As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 26-08-2011. Acessado 987 vezes.
Título da Postagem:Faça você mesmo o seu SCQA Sistema de Controle da Qualidade Ambiental
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 26-08-2011 @ 10:59 am
[ Avise alguém sobre este texto ]

Faça você mesmo o seu SCQA - Sistema de Controle da Qualidade Ambiental ...

Tags: sistema, controle, qualidade, ambiental, missão, políticas, meio, ambiente, administração, produção, fabricação, materiais, produtos, severidade, críticos, criticidade, ciclo, vida, mercadorias, serviços, obras, projetos, custos, otimização, prevenção, correção, precaução, indústria, industrialização, investimentos, ponto de equilíbrio, preço, retorno
 
 
As atividades que deveriam ter o extremo rigor no Controle da Qualidade Ambiental são aquelas cujos impactos ambientais decorrem em grandes danos às pessoas, aos animais e aos vegetais. Ao ar, ao solo e a água. Por isso há uma percepção INDUSTRIAL de que esse sistema o SCQA seria mais recomendado para materiais com Propriedades Críticas, como “efeitos colaterais”, e com severa legislação aplicável, e cujo Sistema de Controle tenha sido viabilizado viável técnica e economicamente.
 
As atividades de fabricação, manuseio, transporte, distribuição e armazenamento, tais como:
 
(a) Toxidade, venenoso ou teor contaminante ao homem ou ao ambiente;
(b) Grau de inflamabilidade ou propensão ao incêndio;
(c) Propensão à explosão;
(d) Adequação de embalagens adequadas ao estado de constituição e de risco: pó, pastoso, granulado, líquido, gasoso, pedregoso e etc, combinado com propriedades críticas;
(e) Emanações radioativas ou eletromagnéticas;
(f) Acidez ou teor corrosivo;
(g) Grau de perecibilidade;
(h) Irradiação térmica, calor intenso;
(i) Temperaturas frias e/ou criogênicas;
(j) Descargas elétricas ou propensão ao choque elétrico;
(k) Efeitos cortantes e/ou perfurantes;
(l) Partes, componentes ou peças soltantes de pequenas dimensões;
(m) Partes, componentes ou peças superaquecidas;
(n) Gases, odores e vapores agressivos;
(o) Vibração excessiva e perturbadora;
(p) Sons excessivos e danosos;
(q) Substâncias ativas/principais de medicamentos;
(r) Etc.
 
O zelo pela EFICIÊNCIA – que é uma aptidão em obter resultados cada vez mais melhorados – e a EFICÁCIA – que é uma aptidão em obter os resultados planejados – numa atividade empreendedora são observáveis através do GRAU NORMAL DE PERDAS de um conjunto de processos conexos, em cadeia, em rede e em relação operacional direta. 
 
As atividades de fabricação, manuseio, transporte, distribuição e armazenamento para produtos normais, fora da lista de severidades acima e de acordo com a tabela a seguir, poderão ter sua “normalidade de controle e administração” num rigor menos restritivo, e regido por Lei e Norma, de acordo com as prescrições da ABNT, para o Brasil, por exemplo, Associação Brasileira de Normas Técnicas.
 
A SEVERIDADE, sobre a agressividade dos materiais em fabricação, manuseio, transporte, distribuição e armazenamento, deve ser associada ao Grau BRT – Degradabilidade e Criticidade dos Materiais, os quais ainda irão compor estruturalmente os produtos e mercadorias: BRT = BASED ON REACTION TIME.
 
Em função do Desempenho do Sistema de Controle da Qualidade Ambiental um plano geral de DOMÍNIO de Controle deverá ser formulado, em função de uma CURVA DE APRENDIZADO, na medida do crescimento de Custos e Investimentos.
 
Poderemos adotar uma ESCALA DE DESEMPENHO para MELHORIA do Sistema de Controle da Qualidade Ambiental utilizando a MATRIZ DE BALANÇOS OPERACIONAIS com seus Parâmetros estabelecidos como START UP de um modelo de sistema com APURAÇÃO de Custos de Correção e de Prevenção.
 
Podemos admitir a seguinte ESCALA de melhoria e evolução da empresa:
 

STATUS
FAIXA DE
DESEMPENHO
OBSERVAÇÕES
 
INICIANTE
 
 
MENOR QUE 0,400
 
Fase de Implantação, com o aprendizado do atendimento às Metas dos Parâmetros.
 
SEMI-DOMÍNIO
 
 
DE 0,401 A 0,600
 
Fase de Amadurecimento, com o aprendizado dos procedimentos e processos do atendimento às Metas dos Parâmetros.
 
DOMÍNIO
 
 
DE 0,601 A 0,800
 
Fase de Melhorias, com o Domínio dos procedimentos e processos do atendimento às Metas dos Parâmetros.
 
DOMÍNIO PLENO
 
 
ACIMA DE 0,800
 
Fase de Melhorias Contínuas, com a consolidação do Domínio dos procedimentos e processos do atendimento às Metas dos Parâmetros.

 
NOTAS:
 
1. AO AUTOR SE RESERVA O DIREITO DE COORDENAR E PARTICIPAR DOS PROCESSOS DE ADEQUAÇÃO DO SCQA - SISTEMA DE CONTROLE DA QUALIDADE AMBIENTAL, SEJA EM QUALQUER FASE DE IMPLEMENTAÇÃO E STAR-UP;
2. E AINDA CONVÉM SUA PARTICIPAÇÃO EM PROCESSOS DE EDUCAÇÃO & TREINAMENTO,TANTO NA FORMAÇÃO DE NOVOS ESPECIALISTAS, QUANTO NA FORMAÇÃO DE GRUPOS INTERNOS E EXTERNOS PARA A ADMINISTRAÇÃO E MANUTENÇÃO DE SISTEMAS EM OPERAÇÃO;
3. A APLICAÇÃO PRÁTICA DO MÉTODO PROPOSTO SÓ PODE SER EFETUADA COM A PERMISSÃO POR ESCRITO DO AUTOR.
 
Engº Lewton Burity Verri
CREA 74-1-01852-8 UFF - RJ
Copyright (c) 2011 - Engº Lewton Burity Verri
 



Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!