Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
Bento Gonçalves da Silva ( 1788-1849 ) (1 de 2)
Inserido por: ClaudioBento
Em: 06-29-2006 @ 06:33 pm
 

 

         A excelente minisérie da Casa das sete mulheres  da Globo tem focalizado justamente ,como herói maior do seu enredo, num misto de História e Fantasia ,o General Bento Gonçalves da Silva. 

        E como vilão numa brutal desfiguração de sua real imagem o paulista de Sorocaba, General Bento Manoel Ribeiro que o Almanaque de Zero Hora de 2 de fevereiro sintetiza em artigo –Um guerreiro pintado de vilão.   

        Apresentamos a seguir ,como já o fizemos com o General Bento Manoel, o perfil histórico de Bento Gonçalves ,para que o leitor e pesquisador interessado tenha uma visão da real dimensão do líder da Revolução Farroupilha e presidente da República Rio Grandense 1836-1845. Esta, foi a única experiência republicana efetiva no Brasil ,antes da Proclamação da República do Brasil ,há 113 anos . Republica Rio Grandense que  exerceu grande influência sobre o Marechal Deodoro da Fonseca, como Presidente da Província do Rio Grande do Sul ,durante a Questão Militar, através da pregação de Júlio de Castilhos e de Assis Brasil , conforme ele reconheceu.  

       O último foi o 1o a escrever sobre a Revolução Farroupilha e República Rio Grandense do ponto de vista dos que as lideraram .

      Em que pese as lideranças farrapas haverem lutado em defesa da Integridade e da Soberania do Brasil na Guerra do Paraguai como foi o caso dos sobreviventes farrapos Canabarro ,Netto ,Silveira, José Gomes Portinho e outros menos graduados persitiu na historiografia uma imagem distorcida ,fruto de uma monarquista irradiada do Sudeste ,sem levar em contra o quanto a Republica Rio Grandense contribui para a Republica Brasileira adotada entre nos há 114 anos contra os 67 anos que durou o Império. Este artigo procura iluminar e conciliar nos integrantes do Exército o quanto Bento Gonçalves contribuiu para as suas gloriosas Tradições .

Significação histórica

 Prestou assinaladas serviços militares à preservação da Soberania e Integridade do Brasil nas Guerras de 1881-1812 ( Campanha do Exército pacificador da Banda Oriental ), guerras contra Artigas 1816-17 e 1821, 1 Guerra da Independência do Brasil na Cisplatina 1822-24 e Guerra Cisplatina 1825-28, na qual  teve atuação destacada na proteção da junção do Exército do Sul, ao comando de Barbacena nas margens do arroio Lechiguana, em 5 de fevereiro  de 1827, em manobra considerada “ obra prima de estratégia”. 2 E além na Batalha de Passo do Rosário , em 20 de fevereiro, no comando da 2ª Brigada de Cavalaria. 3

Por isso Bento Gonçalves atingiu a condição de coronel de Estado-Maior da 1ª linha do Exército Imperial.

Na Revolução Farroupilha foi o seu líder político-militar, tendo sido eleito Presidente da República Rio-Grandense e seu segundo general, mesmo preso, no Rio.

Bento Gonçalves foi um grande estudioso de História Militar Romana e da Revolução Francesa de onde tirou muitas inspirações para a sua atuação militar, circunstâncias que compensavam não haver cursado a Academia Real Militar de Largo de São Francisco, no Rio de Janeiro.

Em reconhecimento a seus serviços foi condecorado com a medalha da Campanha 1816-1821 contra Artigas e com as ordens de Cristo e da Rosa.

Para Arthur Ferreira Filho, grande intérprete do heróico espírito militar do Rio Grande do Sul  - “ Bento Gonçalves da Silva foi o maior rio-grandense do período, herói autêntico, figura de romance e a encarnação das melhores virtudes de nossa raça.

