SENADO FEDERAL UMA ZORRA TOTAL! | Blog Marmosilva-Rio | Portal Militar

Blog Marmosilva-Rio

Quem sou eu? Clique e conheça meu Perfil
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.

SENADO FEDERAL UMA ZORRA TOTAL!

Publicado em 19 de Jun de 2009

980 Visualizações


SENADO FEDERAL UMA ZORRA TOTAL !

Quando as ações de políticos vão parar no teatro, nos programas humorísticos, nas charges dos Jornais de maior circulação do país, no Funk da Periferia e nas rodas de conversas dos botecos, ganhando rios de dinheiros com a desgraça do povo provocada por esses indignos e espúrios desta nação, meus amigos e pares da caserna militar é o fim e só resta fechar o Congresso Nacional e o Senado Federal, o que mais falta acontecer para tomarmos uma atitude e uma providência civil, patriota e de cidadania? Onde está a justiça deste país: Ministros do STF, Desembargadores, Juízes, Promotores Públicos, Defensores Públicos, Advogados e Associações, há antes que eu me esqueça e os caras pintadas por onde andam? Veja entre aspas o trecho de uma matéria do Jornal o Dia de Hoje! E tirem suas conclusões:
Aquilo está uma verdadeira zorra total. Só falta levar alguns personagens do programa para o Senado, critica Roulian Vieira, 50 anos, o MC Então tá, morador de Santa Teresa, no Rio. E é o povo que está pagando essa conta, afirmou o humorista Leandro Hassum, que vive o personagem Delegado Valente, no Zorra Total, parodiando o bordão de Lady Kate: tô pagano!!!.
A indignação dos atores do humorístico é total com a farra do dinheiro público. Para o diretor Maurício Sherman, que criou a personagem Lady Kate, uma ex-prostituta que enriqueceu após se casar com um senador, o comportamento das autoridades no Brasil é obsceno. Infelizmente, eles nos dão um vasto material para trabalhar, afirmou o diretor.
Eu não tenho condições de continuar a escrever porque me dá náuseas e a revolta e tão grande que me faz até mal a saúde, como dizia o Renato Russo. QUE PAÍS É ESTE?. E no meio desta Zorra Total estão as nossas Forças Armadas definhadas, aviltadas, mal remuneradas, desacreditadas, sucateadas, isto só porque é a única guardiã desta Constituição Federal que já virou uma colcha de retalho diante de tantas Emendas Constitucionais e MPs. Sem mais, um forte abraço a todos e espero que tenhamos todos um final de semana razoável, porque, bom, bom, não tá bom, mas ta bom né, é como diz a personagem Lady Kate.

Atenciosamente; MARMOSILVA-RIO

7 comentários


ACMA comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

19 de Jun de 2009 às

ACMA

O texto a seguir, foi enviado para mais de trinta Senadores, incluindo, o destinatário abaixo.

Exmo. Sr. Senador MÃO SANTA. Vossa Excia. como o principal defensor da PEC dos Vereadores, que beneficiará suplentes que não tiveram sucesso na preferência do povo, com certeza, o mesmo universo de eleitores que os repudiaram, gostaria de saber quem sustenta o candidato em greve de fome, que, além de ridícula é inglória, nada contendo de brasilidade em tal procedimento, uma vez que é para acomodação na "teta" de dinheiro público, sustentada pelo povão. Onde trabalha, uma vez que tem família? Iniciativa privada? Encontra-se em licença médica? É funcionário publico e anda gazeteando, atráz de melhorias de renda? Alguns Senadores já propuseram uma "varredura" nas Casas. Como é legal todos os envolvidos em falcatrua, continuarem opinando e votando normas para dirigir a Nação? Não tem cabimento, ladrões fazerem leis! Suspeitamos até de suplentes de Senadores, que estiveram na representatividade por certo tempo, cedendo a vaga ao titulares que voltam a assumir e aquêles, retornando aos seus Estados de origem, continuam vencendo na folha de pagamento. Outro questionamento, é o serviço em visitas, que os Senadores da Amazônia, desenvolvem nos confins de seus Estados, nos fins de semana, com passagens "premiadas", até suas bases (capitais) e para o interior (quem financia o transporte) verificando pessoalmente, problemas prementes. Para que então Vereadores? Não seriam destes a obrigação de assistir seus munícipes, naquilo que lhes tiver afeto e suas Câmaras, informarem as respetivas Assembléias, uma vez consolidadas tais necessidades, repassariam aos seus Senadores em Brasília. Mas como a atividade parlamentar, exige movimento de grandes somas de verbas públicas, na base do poder da caneta, não será surpresa a imprensa escrita e falada, qualquer dias destes, denunciarem que os políticos de Brasilia, ao deslocarem-se para suas bases, quatro vezes ao mês, estejam também, vencendo diárias, de sábados e domingos!



