FAB é Serviçal de parentes e amigos de políticos | Blog Liberdade | Portal Militar

Blog Liberdade

Quem sou eu? Clique e conheça meu Perfil
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.

Homenagem

FAB é Serviçal de parentes e amigos de políticos

Publicado em 11 de Dez. de 2017


1657 Visualizações


 

Pilotos da FAB estão inobservando o decreto 4.244/02; FAZEM VOO ILEGAL, eles querem mesmo é fazerem HORAS DE VOO, portanto são cúmplices das ilegalidades e deveriam serem punidos conforme preceitos preconizados no regulamento disciplinar, comum as FA.

LEIAM:

Fonte: https://www.bocaonews.com.br  

 

Ministros usam voos da FAB para dar carona a parentes e lobistas

 

[Ministros usam voos da FAB para dar carona a parentes e lobistas]

 

11 de Dezembro de 2017 às 06:34 Por: Folhapress Por: Folhapress00comentários

Ministros do governo de Michel Temer usaram voos da FAB (Força Aérea Brasileira), requisitados com o propósito de cumprir agendas de trabalho, para transportar parentes, amigos e representantes do setor privado. Há carona a mulheres e filhos, que não têm vínculo com a administração pública.

A Folha levantou as informações por meio da Lei de Acesso à Informação. O decreto 4.244/2002, que dispõe sobre os voos, permite o uso da frota "somente" para o transporte de vice-presidente, ministros de Estado, chefes dos três Poderes e das Forças Armadas, salvo nos casos em que há autorização especial do ministro da Defesa.

A norma não autoriza expressamente o embarque de pessoas sem cargo ou função pública. Também não há previsão para que congressistas peguem carona.

A reportagem obteve dados de viagens feitas por 12 ministros. Seis deles levaram filhos ou mulheres na comitiva, não raro para cumprir agendas em locais turísticos.

Um sétimo deu carona para a mulher de um colega de Esplanada. Três das autoridades levaram amigos a bordo e outros transportaram empresários ou lobistas. Sete pastas não apresentaram as relações de passageiros.

Entre 13 e 16 de outubro de 2016, a FAB cedeu um de seus jatos para que o titular do Meio Ambiente, Sarney Filho (PV), participasse de encontro sobre sustentabilidade no Pantanal. O evento, emendado com o dia das crianças, se deu no Refúgio Ecológico Caiman, hotel luxuoso em Miranda (MS). Na comitiva estava o filho de 11 anos do ministro.

Bruno Araújo (PSDB), que se desligou recentemente das Cidades, levou a mulher, Maria Carolina, em ao menos seis viagens oficiais. Em junho de 2016, o casal embarcou para Campina Grande (PB) no dia da abertura do "Maior São João do Mundo". Os dois, na sequência, embarcaram para o Recife, onde mantêm domicílio. Era uma sexta-feira.

Desde 2015, é proibido aos ministros usarem voos da FAB para retorno à residência. Maria Carolina fez ao menos mais cinco viagens em aeronaves oficiais, das quais três passando por Pernambuco, sempre em fins de semana ou datas coladas a sábado ou domingo. Em duas ocasiões, a filha do casal estava junto.

O peemedebista Helder Barbalho (Integração Nacional) —provável candidato ao governo do Pará— também levou a mulher, Daniela, para um São João, o tradicional Arraial dos Caetés, em Bragança, em junho. Foi uma viagem em família, com a presença do pai do ministro, o senador Jader Barbalho, e da mãe, a deputada Elcione Barbalho, ambos do PMDB.

A FAB alega que recebe das autoridades a lista dos passageiros, mas não tem responsabilidade sobre as comitivas.

Em abril, uma caravana de casais saiu de Brasília rumo a Foz do Iguaçu (PR) para a premiação do Lide (Grupo de Líderes Empresariais), grupo da família do prefeito João Doria (PSDB).