Personagem sem contrastes, brilhou como sol entre as luminárias de uma época em que o Rio Grande se notabilizou pela superioridade moral de seus filhos.” 4

Confirmar esta afirmação do mestre é obra de simples verificação, da ligação do nome de Cel Bento Gonçalves usada  como denominação de uma cidade e ruas, além de patrono do Regimento de Cavalaria da histórica e briosa Brigada Militar do Rio Grande do Sul, dentre outras justas homenagens recebidas como em curso a notável minisérie da Globo a Casa das Sete Mulheres em que se mistura em relação a este herói História e Fantasia 

Naturalidade, ascendência e laços de família

 Bento nasceu em Triunfo-RS, na margem do Jacuí , em 23 de setembro de 1788, tendo passado sua infância na Estância da Piedade, próximo a Triunfo, que fora fundado por seus avós maternos.                     

Foi  o 10º filho do casal Alferes Joaquim Gonçalves da  Silva e de Perpétua, nome que deu a uma das filhas .

Pelo lado  materno  era neto do paulista de Guaratinguetá, Antônio Costa Barbosa, e bisneto do casal Jerônimo de Ornelas  - o patriarca de Porto Alegre, que por esta razão foi chamado Porto de Ornelas, e Lucrécia Leme Barbosa, também de Guaratinguetá, consangüínea do bandeirante Fernão Dias Pais Leme.

Seu bisavô, Jerônimo, era da ilha  da Madeira e descendente de fidalgos. Com ele Bento privou, em Triunfo, em sua infância, desde que Jerônimo se mudara de Porto Alegre para Triunfo, em 1762.

 O pai de Bento que lutara na Guerra 1763-1776 comprou junto ao rio Camaquã as sesmarias do Cristal, do Cordeiro, do Duro, do Santo Antônio do Paraíso, e das Sobras. Atingiu o posto de capitão de Ordenanças, foi vereador da Câmara de Porto Alegre, tesoureiro da Delegacia Fiscal, tendo servido de exemplo e conselheiro acatado para Bento Gonçalves até morrer.

Bento criou-se nas estâncias do rio Camaquã, tornando-se cedo um expoente nas lides campeiras, a par de apreciável cultura absorvida sob a orientação do pai, um homem de largos horizontes como o provou seu currículo sintético.

Bento, além de suas origens familiares distintas em São Paulo, na ilha da Madeira e Portugal, ligou-se  por laços de família a diversas outras famílias distintas na parte Leste do rio grande. Eram seus parentes na Revolução Farroupilha entre outros, Araújo Ribeiro, Gomes Jardim ( primo ), Onofre Pires, Antunes Soares da Porciúncula, Florentino Souza Leite ( de Canguçu ) e Chico Pedro ou “ Moringue ” .

Serviu-lhe de padrinho de batismo o Tenente Manoel Carvalho que levantou a única planta até hoje conhecida de Fortaleza, Santa Tecla, em Bagé, antes de ser arrasada em 1776., conforme demonstramos na História da 3a Brigada de Cavalaria MecanizadaBrigada Patrício Correia da Câmara, em Bagé. Seu padrinho foi também o primeiro sesmeiro das terras onde hoje se ergue a cidade de Pelotas.

De Triunfo, depois da expulsão dos espanhóis da Vila do Rio Grande em 7 de abril de 1776 , partiram muitos dos povoadores de Tapes, Camaquã, Canguçu, Piratini ,Caçapava e Encruzilhada .

O filho de Bento Cel da Guarda Nacional Caetano Gonçalves da Silva teve destacada participação na Guerra do Paraguai tendo contribuído em Bagé expressivamente para a mobilização pelo General Osório do 3o Corpo de Exército ,conforme abordamos na citada obra em que abordamos a atuação de seu filho Major do Exército Bento Gonçalves da Silva (neto) no comando do Corpo de Transportes do Exército atacado em Rio Negro e que dali conseguiu escapar e foi participar da defesa de Bagé sitiada por federalistas por 46 dias ,no final de 1893 e inicio de 1894.

Furriel de Auxiliares

Na Campanha de Pacificação da Banda Oriental, 1811-12, integrou o Exército ao comando de D. Diogo de Souza. Assistiu à fundação de Bagé por D. Diogo e, de lá, aos 23 anos, escreveu ao pai “ que tudo corre bem e que a experiência correspondida `as minhas expectativas” , depois de apresentar-se, em 15 de julho de 1811.

