As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 27-03-2013. Acessado 1090 vezes.
Título da Postagem:O Livro da Vida e o Facebook, Curtir, Comentar, Promover e Compartilhar
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 27-03-2013 @ 01:34 pm
[ Avise alguém sobre este texto ]
Tags: Facebook, Livro da Vida, metáfora, contabilidade divina, carma, débito, crédito

O Livro da Vida e o Facebook: Curtir, Comentar, Promover e Compartilhar

Quais serão os temas e assuntos mais: curtidos, comentados, promovidos e compartilhados? O que faz um tema ou assunto ter maior ou menor participação numa rede social?... Sua menor complexidade e maior abrangência experiencial - maior vivência das pessoas?

O Facebook tem quatro links padronizados para que a nossa liberdade de expressão, opção e volição possa ser manifestada, em reação intelectual e social em uma postagem: Curtir, Comentar, Promover e Compartilhar.

Os programadores do site abrem uma janela com a pergunta: - No que você está pensando? E disponibilizam mais quatro links para Status, Foto, Local e Evento cotidiano.
Nesta janela ele tem toda a liberdade para escrever. Então, o usuário escreve o que pensa. Mas, sempre escrevemos o que estamos pensando? Ou escrevemos, também, o que estamos sentindo? Ou escrevemos o que nos aconteceu ou nos acontece?

Criamos uma trama, drama, tragicomédia, suspense, piada, conto, reflexões filosóficas, poesias, informamos notícias e eventos, expressamos protestos e reclamações, nos congratulamos ou nos entristecemos, rimos e até choramos.

Entretanto, nem tudo apreciamos: uns gostam mais de piadas, outros de poesias, outros de contos e suspenses e etc. Logo nosso filtro íntimo, que sinaliza nossa aderência ao tema ou assunto, nos faz clicar num dos quatro links: Curtir, Comentar, Promover e Compartilhar.

1. Se nós não curtimos, não clicaremos em Curtir. E curtir significa gostar ao ponto de ser relevante expressar nossa apreciação - estamos em deleite, curtindo.

2. Se formos comentar teremos a evidência de que possuímos vivência e conhecimentos no tema ou no assunto, isto é: - abrangência experiencial e maior vivência na vida. Ou achamos que não vale a pena comentar o que percebemos ou entendemos.

3. Promover e Compartilhar são duas ações de difusão e abrangência de escala na teia da rede, baseada em laços emocionais de amizades e afetos. E criam significativos envolvimentos nos temas e assuntos, pelo justo respeito que temos com nossos amigos comunicantes da promoção e do compartilhamento. Tudo baseado, também, na confiança e na crença de que o amigo comunicante possui um fino senso de captação de significados e expressões, tem sutileza interpretativa e desenvoltura filológica e filosófica, técnica e científica, erudita e artista e etc.

A estatística dos administradores da programação do Facebook mostra os temas e assuntos prediletos e favoritos da rede social usuária. E um investigador mais detalhista é capaz de por amostragem, notar com alta probabilidade, qual o tema e assunto que se ressalta num dado momento social, local, regional e mundial.

Como pela natureza humana de empregar esforços que demandem menores taxas de dispêndio de energia e tempo, o ser humano opta pela simplicidade e o simplismo, ou que exigem menor gasto de massa cefálica, os temas e assuntos do Facebook, mais apreciados, são aqueles que são vivenciados por quase todos e apoiados por fotografias e vídeos - uma imagem fala mais do que mil palavras...

Frente a grande demanda de usuários, o estatístico extrai uma moda, ou uma tendência, sinaliza um comportamento padrão, condutas de zelos ou de desleixos, interesses sociais, religiosos, políticos, econômicos, técnicos e científicos.

1. Há os usuários de mentes analíticas, calculistas, filosóficas, concretas, abstratas, dramáticas e cômicas.

2. Há os nerds, os merds e os porraloucas.

3. Há os temas importantes e relevantes "passantes" - aqueles de alto poder de influência e transformação, que passam despercebidos.

4. Há os temas da "ignição conversacional", que abrem diálogos e debates, sem muitos desdobramentos e repercussões.

5. Há aqueles de "dar a conhecer" - informações complementares e suplementares que atualizam status de crer e parte de saber - mexe com crenças e valores.

6. Há os que estão vendo a banda passar, e há os que estão tocando na banda.

7. E há os que nem a banda vêm e nem ouvem a sua orquestração.

Quem controla a administração do Facebook tem poder de efetuar todas estas interpretações. E que em sua política de privacidade garante a todos o sigilo de seus dados. Mas, nós mesmos é que quebramos todos os sigilos possíveis.

Um psicólogo investigativo nos afirmou que é possível com poucas informações pessoais e particulares, algumas fotos e comentários extrair o padrão cultural, escolar, econômico e social de um usuário.

Assim, como no Google, algumas palavras e manifestações podem ser usadas para filtrar perfis e avançar mais nas características e no comportamento das pessoas. Se tornando numa espécie de SISTEMA GUARDIÃO de monitoramento - uma metáfora sobre a contabilidade de créditos e débitos cármicos. E até para a previsibilidade de condutas futuras, ou ações positivas ou negativas.

Certo pastor, evangélico, compara o Facebook com o chamado LIVRO DA VIDA, da Bíblia Sagrada (Ver http://www.estudosdabiblia.net/bd95.htm). Tem até a linha do tempo. E nela muitos colocam suas ações e acontecimentos, como que registrando suas características e condutas, falsas ou verdadeiras, extremamente válido para qualquer tipo de juízo, avaliação e julgamento.

É bastante interessante esta comparação, já que a contabilidade divina, que nos avalia diariamente, se serve da linha do tempo da vida de cada um para assentar os registros de nossas condutas.

E seria o Facebook uma metáfora do LIVRO DA VIDA sob nossos olhos e nossa colaboração? Os escrivães somos nós mesmos. E jamais poderemos dizer que, o que está assentado, de nada sabíamos, ou que desconhecíamos...

Então, apesar de ser uma Rede Social, sob alta tecnologia, o Facebook nos delata, nos revela, nos evidencia, mostra quem somos, do que gostamos, o conteúdo de nossa formação, de que lado estamos, nossas opções e volições.

Através do que Curtimos e Comentamos, através das Promoções e dos Compartilhamentos vamos exibindo nosso íntimo, alma e pendores. Vamos seguindo "quens" e fundamentando a afirmação do Cristo: - Diga-me com quem andas, e eu te direi quem és!

Só que nos mesmos é que somos os escrivães - e o que escrevemos mesmo?

Engº Lewton Burity Verri
Diretor Científico do IEAQ

NOTA: O "Livro da Vida" é mencionado várias vezes na Bíblia (veja Filipenses 4:3; Apocalipse 3:5; 13:8; 17:8; 20:12,15; 21:27 - por Dennis Allan). Paulo disse que as pessoas que cooperavam com ele no evangelho tinham seus nomes escritos no Livro da Vida (Filipenses 4:3). Jesus disse que os nomes dos vencedores que se mantêm puros não seriam apagados deste livro (Apocalipse 3:5). Em contraste, os que rejeitam a palavra de Deus e servem falsos mestres não têm seus nomes escritos no Livro da Vida (Apocalipse 13:7-8; 17:8). No julgamento descrito em Apocalipse 20:11-15, esses são condenados ao lago de fogo. Por outro lado, na cidade iluminada pela glória de Deus, somente entram aqueles cujos nomes são inscritos no Livro da Vida (Apocalipse 21:27).




Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!