O voo foi requisitado à FAB pelos ministros Dyogo Oliveira (Planejamento) e Sarney Filho, que embarcou junto da mulher, Camila Serra. Também viajaram o tucano Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), que pediu demissão na sexta (Cool, e a mulher, Márcia, que também pegou carona em outras missões oficiais.

Fizeram companhia no avião, com suas mulheres, Rodrigo Rocha Loures, ex-assessor especial de Temer preso após ser flagrado com uma mala de R$ 500 mil da JBS, o senador Romero Jucá (PMDB-RR) e o relator da reforma da previdência, Arthur Maia (PPS-BA). O presidente do TST (Tribunal Superior do Trabalho), Ives Gandra, embarcou com uma assessora. O evento, em um resort próximo das cataratas, durou três dias.

Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia e Comunicações), do PSD, voou na companhia de amigos e empresários. Um deles é Marcelo Rehder, contemporâneo de faculdade do ministro e diretor da empresa Ella Link, envolvida em um projeto do futuro cabo submarino Brasil-Europa. Ele pegou carona, por exemplo, para uma agenda de Kassab no Instituto Butantã, em São Paulo, que produz vacinas.

Outro passageiro em voos do ministro é Paulo Tonet Camargo, vice-presidente de Relações Institucionais do Grupo Globo e presidente da Associação Brasileira de Rádio e Televisão. Em três ocasiões, houve agendas relacionadas ao setor de comunicações, como um jantar da RBS, afiliada da Globo no Rio Grande do Sul.

OUTRO LADO

Os ministros negaram irregularidade em transportar parentes, empresários e lobistas a bordo de aviões da FAB (Força Aérea Brasileira).

Eles dizem que não há vedação expressa ao transporte de passageiros sem vínculo com a administração pública e as agendas oficiais.

O Ministério do Meio Ambiente afirmou que "nenhuma hospedagem" de "qualquer membro" da família de Sarney Filho foi paga com dinheiro público. "Qualquer irregularidade que, eventualmente, seja apontada, o que não acreditamos, será imediatamente investigada", disse.

Segundo Bruno Araújo, os deslocamentos ocorreram "por compromissos da pasta", dentro da legislação vigente.

Helder Barbalho declarou que "respeita integralmente a legislação em vigor". Segundo ele, a mulher, Daniela, integrou voo requisitado pelo então titular do Turismo, Marx Beltrão, que visitaria o São João em Bragança (PA).

O ministro disse ter dividido a viagem com o colega uma vez que tinha outra agenda prevista para o Estado. "Daniela foi convidada oficialmente pela organização do Arraial dos Caetés".

O GSI informou que a esposa do ministro Sérgio Etchegoyen viajou mediante aproveitamento de vagas disponíveis em voos previamente planejados, não incorrendo em quaisquer ônus".

Dyogo Oliveira (Planejamento) explicou que viajou acompanhado por outros ministros para o evento em Foz do Iguaçu, "em virtude da necessidade de compartilhamento de voos", prevista no decreto sobre os voos. Todas as autoridades, segundo ele, foram convidadas "formalmente a participar como palestrantes do evento" em Foz.

Kassab disse seguir a legislação e afirmou que embarcam nos voos "servidores da pasta ou pessoas relacionadas a setores que são de escopo de atuação" do ministério.

O Ministério dos Transportes disse que Maurício Quintella "não oferece nem dá" carona a congressistas. Os parlamentares que compõem a comitiva do ministro "têm participação nos eventos", afirmou. Sobre ter transportado a esposa do ministro-chefe do GSI, justificou que "a pessoa citada ocupou um assento livre".

Antonio Imbassahy não respondeu.

O presidente do TST, Ives Gandra, disse disse que viajou "por haver disponibilidade de lugar na aeronave e não haver", na ocasião, "voo comercial compatível com sua agenda institucional".

A Abert informou que seu presidente, Paulo Tonet, participou com Kassab de eventos oficiais da radiodifusão, segmento que representa. "Os voos mencionados foram realizados a convite do ministro e aceitos pelos representantes em vista da finalidade setorial dos eventos e da extensa agenda de compromissos." 

 

6 comentários


Avassalador comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

11 de Dez. de 2017 às 8:46

Avassalador
Elogiar, enaltecer e defender as FA é imprescindível dever dos militares das FA, entretanto devemos cortar o mal pela raiz. Militar não deve fazer a política do faz de conta.


Abreuhomem

11 de Dez. de 2017 às 11:23

Abreuhomem
É assim mesmo, o Estado quando chega a estado anárquico, todos participam as vantagens e quem reclamar no bom sentido é logo punido porque está incomodando. Olha o que fizerem com o General. O seu Pai que partiu de Juiz de Fora porque o Carvalho Pinto não apareceu na hora combinada, fez com que o General dizer "que voltar com as tropas ao quartel porque já estavam na rua" e ao chegar no Rio de Janeiro entregou ao Min. da Guera, na época Costa e Silva. e Gen. Mourão ficou esquecido depois deram-lhe o lugar de Ministro no STM. Agora o seu filho do mesmo nome, sem cometer erro ou indisciplina depois de vários anos serv indo ao exercito, em um curto prazao perdeu dois Comandos. E a anarquia vai continuar. Nação que permite a esquerda mandar só dá nisso mesmo. É tudo lamentável.

 

 
Avassalador comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

11 de Dez. de 2017 às 20:44

Avassalador
Os pilotos, no caso, são geralmente oficiais superiores, fazem vistas grossas, quando deveriam alertar e ilegalidade e impedir o VOO, entretanto, não fazem, pois horas de VOO é requisito para promoção. SÃO TÃO CANALHAS QUANTO OS POLÍTICOS ENVOLVIDOS.


Amiel Ballistra

11 de Dez. de 2017 às 21:13

Amiel Ballistra
É o caso de perguntar: e o Brigadeiro, do Comando de Transporte Aéreo, não sabe de nada? E o Comandante da Aeronáutica, não sabe de nada?

 

 
Avassalador comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

12 de Dez. de 2017 às 14:50

Avassalador
Já pensaram na possibilidade de caso um militar graduado e fardado viesse a pedir carona em um voo desses ? Com certeza levaria um não, com possibilidade de responder como TRANSGRESSOR DISCIPLINAR.


Avassalador comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

12 de Dez. de 2017 às 15:42

Avassalador
Para dirimir dúvidas vejam o decreto aqui: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2002/d4244.htm


Amiel Ballistra

15 de Dez. de 2017 às 23:14

Amiel Ballistra
Falaram muito sobre um Subtenente que havia comprado dois pedalinhos para o Lula. Mas, e o Major Vaz, da Aeronáutica, servindo de guarda-costas para o Carlos Lacerda?


Amiel Ballistra

15 de Dez. de 2017 às 23:27

Amiel Ballistra
Olhem o parágrado único do artigo 1º do decreto acima mencionado. O Deputado Newton Cardoso Júnior, de 36 anos de idade, havia sido escolhido pelo Temer para ser o Ministro da Defesa, O Comandante da Aeronáutica, com mais de 36 anos de serviço, teria que obedecer as ordens do "boy", e autorizar o transporte do seus familiares e amigos. Mais uma prova de que "militares não mandam nada". Brigadeiros, Generais, Almirantes, tudo enganação. "Superiores hierárquicos" só tem poder sobre aos subordinados, principalmente se for para prejudicar.


DEIXE SEU COMENTÁRIO


O blogueiro não publica comentários ofensivos, que utilizem expressões de baixo calão ou preconceituosas, nem textos escritos exclusivamente em letras maiúsculas. Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor. O blogueiro fará a moderação antes de publicar o comentário.

Aceito receber emails do Portal Militar. Emails de confirmação, avisos, notícias e lembretes. ( Obrigatório )