As opiniõess expressas neste blog particular e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário blogueiro. Os comentários e respostas são moderados pelo blogueiro.

 
   Olá Visitante! Junte-se a nós ou Entre. Principal | Anuncie Já | Hinos | Fórum | Colabore | Novas | Todos 
  Onde estou? Página Principal >> Blogs Hospedados no Portal Militar  
  Perfil do claudinei
Blog kabo velho
claudinei - Todas as Postagens
 
   
 
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.
 
 
Equiparaçao dos Cabos da Aeronautica e Taifeiros

Denunciar conteúdo abusivo, impróprio, ofensivo, com palavras chulas e de baixo calão
28 de Jul de 2010 com 10987 VisualizaçõesNotícia
Notícia
 

 
CONGRESSO NACIONAL
COMISSAO MISTA DE PLANOS,ORÇAMENTOS E FISCALIZAÇAO
SISTEMA DE ELABORAÇAO DE EMENDAS AS LEIS ORÇAMENTARIAS
PLN 0004/2010 -LDO

ESPELHO DE EMENDAS AO TEXTO DA LEI

EMENTA: EQUIPARAÇAO DOS CABOS DA AERONAUTICA E MEMBROS DO QUADRO ESPECIAL DE SARGENTOS.
MODALIDADE:INDIVIDUAL
TIPO:ADITIVA
REFERENCIA:CORPO DA LEI -ARTIGO 84

TEXTO PROPOSTO

ART.84B - FICA AUTORIZADA A EQUIPARAÇAO DOS CABOS DA AERONAUTICA E MEMBROS DO QUADRO ESPECIAL DE SARGENTOS DA AERONAUTICA (QESA),INCLUSIVE AQUELES QUE SE ENCONTRAM NA RESERVA,AO QUADRO DE TAIFEIROS DA AERONAUTICA(QTA)

JUSTIFICATIVA

O Decreto n 3690/2000,que regulamenta as carreiras da Aeronautica estabelece que os taifeiros,que tem inicio de carreira inferior a cabo,tem direitos a promoçoes gradativas ate suboficiais (art.10,inciso ll).Apos 4 anos de carreira o taifeiro chega ao nivel de cabo,com 11 anos chega a 3 sargento ,18 anos passa a 2 sargento,25 anos vai a 1 sargento e quando for para a reserva passa a suboficial (com 50 anos de idade ele vai compulsoriamente para a reserva),de acordo com a lei n 12.158/2009.No entanto ,os cabos apenas sao promovidos a 3 sargento com 20 anos de serviço e apos isso nao ha mais nenhuma promoçao.
Para corrigir essa distorçao,faz-se necessario uma alteraçao do decreto n3690/2000,permitindo que os cabos sejam promovidos a QESAS com 11anos de serviço (equiparando aos taifeiros) e que os QESAS possam ser promovidos a 2 sargento (apos 7 anos),1 sargento(apos 7 anos da promoçao anterior)e depois suboficial,tal qual ocorre com os taifeiros.A promoçao para suboficial ,somente ocorrera quando for a reserva ,mediante projeto de lei ou medida provisoria nos mesmos moldes definidos para os taifeiros na Lei n 12.158/2009,abrangendo tanto os cabos quantos aos QESAS que ja estano na reserva hoje.
A estimativa de impacto da equiparaçao aos taifeiros e de rs149 milhoes por ano beneficiando de imediato,3.912 na ativa (decreto)e 5.554 na reserva (PL ou MP).
Todavia,para estas medidas poderem ser efetivadas em 2011,faz-se necessario a previsao orçamentaria.Nesse sentido,propomos a inclusao da presente emenda na LDO de 2011.



DIVULGUEM ESTA NOTICIA QUE CHEGOU EM MINHA UNIDADE,SAO JOSE DOS CAMPOS,EM 02/06/2010.
ABRAÇOS A TODOS OS AMIGOS DA FAMILIA MILITAR E MELHORIA PRA TODOS NOS!


Este Blogueiro NÃO permite que VISITANTES comentem nesta postagem.
Junte-se a nós ou Entre para comentar!
 
 

- 29 de Jul de 2010 às 6:49 |1 C
esta de parabens so esperar que vem as promoçoes so ter um pouco de paciencia cvcs merecem brasil aicima de tudo

- 29 de Jul de 2010 às 7:47 |2 C
Na MARINHA CB's com mais de 23 anos de carreira estão parados na promoção...O QUESM está muito lento a fila..praticamente não anda...muitos cabos ja foram embora na mesma graduação... O pior é que a MARINHA nos impediu de fazer prova..em 2001 quem estivesse com mais de 15 anos deveria aguardar esta maldita fila...ou seja hoje eu com 25 anos de MARINHA é que estou perto de ir para o QUESM...Alguem tem que nos dar uma luz...do jeito que está não dá...pra piorar os OFICIAIS GENERAIS da MARINHA compraram os juizes,advogados etc..etc..etc..POR FAVOR ALGUEM LEVAR O CASO PARA UMA AUTORIDADE, pois na marinha só tem "OTORIDADE". ..
***????? POR QUE OU QUAL O MOTIVO NOS IMPEDIRAM OU TIRARAM O DIREITO DE FAZER A PROVA???? até hoje nunca fui punido...bem conceituado.... pra que??? para vermos os mais modernos (9 anos de marinha) irem a SG na nossa frente???? ..sem contar que a prova é ridicula...é só tirar 5 que está dentro ...na minha época muitos militares tiravam 8,0...9,0... e ficavam na reserva,pois o numero de vagas era limitado....aí criterio de desempate era a redação..é só conversar com algum militar da MARINHA que eles confirmarão o que escrevi aqui......PARABENS AO PESSOAL DA AERONAUTICA....abraços......

- 29 de Jul de 2010 às 10:30 |3 C
SÓ HÁ UMA MANEIRA PARA MUDAR ESSE QUADRO E TANTOS OUTROS:

Os militares das Forças Armadas precisam formar uma bancada militar no Congresso Nacional. Os militares da ativa e da reserva, os reformados, as pensionistas e respectivos familiares podem formar a maior bancada daquela Casa Legislativa. Essa Guerra tem que ser ganha! Basta usar a arma mais poderosa e temida: O VOTO! A Família Militar deve optar por votar em candidatos militares, a fim de constituírem uma base sólida de representantes no Congresso Nacional, para que possam ser mais respeitados. Se forem eleitos, poderão batalhar pelos anseios da Família Militar, recuperar o que foi usurpado pela famigerada MP 2215-01 (LRM), há quase dez anos mofando no Congresso, as PECS 245, 249 e 352, bem como tantos outros assuntos de interesse da classe militar. Poderá também exigir da União um tratamento de igualdade com as demais carreiras funcionalismo.

CANDIDATOS AS ELEIÇÕES PELO RIO GRANDE DO NORTE:

Cabo GUIDO(Aer)- Deputado Federal - PSDB, Nº 4544

Cap RODRIGUES(PM-RN)- Deputado Estadual - PSDB, Nº 45190

MILITAR VOTA EM MILITAR! FAMILIARES E AMIGOS TAMBÉM!

- 29 de Jul de 2010 às 12:40 |4 C
Espero que seja feito algo parecido na Marinha pois nós do quadro especial não temos nada de especial, encontramos sem rumo. Precisamos de melhorias pois também somos militares e concursados, e estamos sem um plano de carreira digno

- 29 de Jul de 2010 às 14:05 |5 C
boa tarde, encontrei no google essa matéria abaixo, alguem sabe dizer se esta no congrsso.




CAPITÃO LUIS FERNANDO DA ATIVA DO EXÉRCITO CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL, NACIONALISTA, PATRIOTA, COM 17 ANOS DE SERVIÇO, QUE APÓIA A ESTRATÉGIA NACIONAL DE DEFESA E O REAPARELHAMENTO DAS FORÇAS MILITARES NACIONAIS

17/07/2010

LEI DE PROMOÇÃO DOS SGT QE
PROJETO DE LEI


Altera a Lei nº 10.951 de 22 de setembro de

2004, que reorganiza o QUADRO ESPECIAL

DE TERCEIROS - SARGENTOS DO

EXÉRCITO, dispõe sobre a promoção de

Soldados, Cabos, Taifeiro-Mor e Sargentos

do Quadro Especial estabilizados do Exército

à graduações superiores e dá outras providências.


O Congresso Nacional decreta:


Art. 1º....................................................................................................


Esta Lei altera a Lei n.º10.951, de 22 de setembro de 2004, estabelecendo novas regras para a promoção de Soldados, Cabos, Taifeiro-Mor e Sargentos do Exército com estabilidade assegurada, com a alteração do artigo 1º, inciso 1º e inciso 2º do passam a vigorar a seguinte redação:


Art. 1º Fica alterado nos termos da Lei, o Quadro Especial de Terceiros-Sargentos do Exército, passando a denominar Quadro Complementar de Praças.


§ 1º O Quadro Complementar de Praças é destinado ao acesso de Soldados, Cabos, Taifeiros-mor e Sargentos do Quadro Especial da ativa do Exército Brasileiro, com estabilidade assegurada.


§ 2º-O acesso dos Cabos e Taifeiros-mor, de que trata este artigo, será efetivado por promoção à graduação de Terceiro-Sargento do Quadro Complementar de Praças, pelo critério de antiguidade, na Qualificação Militar de origem e em suas respectivas guarnições.


Art. 2º...................................................................................................


O item I do artigo 2º, o item I do inciso 1º e o inciso 2º do artigo 2º da Lei nº 10.951, de 22 de setembro de 2004, passam a vigorar com a seguinte redação:


Art. 2º Os Cabos e Taifeiros-mor, com estabilidade assegurada, concorrerão a promoção a Terceiro-Sargento Quadro Complementar de Praças, desde que satisfaçam os seguintes requisitos:

I – possuam 15 (quinze) anos de efetivo de serviço.


§ 1º Para as promoções de que trata o caput deste artigo:


I – serão organizados quadros de acesso distintos para os Cabos, Taifeiros e Sargentos do Quadro Complementar de Praças.


§ 2º Os Cabos e Taifeiros-mor, com estabilidade assegurada, promovida à graduação de Terceiros-Sargentos do Quadro Complementar de Praças, ocupam cargo previsto para cabo ou taifeiro-mor com estabilidade assegurada, de acordo com as suas respectivas qualificações militares de origem, devendo permanecer em suas respectivas guarnições.


Art. 3º…...........................................................................................................


O item I do artigo 3º da Lei nº 10.951, de 22 de setembro de 2004, passam a vigorar com a seguinte redação:


I – possuam 15 (quinze) anos de efetivo de serviço.


Art. 4º ...............................................................................................................


Art. 4º O Terceiro-Sargento do Quadro Complementar de Praças da ativa do Exército, com estabilidade assegurada, terão direito às promoções sucessivas, limitadas ao posto de Subtenente, sendo inseridos como Sargento do Quadro Complementar de Praças da Arma na qual foram formados, ocupando os mesmos claros de origem, desde que satisfaçam os seguintes requisitos:

I) Promoção à graduação de Segundo-Sargento do Quadro Complementar de Praças, ao completar 23 (vinte e três) anos de efetivo serviço;

II) Promoção à graduação de Primeiro-sargento do Quadro Complementar de Praças, ao completar 28 (vinte e oito) anos de efetivo serviço;

III) Promoção ao posto de subtenente do Quadro Complementar de Praças, ao completar 33 (trinta e três) anos de efetivo serviço, caso ainda na ativa.

IV) obtenham conceito favorável de seu comandante, chefe ou diretor de organização militar;

V) estejam classificados, no mínimo, no comportamento “bom”;

VI) tenham obtido, no mínimo, a menção “regular” em 1 (um) dos 3 (três) últimos testes de aptidão física, previstos pela organização militar, anteriores à data de remessa das alterações referentes à promoção;

VII) apresentem declaração escolar de conclusão do Ensino Médio;

VIII) sejam julgados aptos para o serviço do Exército, em inspeção de saúde para fins de promoção; e

IX) não incidam em quaisquer outros impedimentos de acesso, em caráter temporário ou definitivo, estabelecidos no Regulamento de Promoções de Graduados.

§ 1º. Os Terceiros-Sargentos do Quadro Complementar de Praças da ativa farão jus à promoção nos termos deste artigo, observados os respectivos tempos de serviço.


§ 2º Os Terceiros-Sargentos Quadro Complementar de Praças com estabilidade assegurada que, promovidos à graduação de Segundo-Sargento do Quadro Complementar de Praças e as promoções sucessivas, poderão ser movimentados de acordo com as normas vigentes para transferências de praças e a ocupar claro previsto para Cabo estabilizado ou Taifeiros-mor.


§ 3º Fica assegurado ao Sargento do Quadro Complementar de Praças o acesso a estágio de atualização militar compatíveis com o cargo por ele ocupado a fim de habilitá-lo às graduações superiores.


I - Entende-se como estágio de atualização militar para fins de promoção, os cursos de aperfeiçoamento de Sargentos, cursos de nível Técnico e nível Superior.


II - Os Sargentos que apresentarem diploma de conclusão de nível Técnico e ou nível Superior, serão considerados aperfeiçoados para fins de promoção e o exercício das funções peculiar às graduações de cada quadro.

Art. 5° Os militares que atendam as condições estabelecidas nesta Lei, bem como seus beneficiários de pensão militar somente farão jus aos benefícios previsto nesta Lei após a assinatura de termo de acordo, que importará:

I - a expressa concordância do militar ou do pensionista com a forma, prazos, montantes e limites de valores definidos nesta Lei;

II - a desistência de processo judicial em curso, em qualquer instância e sua conseqüente extinção, assim como de seus eventuais recursos;

III - a renúncia ao direito de pleitear, na via administrativa ou judicial, quaisquer valores ou vantagens decorrentes da mesma revisão prevista nesta Lei, salvo em caso de comprovado erro material;

IV - a renúncia aos honorários advocatícios e à restituição de custas.

§ 1º Havendo ação judicial em curso, o advogado do militar ou pensionista deverá manifestar a renúncia ao recebimento de honorários ou, alternativamente, o militar ou pensionista deverá manifestar concordância com o desconto direto nos valores de remuneração ou de proventos de eventuais quantias despendidas pela União.

§ 2º Compete ao interessado requerer ao juiz da causa a desistência da ação, nos termos do inciso V do art. 269 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil, e juntar ao termo de acordo a homologação judicial da desistência.

§ 3º Ocorrendo pagamento concomitante ou em duplicidade de valores referentes ao acordo previsto nesta Lei, fica a União autorizada a reaver a respectiva importância administrativamente por meio de desconto direto na remuneração ou nos proventos.

§ 4º Na hipótese de o militar ou beneficiário de pensão ocultar a existência de ação judicial, as restituições de que tratam os §§ 1º e 3º serão realizadas acrescidas de multa de 20% (vinte por cento).

Art. 6° Aplicam-se às promoções das praças de que trata esta Lei, no que couberem, as disposições do Regulamento de Promoções de Graduados do Exército.

Art. 7º O Comandante do Exército baixará os atos complementares necessários à execução desta Lei.

Art. 8º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.


- 30 de Jul de 2010 às 23:23 |6 C
Essa é mais uma prova de que a Equipe QESAPARASEMPRE está realizando um grande trabalho, esses valentes homens não estão medindo esforços em busca de uma solução para a classe de Cabos e QESAS da Aeronáutica, parabéns homens de fibra e perseverantes, aposto que toda a sua classe está orgulhosa do trabalho ce vocês!

ogum comentou. Clique aqui para ver seu perfil. - ogum - 02 de Ago. de 2010 às 16:40 |7 C
O que é preciso, são todos os Cb e 3º Sgt da Marinha, Exército e Aeronáutica se unirem e remarem para o mesmo lado, afinal de contas todos somos das FFAA brasileira.

Mas vejo também que há um distanciamento infinito, individualismo, soberba, vaidades. Senhores isso não leva a lugar algum.

Vejam se os oficiais estão mau-remunerados? Não estão não. Quando atingem um determinado posto, tudo fica bom demais.

Acordem praças das FFAA.

Sempre seremos praças e pelo que vejo sempre desunidos.

Mas dá tempo de mudar isso. Pressão mesmo que seja pela política.


- 03 de Ago. de 2010 às 19:14 |8 C
Primeiramente mando um grande abraço a todos os irmãos Sgt, Cb, Sd e Tf, e em especial a Equipe QESA para sempre.
Gostaria de ressaltar somente que o texto de emenda dispõe que os Taifeiros alcançam, após quatro anos, a equiparação aos cabos. Isso não mais ocorre. Houveram alterações, hoje os taifeiros ao ingressarem na FAB, realizam o curso de Taifeiros como T2, ao concluírem são promovidos a T1, após três anos são promovidos a TM, e após um ano são promovidos a 3S.
Tais alterações constam do final de 2009, conforme Portaria nº 960/GC1, de 5 OUT 2009.
Vale ressaltar, também, que a ascessão a graduação de Suboficial, na reserva se deu através da Lei nº 12.158, de 28 DEZ 2009, publicada no DOU nº 248, de 29 DEZ 2009.
Tenho medo que esses dados não tenham sido levados em conta, o que poderia ocasionar novas lutas junto aos parlamentares. Porém acredito que a equipe trabalha bem e tenha atentado para tais informações.
Sou Cabo de Roraima, e torço para o sucesso dessa valiosa e merecida batalha.
Um grande abraço a todos.

- 03 de Ago. de 2010 às 19:28 |9 C
PORTARIA No 960/GC1, DE 5 DE OUTUBRO DE 2009.
Fixa interstícios para as Graduações do Quadro de Taifeiros da Aeronáutica.
O COMANDANTE DA AERONÁUTICA, de acordo com o previsto no Art. 19 da Lei Complementar no 97, de 9 de junho de 1999; o disposto no Art. 56 do Regulamento de Promoções de Graduados da Aeronáutica (REPROGAER), aprovado pelo Decreto no 881, de 23 de julho de 1993, e o que consta do Processo no 67400.006694/2009-01, resolve:
Art. 1o Fixar, para fins de ingresso em Quadro de Acesso, nas diversas
Graduações do Quadro de Taifeiros da Aeronáutica (QTA) do Corpo do Pessoal Graduado da Aeronáutica, os seguintes interstícios:
GRADUAÇÃO INTERSTÍCIO
Primeiro-Sargento 7 anos
Segundo-Sargento 7 anos
Terceiro-Sargento 7 anos
Taifeiro-Mor 1 ano
Taifeiro-de-Primeira-Classe 3 anos
Art. 2o O Curso de Formação de Taifeiros (CFT) é realizado na Graduação de
Taifeiro-de-Segunda-Classe (T2).
Art. 3o É condição para promoção à Graduação de Taifeiro-de-Primeira-Classe
(T1) a conclusão, com aproveitamento, do CFT, além das demais condições previstas no REPROGAER.
Art. 4o É condição para promoção à Graduação de Terceiro-Sargento do QTA a
realização de processo seletivo, conforme o estabelecido na Instrução Reguladora do Quadro de Taifeiros (IRQTA).
Art. 5o Caso, na data de promoção à Graduação de Terceiro-Sargento do QTA, o militar não tenha adquirido estabilidade, aplicar-se-á ao mesmo o previsto no Art. 26 do Regulamento do Corpo do Pessoal Graduado da Aeronáutica, aprovado pelo Decreto no 3.690, de 19 de dezembro de 2000.
Art. 6o Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 7o Revoga-se a Portaria no 513/GC1, de 2 de agosto de 2007, publicada no Diário Oficial da União no 149, de 3 de agosto de 2007.

Ten Brig Ar JUNITI SAITO
Comandante da Aeronáutica

LEI N
o
- 12.158, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009
Dispõe sobre o acesso às graduações superiores de militares oriundos do Quadro de Taifeiros da Aeronáutica.
O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A
Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono
a seguinte Lei:
Art. 1o Aos militares oriundos do Quadro de Taifeiros da Aeronáutica - QTA, na reserva remunerada, reformados ou no serviço ativo, cujo ingresso no referido Quadro se deu até 31 de dezembro de 1992, é assegurado, na inatividade, o acesso às graduações superiores na forma desta Lei.
§ 1o O acesso às graduações superiores àquela em que ocorreu ou venha a ocorrer a inatividade dar-se-á conforme os requisitos constantes desta Lei e respectivo regulamento e será sempre limitado à última graduação do QTA, a de Suboficial.
§ 2o O acesso às graduações superiores, nos termos desta Lei, adotará critérios tais como a data de praça do militar, a data de promoção à graduação inicial do QTA, a data de inclusão do militar no QTA, a data de ingresso na inatividade e o fato motivador do ingresso na inatividade, conforme paradigmas a serem definidos em regulamento.
Art. 2o A promoção às graduações superiores, limitada à graduação de Suboficial, e aos proventos correspondentes observará pelo menos um dos seguintes requisitos:
I - que a transferência para a reserva remunerada tenha se dado ou venha a se dar a pedido, depois de cumprido tempo mínimo de serviço determinado em legislação específica;
II - que a inatividade tenha sobrevindo ou venha a sobrevir pelo alcance da idade limite para a permanência no serviço ativo;
III - que a inatividade tenha sobrevindo ou venha a sobrevir em face de aplicação da quota compulsória; ou
IV - que a despeito de não cumprir o tempo mínimo de serviço determinado em legislação específica para requerer a transferência para a reserva remunerada, a inatividade tenha sobrevindo em face de incapacidade definitiva para o serviço ativo.
Art. 3o O direito à promoção às graduações superiores previsto nesta Lei não abrange os militares oriundos do QTA que tenham ingressado na inatividade em data anterior à publicação da Lei no 3.953, de 2 de setembro de 1961, ou que tiveram as pensões militares instituídas anteriormente à data de publicação daquela Lei.
Art. 4o Desde que atendam ao art. 1o e a um dos requisitos estabelecidos nos incisos de I a IV do art. 2o e tendo o tempo mínimo de serviço determinado em legislação específica para a transferência para a reserva remunerada, também farão jus ao acesso a graduações superiores, até a graduação de Suboficial:
I - os militares falecidos na inatividade, instituidores de pensão militar e oriundos do QTA; e
II - os militares falecidos quando em atividade, instituidores
de pensão militar e oriundos do QTA.
Art. 5o Os militares que atendam a uma das condições estabelecidas nos incisos de I a IV do art. 2o, bem como os beneficiários de pensão militar cujos instituidores preencham as condições dispostas no art. 3o, somente farão jus ao benefício previsto nesta Lei após a assinatura de termo de acordo, que importará:
I - a expressa concordância do militar ou do pensionista com a forma, prazos, montantes e limites de valores definidos nesta Lei;
II - a desistência de processo judicial em curso, em qualquerinstância, e sua consequente extinção, assim como de seus eventuais recursos;
III - a renúncia ao direito de pleitear, na via administrativa ou judicial, quaisquer valores ou vantagens decorrentes da mesma revisão prevista nesta Lei, salvo em caso de comprovado erro material;
IV - a renúncia aos honorários advocatícios e à restituição de custas.
§ 1o Havendo ação judicial em curso, o advogado do militar ou pensionista deverá manifestar a renúncia ao recebimento de honorários ou, alternativamente, o militar ou pensionista deverá manifestar concordância com o desconto direto nos valores de remuneração ou de proventos de eventuais quantias despendidas pela União.
§ 2o Compete ao interessado requerer ao juiz da causa a desistência da ação, nos termos do inciso V do art. 269 da Lei no 5.869, de 11 de janeiro de 1973 - Código de Processo Civil, e juntar ao termo de acordo a homologação judicial da desistência.


Encaminho a todos essa Lei e a Portaria para que todos tenham conhecimento da real situação entre os cabos e taifeiros. Enquanto os cabos aguardam 20 anos para irem a 3S, os taifeiros conseguem com 4 anos a graduação de 3S, e a Suboficial assim que ingressam na reserva. Não estou dizendo que não devam, pois também são nossos irmãos, e tem direito a melhoria. Só estou mostrando a disparidade. Isso não é justo.
Acredito que se estamos correndo atrás de justiça deveria haver uma equiparação. Se eles podem ir a 3S em 4 anos, porque nós não podemos também?
è um caso que deve ser levado em consideração.
Espero ter ajudado.

Um Grande abraço.

- 09 de Ago. de 2010 às 11:20 |10 C
O tratamento dado aos taifeiros da FAB (que têm um "sindicato" fortíssimo junto aos brigadeiros), facilita o acesso desses militares à graduação de sargento, provocando uma equiparação equivocada de profissionais que tem formação completamente diferentes. Não se pode colocar no mesmo patamar profissional, por exemplo, um sargento especialista em mecânica de aeronaves, com dois anos de formação na EEAR, diversos cursos no Brasil e no exterior e conceito alto, com um taifeiro que trabalhou a vida toda como servente em casa de brigadeiro, arrumando cama, fazendo comida, cortando cabelo. Não quero com isso menosprezar o trabalho do taifeiro, longe disso. Quero somente chamar a atenção pro fato de não existir na FAB política de valorização profissional do sargento. Tenho a nítida impressão de que a intenção é tornar a tropa de graduados uma massa homogênea, de fácil manobra, altamente descartável. Mantendo-se esse contexto, no futuro não haverá mais como chamar o sargento da FAB de "sargento ESPECIALISTA", já que as funções atribuídas a soldados, cabos, taifeiros e sargentos a cada dia se tornam menos diferenciadas. É uma pena que as coisas estejam caminhando nesse sentido. É uma pena, também, que existam suboficiais (graduação mais alta existente na carreira do sargento) usando avental e caminhando pelos corredores das unidades carregando bandejinhas de café para autoridades. Isso é valorização ? Isso é enaltecimento da carreira ? Se o taifeiro quer ganhar mais, pague ao TM com 30 anos de serviço o mesmo salário de suboficial. Pronto. Resolvido o problema ! Triste...
Anderson Anderson - 11 de Mar de 2011 às 21:15 |1 R - Aguardando moderação do blogueiro
m13leite@hotmail.com.br m13leite@hotmail.com.br - 21 de Abr de 2012 às 20:38 |2 R - Aguardando moderação do blogueiro

CCSS comentou. Clique aqui para ver seu perfil. - CCSS - 02 de Jan. de 2011 às 21:09 |11 C
A distorção é muito grande, enquanto os taifeiros cuja maioria possuem baixa escolaridade, inclusive, e são beneficiados, os combatentes e administrativos pagam o preço.