As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 05-12-2013. Acessado 888 vezes.
Título da Postagem:O esgotamento do Marxismo Petista e seu fracasso de escolha ideológica
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 05-12-2013 @ 10:55 am
[ Avise alguém sobre este texto ]
Tags: capitalismo, capital, marxismo, PT, petismo, materialismo, histórico

 O esgotamento do Marxismo Petista e seu fracasso de escolha ideológica

Petistas UNI-VOS pois irão ser malhados por séculos e séculos...

Não faremos uma apologia Capitalista, tentamos abrir aqui apenas um debate dentro da "dialética materialística", no processo científico do capitalismo.

Segundo Karl Marx a história REGISTRA os fatos, os dados e as informações que acabaram por CONCRETIZAR no mundo REAL qualquer teoria ou pragmatismo, fossem relevantes ou sem significados.

A história é um evento MATERIAL e prático...

Veio o que ele chamou de Dialética do Materialismo Histórico, adquirindo a conotação de um processo científico em que ao se debulhar os fatos históricos eram encontrados os ramos e raízes provocadores de eventos, tais como: razão, motivação, emoção, sanidade física e mental, perturbação, deformação, lucidez e trevas e etc.

Nenhum filósofo de alforria e sociólogo da comunização conhece, ou mostram-se a conhecer, o processo histórico do Capitalismo. Tudo que eles expressam são visões deformadas de Karl Marx, de 1848 (Manifesto Comunista) e 1867 (O Capital), este que nunca entrou numa fábrica, e nunca trabalhou na produção capitalista.

Marx fingiu entender a NOVA Revolução Industrial que se iniciou acionada pela máquina a vapor – em 1780 (concepção do engenheiro inglês James Watt), no processamento de maquinarias geradoras de forças e pressão, na ordem de milhares de “cavalos vapor – CV” (ou Horse Power - HP): furando, cortando, amassando, dobrando, prensando, imprimindo, aparafusando, pregando e soldando – fabricando mercadorias a custos e preços em queda progressiva.

Logo, à época, quem tinha apenas a força física para “vender”, ou utilizar como elemento de força e tração, já não tinha mais nada que pudesse ser vendido ou utilizado na produção capitalista. A produção assumiu a escala de milhares de unidades de mercadorias por mês ou por ano.

A produção horária cresceu geometricamente. Como não havia ainda a AUTOMAÇÃO, o homem passou a sofrer com os esforços de “acompanhamento” do fluxo de produção crescente, levando-o como ‘trabalhador” a ter os males e doenças do trabalho de alta repetição. Então Marx "resolveu" cair de pau no Capitalismo.

O Capitalismo desde 1800 passou a figurar em livros de engenharia, tecnologia, matemática, estatística, física e química, finanças e socialização no trabalho. E estes livros jamais foram lidos por filósofos e sociólogos da comunização...

Estes profissionais detestam as ciências exatas por que estas utilizam à matemática – por isso foram ser filósofos e sociólogos da comunização. Sem domínio da matemática não se pode compreender o Capitalismo.  

Marx escreveu muito folclore, pseudocientífico, sem aderência prática nas obras da engenharia – aquela que construiu e constrói o mundo no dia-a-dia desde a eclosão da Revolução Industrial, na Inglaterra de 1780.

E depois de quase 170 anos a filosofia e a sociologia se apegam aos mitos marxistas os quais nem atualmente conseguiram levar nações ao progresso e a prosperidade.

O mundo já descobriu que por séculos o Capitalismo carregou a pecha de explorador, como ‘bode expiatório’, mas quem explora é o Estado Político mal governado, repleto de corruptos e confiscando em impostos, no Brasil 40% do PIB, e nada devolvendo em troca como Bem Estar e Segurança Existencial Plena.

O Estado Político jamais se mostrou capaz de atender as necessidades humanas, sociais e econômicas em suas administrações temerárias, perdulárias e amadoras. E neste ínterim o Capitalismo foi atacado até por quem ainda hoje NÃO ENTENDEU a teoria marxista.

Além do que o marxismo é uma xêpa de final de feira em seus tratados, conceitos e formulações. Marx escreveu uma espécie de novelo de lã – sem pontas e sem direção de desembaraço – criando uma dificuldade horripilante na sobrevivência das sociedades em que foi praticado e nas suas vizinhanças e fronteiras.

