ÉGUA! Mandado pede cancelamento de acordo com JBS | Blog Intervenção Cívica Militar | Portal Militar

Blog Intervenção Cívica Militar

Quem sou eu? Clique e conheça meu Perfil
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.

Exrcito

ÉGUA! Mandado pede cancelamento de acordo com JBS

Publicado em 23 de Mai de 2017


957 Visualizações


 

 

 

ÉGUA! A DUPLA DE AÇOUGUEIROS SERÁ PRESA...

 

 
 
 
 
 
 
Resultado de imagem para INSTITUTO PEDE CANCELAMENTO DE ACORDO COM JBS

AÇÃO NO STF PEDE CONCELAMENTO DO ACORDO JBS

 

O Estado de S.Paulo

23 Maio 2017 | 13h32

O Instituto Brasileiro do Direito de Defesa (Ibradd) protocolou nesta segunda-feira, 22, no Supremo Tribunal Federal (STF) um mandado de segurança com pedido de liminar contra a decisão do ministro Edson Fachin de homologar o acordo de delação premiada do grupo J&F. A notícia foi dada pelo jornal Folha de S. Paulo e confirmada pelo Estado. 

 

Resultado de imagem para INSTITUTO PEDE CANCELAMENTO DE ACORDO COM JBS
Joesley Batista, um dos donos da JBS, fez acordo de delação premiada 

 

Segundo o presidente do instituto e um dos advogados que assina a petição, Roberto Parentoni, uma das justificativas é que o acordo é “imoral” e “destoa totalmente de outras delações da Operação Lava Jato”. 

“Por que um (delator) consegue x (benefícios) e o outro consegue y?”, disse o advogado ao Estado. “Daqui a pouco, o que vamos falar para os nossos filhos? Que o crime compensa?”.

Segundo a petição, o acordo é "light e excepcionalmente favorável" e essa conduta “não combina e é contraditória com a tradição de rigor, austeridade e competência” do Ministério Público “na condução da Operação Lava Jato”. O fato da homologação ter sido feita em segredo de justiça e “por decisão monocrática” de Fachin, e não no plenário do STF, também é criticado pelos advogados que a assinam. O documento, enviado de forma eletrônica a Corte, já foi protocolado, segundo o STF, mas ainda não foi autuado. 

Além de cancelar os efeitos do acordo de colaboração premiada, o instituto pede a continuidade das ações penais em curso, o oferecimento de novas denúncias criminais e o decreto de prisão temporária e preventiva, quando e se for o caso. 

Parentoni diz que o mandado de segurança não quer entrar no mérito de anulação das provas. “Já me perguntaram se a gente está defendendo ‘A’ ou ‘B’, não estamos. Só queremos que eles (Joesley e Wesley) respondam pelo que cometeram.”

Na petição, os advogados afirmam que, segundo a Forbes, os irmãos Joesley e Wesley Batista, “líderes da JBS”, tem, cada um, patrimônio pessoal de R$ 3,1 bilhões, e chamam de “multa insignificante” de R$ 110 milhões em 10 anos. O documento critica, ainda, a autorização judicial para eles deixarem o País, o não oferecimento de denúncias e, em caso de denúncias já oferecidas, o acordo por perdão judicial. 

Embora Parentoni afirme que o mandado de segurança não questiona a imparcialidade da Procuradoria Geral da União, a petição cita matéria do Estado que fala que o ex-procurador da República Marcelo Miller, um dos principais braços-direitos de Rodrigo Janot no grupo de trabalho da Lava Jato até março deste ano, passou a atuar no escritório que negocia com a PGR os termos da leniência do grupo JBS. 

Procurada pelo Estado, a PGR ainda não se pronunciou. Nesta terça-feira, 23, Janot escreveu artigo para o portal UOL defendendo o acordo firmado com os empresários do Grupo J&F. No texto, Janot aponta que delação é “muito maior que os áudios questionados”, justifica a concessão de imunidade penal aos delatores – que não serão denunciados pelos crimes que revelaram no acordo – e diz estar “convicto” de que tomou a decisão correta.

 

 


Este Blogueiro NÃO permite que VISITANTES comentem nesta postagem.
Junte-se a nós ou Entre para comentar!