Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
As operações navais na luta contra a URSS
Inserido por: Piero
Em: 08-29-2006 @ 04:06 pm
 

 
Curriculum 
Vitae

 

 

 

Autor: * Dr.Dal Piero

 

Ao emitir a diretiva do plano que determinou a invasão da Rússia, Hitler salientou o caráter totalmente secundário que as operações navais teriam na luta contra a URSS. Posteriormente, destacados chefes navais germânicos lamentariam o erro dessa política. Um deles, o Almirante Ruge, expôs claramente as vantagens que se teria podido obter de um maior aproveitamento do poderio naval; "A guerra num país pobre em estradas e vias ferroviárias, como era a Rússia, consistia, antes de mais nada, num problema de transporte. Por que não se aproveitaram as vantagens do transporte marítimo para realizar o avanço? A distância em linha reta da fronteira da Prússia Oriental a Leningrado era de 800 quilômetros, da fronteira a Moscou era de 1000 quilômetros, e de Leningrado a Moscou era de 600 quilômetros. Por que se renunciou, diante disso, à eficiente via marítima que, dos portos germânicos de Lubeck, Stettin e Koenigsberg levavam diretamente aos portos soviéticos de Reval e Leningrado?... Os finlandeses eram nossos aliados; podíamos, portanto, dispor de toda a costa meridional da Finlândia como ponto de partida.

As ilhas do Báltico, o porto de Reval e, naturalmente, também a frota russa se ofereciam como objetivos favoráveis para um ataque de surpresa. Depois do afundamento do nosso encouraçado Bismack ficaram livres as unidades designadas para sua escolta, e podiam ser utilizadas no Báltico, sem prejudicar sensivelmente a guerra contra a Inglaterra. Mesmo empenhando na luta contra os britânicos todos os submarinos e cruzadores auxiliares necessários, ainda nos restariam forças suficientes para agir de surpresa, e com a maior agressividade, nos golfos de Riga e na Finlândia...".

Essa estratégia não foi adotada. A Marinha, tal como Hitler determinara, somente realizou ações de caráter fundamentalmente defensivo: distribuição de minas, patrulhamento, etc. A 20 de setembro de 1941, quando as forças terrestres germânicas alcançaram os subúrbios de Leningrado, Hitler decidiu formar uma "frota do Báltico" com o encouraçado Tirpitz, o encouraçado de bolso Scheer e naves de escolta, com a intenção de bloquear a possível fuga dos barcos de guerra russos para os panes da Suécia.

Este fato não se produziu. O grosso da frota russa permaneceu em refúgio na base de Krondstadt e Leningrado, e seus pesados canhões colaboraram na defesa da praça contra o assédio germânico. Assim, a campanha inicial contra a URSS concluiu-se sem que a frota russa do Báltico fosse destruída nem suas bases conquistadas. Com isso, Hitler perdeu uma oportunidade que não voltaria a se apresentar: assestar um golpe decisivo no poder naval soviético e, paralelamente, facilitar a penetração das forças terrestres sobre a retaguarda russa, mediante o desembarque maciço de tropas e material nos portos do norte.

A guerra naval no Báltico, A partir desse momento, se reduziu a escaramuças entre unidades menores. Um extenso campo de minas, espalhado pelos germânicos, fechou o golfo da Finlândia, impedindo assim as operações em grande escala. Alguns submarinos russos, porém, conseguiram abrir caminho e afundaram sete barcos mercantes germânicos, danificando outros cinco. No decorrer dos anos 1942-1943, os alemães perderam mais seis unidades de guerra menores.

No Oceano Glacial Ártico

As operações terrestres, efetuadas pelos germânicos contra o porto de Murmansk, foram apoiadas por um débil destacamento naval constituído por cinco caça-torpedeiros e alguns caça-minas e naves de patrulhamento. Os russos, por sua vez, dispunham nessa zona de quatorze caça-torpedeiros, vinte submarinos e outras unidades menores. Não houve maiores choques entre ambas as forças navais, porém os submersíveis soviéticos, apoiados por submarinos britânicos, realizaram ataques eficientes, afundando sete barcos mercantes alemães e um caça-submarinos.

Em princípios de 1942, e depois do fracasso da ofensiva terrestre germânica contra o porto de Murmansk, Hitler ordenou a colocação de grandes forças navais ao norte da Noruega, ante o temor de que os britânicos realizassem ali um desembarque para apoiar a Rússia. Estas forças, também, teriam como missão interceptar o trânsito de comboios aliados ao porto de Murmansk. Travou-se então uma série de intensos choques entre as navais e aéreas germânicas e os comboios aliados. Estes sofreram graves perdas. Algumas unidades germânicas, como o Admiral Scheer e o Hipper se internaram no Oceano Glacial Ártico, onde atacaram barcos russos e suas bases.

Em setembro de 1943, a luta naval no Ártico sofreu uma reviravolta decisiva, quando o grande encouraçado Tirpitz ficou inutilizado pelas cargas explosivas, colocadas no seu casco por um submarino de bolso inglês. A este episódio somou-se, pouco depois, no mês de dezembro, o afundamento do Scharnhorst, em um combate com barcos de guerra britânicos. Em conseqüência dessas ações reativou-se intensamente o trânsito de comboios aliados, que daí por diante sofreram muito poucas baixas.

No Mar Negro

Quando se iniciaram as operações no Mar Negro, não existiam ali forças navais germânicas. A Wehrmacht só podia contar com o apoio de quatro caça-torpedeiros, um submarino e algumas lanchas-torpedeiras romenas.

Então os russos puderam valer-se da sua superioridade naval para transportar forças e abastecimentos ao porto de Sebastopol, na Criméia, quando esta praça foi sitiada pelos alemães.

Estes fizeram um esforço para aumentar os seus efetivos e levaram ao Mar Negro, por via férrea, embarcações desmontadas. Construíram também alguns pequenos barcos em estaleiros russos capturados. Desta forma chegaram a contar com uma flotilha integrada por dez lanchas-torpedeiras, vinte e três caça-minas, seis submarinos, três lança-.minas, oito caça-submarinos, treze barcos de transporte e numerosas naves auxiliares. A estas forças se uniram barcos italianos (seis MAS, seis submarinos de bolso, dez lanchas de assalto).

A intervenção, também, da força aérea germânica permitiu equilibrar a situação frente à marinha soviética. Desta forma, os russos se viram obrigados a suspender o envio de abastecimentos e reforços para Sebastopol por meio de navios-fransporte, e tiveram que fazê-lo empregando submersíveis e velozes destróieres que operavam de noite. Depois da queda de Sebastopol, as flotilhas alemãs e italianas conseguiram afundar numerosas unidades menores russas.

A luta se deslocou depois ao setor oriental do Mar Negro, onde ocorreram numerosos encontros entre as embarcações menores de ambos os lados, apoiadas pelas respectivas aviações.

A falta, de poderio naval germânico, tanto de guerra como de transporte, no Mar Negro, influiu decisivamente no curso das operações terrestres na região do Cáucaso. Na verdade, as tropas alemãs que avançavam pelo Cáucaso eram obrigadas a receber a quase totalidade de seus abastecimentos pelos longos e primitivos caminhos terrestres.

Os soviéticos, ao contrário, puderam manter-se sobre as costas do Mar Negro e utilizar em seu proveito os seus portos.

Apesar de sua debilidade marítima, os alemães, depois da derrota de Stalingrado e Kursk, completaram, sem maiores perdas, através do Estreito de Kertsch, a evacuação de quase
200 000 soldados, 35 000 veículos, 1 200 canhões e 3 000 toneladas de material, retirando-os da região caucásica para a Criméia.

 


Última alteração em 08-29-2006 @ 04:06 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada