Major Olímpio une e pacifica Of. Generais Desagregam | Blog Liberdade | Portal Militar

Blog Liberdade

Quem sou eu? Clique e conheça meu Perfil
Acompanhe os Blogs da sua conta no google, yahoo e outros. Você pode escolher receber por email informação de novas postagens nos blogs. Fique Ligado.

Homenagem

Major Olímpio une e pacifica Of. Generais Desagregam

Publicado em 06 de Set. de 2019


1270 Visualizações


 

 

Do Clube Militar saíram palavras de seus membros dizemos que militares praças em geral são “Aproveitadores e sem escrúpulos” .

Do porta-voz da Presidência da República que é oficial general do exército saiu a fala “ Instamentos Inferiores” fazendo referência às praças em geral das FA, isso com intuito de humilhar, inferiorizar.

Esses oficiais generais que se dizem possuidores de cursos de “Altos Estudos” são na realidade desagregadores, despreparados e para melhor definir “IDIOTAS”.

Devemos aproveitar para externar nossos elogios e parabéns ao MAJOR OLÍMPIO, que tem demostrado altíssima capacidade para equacionar e privilegiar as polícias em geral, inclusive melhorando ainda mais a condição dos inativos e pensionistas do seguimento.

 

Leiam:

Fonte: https://economia.uol.com.br

https://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2019/09/05/policiais-regras-mais-brandas-aposentadoria-pec-paralela.htm?fbclid=IwAR2QBZ5MtjXS-PGgS0WsrBF33wWimJPxBDB3pFoprxcqYRUU4vJ8LZS9qIM

 

 

Policiais ganham regras mais brandas de aposentadoria na PEC paralela

Major Olimpio (em pé, ao centro) e Marcos do Val (à dir.) apresentaram emendas que beneficiam policiais - Pedro França/Agência Senado

Imagem: Pedro França/Agência Senado.

** Major Olimpio (em pé, ao centro) e Marcos do Val (à dir.) apresentaram emendas que beneficiam policiais

Da Agência Senado 05/09/2019 15h56

Policiais, bombeiros, agentes prisionais e outras carreiras ligadas à segurança pública poderão contar com regras mais brandas para se aposentar, se for aprovada a chamada PEC paralela, uma proposta de emenda à Constituição que traz emendas e sugestões de mudanças não incluídas na proposta de reforma da Previdência (PEC 6/2019) aprovada nesta quarta-feira (4) na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado.

Uma das emendas do senador Major Olimpio (PSL-SP), acolhida parcialmente pelo relator Tasso Jereissati (PSDB-CE), permite que uma lei complementar estabeleça requisitos e critérios próprios para a concessão de aposentadoria e pensão para policiais federais, dando margem para alterações futuras conforme regras previstas na reforma para os militares em análise na Câmara dos Deputados.

Também podem ser beneficiados integrantes da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Ferroviária Federal, policiais civis, policiais militares, bombeiros militares, agentes prisionais e socioeducativos e integrantes das Polícias Legislativas do Senado e da Câmara dos Deputados, além da Polícia Federal.

Editada para acelerar os debates em torno da nova Previdência e evitar o retorno à Câmara do texto principal (a PEC 6/2019) já aprovado pelos deputados, a PEC paralela, que recebeu o número PEC 133/2019, abre brecha para a entrada de estados e municípios na reforma e inclui uma série de medidas propostas pelos senadores por meio de emendas.

"Com uma lei complementar, de natureza federal, o Executivo vai fazer o regramento dos policiais militares e bombeiros militares em simetria com as Forças Armadas. Também vai permitir fazer um regramento geral para todos os policiais, agentes penitenciários e agentes socioeducativos, chegando até aos nossos guardas municipais. Vamos fazer a sustentação disso no Plenário, temos um grande acordo para que seja aprovado e com certeza será confirmado na Câmara dos Deputados", disse Major Olímpio.

Integralidade e paridade.

Outra emenda acatada parcialmente pelo relator que pode flexibilizar as regras para servidores da área de segurança pública garante que policiais

federais, policiais ferroviários federais e policiais rodoviários federais que ingressaram na carreira até 2003 se aposentem com o último salário da carreira (integralidade) e com reajustes iguais aos da ativa (paridade). O texto consolidado pelo relator mantém a exigência de idade mínima de 55 anos para homem e mulher prevista na PEC 6/2019.

Também podem ser contemplados agentes prisionais, socioeducativos e integrantes da Polícia Civil do Distrito Federal e das Polícias Legislativas do Senado e da Câmara dos Deputados.

A proposta atende em parte ao pleito do senador Marcos do Val (Podemos-ES), que apresentou emenda para assegurar a integralidade e a paridade para todos policiais que ingressaram no serviço até a data da reforma. O senador, que apresentou outras sugestões para garantir direitos diferenciados para profissionais de carreiras ligadas à segurança pública, afirmou que, se as reivindicações dos policiais em relação à reforma não forem atendidas, o Brasil passará por uma grave crise no setor.

"Se não forem atendidas essas demandas dos policiais, o país vai entrar numa grave crise de segurança pública, e nós vamos infelizmente vivenciar o que meu estado vivenciou em 2017, que foi a greve dos policiais, quando não se podia ir para as escolas, não se podia abrir os comércios, não se podia ir para os hospitais. Se o profissional da segurança pública entender que o país não o está acolhendo, não está entendendo sua importância, o país vai entrar em colapso na segurança pública", disse o senador na quarta-feira, durante o debate na CCJ.

PEC 6/2019

Além da idade mínima de 55 anos para aposentadoria para policiais federais, policiais civis do Distrito Federal e agentes penitenciários e socioeducativos federais, a PEC 6/2019 exige 30 anos de contribuição e 25 anos de exercício na função. Os policiais terão direito à pensão integral em caso de morte decorrente do trabalho e 100% da média dos salários para aposentadoria por invalidez. Para quem está na carreira, a proposta estabelece uma regra de transição: idade mínima de 52 anos (mulheres) ou 53 (homens), com pedágio de 100% do tempo de contribuição que falta.

Hoje não há idade mínima para que policiais se aposentem, mas sim uma exigência de 30 anos de contribuição, se homem, e 25 anos, se mulher.

 

 

bbbVote na Enquete

São Idiotas
 O Major olímpio e policiais
 Graduados e demais praças FA
 As Associações de praças FA
 Os oficiais Generais

4 comentários


Abraão Gomes Alves

06 de Set. de 2019 às 19:52

Abraão Gomes Alves
Votei no Bolsonaro e fiz campanha pra ele. Mas, se for materializada a traição aos graduados das Forças Armadas, já estou em busca de outras opções à direita. Quem trai sua base de apoio não merece consideração. Ainda há tempo do Presidente interferir a favor dos graduados como o fez com os policiais. Se a traição for consumada, Bolsonaro, filhos de Bolsonaro, Papagaio de Pirata do Bolsonaro, Oficial das Forças Armadas - nunca mais. Major Olímpio, Sergio Moro e Governador do Rio de Janeiro - contem com meu voto.


Avassalador comentou. Clique aqui para ver seu perfil.

07 de Set. de 2019 às 5:19

Avassalador
Vocês sabem o que disse o general do EB na Audiência Pública? "Somos bem menos que 1% nosso reajuste não causará impacto", disse para justificar reajuste para eles e abandono de graduados e soldados que são ampla maioria. Será que merecem nosso respeito?


Abraão Gomes Alves

07 de Set. de 2019 às 9:35

Abraão Gomes Alves
Não - essa gente não merece respeito.


Tabaco

07 de Set. de 2019 às 13:47

Tabaco
nossos GENERAIS sempre agiram dessa maneira......só que agora estamos cansados e enojados......


DEIXE SEU COMENTÁRIO


O blogueiro não publica comentários ofensivos, que utilizem expressões de baixo calão ou preconceituosas, nem textos escritos exclusivamente em letras maiúsculas. Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor. O blogueiro fará a moderação antes de publicar o comentário.

Aceito receber emails do Portal Militar. Emails de confirmação, avisos, notícias e lembretes. ( Obrigatório )