Sua primeira missão militar foi logística. Foi promovido a furriel de Auxiliares e colocado por D. Diogo, como Alcaide ou Juiz de Paz de Cerro Largo, ou Melo atual, para dali ajudar a suprir o Exército Pacificador, em operações.

Terminada a campanha se estabeleceu no local como comerciante. Ali conheceu , aos 26 anos a sua futura esposa a oriental Caetana, em 1814. 

Em Cerro Largo trabalhou e estabeleceu largo círculo de amizades. Em Las Canas, afluente do rio Jaguarão, próximo à fronteira do Rio Grande, estabeleceu a sua estância de criar e invernar gado.

Com a esposa manteve modelar ligação, conforme correspondência disponível que não corresponde à falsa imagem de conquistador que a TV Bandeirantes vinculou em 2 de dezembro de 1985 no programa  Guerra dos Farrapos.

 Informante da Fronteira do Rio Grande

 Face  à difícil situação no Prata, Bento Gonçalves tornou-se agente de informações, no Uruguai, para o célebre fronteiro Manuel Marques de Souza, atual denominação histórica da 8a Brigada de Infantaria Motorizada em Pelotas ,conforme nosso obra A História da 8a Brigada de Infantaria Motorizada .Marques de Souza era o comandante da Fronteira do Rio Grande, herói da expulsão dos espanhóis  da Vila do Rio Grande, em 1º de abril de 1776, como Ajudante- de - Ordens, do General Böhn e padrinho de batismo do Almirante Tamandaré .e avô do futuro Conde de Porto Alegre.

 E, assim, Bento enviou informes, posteriormente confirmados, alguns com riscos pessoais, sobre as movimentações de Artigas.

Mantendo comércio com o Brasil, foi atingido duramente por medidas decretadas por Artigas, no sentido de impedir a passagem para o Brasil, de gado, couros e sebo da Cisplatina.

 Capitão de Milícias contra Artigas

 Acreditando que outras medidas restritivas seriam adotadas, uniu-se ao mais tarde Coronel de Milícias Albano de Oliveira Bueno, seu amigo e compadre, para o seguinte oferecimento, caso o Brasil invadisse a Cisplatina.

“ Avisados com o tempo, desarmariam a guarnição de Cerro Largo, tirando-lhe os cavalos. Colocariam à disposição das Tropas do Brasil 600 cavalos e reuniriam 60 homens armados, desertores e foragidos, desde que fossem perdoados ou anistiados.”

O Coronel Albano era filho de um paulista de Guaratinguetá. Na Revolução Farroupilha se colocou do lado do Império. Preso em Pelotas, no combate de passo dos Negros, foi morto no arroio Velhaco pela escolta, não se sabe em que circunstâncias. Albano deu o nome de albanesa a uma partida de espadas que adquiriu para seus homens .Foi com uma espada albanesa que Bento Gonçalves iria ferir de morte ,em duelo ,o Cel Onofre Pires ,próximo a Santana atual .

A oferta de Bento e Albano foi aceita  mas as operações evoluíram.

Segundo interpretações dominantes, Bento foi eleito Juiz de Paz e Alcaide de Cerro Largo , localidade que foi invadida por artiguenhos. Estes saquearam e incendiaram suas vendas.

 Antes dessa ação, em carta ao pai Bento escreveu em 4 de setembro de 1816:

  “ Estar estabelecido em Cerro Largo com negócios de fazendas e bebidas, haver comprado uma estância por 30 mil cruzados, com 12 mil de aviso, a qual possuía 15.000 reses, cavalos, carretas, escravos etc... e em dois anos pretendo estar livre de dívidas.”

Durante a guerra contra Artigas 1816-17, Bento iniciou sua carreira militar, com 28 anos, que o conduziu, 13 anos depois, à sua promoção a coronel de 1ª linha e de Estado - Maior do Exércitp . E, em 1836, decorridos 20 anos de vida militar, a general de República Rio-Grandense e Comandante -em   - Chefe de seu Exército.

Atuação nas Guerras contra Artigas

A partir de Cerro Largo apoiou logisticamente a Divisão de Voluntários Reais, que invadiu o Uruguai, ao comando de Lecor, pelo litoral, e na qualidade de alcaide e juiz de paz.

Foi alvo de represália que destruiu e saqueou sua casa comercial. Obrigado a ir para o Serrito do Jaguarão ( Jaguarão atual ) foi colocado è frente de uma guerrilha.

Em fevereiro de 1817 destroçou partida inimiga que saqueava Herval. Em 22 de abril de 1817, a partir de Encruzilhada do Sul, recrutou guerrilheiros de Encruzilhada, Canguçu, Piratini, Pinheiro Machado, Herval e Jaguarão atuais para liderar a defesa móvel da Fronteira, no rio Jaguarão, depois de a medida ser aprovada pelo Marques de Souza (I), Comandante da Fronteira, em Rio Grande. 

Com esta tropa e o título de Comandante da Partida Volante da Fronteira de Jaguarão ingressou, em 22 de setembro de 1817, no serviço militar, em caracter oficial, através de ato do Marquês de Alegrete Capitão General do Rio Grande(atual RGS) e que sintetizo:

 “ Ordem para organizar de novo  a guerrilha do Capitão Bento Gonçalves da Silva, com homens desde que não desertores, a partir de hoje.

O ponto de reunião deve ser ao sul do Jaguarão, na faixa entre Jaguarão e Bagé. Bento terá liberdade de interiorizar-se no Uruguai e lá praticar todas as hostilidade permitidas  pelo direito de guerra. “ Terminava dizendo que Bento “ pelas provas de valor e lealdade, iria  bem cumprir os deveres do bom português”. 5

Dentro desse contexto Bento Gonçalves participou das seguintes ações:

Em 1818 em Currales derrotou o oriental Moreira. Em 20 de julho de 1818, em Las Canas, derrotou e aprisionou Delgado. Em 6 de maio de 1815, em Cordovez bateu e aprisionou Ortoguez. Em 25 de julho de 1815, em Carumbé destroçou “ Lopes Chico”. Em janeiro de 1820, no arroio Olimar, derrotou o coronel Aguiar.

Estava, pois, formado guerreiro, na Academia Militar dos Coxilhas da Fronteira do Vai e Vem 6 “ vendo, tratando e pelejando”, segundo Camões.

 Traços de seu perfil militar

 Sobre seu perfil militar escreveria em Canguçu mais tarde uma testemunha ocular na Revolução Farroupilha, o  Tenente Caldeira 7

“ Foi o primeiro general da república, tanto pela tática militar, como pelo prestígio na Província do Rio Grande. Era um cidadão muito atencioso, prudente e valente como os mais valente dos generais do Exército ( Rio-Grandense ).

Era de boa estatura e bem feito de corpo. Tinha a cabeça pequena e redonda. Era a primeira espada da Província e tinha conhecimento da História Romana.”

Noutra oportunidade o mesmo depoente o definiu melhor ainda:8

“ Bento Gonçalves era um homem prudente, não só frente ao inimigo e também no círculo de seus amigos. Em combate ele era o primeiro visado pelo inimigo. Sabia o momento de atacar e vencer, bem como o da retirada, quando julgada conveniente. Era um homem popular e apreciado. Era bem apessoado, mais alto do que baixo. Possuía ombros largos e corpo bem desembaraçado e flexível. Era bonito de rosto e simpático. Era uma das primeiras espadas do seu tempo. Desconhecia homem que lhe impusesse condições. Por tudo, o povo o seguia como se fora ele a alma dos rio-grandenses... Ele era símbolo de Liberdade, como João Antônio Silveira era o da Prudência.

Era um perfeito patriota! Possuía predicados desconhecidos pelo homem normal. Não era um homem de cultura comum. Era ilustrado e dava-se muito à leitura de obras de peso. “

Aqui ressalta a importância da cultura geral do líder e especialmente em História Romana. Esta, fonte e inspiração de sua cultura militar notável.

Morivalde Calvet em estudo sobre o líder farrapo apresentou os dados a seguir:

Bento Gonçalves foi mestre consumado de todos os esportes campeiros. Sobre ele escreveu Garibaldi:

“ Bento Gonçalves cavalheiro errante do ciclo de Carlos Magno, irmão pela alma dos Olivérios e Rolandos, vigoroso, leal, ágil com eles. Era um verdadeiro centauro, manejando um cavalo como eu nunca vi ser manejado, senão por outro gaúcho rio-grandense, o general Neto. “

Penso que esta circunstância  por si só naquele tempo assegurara o status de ídolo popular a Bento Gonçalves.

