Ainda não se cadastrou? Junte-se a nós | Entrar Anuncie Já | Bate-Papo | Proposta
Portal Militar - Paixão pelo Brasil
Fórum de assuntos militares

Adicione ao Google Reader ou Página Principal | Adicione ao Yahoo Reader ou Página Principal |
Receba no email as atualizações no fórum: Parceria: FeedBurner
Portal Militar :: Exibir tópico - PGR, após 4 anos, reconhece Inexistência - em Ingles e Portu
 FAQFAQ   PesquisarPesquisar   GruposGrupos   PerfilPerfil   Entrar e ver Mensagens PrivadasEntrar e ver Mensagens Privadas   LoginLogin 

PGR, após 4 anos, reconhece Inexistência - em Ingles e Portu

 
Novo Tópico   Responder Mensagem    Portal Militar - Fórum -> Outros Assuntos
Exibir mensagem anterior :: Exibir próxima mensagem  
Autor Mensagem
pliniomarcosmr
Newbie
Newbie


Cadastrou-se em: 15 Dec, 2013
Mensagens: 299

PostEnviada: 13 02 2019, 16:46    Assunto: PGR, após 4 anos, reconhece Inexistência - em Ingles e Portu Responder com Citação

Translated text from Portuguese to English through Google Translate

PGR, after 4 years, recognizes Non-existence of Constitutional Ceilings
https://pt.scribd.com/document/399065015/PGR-Apos-4-Anos-Reconhece-Inexistencia-de-Tetos-Constitucionais-merged

Dear,

It is with deep concern, which I present, the response of the current Attorney General, Mrs. Raquel Elias Ferreira Dodge, manifested on June 22, 2018, sent by the Federal Public Prosecutor's Office, through the Service Desk on January 28, 2019 at 11:04 am, to Manifestation nº20150007528, filed on February 13, 2015, that is, received after, just and only, almost 4 (four) years.

This is based on the premise that the Attorney General's Office, despite all the "herculean" efforts made by a Common Citizen, without any Jurisdictional basis, contrary to Art. 127, Art. 129, II, III, Art. 93, V, IX, Art. 37, XI, XII, XIII, XIV, XV, XVI, a), b), c), XVII, §5º, of the Constitution of the Federative Republic of Brazil, DECIDED by the "ARCHIVING", when, at a minimum, it could, and should, question the Unconstitutionality of the "restrictive" application of Art. 37, on Art. 39, §4º, §5º, §11º, Art. 93, V, Art. 129, §4º, Art. 135, Art. 142, II, III, VIII, and Art. 248, since , the abovementioned "restrictions", ANNUL, in essence, the INTEGRAL context of Art. 37, at least to: "obey the principles of legality, impersonality, morality, publicity and efficiency", as well as, that the Attorney General's Office IGNORE, in essence, and in presumable convenience, the INTEGRAL context of Art. 103-B, §4º, II, It is incumbent upon the Board to control the administrative and financial performance of the Judiciary and the fulfillment of the functional duties of the judges, as well as other duties assigned to it by the Statute of the Judiciary: ensure the observance of Art. 37 and to examine, on its own initiative or through challenge, the legality of the administrative acts practiced by members or organs of the Judiciary, being able to deconstitute them, revise them or set a deadline for adopting the necessary measures to comply with the law, within the jurisdiction of the Court of Auditors of the Union, as well as IGNORE, in essence, and in presumable convenience, the INTEGRAL context of Art. 129, II, III, to ensure the effective respect of the Public Powers and the services of public relevance to the rights guaranteed in this Constitution, promoting the necessary measures for their guarantee, as well as to promote the civil inquiry and public civil action, for the protection of the public and social patrimony, of the environment and of other diffuse and collective interests, as well as, also IGNORE, in essence, and in presumable convenience, the INTEGRAL context of Art. 130-B, §2º, II, It is incumbent upon the National Public Prosecution Council to control the administrative and financial performance of the Public Prosecutor's Office and the fulfillment of the functional duties of its members, and shall: ensure the observance of Art. 37 and assess, either officially or through provocation, the legality of the administrative acts practiced by members or organs of the Public Ministry of the Union and of the States, being able to deconstitute them, review them or set a deadline for them to adopt the necessary measures to the exact fulfillment of the law, without prejudice to the competence of the Courts of Auditors;

