Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
Bougainville - Pappy Boyimgton
Inserido por: Piero
Em: 08-29-2006 @ 04:12 pm
 

 
Curriculum 
Vitae

 

 

 

Autor: * Dr.Dal Piero

 

No dia 3 de janeiro de 1944. Nas pistas da base aérea norte-americana alinham-se, com os motores rugindo, os caças Corsair da esquadrilha das "Ovelhas Negras".

Os pilotos que integram a formação, foram selecionados baseados num estranho antecedente: sua má conduta. De fato, os homens que tripulam os Corsair são aviadores separados de diversas esquadrilhas, por castigo ou expulsão. Os motivos: indisciplina, rebeldia, insubordinação e muitas causas mais. Essa coleção de inadaptados foi reunida numa formação: as "Ovelhas Negras".

As características do seu chefe, o Coronel Gregory "Pappy" Boyington, dos Fuzileiros-Navais, asseguram ao Alto-Comando que a disciplina no grupo será exemplar. E assim ocorre, efetivamente. Boyington, "ás" que tem a seu crédito 26 aviões inimigos derrubados, é um piloto de vasta experiência, que combate contra os japoneses desde o momento em que os "Tigres-Voadores" entraram em ação na China. Ali começou a sua caça aos japoneses, derrubando seis aparelhos nipônicos. Posteriormente, outros vinte aviões inimigos se agregaram à lista de Boyington.

Com 26 aviões derrubados, o "ás" americano igualou o recorde ostentado, desde a Primeira Guerra Mundial, por Rickembaker. As "Ovelhas Negras" decolaram e rumaram para Rabaul, base inimiga objetivo da incursão. Os japoneses, no entanto, alertados por seus observadores avançados, interceptaram a formação inimiga. A "luta de cães" começou imediatamente.

"Pappy" Boyington, sem vacilar, lançou-se sobre a formação inimiga seguido pelo avião que voava ao seu lado. O fogo das metralhadoras do "ás" americano perfurou as asas e a fuselagem de um dos aviões japoneses. Descrevendo um amplo giro, Boyington se afastou do avião nipônico, que começou a cair, envolto em chamas. Sempre seguido por seu companheiro de formação, o aparelho do norte-americano perdeu altura para atacar um grupo de máquinas inimigas que voava muito baixo. Os dois aviões entraram num pique a toda força dos motores, sem notar a presença de um grupo de vinte aparelhos japoneses que, do alto, caíram sobre eles.

As metralhadoras dos aviões nipônicos começaram imediatamente a vomitar sua mortífera carga. O avião que acompanhava Boyington foi atingido logo e começou a perder altura. O "ás" americano, tratando de proteger o seu companheiro, precipitou-se atrás dele, disparando contra os caças japoneses.

Estes, no entanto, impuseram o peso do seu número. E o avião de Boyington recebeu uma verdadeira saraivada de balas. Por fim, com o tanque principal do seu aparelho envolto em chamas, "Pappy" Boyington desceu até quase roçar a crista das ondas. Nesse instante, quando se encontrava a mais ou menos trinta metros da superfície, Boyington picou violentamente e o seu corpo voou, expulso da carlinga do seu avião. Um brusco puxão indicou a Boyington que o pára-quedas começara a se abrir. No entanto, antes que o pano chegasse a se abrir totalmente, o corpo do piloto americano submergiu nas ondas.

Segundos depois, voltando à superfície, Boyington percebeu que quatro dos caças japoneses sobrevoavam o local. Os aviões inimigos, ao divisar o americano, precipitaram-se sobre ele, metralhando-o. Mergulhando uma e outra vez, Boyington escapou às rajadas. Afinal os aviões japoneses se afastaram.

O "ás" norte-americano, então, inflou o bote de borracha que fazia parte do seu equipamento e subiu nele. Ao tirar o uniforme, Bayington percebeu numerosos ferimentos que dilaceravam todo o seu corpo. As balas inimigas haviam perfurado o seu ombro e as pernas; o tornozelo esquerdo estava destroçado por um projétil de 20 mm.

Depois de improvisar penosamente umas bandagens, Boyington começou a remar rumo à costa distante. Oito horas depois, a silhueta de um submarino se recortou nas proximidades. Boyington, quase inconsciente pela perda de sangue e pela dor, continuou remando em direção ao barco. Quando estava junta a ele, notou que era japonês.

Boyington permaneceu prisioneiro dos nipônicos até o final da guerra. Então, o Congresso dos EUA condecorou-o com a Medalha de Honra.

 


Última alteração em 08-29-2006 @ 04:12 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada