As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 27-05-2012. Acessado 1014 vezes.
Título da Postagem:A engenharia holística do todo, os 12 eventos da Luz e a regeneração planetária
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 27-05-2012 @ 12:51 pm
[ Avise alguém sobre este texto ]

A engenharia holística do todo, os 12 eventos da Luz e a regeneração planetária 

Tags: Sustentabilidade, regeneração, meio ambiente, luz, big bang, propriedades, iluminância, criação, fundação, planeta Terra, Deus, criador, criaturas, flora, fauna, homem, humanidade, civilização, eventos, energia, massa, radiação, eletricidade, efeitos, fotoelétricos, Fot, Lux, vitalidade, engenharia, holística, Teoria de Gaia, James Lovelock, IEAQ, universo, cosmos, multiverso, propriedades, matéria, material, átomo, partículas nucleares, química, Tabela Periódica, física, fótons, quântico, quantas, holismo
 
Quando Deus ordenou que se fizesse a luz: – “e que ela a tudo iluminasse” – ele tinha a expectativa de criar a materialidade do cosmos. E os momentos “técnicos” da criação da Luz, envolveram dois instantes básicos:
 
1º momentum:
 
Fiat lux - faça-se a luz - DEUS criou a LUZ como um elemento de suporte à criação. Não que ele fosse cego ou que as Trevas viessem a obstruir a sua criação. A LUZ surge como um fenômeno composto por diversas Leis e Propriedades constitutivas que a organizassem em suas aplicações nos atos de criação e interação.
 
2º momentum:
 
Lux in totum - a luz no todo - A LUZ estava criada, e que cumpra o seu papel de a tudo iluminar. Atuará no processo de desenvolvimento da criação – causa sobre atividades que dela irão manifestar efeitos – pela AÇÃO DA LUZ – produzindo energia e matéria.  
 
Como tudo que Deus cria ele atribui um parâmetro de peso e medida. E o FOT – é a unidade de iluminância no Sistema CGS (Símbolo: ph), equivalente a 1 LÚMEM por cm2 ou seja 10.000 LUX, que faz a mediação da Luz. A LUZ tem duas características na Física: (a) É um índice visual e (b) pode ser um índice energético – sendo ILUMINAÇÃO e RADIAÇÃO.
 
Muito embora o espírito de Deus a tudo permeie, ele atribuiu à Luz obrigações insuspeitas, numa crença a criação, de haver uma fantasmagoria em seus fenômenos, porém decorrente de nossa precária sabedoria e conhecimentos.
 
Na engenharia, depois de 13,7 bilhões de anos do Big Bang, de onde matéria, luz e energia surgiram, foram adaptados os fenômenos da natureza luminosa de Deus, que se tornaram relevantes na materialidade natural do mundo, na construção de bens de consumo, de capital e duráveis – TV, computador, chips, rádios, pilhas, celulares, radares, foguetes, farmacêuticos, alimentos, aeronaves, navios, veículos, geradores, transformadores, condutores elétricos, eletrônicos, aparelhos de som, lâmpadas, leds e etc.
 
A Luz foi identificada como agente, ativador e interveniente de cerca de 12 eventos que reforçam nossa estranheza sobre a espiritualidade de Deus e sua atuação motriz na criação e nas criaturas.
 
A IMPORTÂNCIA DA LUZ NOS EVENTOS – A AÇÃO DA LUZ MOTIVA A (O):
 
1. Produção de eletricidade – denominado de Foteletricidade;
 
2. Transformar energia luminosa em energia elétrica – denominado de Fotoelétrico;
 
3. Emissão de elétrons em objetos expostos a certos comprimentos de onda de luz –denominado de Efeito Fotoelétrico;
 
4. Emissão de elétrons pela superfície de um metal eletropositivo – denominado de Fotoemissão;
 
5. Condutibilidade elétrica de objetos com a variação da luminosidade – denominado de Fotocondutor;
 
6. Decomposição química de substâncias ou efeitos químicos sobre elas – denominado de Fotólise ou Fotoquímico;
 
7. Fenômeno magnético em materiais metálicos e orgânicos – denominado de Fotomagnetismo;
 
8. Síntese de um corpo químico, de substâncias orgânicas (glicídios) com a ajuda de energia luminosa pelos vegetais clorofílicos – denominado de Fotossíntese;
 
9. Introdução de energia solar nos ciclos bioquímicos do planeta – denominado de Fotossíntese, também;
 
10. Movimento de atração e repulsão das células livres e dos microorganismos – denominado de Fototaxia;
 
11. Movimento direcional das plantas para as fontes de LUZ – denominado Fototropismo;
 
12. Desenvolver força eletromotriz – denominado de Fotovoltaico.
 
Enquanto o homem desconhecia estes 12 eventos, e que alguns produziram até o Prêmio Nobel aos seus descobridores, se acreditava haver um fluxo de espíritos na administração da materialidade do mundo e do universo (hoje se acredita em multiversos).
 
Podemos notar que na descrição básica destes 12 eventos há a participação de propriedades materiais que interagem com a Luz que fazem resultar em uma “vitalidade” aparentemente fantasmagórica e capaz de criar crenças sobre manifestações extraordinárias, como magia ou feitiço. Entretanto a materialidade apenas exercita suas propriedades ao simples toque ou presença da Luz.
 
Na engenharia entendemos que a tal materialidade seja um “ecossistema de materiais” adquirindo manifestações mensuráveis decorrentes das características físicas e químicas de diversas substâncias e composições se “autoprovocando” ações e reações – espontâneas e condicionadas aos limites do simples toque ou presença da Luz.
 
Investigamos na evolução da ciência as versões mais significativas sobre a “vitalidade” do planeta Terra.
 
AS 3 VERSÕES PARA A VITALIDADE DA TERRA
 
1ª VERSÃO – A Habitação será sempre de acordo com o habitante. A Terra não tem uma alma, posto que não tem a vitalidade orgânica. Seria mais racional aceitar que ela seja uma combinação “administrativa” de potências inteligentes, denominadas de ESPÍRITOS, encarregados da elaboração e da direção dos seus elementos constitutivos. A Gênese –
Allan Kardec – 1868 – França.
 
2ª VERSÃO – A Teoria de Gaia, considerando a Terra um SUPERORGANISMO, prevalece atualmente, formulada por James Lovelock, a partir de seus estudos na NASA, em 1960 - EUA, em que o Meio Ambiente reage e se adapta às ações realizadas pelos seres vivos. A Biosfera do planeta é um sistema vivo capaz de gerar, manter e regular suas próprias condições ambientais.
 
3ª VERSÃO – A Terra é uma organização material de elementos orgânicos e inorgânicos que se interagem num ECOSSISTEMA DE MATERIAIS, segundo leis da gravitação, físico-químicas, magnéticas, elétricas, mecânicas e térmicas, como agentes, reagentes e neutralizantes, capazes de apresentar respostas compatíveis, em padrões cientificamente mensuráveis, sendo um “delicado” mecanismo susceptível ao CONTROLE. Versão da Engenharia Holística – 1980 – IEAQ - Brasil. 
 
Dentre as 3 versões acima a que corresponde à da engenharia é a 3ª que enxerga a vitalidade da Terra como um ECOSSISTEMA DE MATERIAIS. Entretanto, todo um conjunto de ciências e bases científicas nos levou a CONHECER o planeta Terra. E, portanto, algumas aberrações e afirmações técnicas, que caíram em “desuso”, foram perdendo credibilidade assertiva quando a ciência foi chamada a constituir a verdadeira gênese, segundo as leis da natureza – A Gênese – Allan Kardec – 1868 – França. E as revelações, e novas revelações científicas, começaram a levantar informações para uma revisão dos conceitos de vitalidade de nosso planeta.  
 
1. ASTRONOMIA – com a evolução de telescópio abriu caminho no espaço profundo, no infinito, levando a investigação científica aos movimentos, cintilações, através dos cálculos precisos da matemática, estabelecendo valores para rotações, distâncias, volumes, posição relativa e etc;
 
2. FÍSICA – revelando as Leis da Gravidade, do Calor, da Luz e da Eletricidade;
 
3. QUÍMICA - a Classificação dos materiais, suas transformações e afinidades, reações naturais e induzidas, combinações benéficas e nocivas;
 
4. MINERALOGIA – analisando a formação das camadas e da crosta terrestre, sua evolução gradual até constituir-se no “chão firme” para a habitação;
 
5. BOTÂNICA e ZOOLOGIA – a classificação e formação das espécies, suas formas de fecundação e germinação, a transição em formatos, estrutura e constituição celular, a sua organização natural e preferencial;
 
6. PALEONTOLOGIA, ANTROPOLOGIA e ARQUEOLOGIA – seguir os rastros e marcas da humanidade desde os tempos remotos, através das IDADES, seus métodos investigativos com base em escavações nos terrenos de épocas, analisando fósseis, objetos, artefatos, sítios, documentos, monumentos, ordenado a seqüência correta ou aproximada das idades e das datações – “velhidade” das evidências – suas conjecturas mais verossímeis da história humana.    
 
Então, a ciência transformou as hipóteses, superstições e crendices em conhecimentos de causas e efeitos, segundo leis naturais. O que equivale a afirmar que os 12 eventos com a atuação da Luz, são LEIS NATURAIS, com correspondência aos pesos atômicos dos elementos químicos da Tabela Periódica, suas cargas elétricas e número de prótons, elétrons e nêutrons e suas respectivas colisões fotônicas com a Luz.
 
E o comportamento do Ecossistema de Materiais, orgânicos e inorgânicos, que se presume ser a “vitalidade”, sem um aparente agente ativador, se trata realmente de “autoprovocação” calibrada materialmente pelas propriedades e as características dos elementos químicos da Tabela Periódica com o simples toque ou presença da Luz.
 
A 2ª VERSÃO, da vitalidade da Terra – A Teoria de Gaia, que a considera um SUPERORGANISMO, nos parece necessitar de uma revisão conceitual, uma vez que organicidade se atribui a conjuntos somente orgânicos e biológicos. E o planeta tem muito mais do que isto, como minerais, metais, terras raras e outros materiais inorgânicos que se interagem com aqueles classificados como orgânicos.
 
A Biosfera do planeta, segundo James Lovelock, é um sistema vivo capaz de gerar, manter e regular suas próprias condições ambientais, e que tem um “automatismo” decorrente das Leis Naturais da física e da química, que confere a aparência de uma “vivacidade”, mas tudo em função dos 12 eventos manifestados pelo simples toque e presença da Luz.
 
E de onde vem à dita “autoprovocação”, que se manifesta em busca do equilíbrio. A natureza, o meio ambiente, está em busca do equilíbrio, uma vez que fatores do antropismo humano sobre a Terra vem desde as antigas revoluções tecnológicas a modificar a estabilidade ambiental aparente ...
 
A engenharia holística é aquela que se utilizará dos 12 eventos da Luz para renovar, regenerar, sustentar e adaptar as novas condições de habitabilidade do planeta, enquanto a degradação progressiva não se configurar numa sentença definitiva de suicídio civilizatório da humanidade.
 
A tecnologia do futuro, se assim houver para a humanidade, se utilizará dos 12 eventos da Luz, segundo os quais Deus fundou o mundo e dispôs aqui todas as coisas e criaturas ... Este sim será o início da era de regeneração planetária para o equilíbrio eco-bio-geo do ambiente global, regional e local.

Abraços,

Lewton




Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!