Exmo. Sr. Senador MÃO SANTA.Vossa Excia. como o principal defensor da PEC dos Vereadores, que beneficiará suplentes que não tiveram sucesso na preferência do povo, com certeza, o mesmo universo de eleitores que os repudiaram, gostaria de saber quem sustenta o candidato em greve de fome, que, além de ridícula é inglória, nada contendo de brasilidade em tal procedimento, uma vez que é para acomodação na "teta" de dinheiro público, sustentada pelo povão. Onde trabalha, uma vez que tem família? Iniciativa privada? Encontra-se em licença médica? É funcionário publico e anda gazeteando, atráz de melhorias de renda? Alguns Senadores já propuseram uma "varredura" nas Casas. Como é legal todos os envolvidos em falcatrua, continuarem opinando e votando normas para dirigir a Nação. Não tem cabimento, ladrões fazerem leis. Suspeitamos até de suplentes de Senadores, que estiveram na representatividade por certo tempo, cedendo a vaga ao titulares que voltam a assumir e aquêles, retornando aos seus Estados de origem, continuam vencendo na folha de pagamento. Outro questionamento, é o serviço em visitas, que os Senadores da Amazônia, desenvolvem nos confins de seus Estados, nos fins de semana, com passagens "premiadas", até suas bases (capitais) e para o interior (quem financia o transporte) verificando pessoalmente, problemas prementes. Para que então Vereadores? Não seriam destes a obrigação de assistir seus munícipes, naquilo que lhes tiver afeto e suas Câmaras, informarem as respetivas Assembléias, uma vez consolidadas tais necessidades, repassariam aos seus Senadores em Brasília. Mas como a atividade parlamentar, exige movimento de grandes somas de verbas públicas, na base do poder da caneta, não será surpresa a imprensa escrita e falada, qualquer dias destes, denunciarem que os políticos de Brasilia, ao deslocarem-se para suas bases, quatro vezes ao mês, estejam também, vencendo diárias, de sábados e domingos!



Exmo. Sr. Senador MÃO SANTA.Vossa Excia. como o principal defensor da PEC dos Vereadores, que beneficiará suplentes que não tiveram sucesso na preferência do povo, com certeza, o mesmo universo de eleitores que os repudiaram, gostaria de saber quem sustenta o candidato em greve de fome, que, além de ridícula é inglória, nada contendo de brasilidade em tal procedimento, uma vez que é para acomodação na "teta" de dinheiro público, sustentada pelo povão. Onde trabalha, uma vez que tem família? Iniciativa privada? Encontra-se em licença médica? É funcionário publico e anda gazeteando, atráz de melhorias de renda? Alguns Senadores já propuseram uma "varredura" nas Casas. Como é legal todos os envolvidos em falcatrua, continuarem opinando e votando normas para dirigir a Nação. Não tem cabimento, ladrões fazerem leis. Suspeitamos até de suplentes de Senadores, que estiveram na representatividade por certo tempo, cedendo a vaga ao titulares que voltam a assumir e aquêles, retornando aos seus Estados de origem, continuam vencendo na folha de pagamento. Outro questionamento, é o serviço em visitas, que os Senadores da Amazônia, desenvolvem nos confins de seus Estados, nos fins de semana, com passagens "premiadas", até suas bases (capitais) e para o interior (quem financia o transporte) verificando pessoalmente, problemas prementes. Para que então Vereadores? Não seriam destes a obrigação de assistir seus munícipes, naquilo que lhes tiver afeto e suas Câmaras, informarem as respetivas Assembléias, uma vez consolidadas tais necessidades, repassariam aos seus Senadores em Brasília. Mas como a atividade parlamentar, exige movimento de grandes somas de verbas públicas, na base do poder da caneta, não será surpresa a imprensa escrita e falada, qualquer dias destes, denunciarem que os políticos de Brasilia, ao deslocarem-se para suas bases, quatro vezes ao mês, estejam também, vencendo diárias, de sábados e domingos!



Exmo. Sr. Senador MÃO SANTA.Vossa Excia. como o principal defensor da PEC dos Vereadores, que beneficiará suplentes que não tiveram sucesso na preferência do povo, com certeza, o mesmo universo de eleitores que os repudiaram, gostaria de saber quem sustenta o candidato em greve de fome, que, além de ridícula é inglória, nada contendo de brasilidade em tal procedimento, uma vez que é para acomodação na "teta" de dinheiro público, sustentada pelo povão. Onde trabalha, uma vez que tem família? Iniciativa privada? Encontra-se em licença médica? É funcionário publico e anda gazeteando, atráz de melhorias de renda? Alguns Senadores já propuseram uma "varredura" nas Casas. Como é legal todos os envolvidos em falcatrua, continuarem opinando e votando normas para dirigir a Nação. Não tem cabimento, ladrões fazerem leis. Suspeitamos até de suplentes de Senadores, que estiveram na representatividade por certo tempo, cedendo a vaga ao titulares que voltam a assumir e aquêles, retornando aos seus Estados de origem, continuam vencendo na folha de pagamento. Outro questionamento, é o serviço em visitas, que os Senadores da Amazônia, desenvolvem nos confins de seus Estados, nos fins de semana, com passagens "premiadas", até suas bases (capitais) e para o interior (quem financia o transporte) verificando pessoalmente, problemas prementes. Para que então Vereadores? Não seriam destes a obrigação de assistir seus munícipes, naquilo que lhes tiver afeto e suas Câmaras, informarem as respetivas Assembléias, uma vez consolidadas tais necessidades, repassariam aos seus Senadores em Brasília. Mas como a atividade parlamentar, exige movimento de grandes somas de verbas públicas, na base do poder da caneta, não será surpresa a imprensa escrita e falada, qualquer dias destes, denunciarem que os políticos de Brasilia, ao deslocarem-se para suas bases, quatro vezes ao mês, estejam também, vencendo diárias, de sábados e domingos!



Exmo. Sr. Senador MÃO SANTA.Vossa Excia. como o principal defensor da PEC dos Vereadores, que beneficiará suplentes que não tiveram sucesso na preferência do povo, com certeza, o mesmo universo de eleitores que os repudiaram, gostaria de saber quem sustenta o candidato em greve de fome, que, além de ridícula é inglória, nada contendo de brasilidade em tal procedimento, uma vez que é para acomodação na "teta" de dinheiro público, sustentada pelo povão. Onde trabalha, uma vez que tem família? Iniciativa privada? Encontra-se em licença médica? É funcionário publico e anda gazeteando, atráz de melhorias de renda? Alguns Senadores já propuseram uma "varredura" nas Casas. Como é legal todos os envolvidos em falcatrua, continuarem opinando e votando normas para dirigir a Nação. Não tem cabimento, ladrões fazerem leis. Suspeitamos até de suplentes de Senadores, que estiveram na representatividade por certo tempo, cedendo a vaga ao titulares que voltam a assumir e aquêles, retornando aos seus Estados de origem, continuam vencendo na folha de pagamento. Outro questionamento, é o serviço em visitas, que os Senadores da Amazônia, desenvolvem nos confins de seus Estados, nos fins de semana, com passagens "premiadas", até suas bases (capitais) e para o interior (quem financia o transporte) verificando pessoalmente, problemas prementes. Para que então Vereadores? Não seriam destes a obrigação de assistir seus munícipes, naquilo que lhes tiver afeto e suas Câmaras, informarem as respetivas Assembléias, uma vez consolidadas tais necessidades, repassariam aos seus Senadores em Brasília. Mas como a atividade parlamentar, exige movimento de grandes somas de verbas públicas, na base do poder da caneta, não será surpresa a imprensa escrita e falada, qualquer dias destes, denunciarem que os políticos de Brasilia, ao deslocarem-se para suas bases, quatro vezes ao mês, estejam também, vencendo diárias, de sábados e domingos!



