Vale Lembrar - A Carta dos Militares | Blog Bolsonaro Presidente = O Futuro Eh Agora | Portal Militar

Blog Bolsonaro Presidente = O Futuro Eh Agora

Quem sou eu? Clique e conheça meu Perfil
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.

Exrcito

Vale Lembrar - A Carta dos Militares

Publicado em 19 de Set. de 2012


2162 Visualizações


 



Neste momento histórico em que o STF desnuda a corrupção do governo Lula, creio ser interessante que os comandantes militares atentassem para os apelos do senador... Já que se fizeram de “ouvidos moucos” à época! ...Não creio ser de bom alvitre se fazerem de cegos... ou...???


 




Fato !!!



 




o-mascate


 



                 


      "Um líder verdadeiro, em vez de buscar consenso, molda-o." Martin Luther King


 


 


A carta dos militares


Olavo de Carvalho


 


A carta enviada pelos comandantes das três Forças Armadas aos líderes do Senado, divulgada pelo Alerta Total (http://Visite o Portal Militar/2006/06/chefes-militares-mandam-carta.html), é decerto um documento significativo, mas não só pela razão mais imediata apontada pelo editor do site, Jorge Serrão: “Dá a impressão de ter vindo em resposta sincronizada ao polêmico e censurado (pelas tevês) pronunciamento do senador baiano Antônio Carlos Magalhães, no último dia 6 de junho.” 


 


 O discurso veio da reação compreensivelmente indignada do senador ante a invasão da Câmara Federal pelos agitadores do MLST. O trecho aludido pelo jornalista é o seguinte: “Eu pergunto: as Forças Armadas do Brasil, onde é que estão agora? Foi uma circular do presidente Castelo Branco, em março de 64, mostrando que o presidente da República não poderia dominar o povo sem respeitar a Constituição, que deu margem ao movimento de 64. As Forças Armadas não podem ficar caladas. Esses comandantes estão aí a obedecer a quem? A um subversivo? Quero dizer, neste instante, aos comandantes militares, não ao ministro da Defesa porque ele não defende coisa nenhuma: reajam, comandantes militares, reajam enquanto é tempo, antes que o País caia na desgraça de uma ditadura sindical presidida pelo homem mais corrupto que já chegou à Presidência da República.”


 


 É bem possível que esse apelo tenha influenciado os comandantes, induzindo-os a mostrar ao presidente da República que as Forças Armadas não estão de todo adormecidas. Mas a melhor maneira de analisar um documento histórico não é conjeturar suas motivações subjetivas. É desencavar do seu texto, por análise lógica, as premissas e conclusões implícitas que necessariamente seus autores deveriam ter em mente para poder escrever o que escreveram. 


 


 Nesse sentido, o trecho mais importante da carta é aquele segundo o qual, dos quarenta denunciados por formar a quadrilha do Mensalão, “ 36 já tinham sido autuados por nosso sistema de informações e pelo antigo DOPS, como agitadores e até envolvidos com situações de corrupção e roubos”, durante o regime militar.


 


 É inverossímil que quem afirma isso não esteja consciente da seguinte implicação imediata do que acaba de dizer: Partindo da premissa de que 36 delinqüentes praticaram juntos, durante décadas, crimes intrinsecamente ligados a um projeto de subversão revolucionária continental, qual é a possibilidade de que continuem a praticá-los como equipe por mero desejo de enriquecimento pessoal e fora de toda ambição revolucionária? A pergunta se torna ainda mais incontornável porque: (1) em vez de desaparecer nas brumas do passado, aquele projeto sofreu um upgrade formidável com a fundação do Foro de São Paulo e a rearticulação geral que permitiu a ascensão dos grupos esquerdistas ao comando de várias nações da América Latina; (2) esses grupos são os mesmos de antes, e aqueles delinqüentes continuam ligados a eles como sempre estiveram. 


 


 Qual a possibilidade, então, de que os crimes agora denunciados sejam “desvios” individuais da linha geral da esquerda, em vez da sua consecução fiel pelos mesmos meios criminosos já usados com sucesso em outras épocas? Logicamente falando, essa possibilidade é quase nula, e menor ainda a probabilidade de que os signatários do documento não percebessem que estavam afirmando implicitamente essa nulidade.


 


 Tal como no passado, corrupção e subversão não são fenômenos separados: são os dois braços da revolução continental. São os mesmos braços que fomentaram a gandaia financeira e a anarquia política no governo João Goulart; os mesmos que, derrubado o esquema janguista, instalaram por toda parte o império dos atentados a bomba, dos assaltos a bancos e dos seqüestros. Os mesmos de sempre, com algumas diferenças: 


 


 1. Em comparação com as dimensões majestosas do Foro de São Paulo, a OLAS, Organização Latino-Americana de Solidariedade, que coordenava a subversão continental na década de 70, era um clube de futebol de várzea.


 


 2. Naquele tempo o narcotráfico ainda era incipiente e, na sua maior parte, continuava sob o domínio de quadrilhas autônomas, depois organizadas em cartéis. Agora até mesmo os cartéis desapareceram. Está tudo sob o comando das Farc, o que é o mesmo que dizer: do Foro de São Paulo. Ninguém cheira coca na América Latina sem contribuir para a revolução continental.


 


 3. Fora os recursos locais obtidos de atividades criminosas, as organizações de esquerda recebiam ajuda clandestina dos partidos comunistas da URSS e da China. Com a queda do regime soviético e a abertura comercial da China, essa ajuda não cessou, mas legalizou-se e ampliou-se através de empresas constituídas no Ocidente já no tempo de Gorbachev, cujas ligações com a espionagem russa ou chinesa são conhecidas genericamente, mas dificílimas de rastrear em cada caso concreto. Mais ainda, desde os anos 50 o respaldo financeiro concedido pelas fundações bilionárias à esquerda latino-americana cresceu incalculavelmente. 


 


 4. Na década de 60, havia ainda um poderoso e organizado movimento anticomunista internacional e nacional, cuja simpatia fluiu naturalmente para a reação anti-Goulart. Hoje ele não existe mais. No ambiente de hegemonia cultural esquerdista, o anticomunismo desapareceu como atitude social legítima, castrando ideologicamente a “direita” e não lhe deixando espaço senão para um discurso moralizante genérico e apolítico. 


 


 5. A Igreja Católica, que era a mais forte barreira ao avanço do comunismo, tornou-se instrumento servil da propaganda esquerdista, deixando a população incapaz de resistir ao engodo gramsciano que suga e parasita em prol da política de esquerda o prestígio do cristianismo. 


 


 6. As próprias Forças Armadas, humilhadas e aviltadas, já começam a ver com alívio as ofertas sedutoras do seu agressor que promete verbas e tratamento digno em troca da sua adesão, camuflada ou ostensiva, à “guerra anti-imperialista”. 


 


 Da análise do texto, pode-se concluir sem grande margem de erro que seus signatários estavam conscientes da continuidade do processo revolucionário e de sua ligação íntima e essencial com a expansão da criminalidade no país. Quer o confessem ou não, eles sabem que não estão lidando com casos avulsos de corrupção, mas com a destruição sistemática das leis e instituições, condição para que o partido revolucionário se coloque acima do Estado e o absorva. 


 


 O que permanece em aberto é saber se estão igualmente conscientes das diferenças acima apontadas. Essa questão é vital. No seu discurso, o senador Magalhães equiparou o descalabro da era Lula aos últimos meses do governo Goulart. A evocação é nítida na expressão “república sindicalista”, então correntemente usada pelos adversários para qualificar o governo. Seu uso, agora, denota o intuito de reduzir o atual estado de coisas à semelhança com o seu precedente histórico. Será isso o máximo de periculosidade que os signatários da carta conseguem enxergar na situação presente? O futuro do Brasil depende de que reste algum senso de proporções na mente de seus comandantes militares. Mesmo o estado de alerta tem graus, e um alerta parcial no meio da catástrofe é quase um sono letárgico. 


 


 Todo brasileiro que tenha recursos para isso está autorizado e solicitado desde já a reproduzir este aviso e fazê-lo publicar no órgão de mídia de sua preferência, assim como a divulgá-lo por quaisquer outros meios ao seu alcance. Preservado o Teor e a Fonte.


 


Siga-me


http://twitter.com/@SGTSARIDES 


 


Este Blogueiro NÃO permite que VISITANTES comentem nesta postagem.
Junte-se a nós ou Entre para comentar!