As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 05-04-2007. Acessado 1558 vezes.
Título da Postagem:Exército estuda usar pombo-correio
Titular:GTMelo
Nome de usuário:GrupoGuararapes
Última alteração em 05-04-2007 @ 04:34 pm
[ Avise alguém sobre este texto ]
Estamos Vivos! Grupo Guararapes!

Brigada de Operações Especiais estuda a possibilidade de uso da ave como ação estratégica.

A utilização do pombo-correio como meio de comunicação em algumas unidades do Exército brasileiro pode voltar a ser realidade dentro de pouco tempo. Com o apoio da Liga Goiana de Columbofilia, a Brigada de Operações Especiais, sediada em Goiânia, estuda há um ano a retomada da atividade como parte de ações estratégicas não-convencionais.

Até 1959 a columbofilia era parte integrante do Ministério da Guerra. Os pombos-correio eram considerados uma reserva militar em caso de necessidade de transmissão de mensagens e códigos em longas distâncias durante conflitos. Com o avanço das comunicações, do telégrafo até a internet, o uso de pombos-correio em missões oficiais parecia obsoleto. Parecia.

Em Goiânia há pouco mais de um ano, o chefe do Estado-Maior da Brigada de Operações Especiais, coronel José de Castro Gama, que havia servido na Amazônia, decidiu retomar em Goiânia o uso da columbofilia em operações militares. A idéia surgiu por meio do Comando Militar da Amazônia, que teve dificuldade de implantá-la devido à falta de criadores na região. “A brigada é uma força de ação rápida e estratégica. É a primeira tropa a se deslocar em caso de combate em qualquer área do território nacional, como também é voltada para ações não-convencionais”, afirma o coronel Gama explicando o interesse pela questão.

Numa área como a Amazônia, o pombo-correio é visto como instrumento importante na hipótese de resistência. “É um meio seguro e não é afetado por interferências tecnológicas”, explica o chefe do Estado-Maior da Brigada de Operações Especiais. O propósito, caso o projeto avance, é formar uma rede de criadores na Região Norte .

O primeiro passo para colocar o projeto em prática foi convidar a Liga Goiana de Columbofilia, entidade reconhecida pela Federação Brasileira de Columbofilia, a prestar informações a respeito. Presidente da liga, o advogado João Néder, columbófilo há 64 anos dos seus 73 anos de vida, vem colaborando no sentido de estreitar os laços entre o Exército e os criadores de todo o Brasil.

O resultado prático dessa parceria poderá ser conferido em agosto deste ano, quando as O-perações Especiais do Exército brasileiro farão 50 anos. O contato com alguns dos mais importantes columbófilos brasileiros já rendeu provas comemorativas que serão observadas atentamente por integrantes da brigada. “Vamos aproveitar para monitorar e avaliar a possibilidade de voltar a trabalhar com o pombo e desenvolver uma doutrina de emprego”, diz o coronel Gama.

Entusiasmado, o advogado João Néder inseriu provas comemorativas no Campeonato 2007 da Liga Goiana de Columbofilia. No dia 22 de agosto, pombos-correio de criadores goianos serão soltos na cidade de Brumado (BA), a 865 quilômetros de Goiânia. No mesmo dia, outro grupo de columbófilos de Goiás fará a soltura de aves no Rio de Janeiro, a 991 quilômetros de distância, na prova já denominada Cinqüentenário das Operações Especiais.




Bookmark and Share
Outas colaborações de GrupoGuararapes
Veja Mais
Perfil de GrupoGuararapes
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!