Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
Memorial do antigo 18º BIMtz
Inserido por: LuizErnani
Em: 07-10-2006 @ 11:14 pm
 

 
Curriculum 
Vitae

 


Autor: Cel Luiz Ernani Caminha Giorgis

Atividades da Academia de História Militar Terrestre do Brasil.

No dia 22 de novembro deste ano, às 1100 h, presentes o Reitor da Pontifícia Universidade Católica (PUC/RS), Norberto Rauch, o Comandante da 3ª Região Militar, Gen Virgílio Ribeiro Muxfeldt, professores e funcionários da PUC e o Cel Luiz Ernani Caminha Giorgis, foi inaugurada, no Saguão do antigo Pavilhão de Comando do ex-aquartelamento do 18º Batalhão de Infantaria Motorizado, localizado entre as avenidas Ipiranga e Bento Gonçalves, em Porto Alegre, a placa do Memorial da Área, que evoca, depois de 67 anos, o domínio militar da mesma. Com efeito, desde 1934 a área pertencia ao Exército Brasileiro, que ali sediou diversas unidades ( a última foi o 18ºBIMtz), até ser vendida para a PUC e entregue em maio de 2001. A placa cita as Organizações Militares que ocuparam o local, a saber: - 3ºGrupo de Artilharia de Dorso (3ºGADo-1935/37); - 3ºRegimento de Cavalaria Divisionário(3ºRCD), 18ºRegimento de Cavalaria(18ºRC), Esquadrão de Fuzileiros Isolado do 18ºRC, 1ºEsquadrão do 18ºRC, 6ºEsquadrão de Reconhecimento Hipomóvel ( 1937/49; - 7ºBatalhão de Caçadores (7ºBC-1949); - 18ºRegimento de Infantaria, IºBatalhão do 18ºRI, 18ºBatalhão de Infantaria, 18ºBatalhão de Infantaria Motorizado ( 1949/2001). Os trabalhos de pesquisa, reunião de documentos e redação do texto final do memorial que deu origem à Placa, foram realizados pela Delegacia da Academia de História Militar Terrestre do Brasil para o Rio Grande do Sul, Delegacia General Rinaldo Pereira da Câmara, através do Cel Inf RRm Ex Luiz Ernani Caminha Giorgis, Delegado, sob a orientação do Cmt da 3ªRM e do Presidente da AHIMTB, Cel Cláudio Moreira Bento. A AHIMTB considera altamente positivo e significativo o fato do Reitor da PUC ter a iniciativa de registrar, gravado no bronze, a memória do local. Quadro da Marquesa de Alegrete Em 20 de novembro deste ano foi inaugurado, no Saguão de entrada do Hospital Geral de Porto Alegre (HGePA), presentes o Comandante Militar do Sul, Gen Max Hoertel, o Chefe do Estado-Maior do CMS, Gen Minussi, o Diretor do HGePA, Cel Antunes, o Cel Ubiratan, ex-Diretor do Hospital, o Veterano da FEB José Conrado de Souza, componentes do Piquete de Tradições Gaúchas Anita Garibaldi, e o Cel Cav RRm Pedro Paulo Cantalice Estigarríbia, o quadro, de autoria deste, retratando a Marquesa de Alegrete na Batalha de Catalan, em 1817, no Sul do Brasil, fronteira com a então Província Cisplatina, no trabalho de cuidar dos feridos. Junto ao quadro, existe uma placa registrando o seguinte: " A Marquesa de Alegrete" "Em janeiro de 1817 encerrou-se a primeira guerra entre os orientais de ARTIGAS e o Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, pela definição de nosso contorno meridional. À testa de nossas tropas, o Comandante da 3ªRegião Militar, Marechal de Campo Luiz Teles da Silva Caminha e Menezes, Marquês de Alegrete, acompanhado, sempre, de sua esposa, a Marquesa de Alegrete, D. Francisca de Noronha. Mais que companheira, a Marquesa de Alegrete cuidava dos feridos, independentemente da farda que vestiam. Nesse mister, revelou o amor e a sensibilidade profundos da mulher, traço comum de todas as que deixaram registro imorredouro na história militar do Brasil." O quadro, de mais ou menos, 1,50 x 1,0 m, mostra, em 1º plano, um oficial ferido, deitado, assistido pelo médico e pela Marquesa, sob os olhares, em 2º plano, de dois outros militares em pé, feridos, e, ao fundo, uma idéia da batalha. O Cel Estigarríbia é membro da AHIMTB, e esta considera altamente relevante a iniciativa do quadro, já que este resgata a imagem da Marquesa, homenageando assim o espírito caridoso e beneficente de todas as mulheres, mormente as médicas, enfermeiras e esposas de militares.

 

 


Última alteração em 07-10-2006 @ 11:14 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada