As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 13-11-2011. Acessado 2596 vezes.
Título da Postagem:As Espantosas Frases de Ram Charan, ex guru de Jack Welch
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 13-11-2011 @ 01:52 pm
[ Avise alguém sobre este texto ]

As Espantosas Frases de Ram Charan, ex-guru de Jack Welch
 
Frases, efeito, parafraseados, parábolas, metáforas, educação, treinamento, gurus, coachs, coaching, tecnologia, engenharia, administração, Steve Jobs, Bill Gates, Ram Charan, Jack Welch, ceo, general, electric, Ge, provébios, ditados, sabedoria, sábios, execução, eficaz, produção, fabricação, serviços, industria, industrial, Peter drucker, J. m. juran, Japão, japonês, fraseador, Salomão   
 
Administrador: você acredita que as espantosas frases de Ram Charan tenham influenciado Jack Welch, o ex- CEO da General Electric – GE? Será que acreditamos piamente que as frases do guru indiano foram eficazes para o sucesso de vários líderes? Aceitamos as frases como dogmas inamovíveis ou poderemos fazer uma análise crítica delas?
 
Se Ram Charan viveu ou conviveu em atividades operacionais de produção, de tecnologia e de engenharia suas frases possuem uma obviedade tal que, além de estarem num amplo lugar comum, elas são entranhas básicas da lógica dos tecnólogos e dos engenheiros.
 
As frases de Charan para “execução”, “visão macro” e “pessoas” pertencem às atividades operacionais nas quais mais se destacam expressões, parafraseados, parábolas e metáforas como “pensamentos expostos para fins de instrução, fazendo analogias entre o que acontece ao nosso redor, com os conhecimentos que possuímos como observadores do mundo real, e que provocam uma espécie de êxtase a todos no entorno dos eventos reais e práticos, e criam para uns a aura de sábio em quem as expressa e, para outros, estranhas frases sem nexo”.
 
As frases nas atividades operacionais possuem nexo com os acontecimentos, senão desastres e catástrofes podem ocorrer. Assim, para muitas frases da tecnologia e da engenharia, só são recitadas em nexo com o acontecimento que lhe deu inspiração, para fins de educação e treinamento – para evitar que sejam frases soltas e aparentemente sem conexão com a realidade das operações em execução.
 
Os cursos de cálculos, as análises de tempo e movimentos, a seleção de materiais, a identificação das leis e fenômenos da materialidade para a construção de algo implica no exercício extremo da objetividade, e ela existe nas mentes e no raciocínio prático da tecnologia e da engenharia. Tais mentes devem ser práticas, pragmáticas, racionais, objetivas ...
 
A estrutura do pensamento dos tecnólogos e engenheiros se forma na objetividade do mundo real onde são construídos os objetos da civilização. Hoje se sabe que uns já nascem com esta estrutura formatada, a qual se desenvolve ao ponto de expandir-se em odisséias ou sagas maravilhosas, como foi a de Jack Welch, na General Electric – GE, nos EUA.
 
E ressaltando aos admiradores de Jack Welch, ele é Doutor em Engenharia Química. Portanto Jack Welch possui uma mente prática, pragmática, racional, objetiva ...
 
O Engº Jack Welch foi um tecnólogo no campo da administração como CEO, da General Electric, antes por cerca de 20 anos como engenheiro na industrial, passou para CEO por mais cerca de 20 anos, exercendo o papel de administrador de uma empresa mundial de tecnologia e engenharia. Ele é simplesmente engenheiro ...
 
E Jack sempre foi um “fraseador”, como líder das atividades da GE, com frases de alta coerência com os conhecimentos dos eventos em curso, com frases sacadas para efeito de educação e treinamento. Jack foi um CEO de extremo rigor e com tolerância Zero com a falta de objetividade e a incapacidade de solução de problemas.
 
Afinal a engenharia complexa da GE teria que ter as soluções mais práticas, objetivas e econômicas – com qualidade, produtividade e economia. E as 35 técnicas de desenvolvimento industrial são mais amplas e sustentáveis em educação e treinamento, muito além de frases marcantes. Ver as 35 técnicas científicas da EXECUÇÃO EFICAZ de velho domínio da engenharia, no link a seguir:
 
 
As frases relacionadas no artigo as “15 frases marcantes de Ram Charan”, segundo o link deste site: http://www.administradores.com.br/informe-se/carreira-e-rh/15-frases-marcantes-de-ram-charan/49627/ , de 09 de novembro de 2011, às 12h59min, para engenheiros são de uma simplicidade tal que nos é inimaginável que após 20 ou 25 anos de Jack nos setores em que passou na GE, viesse a ter que utilizar “fraseados” semelhantes aos de Charan.
 
Para muitos engenheiros a crença de que tais frases são significativas, como expressas, sem conexão com os eventos que lhes deram inspiração, soa como achincalhamento sobre a estrutura cognitiva das ciências exatas, já que as trata como tábuas de salvação ou enunciados salvadores de empresas, atividades e operações ...
 
Da minha parte acompanhei a carreira de Jack Welch, pois desde 1975, quando como engenheiro estagiário, da CSN, tive oportunidade de “viajar” em locomotivas a diesel da GE – industriais e manobreiras, internas nos pátios de manobras de lá, quando então procurei conhecer suas características funcionais, deparando mais tarde com o surgimento do novo presidente da GE, em 1981 – o currículo de Jack Welch.  
 
Naquela ocasião assistíamos algumas reuniões de engenheiros e técnicos da GE – Brasil, nas atividades de assistência técnica sobre as locomotivas a diesel e os megamotores elétricos, de ação motriz, para laminação de aços e outros processos de rolamento, na ordem de 5.000 a 10.000 cavalos vapor (HP – horse power) usados nos processos industriais da CSN. E conhecemos inclusive engenheiros americanos da GE, em reforço de informações e transferência de tecnologia.
 
A própria siderurgia recebia conhecimentos de engenheiros americanos, da mesma forma em reforço de informações e transferência de tecnologia, e ficamos conhecendo parte da “glamourização” dos grandes administradores de tecnologia e engenharia americanas, que utilizavam gurus excêntricos, em seus quadros administrativos, para compartilharem aflições, sugestões e inovações.
 
Recordo que Peter Drucker e J. M. Juran eram uns deles ... Porém, sem nenhum alcance nas atividades operacionais da tecnologia e da engenharia em si.
 
Jack Welch gostava de “tirar um sarro” em suas frases, umas vezes inspirado outras vezes sarcástico.  Como exemplo temos 4 frases de Jack, típicas destes momentos alternados:
 
 
1ª A qualidade é a nossa melhor garantia da fidelidade do cliente, a nossa mais forte defesa contra a competição estrangeira e o único caminho para o crescimento e para os lucros.
 
2ª Quando o ritmo de mudança dentro da empresa for ultrapassado pelo ritmo da mudança fora dela, o fim está próximo.
 
3ª Para Progredir, é Preciso Querer Progredir!
 
4ª "Controle o seu destino ou alguém controlará."
 
Destas 4 frases só a 1ª tem sentido objetivo, como diretriz ou política expressa pelo pensamento do ex-líder da GE. As 2ª, 3ª e 4ª são tão banais que a turma dele entendeu como um momento entediante ou de algum tipo de aborrecimento que Jack, estava tendo, mas que alguém as registrou como supra-sumo da inteligência do CEO, sendo aplicada como a suposta frase de Júlio César, tão famosa de “- Veni, vidi, vici” (Vim, vi e venci), dita por ele ao descrever aos senadores romanos, em 47 aC, sobre a sua vitória na Batalha de Zela (segundo Plutarco, de “Vidas Paralelas, Vida de César”).
 
As Batalhas de Zela, de Jack Welch, foram dezenas e por 20 anos, na formação de sua equipe, nas decisões sobre investimentos, mudanças, agregação de novas tecnologias e principalmente da competição e na manutenção do potencial de seus colaboradores para que a GE viesse a ser a empresa mais valiosa do mundo ... Em que um novo tipo de companhia surgiu dos pilares da GE e que removeu todas as barreiras entre funções: engenharia, fabricação, marketing e todo o resto.
 