Neste novelo emaranhado ficaram a filosofia e seus preguiçosos mentais praticantes. Gente mais do que secularmente atrasadas e retardadas. Sem exatidão em suas medidas e sem critério ÙNICO de objetivos praticados por megalomaníacos messiânicos e exterminadores de homens e de Direitos Humanos.

Cada DOIDO criou uma especificação de marxismo, como o próprio processo histórico, e sua dialética, tem mostrado nestes quase 170 anos de imbróglio ideológico socialista e comunista. E no Brasil estamos há mais de 10 anos sob o jugo marxista de operadores pseudo-intelectuais da governança petista, malgrado os resultados dos indicadores socioeconômicos.   

Muita coisa é consolidada no velho esquema de "criar dificuldades para vender facilidades" ou "criar vírus para vender antivírus" ou "criar medo e terror para vender proteção". E isso pode justificar a criação de ONGs, forças paramilitares, logísticas no tráfico de drogas, movimentos integralistas ou separatistas, movimentos linearistas e curvilinistas, a direita "cruel" e a esquerda "humanista" e etc.

A mídia também faz esse jogo... Por quem melhor paga para a comunicação, difusão e "catequese" alheia. E os trilionários são donos de muitas das redes mundiais de comunicação. Realmente existem esses trilhionários (em dólares e em euros).

O negócio sempre foi bater no Capitalismo para se “retirar” dos ombros da incompetência administrativa dos Estados Políticos os males da degeneração moral, intelectual e espiritual das ordens políticas e ideológicas das governanças, sem RESPONSABILIDADES técnico-científicas na administração pública.

Numa última pesquisa descobrimos que cerca de 400 famílias de bilionários e trilhionários têm renda superior a mais de 120 países (mais de 30% com renda superior ao PIB brasileiro) - e são mais de 180 nações no planeta (posição de 2005). E para essa gente abastada não existe o dito "imperialismo" (isso foi coisa dos soviéticos comunistas, para incitar ódio sobre o domínio do capital) e sim o volver "perpétuo" de seus interesses, movimentação financeira e por incrível que pareça a paz, a saúde e a prosperidade coletiva.

Que eles – os trilhionários - mandam no mundo, eles mandam! Que eles dominam, eles dominam! São responsáveis por mais da metade dos empregos do planeta. São financiadores de 80% da tecnologia libertadora e audaciosa que sustenta nossas vidas no cotidiano.  

São "democráticos" sem reserva de mercado, e vez por outra projetam pessoas como Bill Gates, Steve Jobs, prêmios Nobel, financiam hospitais, universidades, partidos políticos (para expurgar políticos escroques que querem 'roubar' seus tesouros) e etc, como novos "milionários", desde Howard Hughs, este o primeiro bilionário da América.

São tão democráticos que, sem interferência, deixam que a cada 5 a 10 anos, dentre as 500 maiores empresas americanas, surjam "novas" 250 e fechem outras "velhas" 250 empresas - a tal "destruição criativa", mesmo que perdendo dinheiro.

Estimulam a competição e a superação de limites inimagináveis. E por aqui passa o enredo histórico do Capitalismo verdadeiro, chutado e desprezado pela tal ESQUERDA invejosa e incapaz de criar Estados Políticos prósperos e felizes.

Como engenheiros nos admiramos dos outros colegas transnacionais, levando a tecnologia no limite da fronteira entre o real e o fictício.

Mas, os trilhionários (em dólares e em euros) não aparecem em rankings de os mais ricos. São sigilosos, cautelosos e menos exibidos do que se imagina, zelam pela segurança familiar, financeira e patrimonial.

Publicaram que Bill Gates era um dos maiores bilionários do planeta - e olha que dele tudo começou numa garagem, no quintal de sua casa, quando pós-adolescente. 

Que mandam em alguns Bancos Centrais eles mandam. Pudera são trilhionários (em dólares e em euros).  

Para um bilionário num país com inflação superior a 2% ao mês significam US$ 20 milhões de "perdas" para cada US$ 1 bilhão aplicado na produção, no desenvolvimento e na elevação do conhecimento - mensalmente.

Proteção desta até nós queremos para os nossos "cem reaus" na capitalização mensal, "que seja compensadora e mantenedora do valor de face da moeda", imaginem se tivéssemos "apenas" R$ 1 milhão, quanto mais bilhão ou trilhão.

Que "financiam" as guerras, eles financiam. Muitos têm origens nos templários e são famílias seculares, de tradição e respeito à ordem. Alguns são ferrenhos defensores das causas "justas". Mas as guerras sempre foram feitas e promovidas pelos políticos e quase todos os males do mundo junto com maníacos diabólicos de ideologias perversas e personalíssimas.

Prestigiam o saber e o conhecimento, pagando bem a quem sabe fazer objetos, produtos, mercadorias para o bem comum, com segurança técnica e econômica. São eles que sustentaram as artes e a cultura embrionárias, quando só os ricos podiam pagar os artistas.

E o mais incrível - são tementes a Deus! Diferentemente de boa parcela dos políticos criminosos e escroques.

Mas não dominam diretamente o destino dos povos na forma de devastação e crimes como ocorre no mundo. Quem faz isso é o “homo-corruptus”, em geral são os políticos escroques que eles tanto temem.

Podem "financiar" o mais terrível crime político, como a "queda" do helicóptero presidencial, ou a explosão de uma usina nuclear, ou o envenenamento de lençóis freáticos ou estações de tratamento d'água. Mas, nada disso é notícia, pois isso é terrorismo e isso eles não fazem.

Eles sustentaram os mais poderosos impérios, na história da humanidade, mas os "imperadores" é que se locupletaram com suas contribuições em impostos aviltantes. E a maioria desses "imperadores", hoje muitas repúblicas no estado de direito democrático, fez seu próprio enriquecimento, produzindo a "agigantada desigualdade entre entes sociais e entre povos".

Mas, foram quem conseguiu dar "assistência" aos pobres trabalhadores, mesmo que com batatas murchas, uns quilos de sal, carvão para o frio e óleo para a lamparina foram eles, que ao darem emprego foram taxados de "exploradores do trabalho".

Esses abusos aconteceram, mas foram sendo corrigidos com o tempo, como até propôs o maravilhoso humanista Robert Owen - em suas sociedades cooperativas - na Inglaterra de 1844.

Ao vislumbrar a história o bode expiatório foi o "império do capital", mas nas entrelinhas, vemos a ganância, a corrupção, o mal caratismo dos legisladores, dos juízes iníquos, dos administradores públicos e de toda sorte de funcionário público prevaricador.

Vejam que quase 200 anos depois da eclosão da Revolução Industrial nosso capitalismo brasileiro, ainda primitivo e hesitante, e carrega uma corte de inúteis - os 3 poderes nas 3 escalas (federal, estadual e municipal) - sustentada por 40% do PIB nacional, que onera os preços e dificulta as possibilidades de competição na globalização. E essa agora é a Geni da vez. Jogam bosta na Geni chamada de Globalização, o que em verdade é a corrupção global e desenfreada da politicalha escroque – ladrões e mais ladrões de todo o mundo.

Mas, a Globalização é a evolução de um sistema humano onde o mundo será a nossa "última" morada. A ONU que nos diga, a União Européia que nos diga, e outros exemplos marcantes. A União Socialista Soviética não conseguiu dizer nada, a menos o seu FRACASSO...

O mundo já descobriu que por séculos o Capitalismo carregou a pecha de explorador, mas quem explora é o Estado Político mal governado, repleto de corruptos e confiscando em impostos, no Brasil 40% do PIB, e nada devolvendo em troca como Bem Estar e Segurança Existencial Plena.

Vamos assistir o esgotamento do MARXISMO e das ideologias recessivas e degenerativas do progresso social e econômico dos países que lhes são vítimas.

Estamos vendo o esgotamento do Marxismo Petista e seu fracasso de escolha ideológica, o que revela o grande ERRO de MARX ao acreditar que entendia de CAPITALISMO. E esta lição amarga os brasileiros estão aprendendo sob a própria pele, destino e talentos... Através do Petismo desqualificado e incapaz – e escroque!

Abraços,

Lewton




Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!