As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 19-03-2012. Acessado 718 vezes.
Título da Postagem:As inovações cientificamente elaboradas, segundo a engenharia da qualidade
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 19-03-2012 @ 09:42 am
[ Avise alguém sobre este texto ]

As inovações cientificamente elaboradas, segundo a engenharia da qualidade

Tags: Inovações, inventores, invenção, novos produtos, engenharia, qualidade, padrão, industrial, pré-industrial, desdobramento, economia, produtividade, experimento, experiência, laboratório, simulação, especificação, processos, variáveis, atributos, propriedades, características, confiabilidade, controle, ensaios, testes, amostragens, instruções, fluxo, produção, fabricação, inspeção, monitoramento, clientes, voz, consumidor, idéias, projeto, revisão, padronização, garantia, assegurada, técnicos, tecnologia, teoria, restrições, 4M, 6M, Ishikawa

O Desdobramento da Qualidade

O entendimento do princípio das variáveis fundamentais e a necessidade de estabelecer uma matriz de controle só serão válidos caso a empresa possua uma metodologia, muito racional, para padronização de fabricação. Essas três condições são essenciais para que se desfrute de Projetos de Experimentos com boa confiabilidade e menor número de tentativas, simulações ou testes.

O Desdobramento da Qualidade deve contar com um corpo de Engenharia bem dimensionado e treinado para lidar com todos os processos e todos os produtos e materiais.

Esse desdobramento conduzirá a necessidade do cliente / inventor ao nível de execução dos processos industriais, bem como no estabelecimento dos padrões técnicos e procedimentos operacionais que ficarão "amarrados" nas variáveis de controle fundamentais.

Quantas variáveis ao todo por processo devem ser monitoradas? A coleta de dados sobre elas compreenderá a qual esquema a amostragem?

Todas as variáveis foram testadas quanto sua validade diante das características exigidas ao produto ou ao invento?

Recentemente, o autor propôs a metodologia a seguir para facilitar a ação de controle e o desenvolvimento racional de tecnologia, contribuindo para a formulação de Projetos de Experimentos Confiáveis.

O Desdobramento da Qualidade é um procedimento integrado que visa conduzir a VOZ DO CLIENTE OU A CONCEPÇÃO DA INOVAÇÃO – A VOZ DO INVENTOR para o interior da linha de fabricação de um produto, transformando as suas necessidades, e o valor que dá a cada uma, em procedimento operacional.

O pessoal da produção é o usuário do padrão técnico do processo convertido em padrões operacionais destinados a orientar a condução adequada do processo e do seu controle.

Há encadeamento do processo da transformação dos desejos dos clientes em SOP (STANDARD OPERACIONAL PROCEDURE) que é o procedimento operacional de conduta do processo.

Encontramos uma hierarquia em que as quatro funções técnicas - a saber: planejamento da produção, produção, controle da qualidade e assistência técnica, que se desdobram, fazem cumprir as etapas do processo de transformação a que nos referimos .

Primeiramente, devemos formular um termo próprio para designarmos o DESDOBRAMENTO DA QUALIDADE. Devido à atuação de funções de engenharia presentes, para efeito de referências futuras, podemos usar o termo ENGENHARIA DA QUALIDADE para expressar o processo de transformação dos desejos do cliente / inventor em procedimento operacional da produção.

Em segundo, devemos determinar o escopo geral da ENGENHARIA DA QUALIDADE de modo a que possamos compreender sua missão e orientar nossos esforços em fazer cumprir o intento que estabelecemos. Em resumo, podemos ver o exemplo de missão própria para desencadear o processo de transformação dos desejos de um cliente em procedimento operacional, a seguir.

Como a empresa tem a missão de produzir produtos siderúrgicos, a voz do cliente, expressa em valores atribuídos a cada característica de Qualidade do Produto, deve ser conduzida à unidade básica de comunicação técnica entre o pessoal da produção, que é denominado PADRÃO DE FABRICAÇÃO.

No PADRÃO DE FABRICAÇÃO deve ser descrita a especificação industrial de fabricação do produto relacionada com a padronização desta fabricação.

A Padronização da fabricação respeita uma metodologia que deve ser instituída de modo a podermos interpretar o significado de cada padrão, dentro da hierarquia de detalhamento, dos desejos do cliente / inventor até o procedimento operacional de produção.

Missão: Engenharia da Qualidade – EQ

Função Genérica

Desenvolver especificações de produtos, processos e interações, através da coordenação de informações dos setores afins, para estabelecer o conjunto de instruções - processo e ensaios - para cada equipamento do fluxo de produção, necessário e suficiente, para fabricação do produto (no seu fluxo de fabricação necessário e suficiente), com produtividade, qualidade e economia, sem equívocos.

O produto no seu estado final, o mais elaborado, deverá possuir os requisitos intrínsecos, gerais e de qualidade, visando atender certa encomenda/item, em concordância com as normas técnicas de especificação, padronização, simbologia, terminologia, classificação, procedimento, método e com as exigências especiais requeridas por certo cliente, a um custo industrial o mais baixo possível.

Fluxo Geral da EQ

1. Projetar ou Revisar o Produto

Descrição:

Conceder ou ajustar o produto, de modo integrado, prevendo os padrões de características de qualidade dos produtos intermediários que darão configuração ao produto final, dentro das necessidades do cliente.

2. Projetar ou Revisar o Processo

Descrição:

Conceber ou ajustar os padrões técnicos dos processos, do fluxo de produção, dentro da capacidade dos equipamentos, de modo a obter as características de qualidade dos produtos intermediários e do produto final.

3. Projetar ou revisar o Procedimento Padrão de Operação

Descrição:

Conceber ou ajustar o procedimento padrão de operação dos processos, do fluxo de produção, segundo os recursos operacionais dos equipamentos para obter os padrões técnicos dos processos e mantê-los dentro dos valores estabelecidos.

4. Agregar qualidade e Valor do Produto

Descrição:

Não produzir defeitos, diminuindo a dispersão ou variação, prevenindo a não ocorrência dos mesmos, e não os transferindo para os processos seguintes oferecendo ao cliente a maior margem possível de segurança, ao menor custo.

5. Sistematizar controles de verificação (inspeção) Controle da Qualidade (prevenção)

Descrição:

Planejar as práticas, os critérios de inspeção e os limites de advertência para atuação imediata nos, processos, corrigindo tendências negativas para evitar geração de defeitos e baixa produtividade (eliminando desvios, falhas, erros, etc.)

6. Sistematizar controles de verificação (inspeção) e controle da Qualidade no cliente (prevenção)

Descrição:

Planejar as práticas, os critérios de inspeção e os limites de advertência para atuação imediata no processo do cliente, obtendo os dados e fatos de desempenho e qualidade.

Conferindo um método para padronização da fabricação

A Padronização da fabricação deve possuir uma sequência racional de detalhamento de modo a se chegar ao padrão operacional e ao respectivo procedimento operacional, para orientar o pessoal da produção.

Vamos explicar o significado de cada termo e de cada fase.

Como o objetivo da padronização da fabricação é o processo devemos relembrar o seu conceito.

"Processo é um conjunto de causas ou fatores que provoca um dado efeito desejado ou que ocorre (esse efeito) como consequência desses fatores (ou causas)".

A metodologia que vamos empregar terá que considerar este conceito para descrição dos padrões referentes à padronização da Fabricação (chegando ao PADRÃO DE FABRICAÇÃO).

A seqüência racional de detalhamento da Engenharia da Qualidade - EQ

1 º. Captar os desejos do Cliente / Inventor ou a idéia que o inventor faz da sua inovação;

São as necessidades do cliente expressas em sua linguagem (*) e entendimento sobre o que caracteriza como qualidade ou requisitos que lhes satisfaçam. A expressão dos desejos dele desencadeia o Detalhamento da Qualidade; é o procedimento de transformação dos desejos, e necessidades do mesmo, em linguagem técnica, referente à especificação das características do produto traduzindo-as em padrões que possam ser medidos, contados e controlados.

Com base no detalhamento da Qualidade faz-se a viabilidade da fabricação ajustando ou selecionando variáveis dos processos (em função da sua capacidade estatística) que permitem concretizar a conformidade do produto na especificação requerida, em custo adequado.

É a caracterização de um produto ou de uma inovação para se chegar na especificação do produto, a qual, o destaca dentro da mistura de produtos, configurado racionalmente para permitir uma codificação legítima (o código de produtos) é assim constituído:

- O produto - Qual?

- Sua norma de especificação - Características da Qualidade;

- Qualidade e acabamento - superfície e beneficiamento;

- Embalagem - como acondicioná-los?

- Suas dimensões – e destacá-las em forma e volume;

- Exigências particulares ou especiais.

(*) muitas vezes é uma linguagem não-técnica, com expressões bem simples de como ele deseja o produto, conforme a sua necessidade e uso.

