As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 22-03-2014. Acessado 631 vezes.
Título da Postagem:Será o que chamamos de Racismo um código visual de distinção
Titular:Lewton Burity Verri
Nome de usuário:Lewton
Última alteração em 22-03-2014 @ 08:52 am
[ Avise alguém sobre este texto ]
Tags: Racismo, darwinismo, Charles Darwin, evolução das espécies, ciência, DNA

 SERÁ O QUE CHAMAMOS DE RACISMO UM CÓDIGO VISUAL DE DISTINÇÃO?

 Será que os bebês sejam racistas? Haverá no DNA humano marcadores discriminatórios de grupos ou tribos, baseados em tipologias humanas? Será que o RACISMO não seja um mecanismo de identificação visual de grupos? Um time de futebol é RACISTA pelo justo fato de sua camisa de jogo ser discriminatória?

 A questão é interessante, sob o ponto de vista de que os bebês não possuem o condicionamento cultural e social de adultos, e podem "responder" a questão sobre a segregação racial. Como os bebês não estão ainda aculturados em estratos raciais, não seria viável uma pesquisa comportamental, usando distinções de cores?

 A natureza humana possui duas cores de maior predileção - a azul (céu) e a amarela (sol) – além do verde da matas.

 Entendemos que nossas REAÇÕES sociais e culturais não são manifestações relacionadas à discriminação simples e pura entre RAÇAS humanas. Cremos ser um sinalizador "marcado" no DNA humano, após milhares ou milhões de anos, em que o código genético da humanidade esteve sob "pressão evolucionária" - isto vem da "máquina darwinista da seleção natural e da sobrevivência das espécies"...

 Vamos raciocinar num ENSAIO teórico com bebês agrupados em TIMES, usando-se num grupo camisas amarelas e em outro grupo usando camisas azuis. E vamos "testar" os indícios das marcações no DNA humano, sobre identidade visual e caracterização de hábitos, vestimentas e ornamentos.

 Se colocarmos misturados grupos de bebês com camisas azuis e com camisas amarelas, depois de algum tempo os bebês terão "formado" times homogêneos de camisas de mesma cor? Os bebês terão identificado companheiros afins, de mesma identidade visual? Será este fenômeno, se houver, uma busca "natural" de iguais? E daríamos o nome a isto de SEGREGAÇÃO RACIAL ou SEGREGAÇÃO NATURAL?

 A identidade visual corporalmente instituída se caracteriza em distinção criada para os agrupamentos de afins e de iguais. Hoje sabemos que tribos, ou grupos sociais,  desenvolvem hábitos, vestimentas, ornamentos e cultura distintos entre grupos. Até condicionados pelo meio em que habitam.

 Será então que o meio faz mesmo o homem? E se e meio faz o homem os aspectos gerais das culturas serão diferentes e condicionarão "pressões" de comportamentos para agrupamentos de afins. Para cada localidade geográfica.

 Segundo Charles Darwin, a pressão sobre a conduta humana terminou por forçar a evolução das espécies no sentido de que cada indivíduo viesse a ter o senso gregário entre afins. Acontece até entre animais.

E isto foi criação do Design Inteligente. Será que o Design Inteligente seja RACISTA, segundo nossos conceitos de 'aceitação legislativa obrigatória' entre grupos diferentes e de outras "cores de camisas"?

 De nossa parte, com base neste ENSAIO, o RACISMO não é uma ação social RACIOCINADA, mas sim instintiva, haja vista que dois mecanismos se impuseram na evolução da espécie humana, por muitos milênios:

 1º O instinto de sobrevivência confinado pela REGRA DA AFINIDADE, primeiramente evidenciada pela identidade visual, e

 2º o instinto de identificação da afinidade em si, uma vez que o indivíduo possui instinto gregário com perfis que lhes são favoritos.

 Este 2º instinto é o que cria as amálgamas entre RAÇAS humanas, uma vez que a DIVERSIDADE é uma força poderosa de aceitação das misturas e das miscigenações, se ele possuir o RACIOCÍNIO da irmandade.

 O conceito de IRMANDADE faz o apelo final para este 2º instinto, e faz com que os diferentes e diversos coexistam em harmonia e em reciprocidade colaborativa e cooperativa.

 Portanto, o RACISMO não se traduz numa maldade humana intrínseca na NÃO ACEITAÇÃO das diferenças, mas numa identificação visual de afins, para a preservação e sobrevivência das espécies, "pressionadas por milênios" no DNA humano.

 Se isto for verdadeiro há que se reverem às políticas de combate ao RACISMO.

 E por sabedoria do Design Inteligente cria para nós, humanos, uma energia criativa para consolidação da verdadeira IRMANDADE HUMANA. E de modo RACIOCINADO.

 Abraços,

 Lewton

Neto de negra com branco filho de italianos... Por parte de pai.

E Darwinista, adepto do Design Inteligente.




Bookmark and Share
Outas colaborações de Lewton
Veja Mais
Perfil de Lewton
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!