Exmo. Sr. Senador MÃO SANTA.Vossa Excia. como o principal defensor da PEC dos Vereadores, que beneficiará suplentes que não tiveram sucesso na preferência do povo, com certeza, o mesmo universo de eleitores que os repudiaram, gostaria de saber quem sustenta o candidato em greve de fome, que, além de ridícula é inglória, nada contendo de brasilidade em tal procedimento, uma vez que é para acomodação na "teta" de dinheiro público, sustentada pelo povão. Onde trabalha, uma vez que tem família? Iniciativa privada? Encontra-se em licença médica? É funcionário publico e anda gazeteando, atráz de melhorias de renda? Alguns Senadores já propuseram uma "varredura" nas Casas. Como é legal todos os envolvidos em falcatrua, continuarem opinando e votando normas para dirigir a Nação. Não tem cabimento, ladrões fazerem leis. Suspeitamos até de suplentes de Senadores, que estiveram na representatividade por certo tempo, cedendo a vaga ao titulares que voltam a assumir e aquêles, retornando aos seus Estados de origem, continuam vencendo na folha de pagamento. Outro questionamento, é o serviço em visitas, que os Senadores da Amazônia, desenvolvem nos confins de seus Estados, nos fins de semana, com passagens "premiadas", até suas bases (capitais) e para o interior (quem financia o transporte) verificando pessoalmente, problemas prementes. Para que então Vereadores? Não seriam destes a obrigação de assistir seus munícipes, naquilo que lhes tiver afeto e suas Câmaras, informarem as respetivas Assembléias, uma vez consolidadas tais necessidades, repassariam aos seus Senadores em Brasília. Mas como a atividade parlamentar, exige movimento de grandes somas de verbas públicas, na base do poder da caneta, não será surpresa a imprensa escrita e falada, qualquer dias destes, denunciarem que os políticos de Brasilia, ao deslocarem-se para suas bases, quatro vezes ao mês, estejam também, vencendo diárias, de sábados e domingos!



Exmo. Sr. Senador MÃO SANTA.Vossa Excia. como o principal defensor da PEC dos Vereadores, que beneficiará suplentes que não tiveram sucesso na preferência do povo, com certeza, o mesmo universo de eleitores que os repudiaram, gostaria de saber quem sustenta o candidato em greve de fome, que, além de ridícula é inglória, nada contendo de brasilidade em tal procedimento, uma vez que é para acomodação na "teta" de dinheiro público, sustentada pelo povão. Onde trabalha, uma vez que tem família? Iniciativa privada? Encontra-se em licença médica? É funcionário publico e anda gazeteando, atráz de melhorias de renda? Alguns Senadores já propuseram uma "varredura" nas Casas. Como é legal todos os envolvidos em falcatrua, continuarem opinando e votando normas para dirigir a Nação. Não tem cabimento, ladrões fazerem leis. Suspeitamos até de suplentes de Senadores, que estiveram na representatividade por certo tempo, cedendo a vaga ao titulares que voltam a assumir e aquêles, retornando aos seus Estados de origem, continuam vencendo na folha de pagamento. Outro questionamento, é o serviço em visitas, que os Senadores da Amazônia, desenvolvem nos confins de seus Estados, nos fins de semana, com passagens "premiadas", até suas bases (capitais) e para o interior (quem financia o transporte) verificando pessoalmente, problemas prementes. Para que então Vereadores? Não seriam destes a obrigação de assistir seus munícipes, naquilo que lhes tiver afeto e suas Câmaras, informarem as respetivas Assembléias, uma vez consolidadas tais necessidades, repassariam aos seus Senadores em Brasília. Mas como a atividade parlamentar, exige movimento de grandes somas de verbas públicas, na base do poder da caneta, não será surpresa a imprensa escrita e falada, qualquer dias destes, denunciarem que os políticos de Brasilia, ao deslocarem-se para suas bases, quatro vezes ao mês, estejam também, vencendo diárias, de sábados e domingos!



Exmo. Sr. Senador MÃO SANTA.Vossa Excia. como o principal defensor da PEC dos Vereadores, que beneficiará suplentes que não tiveram sucesso na preferência do povo, com certeza, o mesmo universo de eleitores que os repudiaram, gostaria de saber quem sustenta o candidato em greve de fome, que, além de ridícula é inglória, nada contendo de brasilidade em tal procedimento, uma vez que é para acomodação na "teta" de dinheiro público, sustentada pelo povão. Onde trabalha, uma vez que tem família? Iniciativa privada? Encontra-se em licença médica? É funcionário publico e anda gazeteando, atráz de melhorias de renda? Alguns Senadores já propuseram uma "varredura" nas Casas. Como é legal todos os envolvidos em falcatrua, continuarem opinando e votando normas para dirigir a Nação. Não tem cabimento, ladrões fazerem leis. Suspeitamos até de suplentes de Senadores, que estiveram na representatividade por certo tempo, cedendo a vaga ao titulares que voltam a assumir e aquêles, retornando aos seus Estados de origem, continuam vencendo na folha de pagamento. Outro questionamento, é o serviço em visitas, que os Senadores da Amazônia, desenvolvem nos confins de seus Estados, nos fins de semana, com passagens "premiadas", até suas bases (capitais) e para o interior (quem financia o transporte) verificando pessoalmente, problemas prementes. Para que então Vereadores? Não seriam destes a obrigação de assistir seus munícipes, naquilo que lhes tiver afeto e suas Câmaras, informarem as respetivas Assembléias, uma vez consolidadas tais necessidades, repassariam aos seus Senadores em Brasília. Mas como a atividade parlamentar, exige movimento de grandes somas de verbas públicas, na base do poder da caneta, não será surpresa a imprensa escrita e falada, qualquer dias destes, denunciarem que os políticos de Brasilia, ao deslocarem-se para suas bases, quatro vezes ao mês, estejam também, vencendo diárias, de sábados e domingos!



Exmo. Sr. Senador MÃO SANTA.Vossa Excia. como o principal defensor da PEC dos Vereadores, que beneficiará suplentes que não tiveram sucesso na preferência do povo, com certeza, o mesmo universo de eleitores que os repudiaram, gostaria de saber quem sustenta o candidato em greve de fome, que, além de ridícula é inglória, nada contendo de brasilidade em tal procedimento, uma vez que é para acomodação na "teta" de dinheiro público, sustentada pelo povão. Onde trabalha, uma vez que tem família? Iniciativa privada? Encontra-se em licença médica? É funcionário publico e anda gazeteando, atráz de melhorias de renda? Alguns Senadores já propuseram uma "varredura" nas Casas. Como é legal todos os envolvidos em falcatrua, continuarem opinando e votando normas para dirigir a Nação. Não tem cabimento, ladrões fazerem leis. Suspeitamos até de suplentes de Senadores, que estiveram na representatividade por certo tempo, cedendo a vaga ao titulares que voltam a assumir e aquêles, retornando aos seus Estados de origem, continuam vencendo na folha de pagamento. Outro questionamento, é o serviço em visitas, que os Senadores da Amazônia, desenvolvem nos confins de seus Estados, nos fins de semana, com passagens "premiadas", até suas bases (capitais) e para o interior (quem financia o transporte) verificando pessoalmente, problemas prementes. Para que então Vereadores? Não seriam destes a obrigação de assistir seus munícipes, naquilo que lhes tiver afeto e suas Câmaras, informarem as respetivas Assembléias, uma vez consolidadas tais necessidades, repassariam aos seus Senadores em Brasília. Mas como a atividade parlamentar, exige movimento de grandes somas de verbas públicas, na base do poder da caneta, não será surpresa a imprensa escrita e falada, qualquer dias destes, denunciarem que os políticos de Brasilia, ao deslocarem-se para suas bases, quatro vezes ao mês, estejam também, vencendo diárias, de sábados e domingos!



Exmo. Sr. Senador MÃO SANTA.Vossa Excia. como o principal defensor da PEC dos Vereadores, que beneficiará suplentes que não tiveram sucesso na preferência do povo, com certeza, o mesmo universo de eleitores que os repudiaram, gostaria de saber quem sustenta o candidato em greve de fome, que, além de ridícula é inglória, nada contendo de brasilidade em tal procedimento, uma vez que é para acomodação na "teta" de dinheiro público, sustentada pelo povão. Onde trabalha, uma vez que tem família? Iniciativa privada? Encontra-se em licença médica? É funcionário publico e anda gazeteando, atráz de melhorias de renda? Alguns Senadores já propuseram uma "varredura" nas Casas. Como é legal todos os envolvidos em falcatrua, continuarem opinando e votando normas para dirigir a Nação. Não tem cabimento, ladrões fazerem leis. Suspeitamos até de suplentes de Senadores, que estiveram na representatividade por certo tempo, cedendo a vaga ao titulares que voltam a assumir e aquêles, retornando aos seus Estados de origem, continuam vencendo na folha de pagamento. Outro questionamento, é o serviço em visitas, que os Senadores da Amazônia, desenvolvem nos confins de seus Estados, nos fins de semana, com passagens "premiadas", até suas bases (capitais) e para o interior (quem financia o transporte) verificando pessoalmente, problemas prementes. Para que então Vereadores? Não seriam destes a obrigação de assistir seus munícipes, naquilo que lhes tiver afeto e suas Câmaras, informarem as respetivas Assembléias, uma vez consolidadas tais necessidades, repassariam aos seus Senadores em Brasília. Mas como a atividade parlamentar, exige movimento de grandes somas de verbas públicas, na base do poder da caneta, não será surpresa a imprensa escrita e falada, qualquer dias destes, denunciarem que os políticos de Brasilia, ao deslocarem-se para suas bases, quatro vezes ao mês, estejam também, vencendo diárias, de sábados e domingos!





troia173 comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

19 de Jun de 2009 às

troia173
Amigo MARMOSILVA, fiquei abismado quando soube que o orçamento do Senado Federal (Senado, repito), é muito superior ao orçamento da imensa metrópole Porto Alegre, dentro do qual inclui-se a urbanização, construção de moradias, etc, para a camada da pirâmide social mais cara e menos produtiva, composta por milhares de invasores ligados ao PT.
Voltando à zorra do Senado, repasso, para refletires, as propostas de reforma no Código Penal, a qual inviabilizará a punição para a classe política, e para os grandes ladrões, pois para o cidadão comum, pouca diferença fará.
Prezado companheiro, temo pelos nossos filhos, porquanto não vejo como caminharão, dentro das rígidas regras de conduta que lhes ensinamos, sobre esse fétido mar de estrumes em que foi transformado nosso País.

Reforma de código opõe juristas

A quarta tentativa de modificar o Código de Processo Penal brasileiro em 67 anos de existência traz à tona o conflito sobre qual deve ser o grau de mudanças no texto elaborado em 1941. Desta vez, a polêmica é alimentada pela proposta de se tornarem mais rígidas as regras para prender acusados ou suspeitos de crimes antes do julgamento em última instância.

Quem é contrário à medida argumenta que a sociedade não terá uma resposta rápida para crimes graves, uma vez que mais réus estarão soltos. Nos bastidores, promotores do Ministério Público Estadual (MP) chegam a cogitar o abandono da atuação na área criminal caso alterações sejam aprovadas pelo Congresso. Em sintonia com o Supremo Tribunal Federal (STF), defensores de critérios rigorosos para prisões sustentam que o acusado não deve cumprir parcialmente a pena antes de ser condenado em última instância. Segundo essa visão, o objetivo é garantir maior equilíbrio entre acusação e defesa em meio a uma cultura que tende a ser inquisitória no país.

Entre os especialistas, a discussão sobre o novo código é fundamental porque unifica a legislação que trata da investigação criminal até o julgamento final. Para eles, as atuais normas não refletem mais a realidade. Idealizadores da iniciativa preveem, por exemplo, a possibilidade de interrogatórios por videoconferência, o que evitaria deslocamentos de presos entre municípios.

Encomendado pelo Senado, o anteprojeto chegou à Casa no final de abril e servirá de base para debate dos parlamentares. Nos Estados, senadores estão fazendo audiências públicas para receber sugestões. Porto Alegre irá sediar a discussão no dia 10 de agosto.

Para o relator do tema na comissão especial, senador Renato Casagrande (PSB-ES), as audiências vão permitir a transformação do anteprojeto em um projeto para tramitar no Congresso. Casagrande diz que o principal objetivo é acelerar a Justiça (veja detalhes da mudança nesta página):

– O código induz à impunidade porque permite que o processo se prolongue por muito tempo. E isso acaba sendo um instrumento da criminalidade. Reformar o código é uma possibilidade de ter um novo reforço no combate à criminalidade.

