As opiniões expressas neste artigo e seus comentários não representam a opinião do Portal Militar, das Forças Armadas e Auxiliares, ou de qualquer
outro órgão governamental, mas tão somente a opinião do usuário. Os comentários são moderados pelo usuário.
 
Denuncie | Colaboradores: Todos | Mais novos ] - [ Textos: Novas | Últimas ]

O autor decide se visitantes podem comentar.
 
Postada em 22-02-2015. Acessado 1373 vezes.
Título da Postagem:MEMÓRIA MILITAR DE 1964
Titular:Antonio Carlos Mesquita do Amaral
Nome de usuário:ACMA
Última alteração em 22-02-2015 @ 09:24 pm
[ Avise alguém sobre este texto ]
Tags: O RENITENTE

 

 

                                                            

                     Os 50 anos do movimento em Santa Maria ensejou manifestações de toda ordem e matiz por parte de quem viveu, acompanhou, ou apenas soube de seu desdobramento.

                                    Personalidades nem todas alcançadas pelos atos de ação passaram a imprensa suas considerações deveras comedidas, exceto as do Professor Diorge Konrad na página 4 do Segundo A Razão de 31 de março findo, nomeia os líderes ferroviários Jorge Mottcy (?), Baltazar Mello e Onofre Ilha Dornelles, este último “vindo a falecer pelos maus tratos” (palavras textuais).

                       De fonte fidedigna, o pessoal recolhido em número até maior ao 3º BCCL, atual 29º BIB, foram alojados em pavilhão exclusivo e com toda comodidade e plena liberdade no interior. Refeições servidas no local, preparadas pelo Baltazar com gêneros recebidos diariamente, tinham como prato de suas preferências strogonoff com chantilly e champingnon.

                         Em outro jornal de 5 e 6 de abril do ano corrente, refere o Regimento Mallet como “local onde se torturava”, o que vem a ser uma inverdade. Os responsáveis pela segurança e atenção dos civis presos, tinham ainda a incumbência de acompanhá-los ao almoço em refeitório de mesa posta, atendida por Cassineiros.

                           O grupo compunha-se de três ferroviários, um funcionário publico, um ruralista e o advogado Jorge Mottcy citado acima. Não se privavam de jornais, revistas e livros levados por familiares nos dias de visita, dispondo até de rádio.

                            Comumente, num dia qualquer, certo comandante conversava informalmente com um ou outro mandado chamar ao gabinete, nominalmente, sem o acompanhamento ou presença de seguranças. Acusações levianas fruto de falsos aprendizados, livros de história capciosa, ouvir dizer ou somente pela intensão maldosa, tem um único propósito, - o principal - o de alfinetar o Exército Brasileiro, uma instituição séria com fins nobres, acusando sem provas os servidores militares que na época desempenhavam suas obrigações profissionais em organização militar, denegrindo sua honra e a memória de muitos.

 

                              Nenhum dos suspeitos sofreu qualquer tipo de sevícias, sendo liberados um a um depois de ouvidos e inocentados.     Seus descendentes são testemunhas do tratamento de urbanidade que lhes foi dispensado, não podendo ser negados sob o risco de macularem aquilo que acreditavam e defendiam.




Bookmark and Share

Comente
Olá Visitante. Este usuário permite que você comente mas antes é necessário informar seu nome e email pessoal válido e ativo.
Você receberá um email de confirmação.
Nome: Obrigatório
Digite seu Email: Obrigatório. Não será divulgado.
Redigite seu Email: Obrigatório. Não será divulgado.
Código de segurança:_YA_SECURITYCODE
Digite o código de segurança:
  [ Voltar ]
Outas colaborações de ACMA
Veja Mais
Perfil de anonimo
Perfil do Usuário
Junte-se a nós!
Junte-se a nós!