MPF legisla em causa própria e cria novo penduricalho | Blog Liberdade | Portal Militar

Blog Liberdade

Quem sou eu? Clique e conheça meu Perfil
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.

Ingresso na Carreira

MPF legisla em causa própria e cria novo penduricalho

Publicado em 02 de Mar de 2019


1222 Visualizações


Enquanto tentam de todas as formas barrar tentativa de se fazer justa correção salarial dos militares FA, isso visando corrigir os atuais salários de fome e defasagem em frente as demais carreiras de estado, dos exclusivos militares das FA, promotores do MPF, se reúnem e eles mesmos para si definem criação de novos penduricalhos.

 

Cadê o Senado ? Cadê nossos Generais que hoje estão ocupando cargos no governo ?

Onde já se viu legislar em causa própria para determinar os próprios salários e penduricalhos ?

Minha gente não se esqueçam que é CARNAVAL! Vamos pular!!!

                                        ***Leiam*** 

Fonte: https://www.bnews.com.br       https://www.bnews.com.br/noticias/politica/politica/229604,conselho-forma-maioria-para-aprovar-penduricalhos-para-procuradores.html

Conselho forma maioria para aprovar penduricalhos para procuradores

 

[Conselho forma maioria para aprovar penduricalhos para procuradores]

01 de Março de 2019 às 21:04 Por: Agência Brasil Por: Folhapress01comentários

Em uma sessão tensa e com manobras de lado a lado, o Conselho Superior do Ministério Público Federal, órgão máximo de deliberação da instituição, formou maioria para aprovar um projeto que amplia as gratificações pagas a procuradores por acúmulo de funções.

A votação não foi concluída porque dois conselheiros —o vice-procurador-geral, Luciano Mariz Maia, e a subprocuradora-geral Maria Caetana Cintra Santos— pediram vista (mais tempo para analisar o assunto). Uma nova data será marcada para a conclusão do debate.

Desde que foi extinto o auxílio-moradia de R$ 4.377, que era pago indiscriminadamente a todos os juízes e membros do Ministério Público até novembro passado, procuradores têm pressionado a procuradora-geral, Raquel Dodge, para aprovar projetos que aumentem seus vencimentos como forma de compensação.

O projeto que já tem maioria (seis votos) para ser aprovado é de iniciativa da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), e sofreu algumas alterações do relator, o conselheiro Hindemburgo Chateaubriand.

Para os críticos, a mudança na gratificação, quando for implementada, criará uma remuneração extra para tarefas que são corriqueiras e já remuneradas pelo salário. Os salários dos procuradores variam de R$ 33,7 mil a R$ 39,3 mil (salário da procuradora-geral), e foram reajustados em 16,38% no final do ano, ocasião em que foi extinto o auxílio-moradia.

Dodge colocou o projeto como quarto e último item da pauta do Conselho Superior desta sexta-feira (1º). O presidente da ANPR, José Robalinho, tentou inverter a ordem da votação, para garantir que a proposta fosse apreciada, mas Dodge evitou o quanto pôde.

Quando a votação enfim chegou e alcançou cinco votos, os aliados da procuradora-geral pediram vista. A conselheira Ela Wiecko, então, quis adiantar seu voto, favorável ao projeto, formando desde já a maioria.

O GECO (Gratificação por Exercício Cumulativo de Ofícios) é previsto em lei de 2014, que prevê uma compensação financeira para procuradores que exerçam função alheia à sua por mais de três dias. O Ministério Público Federal já paga o benefício quando um profissional substitui outro temporariamente ao mesmo tempo em que continua com suas atribuições.
O projeto em discussão no conselho prevê que o pagamento passe a ser efetuado em mais casos, sempre que houver prestação de serviço em mais de um setor ou órgão do MPF.

Por exemplo: um procurador que exercer atividades de investigação e também participar de atividades administrativas, como as reuniões do Conselho Superior, deverá receber gratificação proporcional.

“A gratificação é uma reivindicação que a ANPR faz desde 2017 que se baseia na simetria com o Judiciário”, disse Robalinho, presidente da associação —os juízes, segundo ele, já recebem nesses casos. “A queda do auxílio-moradia abriu espaço [para cobrir os novos gastos]”, afirmou.

O Conselho Superior também rejeitou, nesta sexta, um projeto que regulamentava o trabalho a distância de procuradores (teletrabalho). A ideia era permitir que procuradores trabalhassem de casa durante alguns dias do mês, mas a maioria dos conselheiros a reprovou por temer que a regulamentação servisse de estímulo para que profissionais morassem fora da comarca em que atuam.

1 comentários


José

03 de Mar de 2019 às 11:49

José
É falem isso ao tal rodrigo maia, o tal equilibrador das contas públicas, que quer modificação no "sistema" dos militares sem correção da defasagem inflacionária.


DEIXE SEU COMENTÁRIO


O blogueiro não publica comentários ofensivos, que utilizem expressões de baixo calão ou preconceituosas, nem textos escritos exclusivamente em letras maiúsculas. Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor. O blogueiro fará a moderação antes de publicar o comentário.

Aceito receber emails do Portal Militar. Emails de confirmação, avisos, notícias e lembretes. ( Obrigatório )