As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 02-10-2016. Acessado 124 vezes.
Título da Postagem:A propósito das eleições...
Titular:juan ignacio koffler anazco
Nome de usuário:jkoffler
Última alteração em 02-10-2016 @ 01:55 pm
[ Avise alguém sobre este texto ]
Tags: eleições municipais; voto consciente; cidadania e patriotismo

 Por que o voto deve necessariamente ser "democrático"? Uma completa falácia jurídica...


I. Constatações irrebatíveis e de alerta:

"Por que as eleições são daninhas à democracia?", questiona David Van Raybrouck (2016), acertadamente. Nunca - afirma ainda este estudioso - um país ou até todo um continente foi mudado por cidadãos tão desencantados e pobremente informados.

Em fundamentação, o autor ora em destaque descerra um leque de fundamentos que não permitem contestação, pois que refletem verdades insofismáveis:

"Na superfície, a saúde da democracia parece ir muito bem, obrigado. Já na prática, nos últimos dez anos, ao redor do mundo houve um crescimento considerável de declínio da confiança e credibilidade dos governos e partidos políticos, alcançando índices históricos abaixo da 'linha crítica' do equilíbrio mundial" (J.Koffler, 1986).

Em Europa, por exemplo, menos de 30% das populações confiam em seus Parlamentos e Governos, e quase três quartos das populações não confia nas mais importantes instituições políticas dos seus países. Ditos índices - sublinhamos -, em se tratando de América do Sul e Central, elevam-se exponencialmente em perigosas taxas de rejeição, indicando potenciais e iminentes rupturas.

No Brasil, o ICS - Índice de Confiança Social, atingiu seu nível mais baixo da série histórica, em 2015, chegando a 45 pontos (crítico!).

Outro índice - o Índice de Percepção do Cumprimento das Leis (IPCL-Brasil) - indicou que a maioria das instituições mereceu confiança inferior a 50% da sociedade para os seguintes segmentos: partidos políticos: 5%; governo federal: 19%; Congresso Nacional: 15%; Poder Judiciário: 25%.

II. No tocante ao processo eleitoral em si, venho acompanhando pari passu com o desenrolar do dia crítico (hoje, domingo, via TV, Internet e ao vivo, pessoalmente) a distorção expressa por nossa sociedade (lato sensu):

É um dia "de festa", de abusos etílico-gastronômicos, de foguetórios, de carreatas barulhentas, nada condizente com a sagrada e patriótica missão de sufragar. E sublinho duplamente: não presenciei (e nem espero que assim ocorra, em base a minha longa experiência adulta de mais de 50 anos) um único ato de responsabilidade que merecesse ser observado e positivamente destacado neste tão relevante dia que marcará, por mais quatro anos, os nossos destinos municipais - espelho fiel do nosso destino nacional.

Curioso paradoxo que ratifica o cenário supra-referido em relação aos índices problemáticos, apontados ao início deste singelo ensaio. Noutras palavras, o fenômeno não é exclusividade de regiões, mas do planeta; alguns territórios com maior animosidade (conflitos, guerras, atentados etc.), outros com mais expressiva demonstração de deseducação, irresponsabilidade, leviandade. Como pleitear, então, um mundo melhor, se obramos em direção diametralmente oposta? Outro grotesco paradoxo humano.

III. Permito-me encerrar, caros colegas e estudiosos do Direito e das Ciências Humanas em sentido lato, com uma despretensiosa reflexão:

"A arma mais poderosa dos homens livres não é o voto, mas a liberdade de eleger nossos destinos. O voto é só uma ferramenta" (Major Roberto D'Aubuisson, 2014).

Tenham todos um excelente domingo e, se não para este, que pelo menos lhes sirva a reflexão para pensá-la e digeri-la nos próximos quatro anos, antes de novamente exercer o direito do ser humano: escolher seu destino.


RAYBROUCK, David Van. Why elections are bad for democracy. London (UK): The Guardian, 2016. https://www.theguardian.com/politics/2016/jun/29/why-elections-are-bad-for-democracy

BOCCINI, Bruno. Cai a confiança no Judiciário, no governo e nos partidos políticos. Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas - São Paulo. http://www.ebc.com.br/noticias/2015/06/pesquisa-cai-confianca-no-judiciario-no-governo-e-nos-partidos-politicos




Bookmark and Share

Comente
Olá Visitante. Este usuário permite que você comente mas antes é necessário informar seu nome e email pessoal válido e ativo.
Você receberá um email de confirmação.
Nome: Obrigatório
Digite seu Email: Obrigatório. Não será divulgado.
Redigite seu Email: Obrigatório. Não será divulgado.
Código de segurança:_YA_SECURITYCODE
Digite o código de segurança:
  [ Voltar ]
Outas colaborações de jkoffler
Veja Mais
Perfil de anonimo
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!