APOLOGIA AO BLOG DE TRÓIA173 | Blog Marmosilva-Rio | Portal Militar

Blog Marmosilva-Rio

Quem sou eu? Clique e conheça meu Perfil
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.

APOLOGIA AO BLOG DE TRÓIA173

Publicado em 28 de Fev. de 2009

853 Visualizações


QUANDO PENSO LOGO EXISTO.

OS GOVERNANTES CONTINUARÃO CRUÉIS SE CONTINUARMOS IGNORANTES E INERTES. PRECISAMOS SER HOMENS DE AÇÃO!


Desde os primórdios até hoje em dia o homem já sabe o que o macaco fazia só que o macaco não evoluiu e continua fazendo as mesmas coisas até os dias atuais, como a teoria darwiana ainda é uma incógnita, quanto a sua exatidão e prova contundente, porque, nós como seres humanos e dotados da capacidade de racionar e pensar, nos levantamos, e passamos a andar de maneira erecta e racional, buscando viver em tribos o que foi o marco da convivência em sociedade pelos seres humanos, isto sem deixarmos de citar que o homem é um ser social por natureza divina e sem a convivência em grupo ele não seria humano, seria simplesmente um animal irracional, tal como o macaco é na sua existência e convivência mesmo vivendo em grupo sem saber o sentido do pensamento racional.
Mas, façamos uma alegoria dentro dessa analogia. Não é comum o macaco ou qualquer outra espécie do reino animal matar ou exterminar um membro da sua própria espécie por qualquer motivo banal, que não seja pela preservação da sua espécie ou pela própria sobrevivência. Sobretudo o que vemos nos dias atuais o homem exterminando a sua própria espécie, por motivos torpes, banais, por ganância e manutenção do poder financeiro e político, sem que nenhuns desses motivos sejam pela preservação da sua própria espécie.
O Homem é hoje um animal que pára e pensa. Por isso a nossa literatura tornou-se analítica de motivos e pensamentos; é nos conflitos mentais que encontramos as mais terríveis guerras e as mais negras tragédias. Mas ainda assim nos primórdios prevalecia à ação, ação esta que quero abrir um debate neste blog. Será que estamos tendo a capacidade de agir ou estamos sendo levados a sermos robotizados por um sistema que nos leva a completa alienação mental cosmopolita para atitudes extremas que nem nós mesmos sabemos , o porquê, ou porque algo trágico pode acontecer neste Brasil neoliberal.
Vejamos , uma seqüência de erros por falta de o homem parar e pensar em como, e qual melhor forma de agir. Fazendo uma retrospectiva dos fatos antes e pós 64, passando pelo fim do regime militar, chegando até as diretas já, a promulgação da nova Constituição Federal de 1988, chegando até as diretas já,e naquele instante dentro daquele cenário nacional, nestes episódios e espaços de tempos, o que escolheu fazer os líderes e comandantes militares? Podemos imaginar que o espírito da vida, que se esconde no mais íntimo recesso do coração e do comando mental, seja o medo pelo perigo iminente ou futuro, pois, quando a emoção ganha da razão o homem não consegue mais pensar e age por um instinto de um animal irracional.
Essa é a grande pergunta que podemos fazer ao maior dos psiquiatras que se têm notícias, o apelo a tratamentos tem se mostrado incapazes ou ineficientes para inibir esses tipos de ação animalesca, ou melhor, dizendo isso não é coisa de animal é coisa de gente, mesmo, porque, do reino animal só o homem é capaz de tal barbárie que é exterminar o seu semelhante por motivo torpe, como fez o MST na semana passada e continuará fazendo se nada for feito para impedí-lo,
Estamos então, diante de um fato social e não de um fato clínico ou psiquiátrico, é verdadeiramente a síndrome de Gabriela da convivência cosmopolita de um país de terceiro mundo subdesenvolvido, sem educação tradicional, social, política, filosófica, que está levando as pessoas como cidadão, membro de uma sociedade a deixarem de pensar racionalmente, para agir irracionalmente até chegar ao ponto de que alguém com liberdade humana e todos esses conhecimentos citados acima, comprá-los e tê-los como sua propriedade, é o colonialismo da globalização, porque, então não globalizar a educação?
Devemos sim ter a convicção, e pensar que o semelhante, como o próximo, na qualidade de cidadão, empregado(a) ou desempregado(a), analfabeto ou semi-analfabeto, rico ou pobre, negro ou branco, enfim, qualquer outra posição social, não pertence a ninguém, somos livres e ninguém tem o direito de aprisionar socialmente ninguém como se fossemos um produto ou uma mercadoria que se compra ou que se ganha de outra pessoa.
O quadro neste caso de invasão das fazendas pelo MST, beira ao caos, e, é tipicamente uma tricotomia das cidades que está destruída, ou dissolvida, portanto, quero ressaltar neste blog, que a falta de educação pública, justiça social, segurança pública e saúde pública estão levando as pessoas a voltarem à condição de homens das cavernas, nômades e escravos vivendo em uma selva de pedra cosmopolita como Rio de Janeiro e São Paulo e demais cidades consideradas grandes metrópoles, onde a esquizofrenia social é notória, pessoas assumindo personalidades que não as pertencem ou vivendo com duplas ou várias personalidades, de acordo com seus interesses pessoais e escusos pela busca do poder compulsivo, com ataques psicossomáticos ou conflitos de personalidades.
Justiça Social é quando todos estão vivendo em um mesmo nível ou padrão social, ou seja, sem necessitar usar a força para ter o que as outras pessoas possuem, sem que ele, o próprio tenha os meios legais para possuir, isto é o que testemunhamos com relação aos crimes organizados por seus líderes e executados por seus discípulos na onda vermelha de anarquia, morte e destruição nos campos e fazendas por este Brasil a fora, quando à segurança pública somente atua nas conseqüências e não nas causas, não há investimentos educacional, social, tecnológicos, estruturais e de pessoal, a leniência do Estado fez surgir em todo o país grupos paramilitares oferecendo uma falsa segurança em troca de um domínio territorial para realizarem seus negócios escusos, que é a questão pétrea do MST cosmopolitas e das milícias urbanas.
Somos obrigados a morarmos em amontoados ou conjuntos habitacionais, onde a diversidade de pessoas, bem como suas diferentes culturas, educação e formação familiar provocam os conflitos naturais que estamos presenciando, quando famílias dos extremos do país buscam em invasões de fazendas um termômetro para saber se as Forças Auxiliares os Armadas irão coibir suas ações. Será que a sociedade brasileira virou cobaia de experimentos de cientistas políticos e sociais e com suas ideologias marxistas, comunistas e reacionária da ditadura do proletariado?
São Paulo vive uma falsa realidade de estabilidade financeira ou de trabalho, essa procura por uma qualidade de vida melhor acaba na periferia, e como um vírus as pessoas vão se contaminando e se tornando infectados por um sistema capitalista selvagem que só atende e beneficia cerca de 6% da população que retém nas mãos 80% da riqueza de todo o país.
Sobretudo, isto é que o faustiano e déspota anseia por dominar sozinho o governo e suas benesses. O sentimento apolíneo ( grego) é naturalmente torelante conosco, cada movimento se norteia para vencer, ao passo que cada atitude clássica para não dizer secular apenas quer ter ou ser, e pouco se preocupa com a moral do vizinho ao alegar ter moral para falar no grupo dos G-20, falar sobre que tipo de ética e moral, talvez seja o exemplo do MST e seus exemplos de anarquia, crimes e ações inconstitucionais, onde a vontade de poder é muito clara neste movimento de arrecadar milhões sem prestação de contas, como foi à generosidade do governo em doar cinqüenta milhões para o MST, mas não constrói sequer uma sede para que os verdadeiros heróis que são os pracinhas da segunda grande guerra possam se reunir.
O MST luta por uma paixão possessiva, obsessiva, doentia e agressiva, nem preciso dizer assassina, pelo poder q qualquer preço, pois, a morte só foi uma conseqüência e não uma causa em si mesma é própria de uma verdade universal e impô-la à humanidade tem sido a nossa principal característica.
Isto Tudo é uma verdade segundo a sua aplicabilidade, e, é coisa própria do seu tempo e lugar, de nada vale olharmos para os tempos primórdios sem tirar lições e corrigir os erros do presente pelos conhecimentos dos erros do passado, em outro lugar, precisamos corrigir o lugar que vivemos e não o lugar dos outros, falamos muito da AMERICA, da EUROPA, do JAPÃO, e demais países de primeiro mundo, mas nos esquecemos que precisamos como homem parar e pensar ou repensar o nosso tempo, porque, toda ciência social é relativa e fisionômica; seu caráter, seus dogmas e mesmo seus axiomas mudam duma cultura para outra e revelam o seu tempo.
As cidades segundo Spengler sobrepujaram o campo em riquezas e poder econômico, e a aristocracia rural está perdendo a hegemonia na vida nacional empurrando o homem do campo para as grandes cidades como São Paulo. Surge a burguesia cosmopolita, a qual, vendo-se em todos os setores da sociedade bloqueadas por seus condomínios fechados como uma prisão pelos privilégios aristocráticos, pelas exclusividades, pelas tradições de castas opressoras , faz com os surtos psicóticos tentam igualar pelo uso da força , a falta de justiça social, segurança, moradia, liberdade, igualdade e fraternidade, pelo apoio dos intelectuais hipócritas e farisaicos que conscientes ou inconscientemente lhes servem aos desígnios e propósitos. Graças a essa situação é que o filósofo chaga ao ponto de dizer que o intelectual da era luz ou plenitude dos tempos chega ao poder como a força mais destruidora da história.
Podemos perceber que a contestação e a revolta de Spencer são resultado de um pensamento escatológico que nem ele mesmo pode viver para presenciar, mas que dentro da história, só mudou o local e o momento da história, porque, eu quero afirmar através do pensamento de Spencer, que muda o lugar, o tempo, a cultura, a sociedade, mas o homem continua o mesmo. Ele odeia o intelectual! Sua adoração a vida ativa o faz detestar o intelectual ocioso e improdutivo, na defesa dos interesses do seu patrimônio ou posição aristocrática, essa é inclusive uma crítica nossa mídia sensacionalista.
Dentro de um quadro alarmante. Há homens do destino, que são os pensadores e homens de ação, todo o planeta separa o homem vivo, como camponês ou soldado, estadista ou general que jamais foi à batalha, homem da sociedade ou do comércio, todos querem prosperar, comandar, lutar e ousar, organizadores e empreiteiros, aventureiros e jogadores, tudo isso é próprio da natureza humana, porém, o homem de ação nega tudo isso, porque, ele é analítico e não sanguíneo, ele é razão e não emoção. A própria passada do homem de ação ressoa diferentes, faz eco com as mais sólidas ações humanas do que os intelectuais profissionais e descompromissados com o ser humano e seu habitat. Este home pensa no macro cósmico e não somente no micro cósmico.
A Aristocracia era injusta no passado e continua injusta no presente, chefiando a destruição das classes sociais para criar uma única classe exclusivista e detentora do poder absoluto, somo escravos de um sistema, só nos faltam às correntes e amarras, pois trabalhamos somente para nossa subsistência, que é alimentação precária e moradia que mais parece uma senzala, isto sem falar que os escravos do tempo do império comiam bem para trabalhar e produzir e moravam em lugares aquecidos, muitos dos que vivem nas cidades não possuem uma senzala para morar e comem as piores iguarias que um ser humano é capaz de imaginar.
Homem de ação, essa estrutura caiu no momento que esse homem desapareceu, o nível de maturidade alcançou o nível da decadência social, porque o dinheiro entrou em ação e passou a ser mais forte do que a propriedade rural, do que a cidade e seus membros como sociedade, as cidades mais fortes que o feudo, o banqueiro mais forte que o Estado, o ter mais forte do que o ser, enfim, essa tricotomia é uma análise inicial de muitas que iremos fazer, mas o importante é que precisamos como homem moderno, parar e pensar, para saber como entrar ação e resgatar essa nação do caos em que ela se encontra, pois, vivemos uma guerra civil, uma revolução silenciosa que nenhum desses intelectuais tem a coragem de vir a público e declarar que essa é a nossa realidade e precisamos urgentemente reagir.
O que diferencia o homem dos outros animais é muito pouco e a maior parte dos homens joga fora esse pouco, que é pensar antes de agir. A maior reforma e o bem na vida de um povo será afastar dos cargos públicos os ignorantes e escolher para governá-los os homens de maior sabedoria e ação. Uma grande cidade pode acordar com uma nova estatística de que reduziu o número de crimes, desonestidade, corrupção, maior lealdade, igualdade, justiça social, fraternidade e amor ao próximo.
A boa fé é característica dos homens de ação; e Isto nos parece bom demais para ser verdade, mas com certeza não é uma utopia e tão pouco impossível de ser alcançada, porque, por incrível que possa parecer, existem sociedades no nosso tempo vivendo essa realidade, por uma simples razão, seus membros não escolhem intelectuais e aristocratas para governá-los, mas, sim homens sensatos e de ação. Sem mais, um forte abraço a todos e uma ótima semana para todos.

Atenciosamente! MARMOSILVA-RIO

1 comentários


Zaryj comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

01 de Mar de 2009 às

Zaryj
Prezado MARMOSILVA-RIO,

se quisermos encontrar culpados pelo estado atual das FFAA do Brasil, certamente, os encontraremos!

Possivelmente, eles estão bem à nossa frente!

Os Chefes militares tiveram 21 anos para resolver todos - EU DISSE TODOS - os problemas das FFAA, não o fizeram. O TEMPO FOI PASSANDO E, FINALMENTE, os civis assumiram os POSTOS DE COMANDO DO PAÍS, por intermédio das ELEIÇÕES LIVRES E DEMOCRÁTICAS. Portanto eles podem fazer o que acham melhor para o país (SEGUNDO OS SEUS CONCEITOS PESSOAIS), tendo o respaldo dos cargos para os quais foram eleitos.

Alguns Chefes MILITARES se esquecem de olhar para os seus subordinados na hora em que estão subindo nos postos hierárquicos e, agora provavelmente (por estarem, necessitando do apoio) lembrar-se-ão dos que ficaram aqui embaixo o tempo todo!

COM TODA A SINCERIDADE:

Os nossos Chefes: se são generais do último posto, DIANTE DELES - PELO TEMPO DE SERVIÇO - PARTE DESSES VINTE UM ANOS, A QUE ME REFERI, FORAM POR ELES VIVIDOS! E O QUE ELES FIZERAM PARA MUDAR A HISTÓRIA DAS FFAA? Creio que nada!

Por outro lado, nós do MENOR ESCALÃO, o que podemos fazer?

RESPOSTA: o que aqui estamos fazendo! TENTAR CONSCIENTIZAR AOS DEMAIS DE QUE PODEMOS! OBS: SE QUISERMOS!

PORÉM, como podes ver é uma terefa HERCÚLEA e, até o presente momento, só vemos lamentos e nada de efetividade pela maioria dos integrantes deste SITE MILITAR.

UM DIA, QUEM SABE!

Um abraço

Este Blogueiro NÃO permite que VISITANTES comentem nesta postagem.
Junte-se a nós ou Entre para comentar!