Rio -  Em seu pronunciamento mais forte em defesa dos quartéis, o ministro da Defesa, Celso Amorim, disse que a recuperação do poder de compra  dos soldos militares é uma das prioridades do governo. “Não é só uma questão de governo, mas de toda a sociedade que precisa valorizar a carreira militar”, declarou o ministro em audiência no Senado, para logo em seguida mostrar estudos revelando que militares das Forças Armadas receberam nos últimos 10 anos os menores reajustes quando comparados a aumentos concedidos a pessoal de gestão, procuradores e demais carreiras de estado.



Amorim fez a defesa do reajuste após ser abordado pelo senador Roberto Requião (PMDB-PR), que sugeriu a abertura de audiência pública para tratar do assunto. A Coluna apurou que o ministro aprovou a ideia e antecipou ao senador que irá à audiência, vista com bons olhos também pelos senadores Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) e Ana Júlia Carepa (PT-PA). Amorim defendeu ainda aumento do orçamento destinado à Defesa.



“Para tornar a sua estrutura de defesa mais compatível com o novo peso do País no cenário internacional, o Brasil deverá elevar gradativamente os seus gastos com defesa a um nível equivalente à média dos demais integrantes da formação original dos Brics – Índia, China e Rússia”, disse o ministro, na audiência promovida pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional.



ORÇAMENTO CURTO



No Senado, Amorim citou estudo sueco apontando que no Brasil os gastos com defesa limitam-se a 1,5% do Produto Interno Bruto, abaixo da média das nações equivalentes. Só a África do Sul, incluída recentemente no Brics, tem seus gastos em 2,3% do PIB.



VIR PARA O RIO É PUNIÇÃO



Fontes da Coluna apontam mais um efeito dos soldos baixos: ser transferido para o Rio já é visto como punição fora do estado. Pesam o custo de vida e a adoção do bilhete único, que na Marinha reduz o valor do auxílio transporte.



NAS MÃOS DE DILMA



O tom mais firme de Amorim em defesa dos soldos tem um bastidor interessante. A própria presidenta Dilma apontou este mês que o reajuste é assunto prioritário. Ela revelou que deseja anunciar o aumento para os militares.



‘SENSIBILIDADE REAL’



A sinalização de Dilma fez o ministro garantir aos senadores haver “sensibilidade real” do governo em torno do reajuste dos soldos, que está em estudos. Amorim frisou ainda que para a Defesa “o elemento humano é absolutamente fundamental.”



SILÊNCIO SOBRE ÍNDICE



No Senado, Amorim voltou a não dar data nem índice para o reajuste. Bem que a Coluna tentou obter essas informações na visita dele ao Rio no Dia da Aviação de Caça. Assessores impediram, porém, que a Coluna se aproximasse de Amorim.


 


Fonte O DIA