O texto foi elaborado por nove juristas coordenados pelo ministro Hamilton Carvalhido, do Superior Tribunal de Justiça. A equipe foi criada pela presidência do Senado no ano passado, a pedido de Casagrande, e trabalhou por nove meses. Se for aprovado na comissão, o projeto vai para o plenário do Senado e, após o seu aval, para a Câmara.
LEANDRO FONTOURA E MARCIELE BRUM
As principais mudanças
RIGIDEZ PARA PRISÕES
A prisão preventiva ocorrerá em último caso. A prioridade é por soluções alternativas. A prisão em flagrante perde seu efeito caso não seja convertida, por motivos legais, em prisão preventiva. É também considerado ilegítimo utilizar a prisão provisória como antecipação de pena. Essa deve ser aplicada somente após o julgamento final do processo.
JUIZ DE GARANTIA
O juiz que atuar no inquérito policial não poderá ser o mesmo a julgar o réu. Na concepção da proposta, está a ideia de que esse magistrado não tem isenção na hora de decidir sobre as provas colhidas no inquérito por causa de seu envolvimento. Esse juiz, por exemplo, pode conceder mandados de prisão. Assim, o juiz de garantias participará da fase de investigação, não sendo o responsável pela sentença.
NÚMERO DE JURADOS
Haverá aumento no número de jurados do tribunal do júri, que analisa crimes contra a vida. Os sete atuais tornam-se oito. A razão do acréscimo é impedir que um réu seja condenado apenas por um voto de diferença, quatro a três. Para haver condenação, será necessária vantagem de no mínimo dois votos. Num empate, o suspeito será absolvido.
LIMITE DE RECURSOS
O réu poderá utilizar embargos de declaração apenas uma vez em cada uma das instâncias da Justiça pela qual o processo passar. Trata-se de um recurso por meio do qual o defensor pede esclarecimentos ou complementação de uma decisão do magistrado, quer por eventual contradição ou omissão de detalhe.
FIM DO FORO PRIVILEGIADO
Será extinto o privilégio dado a autoridades de serem processadas e julgadas por tribunais
superiores.

Do tempo de Vargas
> O Código de Processo Penal (decreto-lei 3.689) foi editado pelo presidente Getúlio Vargas em 1941. Assim, o conjunto de regras que trata da investigação criminal até a sentença judicial e seus recursos no Brasil está em vigor há quase 70 anos e hoje é considerado defasado por muitos especialistas.
> Neste período, o país foi governado por 24 presidentes diferentes, teve quatro novas Constituições (incluindo a emenda de 1969), atravessou um regime militar e viu a demanda pela Justiça crescer e a criminalidade explodir.
> O recente anteprojeto elaborado pelo grupo de juristas a pedido do Senado é a quarta tentativa do país de fazer uma reformulação completa do Código de Processo Penal. A primeira ocorreu em 1963 e a última, em 1983.

Argumentos controversos
A FAVOR DA REFORMA
> Como reduzirá o número de recursos (embargo de declaração) nas instâncias, tende a acelerar o trâmite judicial. O código unificará a legislação.
> A proposta está mais sintonizada com a Constituição de 1988 ao garantir direitos dos acusados.
> Ao separar o juiz que acompanha o inquérito policial daquele que julga o processo, haverá maior isenção no julgamento final. As prisões serão utilizadas só nos casos realmente necessários. O processo ficará mais equilibrado.
CONTRA A REFORMA
> Integrantes de órgãos como o Ministério Público acreditam que haverá dificuldade para prender suspeitos, o que prejudicará uma resposta imediata à sociedade em crimes hediondos.
> O aumento de sete para oito jurados no tribunal do júri tornará mais difícil a condenação. Em caso de empate, o réu será absolvido.
> A criação da figura do juiz de garantia (um para acompanhar inquérito policial e outro para julgar) é muito difícil de se viabilizar em comarcas pequenas onde há um único juiz.


CARDOSOLIRA comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

19 de Jun de 2009 às

CARDOSOLIRA
Meu nobre amigo Marmo Silva, Por isso é que alguns Petralhas, acham que sou radical, só que na verdades, qual o nome que eu poderia dar a essas corrupções todas, se não for (BANDIDAGENS) é o que então?
Se o amigo observar bem, vai ver que todas essas bandidagens tem origem na facção criminosa dos PETRALHAS.
Alguém vai dizer, a corrupção é no LEGISLATIVO especialmente no Senado.
Então eu vou dizer que, a crise de falta ética, moral e caráter atinge os três poderes da Republica.
Haja visto, que até a suprema corte do país, está tendo um comportamento estranho que passa por briga de egos a outras coisas ainda mais graves.
Tudo isso foi desencadeado por essa facção criminosa dos corruptos PETRALHAS, que hoje cometem todos os tipos de atrocidades possíveis.
É realmente muita bandidagens no país dos PETRALHAS.

Um abraço,

Cardoso Lira


dafronteira comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

19 de Jun de 2009 às

dafronteira
Eu me apavoro como os Comandantes...braço duros, linhas duras...deixam tudo isso acontecer...PORQUE NÃO DÃO UM GOLPE E FECHAM ESSE CONGRESSO QUE NÃO PRESTA PRA NADA, MAS NADA NO BRASIL A NÃO SER ROUBAR, ROUBAR E ROUBAR.... VAMOS LA PORTAL LANÇAR UMA CAMPANHA PRA FECHAR O CONGRESSO NACIONAL...É O NOSSO DINHEIRO QUE TÃO ROUBANDO.... BRASIL PRECISA MUDAR URGENTE!!!!!!


ACMA comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

19 de Jun de 2009 às

ACMA
Sugerimos aos blogueiros comentaristas, enviarem seus textos ao Presidente do Senado e para mais uns trinta senadores, aqueles que mais ocupam a tribuna e estão sempre em eviddência. Na mensagem, todos êles relacionados no Para: ninguém no Cco, para que cada um saiba que o outro recebeu.


Ando67 comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

20 de Jun de 2009 às

Ando67
COMPANHEIROS, TEMOS QUE SE REUNIR, COM URGÊNCIA, PARA INDICAR E ELEGER DEPUTADOS FEDERAIS EM TODOS OS ESTADOS, POIS NOSSOS COMANDANTES ESTÃO VENDIDOS E SENDO ILUDIDOS, PELO PODER CENTRAL DOS PETRALHAS. NÃO IMPORTA SE O NOSSO COMPANHEIRO ELEITO VAI TER AS MORDOMIAS DO CARGO, O QUE ESTÁ EM JOGO, NESTE MOMENTO, É A LUTA EM DEFESA DE EQUIPARAÇÕES SALÁRIAS COM A PMDF, BEM COMO O FORTALECIMENTO DAS FFAA. FICAR RECLAMANDO DA SORTE, DA INSTITUIÇÃO E ACREDITANDO EM MILAGRE, SOMENTE PARA AQUELES QUE NÃO SABEM O PODER DO SEU VOTO. NUMA DEMOCRÁCIA O VOTO VALE MAIS QUE UM TIRO DE CANHÃO OU UMA BOMBA ATÔMICA, PORQUE A SUA DESTRUIÇÃO É TÃO FATAL, QUE PODE MUDAR O DESTINO DE UMA NAÇÃO. POR ISSO, COMPANHEIROS DE BRASÍLIA-DF, TEMOS QUE SE REUNIR PARA INDICAR UM CANDIDATO A DEPUTADO FEDERAL E UM DEPUTADO DISTRITAL E OS OUTROS ESTADOS DEVEM TAMBÉM COMEÇAR A TRABALHAR NESSE SENTIDO. VAMOS LÁ AMIGOS, POIS QUEM SABE FAZ A HORA E NÃO ESPERA ACONTECER MILAGRE. ANDO67.


MILKTONY comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

21 de Jun de 2009 às

MILKTONY
Prezado Sr CARDOSO LIRA.
Submeto a apreciação do prezado amigo para quando grafar o vocálulo "HAJA VISTO" procure grafar "HAJA VISTA", pois é o correto.
De:
Haja visto, que até a suprema corte do país, está tendo um comportamento estranho que passa por briga de egos a outras coisas ainda mais graves.
Para:

Haja vista, que até a suprema corte do país, está tendo um comportamento estranho que passa por briga de egos a outras coisas ainda mais graves.
Espero ter contribuído...
Um abraço.

Este Blogueiro NÃO permite que VISITANTES comentem nesta postagem.
Junte-se a nós ou Entre para comentar!