Sobre sua rusticidade atesta a sua alimentação diária em campanha, “ churrasco e água pura” – frugalidade espartana.

Francisco Sá Brito, ex-ministro farrapo em Memória da Guerra dos farrapos, concluída em 1875 em que pese reservas a Bento Gonçalves sobre ele escreveu:

“ Devo aqui fazer justiça ao nobre caracter e suma bondade do chefe da Revolução. Se estudos regulares ornassem seu espírito para os quais tinha uma imensa agilidade, esta condição somada ao seu caracter enérgico tão generoso e vistas elevadas e perspicaz e ,teria feito dele um homem destinado para grandes, gloriosos e proveitosos feitos .“

É o testemunho de um jurista que estudou em Coimbra e São Paulo de 1826-32 e foi jornalista de o Echo -:Porto Alegrense e O Continentista e a quem Bento Gonçalves convocou de pois da vitória de 20 de setembro para dizer-lhe e a outros líderes civis:

“ A força já fez o que lhe cumpria fazer. Agora compete aos senhores, como pessoas inteligentes, encaminhar a governança do país.”

Foi ainda numa assembléia presidida por Sá Brito e secretariada pelo Major do Exército  José Mariano de Mattos que Bento Gonçalves deu prova eloqüente de sua grandeza de espírito e autoridade moral.

Tratava-se de uma manobra revanchista liderada por Pedro Boticário, como Juiz de Paz. Inicialmente foram relacionados 400 nomes de adversários, em maioria portugueses, que deveriam ser apontados. Entregue esta relação a uma comissão ela reduziu o número a 140 depois de três dias. Mais dois dias de estudo ficou reduzida a 40 nomes.

Ao Bento Gonçalves retornar de Rio Grande foi-lhe apresentada. Ele a leu calmamente. E tranqüilo e serenamente a atirou embaixo da mesa e disse a todos os presentes: “ – Isto não tem lugar ! Passemos ao próximo assunto!.” E ninguém voltou com o projeto revanchista.  

 Bento Gonçalves havia retornado de Rio Grande onde depois de obter a adesão de sua Câmara fez proclamação aos seus companheiros recomendando .

“ Usai moderação depois do triunfo . O menor insulto às pessoas e bens de vossos inimigos será uma mancha em vossa glória.”

O seu conceito nacional foi assim interpretado por Evaristo da Veiga na Aurora Fluminense, o que dificulta negar a sua condição de ídolo e herói popular do Rio Grande com projeção nacional alegada por alguns estudiosos.

"O Coronel Bento Gonçalves da Silva tem por seu valor adquirido um nome brasileiro ( projeção nacional ) : Valente defensor de sua Pátria contra o inimigo estrangeiro, por sua probidade, coragem e retidão conquistou entre os povos da fronteira do Rio Grande, onde mora, um tal conceito que por seu nome toda aquela população se move para o combate, certa de que marcha para a vitória e de que possuem um chefe leal e um brioso companheiro de armas."

Repare-se as expressões probidade, retidão reconhecidas pela imprensa da capital do Império.

Depoimento dos que com ele conviveram referem a sua religiosidade equilibrada, sincera, sem fanatismo e a sua simplicidade no vestir quase sempre à paisana com uma jaqueta de brim. Nunca usando fardão com medalhas e condecorações que possuía.

Quando era impositivo fardar-se envergava jaqueta de pano azul da Cavalaria ou verde da Infantaria, conforme tivesse que homenagear uma ou outra arma , e sem insígnias.

Segundo conclui de Fontoura em seu Diário , Bento Gonçalves durante marchas noturnas e acampamentos dava assistência cerrada a tropa, percorrendo todos os grupos e comunicando e convencendo seus soldados de seus projetos.

Segundo se conclui do Tem Cel Oscar  Wiedrsphan ao biografá-lo, assim escreveram sobre Bento Gonçalves seus superiores nas guerras contra Artigas:

" Muito desembaraçado e prestimoso para o serviço desta campanha ( uruguaia ) em que é sumamente prático ( Marquês de Souza, Comandante da Fronteira do Rio Grande ). "Subordinado ativíssimo e valoroso" ( Do Ajudante-de-Ordens do Marques de Alegrete). "Prestou relevantes serviços. É valente " ( Conde da Figueira ). 9

Compõe seu perfil militar e atesta seus serviços, decreto de 24 de janeiro de 1834 da Regência que lhe concedeu pensão de 1.200$000 réis anual. 10

“ Atendendo aos relevantes serviços que tem prestado por longos anos nas trabalhosas campanhas do Sul, onde sacrificou toda sua fortuna, a maior parte dela despendida ao serviço da Pátria e, tomando em consideração que esse benemérito oficial, possuindo fazendas no Estado Oriental, as abandonou ao inimigo que corajosamente debelara, desprezando seus convites ( ofertas ) com brio e honra, o que lhe são  próprios , portando-se em todo o tempo com a maior firmeza de caráter, amor e adesão à Independência do Império, à sua Constituição e ao Sr. D. Pedro II, tendo sempre, em maior conta, o serviço da Nação, do que a sua numerosa família, que com ele passara as maiores privações.”

E reconhecendo a Regência que estes serviços tão importantes, até então não foram premiados ou compensados, foi-lhe concedida a pensão que foi aprovada pela Assembléia.

Quando Bento Gonçalves foi promovido general da República, em 12 de novembro de 1836, a justificativa da República Rio - Grandense escudou-se no seguinte argumento que compõe seu perfil militar:

” Por merecimento, valor, acrisolado patriotismo, perícia militar e relevantes serviços prestados è causa da liberdade rio-grandense.” 11

Caldeira para comparar Bento e Netto diz que o primeiro sabia combinar as três armas e que Netto não, pois só sabia empregar Cavalaria.12

Domingos José de Almeida que conviveu intimamente com Bento Gonçalves assim traçou seu perfil por volta de 1850:

“ Aprendeu apenas as primeiras letras. Sendo criado no exercício do campo, se fez insigne cavaleiro. Era de estatura ordinária e proporcionada, mas dotado de força e destro ( hábil ) no manejo de diversas armas. Era de fisionomia regular e simpática e muito popular. 

Cultivou com grande assiduidade seu grande talento no estudo da História. Principalmente sobre a vida dos grande homens, dos quais sempre trazia alguns casos em suas conversações particulares.”

Vê-se que foi um autodidata. Outro contemporâneo refere aos estudos de Bento Gonçalves de História Romana. Em correspondência ele referiu a personagens da História Romana e da Revolução Francesa.

Aí estão algumas de suas inspirações.

Almeida confirmou noutra oportunidade o que afirmara. Escreveu que Bento Gonçalves iniciou a vida como furriel de Auxiliares em 1811-1816 e, o mais importante:

“ Que era um homem incapaz de dirigir uma revolução porque seu coração de mulher ( bondoso ) estava sempre em luta com seu espírito forte e superior a todas as vicissitudes.

Depois de afirmar que seu “ coração bondoso predominava a maior parte das vezes sobre o seu espírito  forte e resoluto” concluiu que as decisões de Bento Gonçalves” eram sempre rápidas e enérgicas”, seja sobre influência da bondade ou de seu espírito forte e superior.13

 Ação na Guerra Cisplatina 1825-28

 Bento Gonçalves saiu major de Milícias na guerra contra Artigas. Participou ativamente, em Serro Largo, da incorporação do Uruguai ao Brasil como Província Cisplatina e mais tarde em 1824, do dispositivo  militar que consolidou, em Montevidéu, a Independência do Brasil, na Província Cisplatina.

Desde de 1824, Bento Gonçalves, como tenente coronel de Milícias radicado em Serro Largo, passou a comandar, dali, aquela Fronteira, com apoio no Regimento de Cavalaria de Milícias que organizou, com sede em Jaguarão. Regimento que com a criação do Exército Brasileiro em 1º de dezembro de 1824, passou a ser o 39º Regimento de Cavalaria de 2ª  Linha a seu comando.

Antes de irromper a guerra Cisplatina 1825-28 , Bento Gonçalves já havia vendido sua estância Leonche, em Serro Largo.