E Jack toda vez que iria falar em setores importantes de sua empresa ele sempre se referia a tríade: - “engenharia, fabricação, marketing e todo o resto”. Onde todo o resto, sem denotar apoucamento às demais atividades empresariais, eram todas as atividades que não eram somente as 3 primeiras. Eram as 3 atividades que ele mais se envolvia nas mudanças, inovações e saltos tecnológicos. Parece coisa feita por Howard Hughs, Bill Gates e o recente falecido Steve Jobs ...
 
Ver o artigo sobre este tema, no link:
 
 
Houve uma grande fase na história da administração americana o emprego de gurus como uma cultura de compartilhamento, criação de ambientes reflexivos, oportunidades “seminariais” para profundos mergulhos na intimidade da empresa e nos vôos visionários de sua sobrevivência. E assim os gurus eram desde psicólogos ilustres até jardineiros anônimos (Ver 1), nos quais o CEO e sua equipe buscavam a “climatização” vital para extração dos eflúvios germinais para a prática da sobrevivência empresarial – e a manutenção melhorada das condições de vida de todos os colaboradores, inclusive, como é claro as do CEO.    
 
Agora as frases do consultor indiano considerado uma das autoridades mundiais, quando se fala em management e execução eficaz, apesar de seu currículo de prestígio, foram frases de efeito e ensinamentos para uma platéia de cinco mil executivos e administradores, participantes da HSM ExpoManagement 2011, que podiam até fazer sentido para administradores, mas não muito para tecnólogo e engenheiros, tal a obviedade delas, habitantes mais comuns de atividades operacionais, de execução eficaz, com missão de “falha zero” ...  
 
Atualmente a competição é tão acirrada que são necessárias o emprego sacralizado de 35 técnicas de administração que são condizentes com a tecnologia e a engenharia. Ver artigo sobre o assunto, no link:
 
 
Só na temática da Execução Eficaz, coisa mais afeita à tecnologia e a engenharia, podemos analisar criticamente as frases de Charan:  
 
Execução Eficaz

  1. "Não basta que você seja inteligente, pense mais e seja criativo. Tudo isso é importante, você precisa disso, mas deve converter tudo em ação. Isso vai fazer você se tornar um profissional bem sucedido" – é redundância afirmar sobre conversão em ação dos conhecimentos, da inteligência e da criatividade, nada existe no mundo com funcionalidade e qualidade adequada, sem que isto seja feito, independentemente de sua exaltação;
  2. "Selecione as idéias e execute-as. 80% das idéias estão na execução" – existem técnicas de seleção de idéias, por Brain Storming – tempestade cerebral de idéias – segundo um procedimento científico. Mas, que ao serem viabilizadas cerca de 80% do tempo total da engenharia é gasto com o planejamento da sua aplicação e 20% deste tempo é gasto com a aplicação em si. Ao contrário do que diz Charan acontece na engenharia, onde somente 10% das idéias originais estão em execução, dado aos fatos da sociengenharia, quebra de paradigmas e da heurística, às quais descartam idéias sem aderência sólida no mundo real, segundo o velho conceito de Occam; 
  3. "Execução é uma disciplina. Nenhum atleta jamais teve sucesso sem disciplina e treino" – não só no atletismo, mas em tudo. A disciplina prevalece na padronização, na educação para aumentar o conhecimento do pessoal e no treinamento para aumentar a habilidade. A disciplina é uma milenar evocação militar para o enfrentamento de inimigos e através do Programa 5S está lá a evocação da disciplina como elemento chave da consistência e da reprodutibilidade de resultados;  
  4. "Quando você treina, desenvolve hábitos que se tornam instintivos" – ao contrário do que diz Charan na tecnologia e na engenharia nada pode ser instintivo. Tudo tem que roteiro, rotina, padrão, ajustes, regulagem e controle das variabilidades, sob ação cognoscível dos agentes executores. Os hábitos criados no treinamento, o qual desenvolve a habilidade, devem estar inteiramente sublimados, no consciente humano para ações e reações concretas e racionais – comedidos, dosados, avaliados, experimentados ... Uma programação virtual-mental no operador lhe permite concretizar atuações inteligentemente dirigidas, sem manifestações instintivas – evitando incêndios, explosões, colisões, quedas, quebras, falhas, defeitos e etc.  
  5. "Defina três ou quatro prioridades dominantes que ajudarão atingir a sua visão e sua estratégia" – Charan sugere uma atuação já explorada por Wilfredo Pareto economista italiano que postulou sobre os poucos VITAIS e os muito TRIVIAIS. Este fracionamento das estratégias, para aplicação de esforços, numa derivação estratégica de missão e visão da empresa, de modo que se possa otimizar o uso dos recursos da companhia, é permanentemente utilizado pelos japoneses, em que nos TRIVIAIS, os quais são 70% das demandas funcionais e disfuncionais das atividades operacionais, irão requerer cerca de 30% dos recursos. E os VITAIS, os quais são 30% de tais demandas irão requerer 70% dos recursos. Pura visão estatística, pois é mais fácil cuidar de poucos complexos do que de milhares de triviais, usando 70% do potencial dos recursos disponíveis e com alta probabilidade de sucesso;  
  6. "Quando se tem muitas empresas maravilhosas na execução, elas criam uma reputação para o próprio país" – pode ser visto como sinergia ou como somatório de micro-esforços. O faturamento das empresas é o seu micro-PIB, por conseqüência o PIB nacional é a soma dos milhões de micro-PIBs das empresas de uma nação. E este simples conceito aritmético nos remete ao conjunto de riquezas geradas num país, com base na sua plataforma industrial e de serviços, denominada de “tecnosfera”, onde o dispêndio da sua geração tem rigoroso controle em eficiência e eficácia – em qualidade, produtividade e economia;  
Todas as frases dos sábios são importantes para os nossos estudos e aprendizagens, mas que sejam analisadas sob o ponto de vista de seu nexo com os eventos inspiradores de sua manifestação. É importante estudarmos o significado implícito das frases, para não deixar que caiamos em formulações banais e de eventuais sacadas de seus formuladores de modo jocoso, debochado ou presunçoso.
 