2º A especificação do Produto

Deriva do Detalhamento da Qualidade e vem a ser a descrição formal da combinação coerente das características dos produtos.

"Vem a ser a indicação objetiva das características pretendidas", tais como:

• Composição Química;

• Propriedades e características;

• Sanidade interna;

• Dimensões e tolerâncias dimensionais;

• Forma e tolerâncias de forma;

• Superfície e aceitação ou não de imperfeições;

• A constituição física do produto e sua tolerância;

• Do acabamento e suas especificações;

• Revestimento e suas características;

• Identificação e suas características;

A Viabilização da fabricação permite que se desenvolva a especificação do processo ou do Padrão Técnico do processo.

3º A configuração da estrutura técnica do Processo

Vem a ser a especificação do processo que se compõe do Padrão Operacional e do procedimento operacional respectivo. Ele pode englobar, quando transferido para a ordem de fabricação (*), as instruções gerais sobre:

• Variáveis de processo;

• Instruções operacionais;

• Instruções de controle;

• Ensaios e Testes;

• Critérios de inspeção;

(*) Transferido, via padrão de fabricação (PF) - A ordem de fabricação acessa aos dados do PF, fazendo a descrição das instruções gerais.

4º Os padrões operacionais

É o valor do fator (da causa) e sua faixa de variação permitida (+ tolerâncias) em que a variável do processo deve ser ajustada e controlada. Pode ficar contido em forma de gráficos, tabelas, fluxos etc.

5º O procedimento operacional

Descreve o modo pelo qual o procedimento de ajuste e de controle do padrão operacional é realizado relatando as tarefas e a sequência lógica de execução.

6º O manual de treinamento

É a coletânea dos padrões operacionais e respectivos procedimentos operacionais junto com o procedimento de operação do equipamento como descrito pelo fabricante ou projetista.

7º A ordem de fabricação

É a ordem de produção que contêm resumidamente as informações indicadas dos padrões a serem usados para se desencadear a produção.

8º A tabela de monitoramento e de gestão

É uma tabela resumida que contêm todos os valores dos fatores (variáveis) do processo e das características da qualidade do produto para a chefia de produção articular o seu controle.

A metodologia precisa, então, ser sistematizada para fixar o nível de combinação prévia entre setores de modo a fazer cumprir a missão da Engenharia da Qualidade.

A Padronização da Fabricação

A Fabricação deve possuir um esquema padrão que fixe as variáveis e os atributos importantes por equipamento, no fluxo de produção dos produtos, para facilitar a seleção das variáveis (ou atributos) vitais para atender as necessidades dos clientes.

Como cada equipamento do fluxo de produção possui, para obtenção de produtos nos processos de transformação, uma ou mais funções específicas de transformação, podemos fixar por equipamento as características vitais que deverão ser consideradas na ESPECIFICAÇÃO INDUSTRIAL ou PRÉ-INDUSTRIAL DO PRODUTO E DO PROCESSO.

A maior vantagem deste esquema padrão (ou tabela ou matriz) é que com a introdução da análise do valor, em deverão ser consideradas na ESPECIFICAÇÃO INDUSTRIAL ou PRÉ-INDUSTRIAL DO PRODUTO E DO PROCESSO.

A maior vantagem deste esquema padrão (ou tabela matriz) é que com a introdução da análise do valor, em produtos siderúrgicos, pode-se fazer a indicação das características mais valiosas, segundo a VOZ DO CLIENTE OU A CONCEPÇÃO DA INOVAÇÃO – A VOZ DO INVENTOR.

A idéia da introdução da análise do valor visa facilitar a identificação das características da Qualidade do produto que possuem maior ou menor valor de nobreza, quanto à sua utilidade (Qualidade é adequação ao uso), segundo o cliente. O Processo de transformação dos seus desejos e necessidades passa a indicar pesos relacionados com a criticidade da característica da Qualidade do produto com sua utilização final, ou de transformação na fábrica do cliente.

Podemos considerar na padronização da fabricação um método simplificado de análise do valor para produtos e materiais.

Como segundo J. M. JURAN - "Qualidade é adequação ao Uso" podemos idealizar uma tabela de valor para estabelecer a nobreza do produto e a indicação das características da qualidade mais valorizadas em função do uso, no entendimento do cliente/inventor.

Tabela de Valor das Características Vitais da Qualidade

V4- Crítica - Quando sua inadequação impede o uso;

V3 - Grave - Quando sua inadequação prejudica o uso;

V2 - Forte - Quando sua inadequação pouco prejudica o uso;

V1 – Média ou Fraca - Quando sua inadequação é inócua ao uso.

O Procedimento seguinte é de atribuir valor a cada característica da Qualidade no entendimento do cliente/inventor.

Como todo produto industrial possui, para sua descrição formal, as características de Qualidade citadas anteriormente, podemos demonstrar / adotar exemplificadamente à aplicação do valor.

Características da Qualidade Vitais

Com valores atribuídos às características da Qualidade de um produto o procedimento de desenvolvimento da especificação industrial (especificação do produto + especificação do processo) pode ser desencadeado para fixar o controle da Qualidade da especificação e da Qualidade da conformidade do produto.

Podemos defini-los:

1. Qualidade do Produto ou da Inovação - especificação:

É quando se consegue incorporar no produto as reais exigências e necessidades dos clientes, durante o projeto do produto.

2. Qualidade de Conformidade ou de Conformação

É quando os processos na fabricação conseguem concretizar no produto a especificação exigida.

Os operadores são "os usuários" da padronização da fabricação e devem receber as instruções de fabricação, no momento da produção, de modo que nos padrões de operação estejam embutidos os desejos dos clientes, valorizados com a análise do valor e com o estudo da capacidade estatística dos processos.

É o conjunto de informações técnicas para que se estabeleça o esquema de produção de um produto (sua QUALIDADE) e a especificação de como obter o produto (esquema de fabricação).

Desenvolvimento do Padrão de Fabricação

Este desenvolvimento se baseia na caracterização do produto (especificação). O especificador ao identificá-lo e por meio do conhecimento referente aos aspectos materiais e técnicos da produção de produtos e artefatos, objetos e coisas, formaliza o esboço das informações necessárias a instruir o fluxo de sua fabricação, visando sua produção.

Estas instruções são preparadas para a programação dos equipamentos em duas proposições de controle:

1ª Indicar por equipamento, dentro do fluxo de produção do produto "A" na especificação "B", quais as variáveis de processo que afetam a qualidade do produto, de interesse do controle de qualidade e da operação, informando sua grandeza e faixa de variação permitida que devem ser observadas durante os processamentos e controle de processos.

2ª Indicar por equipamento, dentro do fluxo de produção do produto "A" na especificação "B", quais as variáveis e atributos estabelecem sua conformidade em cada etapa de transformação, que devem ser observadas durante o processamento. São caracterizadas para inspeção e ensaios de produto e controle de processos.

Como se pode fazer a disposição destas instruções do Padrão de Fabricação?

a. Classificação do tipo de especificação;

b.Seleção e indicação preferencial de materiais;

c.Produção:

c.1 Fluxo natural de fabricação e seus equipamentos;

c.2 Restrições de programação;

c.3 Variáveis de processo e faixas de variação;

c.4 Conformidade do produto em cada equipamento;

c.5 Registros e relatos (relatórios);

d. Controle:

d.1 Locais de inspeção - recomendações para a observação humana;

d.2 Laboratórios - ensaios e respectivas amostragens;

d.3 Sensores de controle - Informações para: medidores, contadores, seletores, ajustadores, atuadores, reguladores e computadores de processo;

d.4 Aferições genéricas da conformidade do produto - amostragens e critérios.

Significado de alguns termos:

1. Fluxos de produção - sequência de equipamentos, necessários e suficientes, para a obtenção do produto no seu estado químico e físico mais elaborado.

2. Variáveis - grandezas de controle, medidas em valores, aferidas por instrumentos.Atributos - Característicos sujeitos a avaliação subjetiva por classificação em porte e intensidade (frequência).

3. Qualidade de um Produto ou Especificação - É a combinação coerente das características de um produto, de acordo com os requisitos desejáveis ao mesmo, em função dos 4M (6M) e da regulagem dos processos de transformação que constituem o fluxo natural de produção deste produto;

4. Fatores da Teoria das Restrições – 4M de Kaoru Ishikawa ou 6M das Restrições: 4M -mão de obra, matéria prima, método e máquina e 6M das Restrições: tempo, pessoas, insumos e matérias primas, know-how, infraestrutura e dinheiro;

5. Características de Qualidade - Forma, dimensões, análise química, propriedades e características, sanidade interna, condições de borda e superfície, constituição física, acabamento superficial, proteção química (oleamento e revestimento), identificação ou marcação e embalagem.

Abraços,

Lewton




Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!