 1.852 METROS) A PARTIR DAS LINHAS DE BASE. NO MAR TERRITORIAL, O ESTADO COSTEIRO EXERCE SOBERANIA OU CONTROLE PLENO SOBRE A MASSA LÍQUIDA E O ESPAÇO AÉREO SOBREJACENTE, BEM COMO SOBRE LEITO E O SUBSOLO DESTE MAR.

O MAR TERRITORIAL BRASILEIRO DE 200 M.M. – INSTITUÍDO PELO DECRETO-LEI Nº 1.098, DE 25 DE MARÇO DE 1970 – PASSOU A SER DE 12 M.M., COM A VIGÊNCIA DA LEI Nº 8.617.

A ZONA ECONÔMICA EXCLUSIVA (ZEE) - "A ZONA ECONÔMICA EXCLUSIVA É UMA ZONA SITUADA ALÉM DO MAR TERRITORIAL E A ESTE ADJACENTE..." (CNUDM, ART. 55) E "...NÃO SE ESTENDERÁ ALÉM DE 200 MILHAS MARÍTIMAS DAS LINHAS DE BASE A PARTIR DAS QUAIS SE MEDE A LARGURA DO MAR TERRITORIAL" (CNUDM, ART. 57). A CONVENÇÃO GARANTE AO ESTADO COSTEIRO "...DIREITOS DE SOBERANIA PARA FINS DE EXPLORAÇÃO E APROVEITAMENTO, CONSERVAÇÃO E GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS, VIVOS OU NÃO VIVOS DAS ÁGUAS SOBREJACENTES AO LEITO DO MAR, DO LEITO DO MAR E SEU SUBSOLO..." (CNUDM, ART. 56, PAR. 1, ALÍNEA A).

NA ZEE, O ESTADO COSTEIRO TEM JURISDIÇÃO PARA REGULAMENTAR A INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA MARINHA E "...TEM O DIREITO EXCLUSIVO DE CONSTRUIR E DE AUTORIZAR E REGULAMENTAR A CONSTRUÇÃO, OPERAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE: A) ILHAS ARTIFICIAIS; B) INSTALAÇÕES E ESTRUTURAS...." (CNUDM, ART. 60, PAR. 1) COM FINALIDADES ECONÔMICAS E/OU PARA FINS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA. QUALQUER INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA NA ZEE BRASILEIRA – POR INSTITUIÇÕES NACIONAIS E/OU INTERNACIONAIS – SOMENTE PODERÁ SER REALIZADA COM O CONSENTIMENTO DO GOVERNO BRASILEIRO.

PLATAFORMA CONTINENTAL - "A PLATAFORMA CONTINENTAL DE UM ESTADO COSTEIRO COMPREENDE O LEITO E O SUBSOLO DAS ÁREAS SUBMARINAS QUE SE ESTENDEM ALÉM DO SEU MAR TERRITORIAL, EM TODA A EXTENSÃO DO PROLONGAMENTO NATURAL DO SEU TERRITÓRIO TERRESTRE, ATÉ AO BORDO EXTERIOR DA MARGEM CONTINENTAL, OU ATÉ UMA DISTÂNCIA DE 200 MILHAS MARÍTIMAS DAS LINHAS DE BASE A PARTIR DAS QUAIS SE MEDE A LARGURA DO MAR TERRITORIAL, NOS CASOS EM QUE O BORDO EXTERIOR DA MARGEM CONTINENTAL NÃO ATINJA ESSA DISTÂNCIA" (CNUDM, ART. 76, PAR. 1).

TODA A BASE ESTRATÉGICA E POLÍTICA QUE SUSTENTA A CONCRETIZAÇÃO DA AUTO-SUFICIÊNCIA DE PETRÓLEO, BEM COMO O ESFORÇO INTELECTUAL, E MATERIAL, DE COORDENAÇÃO DE CONHECIMENTOS, DE DECISÕES E DIRETRIZES, NASCERAM DA DOUTRINA DA SEGURANÇA NACIONAL, EM PLENO VIGOR ADMINISTRATIVO DOS GENERAIS DA REVOLUÇÃO DE 1964.

A VISÃO DA AUTO-SUFICIÊNCIA, COM O FIRME PROPÓSITO DE COLOCAR O BRASIL INDEPENDENTE DE ENERGIA, SURGIU DO PENSAMENTO MILITAR DOS GENERAIS, INSPIRADOS NA META DE GETÚLIO VARGAS, DE 1953/1954, QUANDO ESSE ÚLTIMO CRIOU A PETROBRÁS.

OS EFEITOS DO PROÁLCOOL E DA ADMINISTRAÇÃO DOS GENERAIS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO, FORAM: O ÁLCOOL SER COMBUSTÍVEL RENOVÁVEL E INESGOTÁVEL, A MISTURA DO ÁLCOOL À GASOLINA “POUPANDO” PETRÓLEO, A FABRICAÇÃO DE CARROS MOVIDOS A ÁLCOOL AMPLIANDO O CONSUMO DE ÁLCOOL, A ASSINATURA DOS CONTRATOS DE RISCO MAXIMIZANDO O APROVEITAMENTO DE CONHECIMENTOS ESTRANGEIROS, A CRIAÇÃO DOS SISTEMAS PROVISÓRIOS DE PRODUÇÃO DE PETRÓLEO, A ESTRUTURA DE COMERCIALIZAÇÃO INTERNACIONAL, DE PESQUISAS E DE DISTRIBUIÇÃO, A ANTECIPAÇÃO DA CONCEPÇÃO DAS ZONAS ECONÔMICAS EXCLUSIVAS, PARA EXPLORAÇÃO NA PLATAFORMA CONTINENTAL MAR ADENTRO, DAS 200 MILHAS, O REDIRECIONAMENTO DOS ESFORÇOS DE EXPLORAÇÃO DAS JAZIDAS TERRESTRES PARA OS POÇOS MARÍTIMOS, EM LÂMINAS D’ÁGUA, ALÉM DOS 400 METROS DE PROFUNDIDADE (HOJE 70% DOS POÇOS ESTÃO ALÉM DOS 400 METROS DE PROFUNDIDADE), A CONCEPÇÃO E FABRICAÇÃO DE PLATAFORMAS MARÍTIMAS, O SISTEMA DE CANALIZAÇÃO PARA ENVIO DO PETRÓLEO EXTRAÍDO E BOMBEADO DAS PLATAFORMAS ÀS BASES TERRESTRES, ALÉM DE EMPREGOS EM GRANDE ESCALA, O SURGIMENTO DE MUITAS EMPRESAS FORNECEDORAS DA PETROBRÁS E BENEFICIANDO, AINDA, A BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA, BAIXANDO A “CONTA E A COTA DO PETRÓLEO IMPORTADO”.

DESDE GETÚLIO VARGAS, EM 1953/1954, PODEMOS DIZER QUE FORAM DECORRIDOS CERCA DE 52 ANOS (OU 624 MESES) DE AÇÃO ADMINISTRATIVA DE GESTORES FEDERAIS NA PETROBRÁS. A MALÉFICA GESTÃO PETISTA, DE APENAS 40 MESES, TOMA PARA SI O FEITO DE UMA OBRA EM QUE NADA CONTRIBUIU, ALÉM DOS PROCESSOS DE EMPENHO DE VERBAS NA ROTINA, SEM AGREGAR UMA DIRETRIZ BASEADA EM PLANO DE GOVERNO. CERCA DE 40 MESES EM 624 MESES TOTAIS SIGNIFICAM CERCA DE 6,4% DE “ESFORÇO INTELECTUAL E ADMINISTRATIVO”. O RESTANTE DE 93,6% FICOU PARA O “PROCESSO HISTÓRICO” DE GETÚLIO A FHC. CERCA DE 252 MESES POR CONTA DOS GENERAIS, OU 40,3% DO TEMPO DECORRIDO (DE 1964 A 1985).

