As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 19-09-2013. Acessado 589 vezes.
Título da Postagem:O Supremo STF e a Obrigação do Direito ao Réu
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 21-11-2013 @ 05:44 pm
[ Avise alguém sobre este texto ]
Tags: Mensalão, STF, Embargos Infringentes, Votação, Revisão, Sentenças, PT

 O SUPREMO STF E A OBRIGAÇÃO DO DIREITO AO RÉU

Advogado "noventão" que veio nas ondas jurídicas desde o Estado Novo de Getúlio Vargas me comentou que o STF, forçosamente, por ter que seguir o ritual das suas Normas Internas, e de outros dispositivos legais colimados, até com a nossa vilipendiada Constituição Federal de 1988, teve que se expor por uma espécie de "respeito às suas regras do Direito".

E isto se aparentou à sociedade como uma violação moral, sem uma obrigação profissional de advocacia.

Aliás, segundo ele, a presença de árbitros parciais, dentre os 6 ministros que votaram a favor dos Embargos Infringentes, estão "juízes comprados em caráter, princípios e materialmente".

Seus postos já lhes dão "obrigações" com as autoridades que lhes nomearam - indicaram, além é claro do prestígio do alto poder jurídico do país, bons salários, mordomias e serviços inservíveis para a sociedade. Serviços sem obrigações em qualidade, produtividade e economia.

Puseram no STF bodes para cuidar da horta jurídica e dos alfaces do ofício.

Muito caro. Este mensalão saiu muito caro para todos. Um gigantesco dispêndio e exorbitância na valoração da relevância dada aos réus, suspeitos e já julgados, anteriormente.

Mais de 7 anos se passaram, o que levou para as acomodações das causas e de suas consequências, ajustando se os trâmites burocráticos, com o fluxo jurídico do curso do processo, desde as diligências até o primeiro julgamento. Isto é, o STF foi segurando o tempo do curso do processo, ajustando-o com os arranjos políticos e anti Estado de Direito (em verdade Estado de Esquerdo), mesmo sem a nossa consumida Democracia.

Houve uma cronologia propositada que fez coincidir a saída de ministros, para a aposentadoria, e a colocação de ministros "cooptados". E houve arranjo nos discursos que apoiaram os votos, num conluio exasperador para uma nação que necessita urgentemente de justiça justa... A balança da Deusa Thêmis, pendeu num aparente equilíbrio de empate. E o ministro Minerva de Melo terminou melando as expectativas dos brasileiros.

A sutileza do encaminhamento para o empate e a postergação do voto do ministro Minerva de Melo provocou um agigantamento de ameaças, não só aos ministros reais do Estado de Direito Democrático, como também, a várias autoridades nomeadas pelo petismo das coligações e alianças. As alianças precisam prosseguir até além de outubro de 2014.

Se as alianças precisam prosseguir as ameaças veladas atingiram uma capilaridade monstruosa em todos os cargos da república de controle federal e político. Manda quem PAGA O BIFE. E cachorro esperto não morde a mão que lhe alimenta.

Uma euforia do petismo, após este resultado de ontem (18/09/2013), comedida a pedido do degenerado LULA, para não incitar mais ódio e repulsa, escalou a montanha do Diabo, nas violações da soberania da justiça, e, em ainda, mostrar-se defensor dos crápulas petistas em julgamento.

LULA ficou "meio" aliviado, em ver seus correligionários, e colaboradores centrais, de alto potencial criminal, ficarem "livres" para assistiram a fase três do plano de desmanche republicano e de seus 3 Poderes.

Claro que LULA ficou aliviado, em ver seu pessoal livre, numa postergação, ainda de alto risco para todos do país. LULA como disse nada saber sobre o mensalão, fez piadas e chacotas temerárias, ficaria de consciência PESADA, como se tivesse algum laivo de consciência, ver serem seus asseclas presos por causa dele e de suas ordens e artimanhas.

Uma orquestração demoníaca para mostrar a nação que o Estado de Direito tentou mais não conseguiu vencer o Estado de Esquerdo. Por isso o empate até antes do voto do ministro Minerva de Melo, seria extremamente improvável num real Estado de Direito Democrático...

A história diria: - Pelo menos, do empate, quase o Estado de Direito venceu. Entretanto, talvez não diga a vitória final desta corja, já que a pátria é perene e os partidos e os políticos são passageiros da vida.

O advogado "noventão", então, me afirmou que há um grande RISCO sobre os petistas, com a gasolina de combustão psicológica que o STF jogou na bacia das agonias da sociedade brasileira mais letrada e culta.

Uma resistência mais explícita se fará contra os protagonistas desta ação demente, e aceita pelo próprio STF, e virão as "retaliações contra os abusos do petismo e sua corrupção sobre e com os seus ministros no STF".

Pode ser que alguns não vivam para ver os resultados deste projeto satânico de desmanche republicano e de seus 3 Poderes, promovido por LULA e seus asseclas, do petismo.

Ainda me conciliou com a realidade, dizendo que os médicos do Hospital Sírio Libanês fazem a mesma coisa com bandidos, corruptos e políticos moralmente degradados, defendendo a vida pelo juramento de Hipócrates (Pai da medicina) e da moral médica (tiveram lá: Lula, Dilma, Genoíno, Sarney, Gushiken e outros menos notados).

Sempre no direito a vida garanti-la, também, "Pro Demônios". Assim, na justiça o conceito do "Pro Réu" (em casos de dúvidas ou falhas técnicas) surte efeito nas suas regras, em face das reivindicações dos Embargos Infringentes, já que pleiteiam revisão de sentenças com no mínimo 4 votos a favor do réu, sentenciado no primeiro julgamento.

Afinal que a justiça seja feita...

Abraços,

Lewton




Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!