Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
Condor
Inserido por: Piero
Em: 08-29-2006 @ 04:40 pm
 

 
Curriculum 
Vitae

 

 

 

Autor: * Dr.Dal Piero

 

*Na primavera de 1936, o engenheiro Kurt Tank, diretor técnico da Focke-Wulf Flugzeugbau, começou a projetar um quadrimotor de grande raio de ação para o transporte de passageiros, por encomenda da Lufthansa, a linha aérea,comercial alemã. Um ano e onze dias depois, com o próprio Kurt Tank nos controles, o primeiro protótipo realizava o vôo de provas inicial.

As provas posteriores dos sucessivos modelos - entre elas um vôo sem escala Berlim-Nova York - foram tão satisfatórias que Hitler reservou dois Condores (da primeira serie de dez) - o famoso Immelmann III - para seu uso pessoal e de sua comitiva. Com esse fim, o piloto particular do Fuhrer, Hans Baur, passou várias semanas nas fábricas Focke-Wulf, familiarizando-se com todos os detalhes do avião.

A utilização do Condor em operações bélicas foi quase acidental, pois somente no eclodir a guerra com a Grã-bretanha foi que a direção da Luftwaffe percebeu que carecia de um bombardeiro de grande raio de ação, capaz de fustigar a navegação inimiga. Por isso se decidiu armá-lo, introduzir as modificações necessárias e destinar, a partir dai, toda a produção de Focke-Wulf 200 a preencher essa lacuna. E foi assim que o Condor, avião não muito bem dotado para a missão designada, extremamente vulnerável no fogo antiaéreo e dos caças adversários, embora resistente, converteu-se durante dois longos anos no "flagelo do Atlântico", como o cognominou a próprio Churchill.

Apesar do número de Focke-Wulf 200 que entraram em serviço ter sido relativamente escasso, a anulação de sua permanente ameaça exigiu um formidável esforço dos Aliados. Os navios de escolta dos comboios tiveram que ser reforçados com baterias de grosso calibre e dotados de caças Hurricane prontos a serem lançados com catapultas, a fim de eliminar para sempre o perigo representado por esse quadrimotor, que as circunstâncias converteram num improvisado avião de reconhecimento e bombardeiro de grande raio de ação. Especificações técnicas:
Envergadura: 32,84 m
Comprimento: 23,34 m
Altura: 6,29 m
Força propulsora: 4 motores BMW-Bramo radiais, de 9 cilindros e 1.200 HP cada um, resfriados a ar.
Peso: 23.250 kg (carga máxima)
Velocidade:
máxima 357 km/h (a 5.000 m)
máxima 276 km/h (ao nível do mar)
de cruzeiro 254 km/h
Teto operativo: 5.500 m
Raio de ação: 3.550 km
Armamento: 6 metralhadoras de diversos calibres, em torres (ventral ou dorsal) e 2 bombas de 500 kg, 2 de 250 kg e 12 de 50 kg.


Notas

* Texto retirado do livro DATE.

 


Última alteração em 08-29-2006 @ 04:40 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada