As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 19-07-2012. Acessado 2659 vezes.
Título da Postagem:Depois das Teorias X, Y e Z vem agora a Teoria Índigo
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 19-07-2012 @ 02:36 pm
[ Avise alguém sobre este texto ]

Depois das Teorias X, Y e Z vem agora a Teoria Índigo?

Tags: teoria x, teoria y, teoria z, teoria índigo, comportamento humano, motivação humana, RH, novo perfil, nova teoria, The Indigo Children book, livro As Crianças Índigo, Lee Carroll, Jan Tober, recursos humanos, Mcgregor, Ouchi, seleção e recrutamento, administração, reformas, mudanças administrativas, quedas de paradigmas, novas filosofias, corrupção

Esgotaram a ordem alfabética para classificarmos as Teorias do Comportamento Humano. Teoria X, Teoria Y e Teoria Z. As Teorias X e Y foram formuladas por Douglas McGregor (EUA, 1906-1964), economista, psicólogo e professor de Gestão Industrial, desenvolvidas nos anos 1950. A Teoria Z foi proposta por William Ouchi (EUA, 1943-), nos anos 1980, fez esgotar a ordem alfabética nestas últimas 3 teorias da motivação e do comportamento humano na empresa e na gestão dela.

McGregor com sua formação em psicologia experimental identificou aqueles dois perfis básicos dos administradores em relação aos empregados. Para ele o administrador inicialmente tinha por hábito atribuir aos empregados situações de hábitos e comportamento aos quais haveria necessidade de se implementar controle, segundo "medidas e contramedidas" aos perfis. E alguns empregados atuavam de fato dentro dos perfis X e Y classificados por McGregor.

Isto é, havia a crença do administrador de que os empregados seriam ou X ou Y, e por conseguinte haveria a necessidade de se direcionar atos e ações administrativas de controle sobre os empregados, seletivamente.

Ouchi já em sua Teoria Z identificou um "estado de espírito de ser" mais melhorado em relação ao da Teoria Y de McGregor.

Nas Teorias do Comportamento X e Y de Douglas MacGregor, sobre o behaviorismo na administração de um estado, ou de uma empresa, em que as pessoas, em função de características naturais, de criação, de formação e aculturação, são a "terra fértil" de determinados ideários pelo processo de afinidades e de auto-identificação com o conjunto de premissas e preceitos de tais ideários, nós vamos encontrar boa parte de explicações sobre o fracasso do comunismo no mundo.

Na Teoria X – o perfil modelo diz que as pessoas são recessivas, acomodadas e resistentes a mudanças:

1. São preguiçosas e indolentes;

2. Evitam trabalho;

3. Evitam responsabilidades e fim de se sentirem seguras;

4. Precisam ser controladas e dirigidas;

5. São ingênuas e sem iniciativas;

6. São fundamentalmente egocêntricas;

7. Seus objetivos pessoais opõem-se, em geral, aos objetivos da organização;

8. São resistentes a mudanças;

9. São dependentes e, o que os torna incapazes de autocontrole e disciplina;

10. A única motivação para o trabalho é o salário;

Esta Teoria X defende um estilo de liderança autocrático levando assim as pessoas a fazerem exatamente o que a organização pretende que elas façam, sendo comum a gestão onde:

a. A responsabilidade pelos recursos é somente da organização – estado ou empresa;

b. É necessário dirigir os esforços das pessoas – controle das ações para modificar o comportamento;

c. É necessário praticar políticas de persuasão, recompensas e punição já que suas atividades são dirigidas em função dos objetivos e necessidades da organização – estado ou empresa;

d. A remuneração é o meio da recompensa.

Na Teoria Y – o perfil modelo diz que as pessoas são progressistas, auto-evolutivas e autônomas:

1. São esforçadas e gostam de ter o que fazer;

2. O trabalho é uma atividade tão natural como brincar ou descansar;

3. Procuram aceitar responsabilidades e desafios;

4. São automotivadas e autodirigidas;

5. São criativas e competentes;

O estado ou a empresa devem proporcionar condições para:

a. As pessoas reconheçam e desenvolvam características como motivação, potencial de desenvolvimento e responsabilidades;

b. Organização e metodologia de função e operação por meio das quais as pessoas possam atingir seus objetivos e dirigirem esforços no sentido dos objetivos do estado ou empresa;

c. Descentralização das decisões de responsabilidade e delegação de rotinas;

d. Promoções para trabalhos de maiores significados de juízo e valor;

e. Administração participativa nas decisões mais importantes;

f. Autocrítica e auto-avaliação de desempenho.