SEM TIRAR OS MÉRITOS DA ADMINISTRAÇÃO DOS GENERAIS, O BAIXO CRESCIMENTO ECONÔMICO DO BRASIL, NAS ADMINISTRAÇÕES DO DITO “PAÍS REDEMOCRATIZADO”, DEU-SE NOS ÚLTIMOS 21 ANOS SOB A TUTELA DE CIVIS NO GOVERNO FEDERAL, BAIXO CRESCIMENTO ESSE ATUANDO COMO UM “ELEMENTO NEGATIVO” QUE FAVORECEU A “CHEGADA DA AUTO-SUFICIÊNCIA”. EIS AQUI UMA DAS ANOMALIAS DOS PROCESSOS ADMINISTRATIVOS CIVIS, DE POLÍTICOS DESQUALIFICADOS, DESDE DE JOSÉ SARNEY, O PRIMEIRO PRESIDENTE APÓS OS GENERAIS.

EM GANHO DE PRODUÇÃO, SE TOMARMOS UMA MÉDIA DE 13,4% A 13,5% AO ANO, TEREMOS O CRESCIMENTO NA ORDEM DE 700 VEZES. EM 1953 A PRODUÇÃO DIÁRIA FOI DE 2,7 MIL BARRIS E EM 2006 A PRODUÇÃO DIÁRIA SERÁ DE 1,92 MILHÕES DE BARRIS (AGORA COM A PLATAFORMA P-50, SOB A PRODUÇÃO DIÁRIA PREVISTA DE 180 MIL BARRIS).

GROSSO MODO, DE GETÚLIO A LULA, A PRODUÇÃO ACUMULADA FOI DE CERCA 5,1 BILHÕES DE BARRIS, SENDO QUE DE GETÚLIO A FHC ESSA PRODUÇÃO ACUMULADA FOI AO REDOR DE 3,5 BILHÕES DE BARRIS OU 69% DO TOTAL PRODUZIDO ATÉ HOJE – ABRIL DE 2006. PORTANTO, A CONTRIBUIÇÃO DA GESTÃO PETISTA, EM SEU PERÍODO, RESPONDE POR 1,6 BILHÕES DE BARRIS OU POR 31% .

NUM COMPARATIVO, SERIA DIZER QUE AO SE CONSTRUIR UM PRÉDIO DE 10 ANDARES O PETISMO CONSTRUIU OS 3 ÚLTIMOS ANDARES  E SE FARTA EM DIZER, POR PROPAGANDAS ENGANOSAS, QUE O PRÉDIO DA AUTO-SUFICIÊNCIA FOI CONSTRUÍDO PELO ANARQUISMO SINDICAL, DA FUNDAÇÃO AO ÚLTIMO ANDAR.

MESMO COM 6,4% DO TEMPO, DECORRIDO EM 52 ANOS, TER 31% DA PRODUÇÃO ACUMULADA DESDE 1953 ATÉ 2006, O PERÍODO DE GESTÃO DO PETISMO SE BENEFICIOU DO AUMENTO DE PRODUTIVIDADE, DA CAPACITAÇÃO DOS EMPREGADOS E DOS AVANÇOS TECNOLÓGICOS DOS ÚLTIMOS 10 ANOS, QUE NO BRASIL FOI, EM MÉDIA, DE 8 A 10% AO ANO – MAS ISSO SÓ TEM A VER COM CIÊNCIA, ENGENHARIA E ADMINISTRAÇÃO DA PETROBRÁS – E NADA A VER COM POLÍTICA E POLÍTICOS CHEFETES E PROXENETAS DO PETISMO.

A MALÉFICA GESTÃO PETISTA, SOB OS DIREITOS DA PROPRIEDADE ESTATAL, USUFRUI DE 55,7% DAS AÇÕES ORDINÁRIAS DA PETROBRÁS – COM DIREITO A VOTO – SENDO UM “ACIONISTA MAJORITÁRIO” NUM CONJUNTO DE ACIONISTAS MINORITÁRIOS, ESTRANGEIROS, PESSOAS JURÍDICAS E PESSOAS FÍSICAS, DOS MAIS VARIADOS MATIZES, QUE DETÊM CERCA DE 44,3% DAS AÇÕES COM DIREITO A VOTO.

O ESTADO MESMO “DONO”, TEM QUE ENFRENTAR DECISÕES DE PRODUÇÃO E DE INVESTIMENTOS NUMA COLETIVIDADE DE ACIONISTAS DE PORTE MACIÇO, EM QUE O CAPITAL SOCIAL PERTENCE, EM 67,8%, AO CONJUNTO DE ACIONISTAS MINORITÁRIOS (SÓ CERCA DE 32,2% DO CAPITAL SOCIAL PERTENCE À UNIÃO).

ASSIM, PODE DECIDIR À REVELIA E NA “PEITADA” IMPOSITIVAMENTE, MAS COM RISCO DE “SOFRER BRONCA” DA MAIORIA DO CAPITAL SOCIAL. MAS ONDE ESTAVA O PLANO DA AUTO-SUFICIÊNCIA DE PETRÓLEO DO PETISMO? DE QUAL PLANO DE GOVERNO EM QUE SE ARTICULARAM AS “ÚLTIMAS DIRETRIZES” DESSA CONQUISTA?

A ADMINISTRAÇÃO PETISTA, NA “PEITADA”, PODE AGRAVAR-SE COM A NACIONALIZAÇÃO DOS COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS, QUE A BOLÍVIA PROMOVEU, NESSE FIM DE ABRIL E INÍCIO DE MAIO (2006), PROVOCADA POR EVO MORALES, ÍNDIO COCALEIRO, ELEITO PRESIDENTE DAQUELE PAÍS. O PETISMO DE LULA PODE TRATAR A PETROBRÁS COMO UMA EMPRESA DO PT – QUE DEIXOU DE TER O MONOPÓLIO DO PETRÓLEO EM 1997, COM A PROMULGAÇÃO DA RESPECTIVA LEI - E COMO UMA “AGÊNCIA DE CONSOLOS SENTIMENTAIS E DE RELAÇÕES PESSOAIS E AMIGÁVEIS”, FAZENDO “MÉDIA” COM O CONFISCADOR DE BENS DE NAÇÕES ALHEIAS, SEM DEFENDER OS INTERESSES DO BRASIL E DA PETROBRÁS.

O BRASIL TINHA (DADOS DE 2002) CERCA DE 163 CARROS, CAMINHÕES E ÔNIBUS PARA CADA GRUPO DE 1.000 HABITANTES, NUMA POPULAÇÃO DE 175 MILHÕES DE HABITANTES (DADOS DE 2002), CONFERINDO UMA FROTA DE 28,5 MILHÕES DE VEÍCULOS.

GROSSO MODO, É PROVÁVEL QUE CERCA DE 10% DA POPULAÇÃO BRASILEIRA POSSUA ALGUM TIPO DE VEÍCULO. COMO A PETROBRÁS MANTERÁ SUA POLÍTICA DE PREÇOS, EM CORRESPONDÊNCIA AOS PREÇOS INTERNACIONAIS, EM NADA BENEFICIARÁ OS PROPRIETÁRIOS DE VEÍCULOS, OS PROVÁVEIS 10%. E, EM NADA BENEFICIARÁ OS 90% DOS BRASILEIROS QUE NÃO SÃO PROPRIETÁRIOS DE VEÍCULOS (QUE VIAJAM EM PÉSSIMOS TRANSPORTES COLETIVOS E QUE AS PASSAGENS SOBEM EXORBITANTEMENTE).

O DIRECIONAMENTO DA PROPAGANDA ENGANOSA DO PETISMO, NESSE CASO, NÃO SE MOSTRA DIRIGIDA A NENHUM SEGMENTO ELEITORAL – É DO TIPO “OLHA, VEJAM, TAMBÉM FAÇO ALGUMA COISA ÚTIL”. CERCA DE 157,5 MILHÕES DE HABITANTES (CERCA DE 90% DA POPULAÇÃO - 2002) NÃO POSSUEM VEÍCULOS. E OS QUE POSSUEM (CERCA DE 10% DA POPULAÇÃO - 2002) NÃO TERÃO OS BENEFÍCIOS DE BAIXOS PREÇOS.

A AUTO-SUFICIÊNCIA SÓ TRAZ BENEFÍCIOS AO ESTADO, JÁ QUE NÃO SOFRERÁ COM AS VARIAÇÕES DA PRODUÇÃO INTERNACIONAL E DOS RESPECTIVOS PREÇOS. O BRASIL AGORA TEM O CONTROLE DA SITUAÇÃO DA ENERGIA DERIVADA DO PETRÓLEO E ISSO PODE NÃO DURAR POR MUITO TEMPO, PELO ESGOTAMENTO DAS JAZIDAS E DOS POÇOS, COM O CRESCIMENTO DO PIB E DAS INDÚSTRIAS, DO AUMENTO DA FROTA DE VEÍCULOS E DA POPULAÇÃO BRASILEIRA – VER TABELA DE DADOS SOCIOECONÔMICOS GERAIS DOS EUA, DO JAPÃO, DA ALEMANHA, DA CHINA E DO BRASIL, EM ANEXO.

MAIS UMA VEZ, TORNAMOS A DIZER QUE, É ENGANOSA QUALQUER MODALIDADE DE INFORMAÇÃO OU COMUNICAÇÃO DE CARÁTER PUBLICITÁRIO OU PROPAGANDÍSTICO, INTEIRA OU PARCIALMENTE FALSA, QUE UTILIZE PESSOAS, EXPRESSÕES LITERAIS, IMAGENS, FATOS E DADOS COM VALORES, NÚMEROS E CÁLCULOS TECNICAMENTE INCORRETOS, CAPAZES DE INDUZIR EM ERRO DE INTERPRETAÇÃO E ENTENDIMENTO, DO ELEITOR, SOBRE A EFICÁCIA E O DESEMPENHO DOS PROCESSOS ADMINISTRATIVOS, SEUS OBJETIVOS E METAS. E MAIS UMA VEZ TORNAMOS A DEFENDER A PRÁTICA PATRIOTA DE ADMINISTRAÇÃO DOS GENERAIS DA REVOLUÇÃO DE 1964, QUE ALÉM DE IMPEDIREM A ENTRADA DO COMUNISMO SOVIÉTICO NO BRASIL, NOS DERAM A VISÃO ESTRATÉGICA PARA CONSTRUÇÃO DE UMA NAÇÃO POTÊNCIA.

PENA QUE A POLITICALHA NACIONAL DE MALANDROS, LADRÕES, CORRUPTOS E CRIMINOSOS VENHA LEVANDO O BRASIL AO “POÇO DO INFORTÚNIO”, INCINERANDO SONHOS E ESPERANÇAS NA “FORNALHA DA IGNORÂNCIA”, COM O ÓLEO DA INIQÜIDADE, QUEIMANDO A NOSSA SOBREVIVÊNCIA.

NÓS TEMOS AS RESPOSTAS SOBRE TRÊS PERGUNTAS BÁSICAS – POR QUE OS EUA, PRATICAMENTE, COM A MESMA IDADE DE DESCOBRIMENTO QUE O BRASIL, É A PRIMEIRA POTÊNCIA MUNDIAL EM PIB E RIQUEZA DE CONHECIMENTOS? POR QUE O JAPÃO E A ALEMANHA, APÓS AS SUAS DESTRUIÇÕES, NA SEGUNDA GRANDE GUERRA MUNDIAL, EM QUE TIVERAM SEUS PIB QUASE ZERADOS SÃO, HOJE, AS SEGUNDA E TERCEIRA MAIORES POTÊNCIAS, EM PIB E EM RIQUEZA, RESPECTIVAMENTE? E O BRASIL POR QUE CONTINUA SENDO O PAÍS DO FUTURO, COM O SEU MÍSERO 14º PIB? UM GIGANTE ABOBALHADO!

AO BRASIL CABE POSSUIR PLANOS DE GOVERNO, COM ITENS DE CONTROLE CIENTÍFICOS, DE METAS E RESPECTIVOS MÉTODOS, DEIXANDO DE FICAR AO SABOR DA BOA OU MÁ SORTE, DE JULGAMENTOS NÉSCIOS, DE AVALIAÇÕES DE RESULTADOS ALEATÓRIAS E DA COORDENAÇÃO DE CONHECIMENTOS RUDIMENTARES PARA A ADMINISTRAÇÃO DO PAÍS, DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS EM QUE A POLITICALHA NACIONAL GOVERNA. ESSA TURMA DE CRÁPULAS É QUEM ATRASA O BRASIL!

 

ENGº LEWTON BURITY VERRI

DIRETOR CIENTÍFICO DO IEAQ

ESCRITOR E PROFESSOR

CREA 74-1-01852-8 RJ – UFF

Copyright © 2009 – Lewton Burity Verri

 




Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!