Something that refers me to the presentation of the document "Constitutional Ceilings and their Controversies in the Judiciary", https://pt.scribd.com/document/331462228/Tetos-Constitucionais-e-suas-Controversias-no-Judiciario , where we are stunned and perplexed, making empirical considerations, the unreasonable, the incompatible, the desperate, the unseemly, the immoral, behavior of the President of the Federal Supreme Court, which, contrary to posture, decisions, and interpretation, of the Plenary of the Supreme Federal Court, formally recognized by the Superior Court of Justice, and by the National Council of Justice, it is permissible to "negotiate", when we call attention to the concrete fact that several evaluations already carried out by the Federal Supreme Court were to meet, therefore, the question is, or should be, PACIFICED in the Federative Republic of Brazil, otherwise, we will be facing the "worst of the worlds", where the Constitutional Supreme Court, frankly, DISPRESSING, its understanding, and its jurisdictional practices, ACKNOWLEDGE, in an unquestionable, irrefutable way, to be the implementer, Irresponsible, of the most ABSURD Legal Insecurity.

Something that also reminds me of the presentation of the document "STF is aware of the DRIBLE to the Constitutional Principle", https://pt.scribd.com/document/356103045/STF-Tem-Consciencia-Do-DRIBLE-a-Principio-Constitucional , Minister Carmen Lúcia says that "the moment is one of sacrifice", in which we are, empirically, trying to make evaluations, about the concrete, existing in the news, http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=352060 , which in an irrefutable, unquestionable way REFLECTS the unquestionable recognition of the Brazilian Momentum, and the need for sacrifices, the Plenary of the Federal Supreme Court, in RESOURCEFRUL, CLEAR, and OBJECTIVE, also recognizes that "penduricalhos", introduced by the Infraconstitutional Law, allow the Constitutional Principle of Labor Remuneration Ceiling (s) to be "dribbled", because only the salaries of magistrates do not face a decent life.

Perhaps the best explanation of what is here is the "gap of private public welfare", represented by the INSS - National Social Security Institute, since only in "institutional public welfare", represented by the Federal, State and Municipal Treasures, no parameters, plausible and reasonable, of LIMIT is, in fact, APPLIED, mainly, by the HYPOCRITICAL certainty that they are already "Acquired Rights", despite the Constitution of the Federative Republic of Brazil, having already completed only thirty (30) years, highlighting, in particular, Art. 37, had its last adjustment to only twenty (20) years.

Therefore, any "restrictive" use of Art. 37, in the form of RESOURCEFRUL and CLEAR, establishes differentiated criteria within the Brazilian State, which assumes that ALL ARE EQUAL TO THE LAW, as well as, ANNUL its own existence in the Constitutional TEXT, as well as, it interferes in a acintosa way in the principle of Administrative and FINANCIAL Autonomy of the Federative Entities, and of ALL the Organs of the Direct and Indirect Administration, it is clear, for example, unless there is deception in ALL States, there are Officials, included RETIRED (S), who receive HIGHER salaries from the Governor of State, and for the same reason, many STF Officials, including RETIRED (S), receive EQUAL salaries from those of STF Minister, which TRANSGRIDES the essence of Art. 37, in view of the fact that the REMUNERATION of Employees MUST be in SYNCRONY to the RECIPE of their Employers, for this reason, it is ACCEPTED, as natural, for example, that a Doctor does not have SINGLE Salary in the Brazilian State.

Actually, in a Country made of Lawyers, made by Lawyers, made for Lawyers, recognized or not, by the OAB - Brazilian Bar Association, was, is, and will, ALWAYS, IMPOSSIBLE that ALL BE EQUAL before the Law.

Regards,
Plinio Marcos Moreira da Rocha
Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
Tel. Cel. +55 21 986183350

Original Text in Portuguese

PGR, após 4 anos, reconhece Inexistência de Tetos Constitucionais

https://pt.scribd.com/document/399065015/PGR-Apos-4-Anos-Reconhece-Inexistencia-de-Tetos-Constitucionais-merged

Prezados,

É com profundo pesar, que apresento, resposta da Atual Procuradora-Geral da República, Sra. Raquel Elias Ferreira Dodge, manifestada em 22 de junho de 2018, encaminhada pelo Ministério Público Federal, através da Central de Atendimento em 28 de Janeiro de 2019 às 11:04 horas, à Manifestação nº20150007528, protocolada em 13 de Fevereiro de 2015, isto é, recebida após, a apenas e tão somente, quase 4 (quatro) anos.

Tal, parte da premissa de que a Procuradoria-Geral da República, apesar de todos os “hercúleos” esforços, feitos por um Cidadão Comum, sem qualquer embasamento Jurisdiscional, contrariando o Art. 127, Art. 129, II, III, Art. 93, V, IX, Art. 37, XI, XII, XIII, XIV, XV, XVI, a), b), c), XVII, § 5º, da Constituição da República Federativa do Brasil, DECIDIU pelo “ARQUIVAMENTO”, quando no mínimo, poderia, e deveria, questionar a Inconstitucionalidade da aplicação “restritiva” do Art. 37, nos Art. 39, § 4º, § 5º, § 11º, Art. 93, V, Art. 129, § 4º, Art. 135, Art. 142, II, III,VIII, e Art. 248, uma vez que, as citadas “restrições”, ANULAM, em essência, o INTEGRAL contexto do Art. 37, no mínimo, à: “obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência”, bem como, que a Procuradoria-Geral da República IGNORA, em essência, e em presumível conveniência, o INTEGRAL contexto do Art. 103-B, § 4º, II, Compete ao Conselho o controle da atuação administrativa e financeira do Poder Judiciário e do cumprimento dos deveres funcionais dos juízes, cabendo-lhe, além de outras atribuições que lhe forem conferidas pelo Estatuto da Magistratura: zelar pela observância do art. 37 e apreciar, de ofício ou mediante provocação, a legalidade dos atos administrativos praticados por membros ou órgãos do Poder Judiciário, podendo desconstituí-los, revê-los ou fixar prazo para que se adotem as providências necessárias ao exato cumprimento da lei, sem prejuízo da competência do Tribunal de Contas da União, bem como, também IGNORA, em essência, e em presumível conveniência, o INTEGRAL contexto do Art. 129, II , III , zelar pelo efetivo respeito dos Poderes Públicos e dos serviços de relevância pública aos direitos assegurados nesta Constituição, promovendo as medidas necessárias a sua garantia, bem como, promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos, bem como, também IGNORA, em essência, e em presumível conveniência, o INTEGRAL contexto do Art. 130-B, § 2º, II, Compete ao Conselho Nacional do Ministério Público o controle da atuação administrativa e financeira do Ministério Público e do cumprimento dos deveres funcionais de seus membros, cabendo lhe: zelar pela observância do Art. 37 e apreciar, de ofício ou mediante provocação, a legalidade dos atos administrativos praticados por membros ou órgãos do Ministério Público da União e dos Estados, podendo desconstituí-los, revê-los ou fixar prazo para que se adotem as providências necessárias ao exato cumprimento da lei, sem prejuízo da competência dos Tribunais de Contas;

Algo que me remete ao Apresento o documento “Tetos Constitucionais e suas Controvérsias no judiciário”, https://pt.scribd.com/document/331462228/Tetos-Constitucionais-e-suas-Controversias-no-Judiciario , onde estamos, aturdido, e perplexo, efetuando empíricas considerações, ao despropositado, ao incompatível, ao desesperado, ao indecoroso, ao imoral, comportamento da Presidente do Supremo Tribunal Federal, que, contrariando, postura, decisões, e interpretação, do Plenário do Supremo Tribunal Federal, formalmente reconhecida pelo Superior Tribunal de Justiça, e pelo Conselho nacional de Justiça, se permite “negociar”, quando então, chamamos a atenção, para o fato, concreto, de que várias avaliações, já efetuadas, pelo Supremo Tribunal Federal, foram ao seu encontro, portanto, a questão esta, ou deveria estar, PACIFICADA na República Federativa do Brasil, caso contrário, estaremos frente, ao “pior dos mundos”, onde a Suprema Corte Constitucional, fragorosamente, DESRESPEITANDO, seu entendimento, e suas práticas jurisdicionais, RECONHECE, de forma inquestionável, e irrefutável, ser o implementador, Irresponsável, da mais ABSURDA Insegurança jurídica.

Algo que também me remete ao Apresento o documento “STF tem consciência do DRIBLE à Princípio Constitucional”, https://pt.scribd.com/document/356103045/STF-Tem-Consciencia-Do-DRIBLE-a-Principio-Constitucional , onde estamos, empiricamente, tentando efetuar avaliações, sobre o, concreto, existente, na notícia Ministra Cármen Lúcia diz que “o momento é de sacrifício”, http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=352060 , que de maneira irrefutável, inquestionável, REFLETE o inquestionável reconhecimento do Momento Brasileiro, e da necessidade de sacrifícios, o Plenário do Supremo Tribunal Federal, de forma RICA, CLARA, e OBJETIVA, também reconhece que “penduricalhos”, introduzidos por Lei Infraconstitucional, permitem que o Princípio Constitucional de Teto(s) de Remuneração Laborarial seja “driblado”, porque somente os vencimentos dos magistrados não fazem frente a uma vida condigna.

Talvez, a melhor explicação, do que aí esta, seja o “rombo da previdência pública privada”, represantada pelo INSS – Instituto Nacional do Seguro Social, uma vez que, somente na “previdência pública institucional”, representada pelos Tesouros Federal, Estaduais e Municipais, nenhum parâmetro, plausível e razoácvel, de LIMITE seja, efetivamente, APLICADO, principalmente, pela HIPÓCRITA certeza de que os mesmos já sejam “Direitos Adquiridos”, apesar da Constituição da República Federativa do Brasil, já ter completado apenas 30 (trinta) anos, ressaltando, em especial, o Art. 37, teve sua última adequação a apenas 20 (vinte) anos.

Pelo exposto, qualquer utilização “restritiva” do Art. 37, de forma, RICA, e CLARA, estabelece critérios diferenciados dentro do Estado Brasileiro, que tem como Premissa que TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI, bem como, ANULA a sua própria existência no TEXTO Constitucional, bem como, interfere de forma acintosa no princípio de Autonomia Administrativa e FINANCEIRA dos Entes Federativos, e de TODOS os Órgãos da Administração Direta e Indireta, ficando claro, por exemplo, salvo engano, em TODOS os Estados, existem Funcionários, incluso APOSENTADO(S), que recebem vencimentos SUPERIORES ao do Próprio Governador de Estado, e pelo mesmo motivo, muitos Funcionários do STF, incluso(s) APOSENTADO(S), recebem vencimentos IGUAIS aos de Ministro do STF, o que TRANSGRIDE a essência do Art. 37, tendo em vista, que a REMUNERAÇÃO dos Funcionários DEVE estar em SINCRONIA à RECEITA de seus Empregadores, por este motivo, é ACEITO, como natural, por exemplo, que um Médico não tenha Salário ÚNICO no Estado Brasileiro.

RealMENTE num País feito de Advogados, feito por Advogados, feito para Advogados, reconhecidos, ou não, pela OAB – Ordem dos Advogados do Brasil, foi, é, e será, SEMPRE, IMPOSSÍVEL que Todos SEJAM IGUAIS perante a Lei.

Atenciosamente,
Plinio Marcos Moreira da Rocha
Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
Tel. Cel. +55 21 986183350

CAPÍTULO VII
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SEÇÃO I
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:

XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplicando-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o subsídio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do Poder Judiciário, aplicável este limite aos membros do Ministério Público, aos Procuradores e aos Defensores Públicos;

XII - os vencimentos dos cargos do Poder Legislativo e do Poder Judiciário não poderão ser superiores aos pagos pelo Poder Executivo;

XIII - é vedada a vinculação ou equiparação de quaisquer espécies remuneratórias para o efeito de remuneração de pessoal do serviço público;

XIV - os acréscimos pecuniários percebidos por servidor público não serão computados nem acumulados para fins de concessão de acréscimos ulteriores;

XV - o subsídio e os vencimentos dos ocupantes de cargos e empregos públicos são irredutíveis, ressalvado o disposto nos incisos XI e XIV deste artigo e nos arts. 39, § 4º, 150, II, 153, III, e 153, § 2º, I;

XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos públicos, exceto, quando houver compatibilidade de horários, observado em qualquer caso o disposto no inciso XI:
a) a de dois cargos de professor;
b) a de um cargo de professor com outro técnico ou científico;
c) a de dois cargos ou empregos privativos de profissionais de saúde, com profissões regulamentadas;
XVII - a proibição de acumular estende-se a empregos e funções e abrange autarquias, fundações, empresas públicas, sociedades de economia mista, suas subsidiárias, e sociedades controladas, direta ou indiretamente, pelo poder público;
§ 5º A lei estabelecerá os prazos de prescrição para ilícitos praticados por qualquer agente, servidor ou não, que causem prejuízos ao erário, ressalvadas as respectivas ações de ressarcimento.
CAPÍTULO VII
DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
SEÇÃO II
DOS SERVIDORES PÚBLICOS
Art. 39. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios instituirão conselho de política de administração e remuneração de pessoal, integrado por servidores designados pelos respectivos Poderes.

§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários Estaduais e Municipais serão remunerados exclusivamente por subsídio fixado em parcela única, vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adicional, abono, prêmio, verba de representação ou outra espécie remuneratória, obedecido, em qualquer caso, o disposto no Art. 37, X e XI.

§ 5º Lei da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios poderá estabelecer a relação entre a maior e a menor remuneração dos servidores públicos, obedecido, em qualquer caso, o disposto no Art. 37, XI.

§ 11º - Aplica-se o limite fixado no Art. 37, XI, à soma total dos proventos de inatividade, inclusive quando decorrentes da acumulação de cargos ou empregos públicos, bem como de outras atividades sujeitas a contribuição para o regime geral de previdência social, e ao montante resultante da adição de proventos de inatividade com remuneração de cargo acumulável na forma desta Constituição, cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração, e de cargo eletivo.

CAPÍTULO III
DO PODER JUDICIÁRIO
SEÇÃO I
DISPOSIÇÕES GERAIS
Art. 93. Lei complementar, de iniciativa do Supremo Tribunal Federal, disporá sobre o Estatuto da Magistratura, observados os seguintes princípios:
V - o subsídio dos Ministros dos Tribunais Superiores corresponderá a noventa e cinco por cento do subsídio mensal fixado para os Ministros do Supremo Tribunal Federal e os subsídios dos demais magistrados serão fixados em lei e escalonados, em nível federal e estadual, conforme as respectivas categorias da estrutura judiciária nacional, não podendo a diferença entre uma e outra ser superior a dez por cento ou inferior a cinco por cento, nem exceder a noventa e cinco por cento do subsídio mensal dos Ministros dos Tribunais Superiores, obedecido, em qualquer caso, o disposto nos Art. 37, XI, e Art. 39, § 4º;
IX - todos os julgamentos dos órgãos do Poder Judiciário serão públicos, e fundamentadas todas as decisões, sob pena de nulidade, podendo a lei limitar a presença, em determinados atos, às próprias partes e a seus advogados, ou somente a estes, em casos nos quais a preservação do direito à intimidade do interessado no sigilo não prejudique o interesse público à informação;

CAPÍTULO III
DO PODER JUDICIÁRIO
SEÇÃO II
DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

Art. 103-B. O Conselho Nacional de Justiça compõe-se de 15 (quinze) membros com mandato de 2 (dois) anos, admitida 1 (uma) recondução, sendo:

II - zelar pela observância do Art. 37 e apreciar, de ofício ou mediante provocação, a legalidade dos atos administrativos praticados por membros ou órgãos do Poder Judiciário, podendo desconstituí-los, revê-los ou fixar prazo para que se adotem as providências necessárias ao exato cumprimento da lei, sem prejuízo da competência do Tribunal de Contas da União;
CAPÍTULO IV
DAS FUNÇÕES ESSENCIAIS À JUSTIÇA
SEÇÃO I
DO MINISTÉRIO PÚBLICO
Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis.

Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público:
II - zelar pelo efetivo respeito dos Poderes Públicos e dos serviços de relevância pública aos direitos assegurados nesta Constituição, promovendo as medidas necessárias a sua garantia;
III - promover o inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos;
§ 4º Aplica-se ao Ministério Público, no que couber, o disposto no Art. 93.

SEÇÃO IV
DA DEFENSORIA PÚBLICA
Art. 135. Os servidores integrantes das carreiras disciplinadas nas Seções II e III deste Capítulo serão remunerados na forma do Art. 39, § 4º.
TÍTULO V
DA DEFESA DO ESTADO E DAS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS
CAPÍTULO I
DO ESTADO DE DEFESA E DO ESTADO DE SÍTIO
CAPÍTULO II
DAS FORÇAS ARMADAS
Art. 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.
II - o militar em atividade que tomar posse em cargo ou emprego público civil permanente, ressalvada a hipótese prevista no Art. 37, inciso XVI, alínea "c", será transferido para a reserva, nos termos da lei;
III - o militar da ativa que, de acordo com a lei, tomar posse em cargo, emprego ou função pública civil temporária, não eletiva, ainda que da administração indireta, ressalvada a hipótese prevista no Art. 37, inciso XVI, alínea "c", ficará agregado ao respectivo quadro e somente poderá, enquanto permanecer nessa situação, ser promovido por antiguidade, contando-se-lhe o tempo de serviço apenas para aquela promoção e transferência para a reserva, sendo depois de dois anos de afastamento, contínuos ou não, transferido para a reserva, nos termos da lei;
VIII - aplica-se aos militares o disposto no art. 7º, incisos VIII, XII, XVII, XVIII, XIX e XXV, e no Art. 37, incisos XI, XIII, XIV e XV, bem como, na forma da lei e com prevalência da atividade militar, no Art. 37, inciso XVI, alínea "c";
TÍTULO IX
DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS GERAIS
Art. 248. Os benefícios pagos, a qualquer título, pelo órgão responsável pelo regime geral de previdência social, ainda que à conta do Tesouro Nacional, e os não sujeitos ao limite máximo de valor fixado para os benefícios concedidos por esse regime observarão os limites fixados no Art. 37, XI.

Anexos : I – Gmail - Sala de Atendimento ao Cidadão - MPF 20150007528
II – PGR-00026858-2015 - não aponta ato normativo violado
III – Petição ADPF da Lei de Equiparação Salarial
IV – Provocação Reiterada ao MPF
V – O Concreto da Hipocrisia Brasileira quanto a Gastos Públicos
_________________
Um SEXAGENARIO com indole de um jovem revolucionario apaixonado por tudo o que se envolve, e por isso, tem a Despreocupacao Responsavel em MUDAR Conceitos e Valores.
Voltar ao Topo
Perfil do Usuário Enviar Mensagem Privada Enviar Email Visitar a homepage do Usuário Yahoo Messenger
Mostrar os tópicos anteriores:   
Novo Tópico   Responder Mensagem    Portal Militar - Fórum -> Outros Assuntos
Todos os horários são GMT - 3 Horas
Página 1 de 1

 

Ir para:   
Postar no fórum: Não permitido para visitantes anônimos.
Responder Tópicos Não permitido para visitantes anônimos.
Editar Mensagens: Não permitido para visitantes anônimos.
Excluir Mensagens: Não permitido para visitantes anônimos.
Votar nas Enquetes: Permitido.
Permitido anexar arquivos
Permitido fazer download

Powered by phpBB © 2001-2008 phpBB Group