2.ª Turma exime servidor de devolver valores... | Blog Liberdade | Portal Militar

Blog Liberdade

Quem sou eu? Clique e conheça meu Perfil
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.

Frias

2.ª Turma exime servidor de devolver valores...

Publicado em 12 de Mar de 2013


973 Visualizações


 



2.ª Turma exime servidor de devolver valores que recebeu a mais por erro da administração


12/03/13 14:59


A 2.ª Turma do TRF da 1.ª Região negou provimento à apelação da Fundação Nacional de Saúde (Funasa). A instituição pretendia reformar a sentença que havia determinado a suspensão de descontos realizados nos proventos de um servidor público. Segundo as informações do processo, a parte autora teria recebido valores superiores aos devidos por erro da administração.


A Funasa alegou que o recebimento do valor excedente pelo funcionário, mesmo que de boa-fé, não sana a ilegalidade do ato administrativo e nem afasta o enriquecimento sem causa. Afirmou ainda que, detectado o erro no pagamento, a Administração tem o dever de cobrar do servidor os valores indevidamente pagos. Por este motivo, requereu a reforma da sentença com o retorno do pagamento feito indevidamente.


A relatora do processo na 2.ª Turma do TRF da 1.ª Região, desembargadora federal Neuza Alves, esclareceu que a questão da devolução ao erário de valores indevidamente recebidos já está pacificada segundo jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do próprio TRF1.


Segundo informou em seu voto, para que o ônus do pagamento indevido não caia sobre o servidor, são necessários três requisitos: que ele tenha percebido as verbas de boa-fé; que não tenha concorrido para sua percepção e, por fim, que o pagamento efetuado tenha decorrido de erro da administração. “É incabível o desconto das diferenças recebidas indevidamente pelo servidor, em decorrência de errônea interpretação ou má aplicação da lei pela Administração Pública, quando constatada a boa-fé do beneficiário”, afirmou Neuza Alves, citando precedente do STJ (Resp 645.165/CE, Relatora Ministra Laurita Vaz, in DJ 28/03/2005).


A relatora ressaltou ainda que a redução do pagamento do servidor, ainda que sob o impulso do poder-dever de a Administração anular atos ilegais, deve tal conduta ser antecedida do devido processo legal, segundo orientação jurisprudencial do Supremo Tribunal Federal (STF.). De acordo com essa orientação, nos processos perante o Tribunal de Contas da União, asseguram-se o contraditório e a ampla defesa quando da decisão puder resultar revogação de ato administrativo que beneficie o interessado.


“Portanto, não pode a Administração apoiar-se em seu poder-dever de revisão em louvor à legalidade e, unilateralmente, rever situações consolidadas. Antes, deveria instaurar procedimento administrativo, com contraditório e ampla defesa, tendente a ajustar a situação alegadamente ilegal”, completou a desembargadora.


A magistrada citou também decisão anterior da Primeira Turma do TRF1, relatada pelo desembargador federal José Amilcar Machado, que entendeu que a supressão de parcela de vencimentos, sob alegação de erro administrativo, somente pode ser feita após regular procedimento administrativo em que seja assegurado o direito à ampla defesa com os recursos devidos.


O colegiado da Turma acompanhou, de forma unânime, o voto da relatora para negar provimento à apelação da Funasa.


Processo n.º 0000906-60.2011.4.01.3000

Data da publicação: 11/01/2013

Data do julgamento: 28/10/2012


TS


Assessoria de Comunicação Social

Tribunal Regional Federal da 1.ª Região


1 comentários


Avassalador comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

12 de Mar de 2013 às 15:32

Avassalador

Se acontecer com o militar graduado,vai ser diferente, 1º vai para o livro de contravenções, depois vem a carga no contracheque, alem das demais sanções, como baixar conceito, perseguição, etc. Isso tudo só para com graduados e não graduados.

 

 
Roberto Ricardo

12 de Mar de 2013 às 17:57

Roberto Ricardo
Pois , entrei com requerimento no SIPM a fim de receber a diferena das passagens a que fao jus, "descobriram" uma lei de 1999, a qual no "deixa" a MB pagar!! Francamente!! Para o 2T pagaram na hora!! J pro Sub velha-guarda... Infelizmente, vou deixar pra l!
Abs, AINDA VERDE E AMARELO, SO-AM (RM-1) RICARDO


DEIXE SEU COMENTÁRIO


O blogueiro não publica comentários ofensivos, que utilizem expressões de baixo calão ou preconceituosas, nem textos escritos exclusivamente em letras maiúsculas. Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor. O blogueiro fará a moderação antes de publicar o comentário.

Aceito receber emails do Portal Militar. Emails de confirmação, avisos, notícias e lembretes. ( Obrigatório )