Mudou então sua família para estância do Cristal, junto ao rio Camaquã, hoje, sede do Parque Histórico Bento Gonçalves.

Em 12 de outubro de 1825, aniversário de D. Pedro I, Bento Gonçalves foi promovido a coronel, no mesmo dia em que, na Cisplatina, no combate de Sarandi, conheceu  o sabor da derrota, ao comando do seu tocaio o Coronel Bento Manuel Ribeiro.

Em 24 de maio de 1827, no Passo São Diogo, bateu força argentina. Em 22 de junho seguinte, na Estância do Sego, bateu destacamento do General La Valle.

Por ocasião das marchas estratégicas dos Exércitos do Brasil, ao comando do Marquês de Barbacena e o republicano, ao comando de Alvear, para a Batalha do Passo do Rosário, em 20 de Fevereiro de 1827 e, nesta histórica batalha, teve papel de relevo no comando da 2ª Brigada de Cavalaria. 14

Inicialmente cobrindo o flanco; a partir de Jaguarão, da coluna do general Brown que de Pelotas rumou para operar junção com Barbacena que marchava desde Santana, protegida no flanco direito por Bento Manuel.

Depois, em Santa Tecla cobriu o Exército de Barbacena e em seguida protegeu a homérica transposição do Camaquã - Chico, da citado Exército  de Barbacena, quando impediu a interferência de Alvear.

Cobertura decisiva  para o Exército do Sul operar junção em região de serra, no arroio Lechiguana. Posição interposta entre Alvear e os principais centros gaúchos da época.

Finalmente, na Batalha de encontro de Passo do Rosário, na proteção do flanco direito do Exército, e cobertura da retirada estratégica para o Passo São Lourenço, no rio Jacuí, para fugir ao incêndio, conforme estudamos na revista a Defesa Nacional . 15 e agora com mais detalhes na obra 2002-Os 175 anos da Batalha do Passo do Rosário ,no prelo

 Antecedentes da Revolução Farroupilha

 Em 1825 Bento Gonçalves foi promovido a coronel de 1ª Linha e de Estado - Maior do Exército , cabendo-lhe o comando da Fronteira do Jaguarão e da unidade de 1ª Linha – 4º Regimento de Cavalaria, com parada em Jaguarão  ( Serrito ), não confundir com Serrito do Piratini (Vila Freire).

O espírito liberal gaúcho tendia para o ideal de república-federativa, desde 1889 uma realidade no Brasil. Idéias propagadas no século 19 e que se projetaram no Brasil e no espírito da revolução, conforme estuda Calvet Fagundes,  no fundamental instrumento de trabalho do historiador gaúcho A Maçonaria e as forças secretas da Revolução, 16 que não pode ser desconhecido do historiador político, ao tratar do século citado, tão marcado pela influência da Maçonaria.

Isto, sob pena incorrer em falsas visões e interpretações. Bento Gonçalves passou por suas qualidades a se impor como  líder e o catalisador  espírito rio-grandense.

Este inconformado através de lideranças de charqueadores e estancieiros com os exorbitantes impostos sobre charque, couro e légua do campo; alta taxa de importação do sal de Cadiz para as charqueadas; fechamento da fronteira, ao ingresso de gado uruguaio no Brasil, e depois liberado com pesados impostos; não protecionismo do charque gaúcho, nos portos do Brasil, onde não podia concorrer com charque uruguaio.

Esta situação depois da guerra Cisplatina1825-28, em que os campos gaúchos foram talados pelo invasor e pelo Exército Imperial, não fazia justiça aos rio-grandenses e, inclusive, aos  chefes militares  locais, que foram preteridos no comando do Exército do Sul.

A República Federativa, vitoriosa no Prata, influi muito no ânimo de muitos rio-grandenses, segundo se conclui de Ferreira Filho. 17

Ela era uma alternativa válida dentro daquele quadro de discriminação do Sudeste com o Sul, após a Independência.

Bento Gonçalves, inclusive, fora duramente atingido pelas medidas econômicas adotadas pelo Império sob a forma de impostos e protecionismo ao charque uruguaio.

