As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 25-02-2014. Acessado 698 vezes.
Título da Postagem:A difícil herança dos filhos da subversão
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 27-02-2014 @ 09:21 am
[ Avise alguém sobre este texto ]
Tags: Subversão, herança, terrorismo. terror, guerrilha, crimes, sabotagens

 A DIFÍCIL HERANÇA DOS FILHOS DA SUBVERSÃO

Os dissabores das gerações dos herdeiros das revoluções e das guerras são massacrantes, diluem a alma e corroem a vida. 

Sobreviver décadas carregando culpas, calúnias e difamações, com o nome (ou o sobrenome) dos vencidos, dos carrascos, dos exterminadores, dos chacinadores, dos assassinos, dos ladrões, dos criminosos, dos traidores, dos perversores, dos subversivos, os sequestradores, dos terroristas e dos guerrilheiros, é como viver a permanente anti-história. 

É ter que “respirar” a insolente derrota de uma escolha malfeita, é ter que esconjurar o parente ou o familiar sinistro. 

É ter que fingir ser alguém comum quando a genética “marca” os traços hereditários.

É tentar ser racional explicando o funesto e o macabro, é procurar defender um estigma maligno nas heranças materiais quando os escombros do passado mostram os cadáveres, a destruição, a intenção consumada de crimes e holocaustos.

É difícil carregar esse fardo tenebroso e apocalíptico. 

Os filhos da mentira, os herdeiros da derrocada, os vitimados da política, os enganados da ideologia, os troçados da insurgência, os divididos da maldade, esses são os herdeiros de uma escolha malfeita. 

Qual filho, neto, sobrinho ou afilhado gostaria de ser herdeiro de contos e histórias de pais, avós e tios covardes, meliantes, carniceiros, subversivos, criminosos, ignorantes ideológicos, megalomaníacos, serial-killers e bandidos?

A literatura nos romances, nos contos e nas reportagens documentárias e jornalísticas mostra um conjunto de expiações morais e sofrimentos sociais, nos parentes dos que fizeram escolhas malfeitas e que se desdobraram em males inomináveis e inconfessáveis. Tais herdeiros sofrem uma segregação e uma discriminação como se fossem os próprios autores e há uma profusão de conflitos psicológicos, físicos e sociais.

Relata-se um índice maior de suicídios do que o padrão normal da população, um maior grau de indivíduos deprimidos, uma taxa maior de envolvimento em crimes e em drogas, uma incidência de desajustes sociais e educacionais. 

Praticamente se condenam parentelas pelas escolhas malfeitas de seus antepassados, numa sentença cármica e condenatória. E em alguns casos isso prossegue por 10, 20, 30 ou mais de 50 anos.

Imaginemos os que herdaram sobrenomes como Hitler e os de seus colaboradores, Pot, Tsé-Tung, Lênin, Stalin, Franco, Jong-il, Milosevic, Mussolini, Dollfuss, Ceaucescu, Hussein, Salazar e os que vão herdar o sobrenome Castro (em Cuba – mandou fuzilar cerca de 17.000 opositores políticos, dados da CIA). 

Os reflexos históricos sobre essas famílias são devastadores como herdeiras dos escombros de contendas e tiranias, de mortes e mutilações, de abusos de direitos e de subversões. 

Qual filho, neto ou sobrinho não gostaria de APAGAR A HISTÓRIA, queimar arquivos, silenciar testemunhas, refazer livros e recontar uma NOVA HISTÓRIA? Ou FALSIFICAR A VELHA HISTÓRIA?

Por isso eles mudam os nomes das escolas, das ruas, das pontes e das instituições, de honoráveis brasileiros, para nomes de guerrilheiros, ditadores e terroristas, criminosos, de gente do mesmo naipe moral, na tentativa de marcar a curso histórico com âncoras, significativas de reconhecimentos e glórias. 

No Brasil assistimos além da DISTORÇÃO DA HISTÓRIA, o prosseguimento da SUBVERSÃO HISTÓRICA. E os sobrenomes estão por aí nos jornais, livros e revistas. E nos ARQUIVOS da propalada DITADURA MILITAR.

Podemos facilmente captar sobrenomes já há muito conhecidos, tais como, alguns dos mais marcantes: Paulo Vannuchi – ex-Secretário Especial de Direitos Humanos, do LULISMO, Tarso Genro – ex-Ministro da Justiça e Dilma “Estela” Rousseff – ex-Ministra da Casa Civil. Todos terroristas e guerrilheiros da ANTIREVOLUÇÃO COMUNISTA de 1964 a 1985, que idealizaram e que se nutria sob as asas de outra “vítima”: o comunista João Goulart.

Eles são protagonistas da história e entraram para arquivos por escolhas malfeitas. São comunistas e subversivos. Seus PERFIS PSICOLÓGICOS são os mesmos identificados pelos GENERAIS de 1964, que obstruíram a ENTRADA DO COMUNISMO NO BRASIL. E esse pessoal PRECISA JUSTIFICAR junto à parentela e familiares que os GENERAIS é que eram monstros e torturadores. 

Os terroristas estavam lutando pela DEMOCRACIA e pelas LIBERDADES e tinham o DIREITO DE REAGIR, como defendeu o funesto advogado do terrorismo – Thomas Bastos.

CONCEITO DE TERRORISMO - ação destrutiva e/ou criminosa promovida por indivíduos ou grupos, independentes de raça, credo ou nacionalidade, em caráter político ou não, que leve ao terror, pavor, ferimentos e morte uma ou várias pessoas, em qualquer localidade global, provocados por processos paramilitares, sabotagens, nucleares, químicos, biológicos, explosivos e radioativos e outros semelhantes.

Até hoje essa escória incivilizada labuta na confrontação, na provocação e no REVANCHISMO subversivo, contra a ANISTIA GERAL E IRRESTRITA. 

Estão a incitar uma NOVA REVISÃO de conduta recíproca. E age, a escória, como portadora do Poder Total do Estado, corrompendo todas as instituições, da democracia e seus eleitores, com o dinheiro do próprio POVO BRASILEIRO (muito mais da Classe Média e dos abastados das Classes A e B), como faziam Stalin e Fidel Castro.

E toda essa escória está encastelada nas instituições brasileiras, pelo voto popular e democrático, em um operário que deveria ser INTERDITADO, pela incapacidade de coordenar o conhecimento e a administração pública federal, e influenciar a aplicação técnica e moralmente correta das funções e obrigações institucionais, nos seus ministérios, nos estados e nos municípios. Ele designa terroristas e desqualificados para a administração pública federal. 

Os GENERAIS de 1964 fizeram o CONTRAGOLPE sobre aquela insurgência que poderia levar o Brasil a replicar o COMUNISMO STALINISTA (da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas). 

E cada vez mais esta escória incivilizada deixa engrandecida a sua HERANÇA MALDITA e seus filhos serão filhos da mentira, os herdeiros da derrocada, os vitimados da política, os enganados da ideologia, os troçados da insurgência, os divididos da maldade, esses são os herdeiros de uma escolha malfeita.

Abraços,

Lewton




Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!