Na Teoria Z - o perfil modelo diz que as pessoas podem ser imaginativas, participativas e de livre expressão e que o progresso do estado ou da empresa está ligado à motivação humana e não simplesmente à tecnologia:

a. Querem participar;

b. O patrimônio é o próprio homem;

c. São criativas;

d. Querem ser originais com muita liberdade;

e. Têm iniciativas positivas;

f. São estáveis e responsáveis;

g. Exigem melhores qualidades de vida;

h. São insatisfeitos com o "status quo";

i. O grupo ou a equipe prevalece sobre o indivíduo;

j. Exigem segurança.

O estado ou a empresa devem proporcionar:

a. Estabilidade organizacional e de empregabilidade;

b. Remuneração condizente com os esforços em juízo e valor, sob méritos reais;

c. Meios para a solução real dos problemas que afligem a todos e que podem destruir a todos;

d. Meios para todos os questionamentos sobre eliminação de ineficiências prejudiciais à organização;

e. Adoção de projetos participativos sugerindo mudanças e melhorias na qualidade de vida;

f. Exigem um sistema de incentivo eficaz que premie a todos e de acordo com a contribuição de cada um.

O "estado de espírito de ser, em comportamento e motivação" destas 3 teorias decorre de uma classificação técnica de perfis baseada na observação experimental dos dois cientistas (McGregor para X e Y e Ouchi para Z). Mas, estas diferenças não só decorrem do processo de educação e escolarização das pessoas. Decorrem de outros fatores ambientais, vivenciais e experienciais de tais pessoas.

Acredita-se com base na interpretação da história, dos personagens e ilustres pessoas, que os perfis X e Y, além do Z, são da natureza humana dos espíritos - almas. E, portanto, eles existem desde que existe o homo sapiens sapiens.

Recentemente outro processo de observação experimental identificou um novo perfil denominado de ÍNDIGO, nas crianças das recentes gerações (anos 1970 para hoje), e comumente associado ao perfil Y. As origens e características do perfil INDIGO constam do livro "The Indigo Children" escrito por Lee Carroll e Jan Tober publicado pela primeira vez em Maio/1999.

O perfil ÍNDIGO transcende as características dos perfis X, Y e Z. É em nível quase de "paranormalidade" e com potencialidades cerebrais impressionantes, com o uso dos 2 hemisférios cerebrais, indo além da inspiração, da mediunidade e da lógica mediana.

O texto traduzido e adaptado por Dailton Menezes, junho 2001, e constante no site: http://www.flordavida.com.br/HTML/indigo.html , uma criança ÍNDIGO é aquela que apresenta um novo e incomum conjunto de atributos psicológicos e mostra um padrão de comportamento geralmente não documentado ainda.

Dentre os vários tipos de crianças ÍNDIGO, podemos relacionar abaixo alguns padrões sobre elas:

• Elas vêm ao mundo com um sentimento de realeza e freqüentemente agem desta forma;

• Elas têm um sentimento de "desejar estar aqui" e ficam surpresas quando os outros não compartilham isso;

• Auto-valorização não é uma grande característica. Elas freqüentemente contam aos pais quem elas são;

• Elas têm dificuldades com autoridade absoluta sem explicações e escolha;

• Elas simplesmente não farão certas coisas; por exemplo, esperarem quietas é difícil para elas;

• Elas se tornam frustradas com sistemas ritualmente orientados e que não necessitam de pensamento criativo;

• Elas freqüentemente encontram uma melhor maneira de fazer as coisas, tanto em casa como na escola, o que as fazem parecer como questionadores de sistema (inconformistas com qualquer sistema);

• Elas parecem anti-sociais a menos que estejam com outras do mesmo tipo. Se não existem outras crianças com o nível de consciência semelhante em volta, elas freqüentemente se tornam introvertidas, sentindo-se como se ninguém as entendesse. A escola é freqüentemente difícil para elas do ponto de vista social;

• Elas não responderão à pressão por culpa do tipo: "Espere até seu pai chegar e descobrir o que você fez";

• Elas não são tímidas em fazer você perceber o que elas precisam.

Os autores Lee Carroll e Jan Tober listam as seguintes características para ajudar a identificar se sua criança é um Índigo:

• Tem alta sensibilidade;

• Tem excessivo montante de energia;

• Distrai-se facilmente ou tem baixo poder de concentração;

• Requer emocionalmente estabilidade e segurança de adultos em volta dela;

• Resiste à autoridade se não for democraticamente orientada;

• Possui maneiras preferenciais no aprendizado, particularmente na leitura e matemática;

• Podem se tornar frustrados facilmente porque têm grandes idéias, mas uma falta de recursos ou pessoas para assistirem pode comprometer o objetivo final;

• Aprendem através do nível de explicação, resistindo à memorização mecânica ou serem simplesmente ouvintes;

• Não conseguem ficar quietas ou sentadas, a menos que estejam envolvidas em alguma coisa do seu interesse

• São muito compassivas; têm muitos medos tais como a morte e a perda dos amados;

• Se elas experimentarem muito cedo decepção ou falha, podem desistir e desenvolver um bloqueio permanente.

"As Crianças Índigo encarnaram neste tempo por uma razão muito sagrada: para introduzir uma nova sociedade baseada em honestidade, cooperação e amor. Quando elas atingirem a fase adulta, nosso mundo será vastamente diferente do que é hoje. Nós não mais teremos violência e competição". E segundo outros analistas estas crianças irão demolir as instituições empresariais que operam com base em conceitos, processos e procedimentos corrompidos e distorcidos.

E ai vão os governos que se fundamentam em mentiras, em suas propagandas enganosas e abusivas, que se articulam baseados em compra de caráter e de opiniões. As empresas se verão obrigadas a rever seus critérios de RH, na seleção e recrutamento de novos empregados, em face de identificarem os perfis ÍNDIGO e direcionar tais "mestres" para os cargos e atividades, que precisarão da VERDADE e da DERRUBADA DE PARADIGMAS secularmente cristalizados.

Já se identificou 4 tipos diferentes de INDIGOS:

1. Humanista: Primeiro, existe o Índigo Humanista que vai trabalhar com as massas. Eles serão os futuros doutores, advogados, professores, vendedores, executivos e políticos. Vão servir as massas e são hiperativos. São extremamente sociais;

2. Conceitual: Os Índigos Conceituais estão mais para projetos do que para pessoas. Serão os futuros engenheiros, arquitetos, projetistas, astronautas, pilotos e oficiais militares;

3. Artista: Este tipo de Índigo é muito mais sensível e freqüentemente menor em tamanho, embora isso não seja uma regra geral. Eles são mais fortemente ligados às artes. Eles são criativos e serão os futuros professores e artistas. Em qualquer campo que eles se dediquem será sempre pelo lado criativo. Se eles entrarem na medicina, eles se tornarão cirurgiões ou pesquisadores;

4. Interdimensional: O Índigo Interdimensional é muito maior do que os demais Índigos, do ponto de vista de estatura. Entre 1 e 2 anos de idade você não pode dizer nada para eles. Eles dizem: "Eu já sei. Eu posso fazer isso. Deixe-me sozinho". Eles serão os que trarão novas filosofias e espiritualidade para o mundo.

Ainda existem controvérsias no campo da psicologia aplicada, de tais perfis ÍNDIGO.

Porém, alguns acreditam que este novo "estado de espírito de ser, em comportamento e motivação", venha a ser uma evolução para a transformação do planeta, onde obrigatoriamente se haverá necessidade de ceder, às altas inteligências para as boas obras, uma boa parcela dos requisitos de administração de empresas e de estados, em face da tendência de caos e complexidades, que se avolumam e se acumulam, desbancando as capacitações medianas e inferiores, dos processos administrativos, para prevenir disfunções, solucionar problemas recorrentes e enfrentar as catástrofes tendentes e em agigantamento, no meio social e econômico e no meio ambiental.

Abraços,

Lewton




Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!