Nas guerras contra Artigas perdera suas propriedades na Cisplatina. Ao tentar recuperar-se financeiramente, na estância do Cristal, em Camaquã, uma situação fiscal adversa que provocou recessão da economia gaúcha, o colheu em cheio, como outros no seu caso.

Na guerra Cisplatina 1825-28, inúmeros estancieiros que sofreram prejuízos não foram indenizados pelo Império. Tiveram seus campos talados pelos exércitos em luta.

A Revolução de 7 de abril de 1831, que depôs D. Pedro I , pareceu à primeira vista que traria em sua esteira conseqüências benéficas à aflitiva situação dos rio-grandenses.

Bento Gonçalves mantinha, na fronteira, ligações com Lavaleja e outros líderes platinos  através de canais maçônicos.

Denunciado na Corte, foi chamado ao Rio, onde foi defendido pelo Major João Manuel de Lima e Silva(mais tarde elevado ao posto de 1o general da República e cunhado de Corte Real), junto ao seu irmão regente – Francisco, pai do futuro Duque  de Caxias.

Bento Gonçalves retornou depois de contato pelos canais maçônicos, segundo Calvet Fagundes 18 com diversos liberais, inclusive com Evaristo da Veiga, jornalista de A Aurora Fluminense.

Com o Ato Adicional, de 12 de agosto de 1834, foram eleitos para a Assembléia Legislativa do Rio Grande que foi instalada em 12 de abril de 1835, cinco meses antes da Revolução Farroupilha, entre outros liberais, os seguintes oficiais da 1ª Linha do Exército:

Bento Gonçalves, Bento Manuel, José Mariano de Mattos e José Pinheiro de Ulhoa Cintra ( suplente ) desgostosos com a política de erradicação e sucateamento do Exército e Marinha , desde 7 de abril de 1831. Em reunião da Assembléia, o Presidente da Província acusou nominalmente Bento Gonçalves:

“ De combinação com Lavaleja e seu mentor o padre Antônio Caldas e, ambos, em território do Brasil, estarem trabalhando para separar o Rio Grande do Império e federa-lo ao Uruguai. “

O padre Antônio Caldas  era alagoano, constituinte de 1824, que, preso na Fortaleza de Santa Cruz, dela fugiu e foi acolhido pelos líderes argentinos e uruguaios em nome da Maçonaria, conforme estudamos na Revista do Museu do Açúcar. 19

Esta atitude acendeu a fogueira. Bento recolheu-se à sua estância no Cristal. Em Alegrete, Bento Manuel Ribeiro foi substituído no comando da Fronteira do Rio Pardo .

A fogueira aumentou com a lenha lançada pelo incidente Major João Manoel de Lima e Silva x Visconde de Camamu, Major Egídio Barbuda Gordilho.

Camamú acusou falsamente João Manoel pelo jornal. Este processou Camamú que foi condenado à prisão comum. O radical irmão  do Presidente da Província, Pedro Chaves, tentou relaxar a prisão.

Aí entrou em cena o advogado português Pedro Boticário, que conseguiu, derrotando o Presidente e seu irmão, que Camamú fosse entregue e recolhido à prisão comum.

Disto tudo segundo Ferreira Filho,  a Revolução Farroupilha estourou, graças, em grande parte, à intolerância radical de alguns governantes.

Entre estes se encontrava o Marechal Sebastião Barreto, comandante das Armas ( inimigo do marechal José de Abreu que morreu em Passo do Rosário),e que votava ódio a Bento Gonçalves. 20  e a Bento Manoel . 

Plano para início da Revolução Farroupilha 

       Bento Gonçalves, como Comandante Superior da Guarda Nacional da Província, cujos principais líderes eram estancieiros e charqueadores ( sendo que muitos seus parentes e amigos), desenvolveram o seguinte plano militar, que com apoio em Alfredo Varela procuro interpretar e sintetizar: 21

Finalidade: Derrubar o Governo da Província, representado pelo Presidente e seu suporte militar, o Comandante das Armas e o Comandante da Fronteira do Jaguarão e assumir o controle político –militar  de toda a Província.

Objetivos:

Ir para continuação (Parte 2/2)

 


Última alteração em 06-29-2006 @ 06:35 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada