Não designação de companheira não impede concessão de Pensão | Blog Liberdade | Portal Militar

Blog Liberdade

Quem sou eu? Clique e conheça meu Perfil
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.

Penso Militar

Não designação de companheira não impede concessão de Pensão

Publicado em 06 de Mai de 2017


1183 Visualizações


 

DECISÃO: Ausência de designação de companheira não impede concessão de pensão militar

17/04/17 17:12

DECISÃO: Ausência de designação de companheira não impede concessão de pensão militar

A Primeira Turma do TRF da 1ª Região, por unanimidade, deu parcial provimento à apelação da União da sentença, da 5ª Vara Federal da Seção Judiciária do Pará, que julgou procedente o pedido da parte autora para assegurar-lhe pensão após a morte de seu parceiro militar, com o consequente recebimento das parcelas atrasadas.

Em suas alegações, o ente público argumentou que a sentença incorreu em julgamento ultra petita, ou seja, concedeu pedido além do que foi buscado pela autora, pois as parcelas atrasadas não foram requeridas pela demandante.

Ao analisar o caso, o relator, desembargador federal Jamil Rosa de Jesus, destacou que o art. 7º da Lei nº 3.765/60 incluiu a companheira com união estável comprovada como beneficiaria da pensão militar, enquanto que o art. 78 da Lei nº 5.574/71 adicionou a exigência para a concessão da pensão à companheira de que ela viva sob sua dependência do segurado há pelo menos cinco anos.

O desembargador esclareceu que, conforme os autos, “a autora conviveu em união estável com o militar falecido por cerca de cinco anos até a data do falecimento. Há comprovação de que ambos residiam no mesmo endereço, constando, ainda, o nome da autora e de seu filho como dependentes no Termo de Autorização de Uso do Imóvel, além de conta conjunta que o casal detinha”.

Por outro lado, o magistrado afirmou que a União tem razão quanto à alegação de que o julgamento teria sido ultra petita, já que a autora em nenhum momento requereu o pagamento de valores atrasados no curso do processo.

Nesses termos, o Colegiado, acompanhando o voto do relator, deu parcial provimento à apelação da União para que seja excluída do julgado a condenação no pagamento das parcelas atrasadas.

Processo nº: 2002.39.00.002711-3/PA

Data do julgamento: 22/03/2017
Data de publicação: 05/04/2017

GC

2 comentários


Sandro Alves

06 de Mai de 2017 às 14:02

Sandro Alves
Sou militar mais estou divorciado.não tenho esposa.eu tenho que pagar pensão.


Avassalador comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

06 de Mai de 2017 às 14:26

Avassalador
Não sou advogado, entretanto tenho pequeno conhecimento. Não devemos confundir "Pensão Alimentícia" com "Pensão por Morte" a pensão alimentícia pode ser considerada devida e legal caso tenha sido concedida antes do divorcio, já a pensão por morte só é devida caso o divorciado pagava pensão alimentícia, entretanto existem outros entendimentos e tudo vai depender da condição da requisitante e do convencimento do Juízo. DIGA SE ENTENDEU. ?


DEIXE SEU COMENTÁRIO


O blogueiro não publica comentários ofensivos, que utilizem expressões de baixo calão ou preconceituosas, nem textos escritos exclusivamente em letras maiúsculas. Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor. O blogueiro fará a moderação antes de publicar o comentário.

Aceito receber emails do Portal Militar. Emails de confirmação, avisos, notícias e lembretes. ( Obrigatório )