Para os mais eruditos pensadores da administração da tecnologia e da engenharia as frases são reforços instrucionais para preleções de convencimento, esclarecimento, educação e treinamento, sempre com conexão aos eventos inspiradores delas.
 
Para uns poucos os Provérbios de Salomão contém o estrato-resumo de uma sabedoria plena e total ainda não utilizada pelos administradores de século 21.
 
Os Provérbios de Salomão estão fora da teia que dimensiona o conhecimento de dada atividade, independente de sua natureza técnica e científica. Eles impedem que formuladores de frases-sábias caiam em lugar comum, ou mesmo caiam em campo que não lhe é de domínio. É como se extrai após visão geral dos provérbios de Salomão: - Se a expressão é livre, o conhecimento é obrigatório, principalmente quando os Reis têm mais sabedoria do que os súditos. Nunca fale besteiras ao Rei! 
 
Então, voltamos a perguntar: Administrador: você acredita que as espantosas frases de Ram Charan tenham influenciado Jack Welch, o ex- CEO da General Electric – GE? Será que acreditamos piamente que as frases do guru indiano foram eficazes para o sucesso de vários líderes? Aceitamos as frases como dogmas inamovíveis ou poderemos fazer uma análise crítica delas?
 
Engº Lewton Burity Verri
CREA 74-1-01852-8 UFF – RJ
Copyright © 2011 - Engº Lewton Burity Verri
 
==========================================
 
(Ver 1) Sugerimos a visita ao link a seguir:
 
 
João Luís de Almeida Machado Doutor em Educação pela PUC-SP; Mestre em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (SP); Professor Universitário e Pesquisador; Autor do livro "Na Sala de Aula com a Sétima Arte – Aprendendo com o Cinema" (Editora Intersubjetiva).
 
Sobre o Filme Cult:
 
Muito Além do Jardim
Uma fábula moderna: As parábolas do jardineiro
Ficha Técnica
Muito Além do Jardim
(Being There)
País/Ano de produção: EUA, 1979
Duração/Gênero: 130 min., Drama
Direção de Hal Ashby
Roteiro de Jerzy Kosinski
Elenco: Peter Sellers, Shirley MacLaine, Melvyn Douglas, Jack Warden,
Richard Dysart, Richard Basehart, Ruth Attaway, David Clennon, Fran Brill.



Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!