Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
Necrológico do Acadêmico Emérito Gen de Div Raimundo M Negrão Torres
Inserido por: Coordenador
Em: 08-09-2006 @ 10:23 pm
 

 
 

Gen Div RAIMUNDO MAXIMIANO NEGRÃO TORRES (1925-2006)

Faleceu em Curitiba, em 12 de julho 2006, aos 81 anos, o acadêmico emérito da AHIMTB, Gen Div Raimundo Maximiano Negrão Torres, ocupante da cadeira n.º 15 (Cel Genserico Vasconcellos), e Delegado de Delegacia da AHIMTB em Curitiba, General Luiz Carlos Pereira Tourinho. Sua posse ocorreu no Colégio Militar de Curitiba, em 20 de março de 2000, sendo recebido por esta Presidência da AHIMTB, conforme sua oração constante as páginas 17/20 do volume n.º 20 de Posses na AHIMTB, ano 2000.

O General Raimundo nasceu em Belém, em 25 fev de 1925 e casou-se no Paraná com D.ª Maria Clarice de cujo consórcio sobrevive o Engenheiro Mecânico Ricardo. Era integrante da primeira turma formada integralmente pela AMAN. Como Oficial-General comandou as AD/6 e AD/5 e 3ª RM. O biografamos nas histórias da AD/6 e 3ª RM. E nesta foi sua penúltima função, tendo encerrado sua bela carreira, em Brasília, em 1985, como um dos sub-chefes do EME. O conhecemos em 1993, em Curitiba, quando lá abordamos, no Centenário da Revolução de 93, e a convite do Governo do Estado do Paraná, o tema: Os cercos federalistas de Bagée da Lapa - duas resistências épicas de História Militar do Brasil. Merece destaque seu livro de memórias sobre sua vida militar Meninos eu também vi. Livro de memórias com o qual nos distinguiu na ocasião. Ele abordou neste seminário o esquecido Cel Antônio Bodziak, polonês que comandou no Paraná, em 93, um batalhão federalista integrado por poloneses e italianos.

O General Negrão foi destacado colaborador nos jornais Ombro a Ombro e Letras em Marcha e colaborava com o jornal Inconfidência, em defesa da Contra-Revolução de 64, em bem fundamentados artigos históricos, fontes preciosas para um julgamento sereno daquele movimento, longe das paixões políticas e ideológicas que dominam o presente, e que deformaram na opinião pública aquele movimento, conforme autocrítica de Serkis na obra Os carbonários, onde este admitiu a derrota na luta armada esquerdista, mas se orgulhava de ver vitoriosa na opinião pública, manipulada ideologicamente, a versão esquerdista dos fatos, levada a efeito por vencidos na luta armada, mas que se enraizaram em posições chaves do magistério e da mídia, na qual passaram a proclamar a "liberdade de imprensa" uma rua de mão única por onde eles transitam, mas que nega o direito ao contraditório ou o direito de resposta aos vitoriosos na luta armada.

O General Negrão integrou-se na vida paranaense onde serviu na ativa cerca de 15 anos descontínuos, e onde se radicou, definitivamente, ao passar para a Reserva.

Ele além de acadêmico emérito da AHIMTB e seu Oficial do Mérito Histórico Militar Terrestre do Brasil, era sócio correspondente do IHGMB e efetivo do IHG Paranaense, Centro de Letras do Paraná e acadêmico da Academia Paranaense de Letras.

O acadêmico emérito General Raimundo travou uma luta corajosa, mas desigual, admirável e oportuna, em defesa da sua verdade, através de seu artigos e livros muito respeitados e apreciados por seus companheiros através do Brasil, para que as gerações futuras tenham uma história resultado de análise isenta de fontes históricas fidedignas, produzidas por forças que se enfrentaram na luta armada no campo e nas cidades.

Sua morte constitui uma grande perda para a causa da Contra Revolução de 64 em defesa da qual com muita autoridade, bravura, coragem moral e competência ele lutava como muitos poucos o faziam.

Aqui os sentidos pesares dos integrantes da Academia de História Militar Terrestre do Brasil pela perda deste notável guerreiro que tão bem sabia manejar a sua pena em defesa de sua verdade sufocada, bastante manipulada e deformada que esperamos um dia o grande publico adquira a consciência de quanto foi manipulado criminosamente. E ao que parece, esta consciência vai sendo aos poucos restaurada. Praza a Deus que a verdade histórica como a Justiça demore, mas não falhe, doa a quem doer! (Cel Cláudio Moreira Bento Presidente AHIMTB)

 

 


Última alteração em 08-09-2006 @ 10:23 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada