O Exército Marionete do Presidente | Blog Intervenção Cívica Militar | Portal Militar

Blog Intervenção Cívica Militar

Quem sou eu? Clique e conheça meu Perfil
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.

Exrcito

O Exército Marionete do Presidente

Publicado em 01 de Ago. de 2017


959 Visualizações


 

 

Imagem relacionada  Imagem relacionada  Imagem relacionada

   

       O EXÉRCITO MARIONETE DO PRESIDENTE

 

A recente ordem presidencial para que o Exército intervenha no Rio de Janeiro para “garantia da lei e da ordem” (GLO), até 31.12.2017, tem seu fundamento a partir do artigo 142 da Carta Maior. Esse mandamento, que trata da  GARANTIA  DA LEI e da  ORDEM, também  assegura igual direito de convocação das Forças Armadas  aos  Poderes Legislativo e Judiciário, embora esse tipo de convocação jamais  tenha partido de qualquer desses Poderes Constitucionais.

Talvez isso se explique por um errôneo entendimento que se empresta ao artigo 142 da Constituição de 1988, que  foi completamente desvirtuado com a edição da Lei Complementar Nº 97/1999, que deveria regulamentar o referido artigo constitucional, mas acabou ferindo-o mortalmente. Ocorre que o parágrafo 1º do art.142 da CF determina que uma Lei Complementar (LC) estabeleceria “as normas gerais a serem adotadas na organização, no preparo e no emprego das Forças Armadas”. Essa Lei Complementar, regulamentadora do art. 142 da CF, acabou sendo objeto da  Lei Complementar Nº 97/1999. Mas essa LC está cheia de  vícios constitucionais. Começa pelo seu artigo 15:  “O emprego das Forças Armadas na DEFESA DA PÁTRIA, NA GARANTIA DOS PODERES CONSTITUCIONAIS, da LEI e da ORDEM, é da responsabilidade do Presidente da República, que determinará ao Ministro da Defesa a ativação dos órgãos operacionais...” Ora, a Constituição (art.142) garante também  aos Poderes Legislativo e Judiciário o direito da convocar as FA para garantia da LEI e da ORDEM. Mas esse direito foi  SUPRIMIDO pela LC 97/1999, cujo artigo 15 outorga esse direito somente ao Presidente da República, que “determinará ao Ministro da Defesa a ativação dos órgãos operacionais”. Flagrante inconstitucionalidade, portanto, ”cassando” dos Poderes Legislativo e Judiciário o poder de convocar igualmente as FA.

Enquanto isso o Chefe do Poder Executivo usa e abusa do seu direito de convocação das Forças Armadas, para garantia da lei e da ordem, em qualquer situação que julgue necessário, ou politicamente “oportuna, mesmo que seja para apartar desentendimentos e brigas  de cachaceiros em botequins de segunda categoria.  Portanto a frequência com que essa “convocação” tem sido feita chega ao ponto  vulgarizá-la. Isso porque em  tese esse não seria  papel próprio das Forças Armadas, treinadas para fins de defesa da  segurança nacional e atividades afins,  não da segurança pública ,que nunca se confundem, e para a qual existem forças de prevenção e repressão próprias.

Essa manifesta falta de treinamento das Forças Armadas no enfrentamento do banditismo, especialmente nas grandes cidades, como agora no Rio de Janeiro, torna a “Inteligência” militar absolutamente impotente e “amadora” frente à “inteligência” (esperteza, malandragem, familiaridade com o próprio território do crime, etc.) dos criminosos que desafiam acintosamente as autoridades.

No máximo essas intervenções militares  irão colaborar com a segurança pública  num determinado período  ,ocasionando  um certo recuo  dos criminosos , ao preferirem não entrar em confronto direto com os militares do Exército, aguardando o término da intervenção com prazo certo. Talvez o único efeito psicológico inibidor  pela presença militar nos redutos dos criminosos seja igual ao fenômeno que ocorre quando certos animais mudam a aparência física com artifícios variados para representarem ser mais poderosos, maiores  ou mais fortes que os potenciais “inimigos”. Essa tática funciona na natureza e também nas relações humanas. Com certeza os caminhões lotados de soldados circulando pelas ruas do  Rio de Janeiro  irão causar  um certo recuo  dos marginais. Mas é passageiro. Logo eles voltarão.

Interessante é observar que as regalias  do Presidente da República frente ao Poder Militar não são  nada “republicanas”. O seu poder é  DITATORIAL. Basta ler com atenção a LC 97/1999 e isso ficará bem nítido. “Nos termos do art. 2º dessa LC,” O Presidente da República, na condição de Comandante Supremo das FA, é assessorado: “(I) no que concerne ao emprego dos meios militares, pelo CONSELHO MILITAR DE DEFESA” ; Parágrafo 1º: “ O Conselho Militar de Defesa é composto pelos Comandantes da Marinha, do Exército, e da Aeronáutica ,e pelo Chefe do Estado Conjunto das FA “ ;  Parágrafo 2º: “Na situação do inciso I, o Ministro da Defesa integrará o Conselho Militar de Defesa na condição de seu Presidente”.

Posso garantir-lhes que em nenhum país do mundo  onde prevaleça o Estado de Direito o Presidente da República tem tantos poderes sobre os militares. E essa LC não foi escrita durante os Governos Militares, e sim no Governo FHC.  Se é verdade que o Presidente da República deve compartilhar o comando das Forças Armadas com os Comandantes das Três Forças, com o Chefe do Estado Conjunto das Forças Armadas, e com o seu Ministro da Defesa, menos verdade não é que todos esses são autoridades de sua exclusiva “confiança”, demissíveis “ad nutum”, jamais assumindo tais cargos sem a sua “bênção”. Quem deles iria contrariar a vontade presidencial? Os militares em si mesmos,  estariam sendo considerado um poder “bundão”?

Ora, se a tropa e a caserna  tomassem consciência que o Poder Militar é muito maior do que esse papel de fantoche  que lhes reservaram, as coisas poderia mudar. E para o bem do Brasil e do seu povo.

Se por um lado o que fazem com o artigo 142 da Constituição é um MAL, por outro ele também poderia ser a salvação do Brasil. Tratamos até agora da primeira parte do artigo 142 da CF, que versa sobre intervenção militar para garantia da ORDEM e da LEI. Viu-se que tudo o que se faz nesse sentido está errado. Mas a corrupção de entendimento vai bem  mais longe, causando um mal ainda maior.

Preceitua o art.142 da CF: “As Forças Armadas... são instituições nacionais permanentes e regulares...  sob autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à DEFESA DA PÁTRIA ,à GARANTIA DOS PODERES CONSTUTUCIONAIS e, por iniciativa de qualquer destes, da LEI e da ORDEM”.

Fica muito claro, portanto, inclusive pela colocação da vírgula entre “PODERES CONSTITUCIONAIS” e  “por iniciativa”, que a convocação das FA para garantia da lei e da ordem é da exclusiva competência de qualquer um dos Três Poderes Constitucionais, apesar de ter sido usado só pelo Presidente da República. Mas esse privilégio não se manifesta quando se trata das hipóteses  de DEFESA DA PÁTRIA e GARANTIA DOS PODERES CONSTITUCIONAIS. A melhor interpretação que se pode dar a esse  dispositivo é que a competência para tal  nessas hipóteses  é  exclusiva das FORÇAS ARMADA, sem qualquer interferência,  seja dos  Comandantes das Três Forças, seja do Chefe do Estado Conjunto das FA, do Ministro da Defesa ou do próprio Presidente da República, ainda mais que um dos possíveis  alvos da intervenção, além de outros, se fosse o caso, poderia ser o próprio. Vê-se, por conseguinte, que as competências mudam, conforme a hipótese constitucional  de INTERVENÇÃO.

Sérgio Alves de Oliveira

Advogado e Sociólogo

 XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX

O Exército de ontem, de hoje e de sempre...

 

Pediram por este Cala Boca |

 

 


Leia também:

Pediram por este Cala Boca (3232)

Este Blogueiro NÃO permite que VISITANTES comentem nesta postagem.
Junte-se a nós ou Entre para comentar!