Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
Bicentenário do Tenente General Emílio Luiz Mallet
Inserido por: ClaudioBento
Em: 06-29-2006 @ 06:40 pm
 

 

PATRONO DA ARTILHARIA

A data de 10 junho 2001 assinala o  bicentenário de nascimento em Dunquerque  /França do Ten Gen Emílio Luiz Mallet, atual patrono da Artilharia.

E nesta data vale lembrar que ele foi alvo da 1ª Comemoração de aniversário da Batalha de Tuiuti, a maior batalha campal da América do Sul , onde ele teve papel decisivo na vitória , com o seu 1o Regimento de Artilharia, colocado detrás de um fosso que o Batalhão de Engenheiros, que integrava a Brigada de Artilharia ,ajudara a cavar. Posição reforçada ,a direita pelo 2 o Batalhão de Artilharia a Pé  ao comando do Major Cel  Hermes Ernesto da Fonseca , o pai do futuro Marechal Hermes da Fonseca e a quem se deve, como integrante do Regimento Mallet ,o traçado da atual cidade de D. Pedrito, na década  de 50 do século XIX. 

E a homenagem a Mallet lhe foi prestada na madrugada de 24 maio 1880 ,pela Escola Militar Província do Rio Grande do Sul, comandada então pelo Cel QUEMA de Artilharia Antônio Tibúrcio Ferreira de Souza, consagrado herói popular da guerra do Paraguai de igual forma que o general Osório.  

A Escola Militar funcionava na Chácara da Baronesa, local hoje ocupado por unidade da  Brigada Militar do Rio Grande do Sul .Escola Militar onde haviam estudado entre outros ,os generais Bento Ribeiro Carneiro Monteiro, chefe do EME que criou a Missão Indígena da Escola Militar do Realengo 1919-21 , Setembrino de Carvalho que considero o Pacificador o Século XX, por haver pacificado a Revolta do Padre Cícero, em 1910, no Ceará : o Contestado em 1916 ,em Santa Catarina e Paraná e a Revolução de 23 no Rio Grande do Sul e, Solon Ribeiro ,homem chave ,como major, na proclamação da República ,no Rio e sogro de Euclides da Cunha .

O Ten Gen Mallet residia em Porto Alegre a rua Duque de Caxias atual , para  os lados do QG do CMS e a pequena distância da casa do Marechal José Antônio Corrêa da Câmara e Visconde de Pelotas, então Ministro da Guerra e antigo aluno da Escola Militar citada e que mais tarde a transferiría para o Casarão da Várzea.  

O Coronel Tibúrcio planejou e executou o seguinte: Dividiu a Escola em dois grupamentos, um de Artilharia com 4 canhões La Hitle calibre 4 e um grupamento de Infantaria acompanhado de banda de música da 3ª RM atual. A Artilharia foi colocada na atual praça da Matriz, defronte o Palácio do Governo. O Contingente de Infantaria e oficiais da Escola se colocaram defronte a casa de Mallet.  

Ao toque de alvorada, seguiu-se música militar tocada pela banda , ao mesmo tempo que teve início a salva de Artilharia em homenagem a Tuiuti.

No solar de Mallet, surgiu movimentos  e logo a porta foi aberta e os oficiais liderados pelo Cel Tiburcio entraram  formaram um semicírculo na sala.

Decorrido algum tempo Mallet adentrou a sala, acompanhado de familiares usando um chambre de seda e com um gorro vermelho. 

E Tibúrcio usou a palavra evidenciando “o valor, a calma, a bravura do comandante do 1º Regimento de Artilharia em Tuiuti”.

A certa altura entusiasmado e solene falou: “Vós que fostes o ponto geocêntrico, a chave tática dos acontecimentos de Tuiuti...”.

Não completou a oração em razão de Mallet haver ficado tonto, vacilante e quase cair, o que não aconteceu por ser acudido por familiares que o sentaram em uma cadeira.

O herói aos 80 anos tivera um esparmo vascular.

Refeito Mallet , Tibúrcio não completou sua oração e jogou-se nos braços do herói entre aplausos emocionados dos presentes.

E em seguida conduziu o herói Mallet, a uma janela da sala, para contemplar parte da Escola Militar  formada em sua homenagem. .A um sinal de Tibúrcio os corneteiros deram  o toque de Vitória.

A banda de música tocou os primeiros acordes do Hino Nacional. E a ala de tiro deu uma salva de 19 tiros em homenagem a Mallet e o Contingente de alunos de Infantaria apresentou armas em continência ao herói. 

E assim teria ocorrido a primeira comemoração do aniversário da batalha de Tuiuti ,no 14º aniversário de sua ocorrência.

E desde então se tornaria uma tradição no Exército.

Poucos dias depois Tibúrcio seria promovido a brigadeiro ,aos 43 anos .Foi sogro do General Ernesto Gomes Carneiro , o herói do cerco da Lapa ,onde conduziu épica resistência contra avanço federalista ,até tombar ferido mortalmente, depois de retardar por cerca de um mês os revolucionários, dando tempo para organização de posições defensivas e ,em especial em Itararé . Gomes Carneiro é patrono do 7 o BI Mtz de Santa Maria .Um menino neto do General  Tibúrcio e filho de Gomes Carneiro ,em viagem para o Nordeste em que viajava também D.Pedro II ,foi vítima de um acidente que lhe amputou as duas pernas ,esmagadas pela corrente da âncora .O Imperador fez o navio voltar  para o Rio , para o menino Mário ser atendido pela Santa Casa e receberia de presente do Imperador as primeiras pernas mecânicas chegadas ao Brasil . 

O General Osório, o comandante da vitoriosa batalha havia falecido no ano anterior como Ministro da Guerra., sendo assistido no seu fim , por seu  afilhado e oficial de seu Gabinete, o Major João Nepomuceno Medeiros Mallet  , filho do patrono da Artilharia é de quem falaremos mais adiante.  

O Duque de Caxias havia falecido 17 dias antes desta cerimônia, em 7  maio 1880, na Fazenda Santa Mônica, em Juparanã / Valença -RJ. A rua da Igreja, onde se situava o solar de Mallet seria batizada com o nome de Duque de Caxias em reconhecimento por ele haver presidido 2 vezes a Província do Rio Grande do Sul, e a  pacificado em 1845 e por ela eleito senador e assim a  representado no Senado por cerca de 30 até falecer . E mais ,realizado grande obra administrativa em Porto Alegre, onde se destacou a criação do Liceu D. Afonso, em 1846 ,nos moldes do D.Pedro II no Rio e a criação de uma Enfermaria Militar na Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, de que fora Provedor , e da qual resultaria, por evolução ,o Hospital Central de Porto Alegre ,conforme abordamos nas obras Porto Alegre –sítios farrapos e a administração de Caxias( Brasília: EGGCF, 1986) e História da 3a RM 1953-1999.(Porto Alegre:3a RM/Pallotti,2000.v3).  

Vale lembra que Tenente General Emílio Luiz Mallet e Barão do Itapevi foi consagrado, por Dec. 51424 de 13 mar 1962, patrono da Arma de Artilharia, em cujo seio se forjou e se firmou com o honroso título de Artilheiro Símbolo do Brasil, conforme abordamos em artigo ” Mallet o artilheiro símbolo do Brasil” em A Defesa Nacional (set/out 1975). 

Mallet como vimos ,teve como ponto culminante e mais glorioso de sua carreira a frente do 1º Regimento de Artilharia a Cavalo, o atual Regimento Mallet, na batalha de Tuiuti de 24 mai 1866. Ali com seu regimento na vanguarda e em posição atrás de um fosso escavado com auxílio inclusive do Batalhão de Engenheiros e manobrando com rara habilidade e competência sua “Artilharia - Revolver”, cumpriu sua determinação assim expressa no calor da luta: “Por aqui eles não passam!”. Foi o primeiro a suportar e a repelir as massas inimigas que a todo o custo pretendiam romper a posição aliada ,o que lhe valeu promoção a coronel por bravura. E assim narrou com simplicidade este seu heróico feito: 

“Este Regimento com 24 bocas de fogo, colocado na vanguarda sobre o centro do Exército, sustentou triunfalmente e repeliu todas as colunas do inimigo... Em poucas horas foi varrida  a frente do Exército  e o grande número de homens e cavalos mortos atestam a eficácia de seus fogos.”  

Ele fizera guerra do Paraguai  de fio a pavio, em companhia   de seus três filhos, e na qual, segundo Osório, seu afilhado de casamento e compadre : 

 “Nenhum oficial do Exército prestou mais assinalados serviços, do que o valente comandante da nossa Artilharia”.  

Como tenente, no comando de duas peças de Artilharia, Mallet teve atuação marcante na batalha de Passo do Rosário de 20 fev 1827. Na guerra contra Oribe e Rosas (1851-52), como capitão, fez toda a campanha contra Oribe  no comando do 1º Regimento, então tracionado por bois. Data de então a tradição da unidade chamar-se “Boi-de-botas”, em razão dos bois, de tanto atravessarem lodaçais, no inverno, darem a impressão de estarem calçando botas. 

Mallet nasceu em Dunquerque – França, em 10 jun 1801 e faleceu no Rio de Janeiro em 2 jan 1886, depois de 68 anos de devotamento à construção de sua nova pátria - o Brasil , na paz e na guerra. Seus restos mortais repousaram por cerca de cerca de 110 anos no São Francisco Xavier – Caju, jazigo perpétuo 4751. Hoje se encontram em Memorial no interior do Regimento Mallet em Santa Maria , onde sua memória será reverenciada em seu bicentenário .  

Mallet sublimou as Virtudes Militares de Bravura, Coragem, Devotamento e Abnegação, como oficial do Exército, em todas as guerras externas do Império do Brasil: guerra da Cisplatina (1825-28); guerra contra Oribe e Rosas (1851-52); guerra contra Aguirre (1864) e guerra da Tríplice Aliança contra o Paraguai (1865-70).  Amargou a injustiça de demissão  indevida do Exército, pela Assembléia Geral, no posto de capitão, em 1831, por ser estrangeiro, embora tivesse sido 1º cadete, privilégio de brasileiros, cursado a Escola  Militar, no Largo do São Francisco, lutado pela Independência do Brasil e se consagrado herói, em Passo do Rosário. Mas ,em 1831 lhe exigiram como condição de permanência um ferimento em ação. Por não possuí-lo, a injustiça se consumou. Foi reintegrado 20 anos mais tarde, em função de requerimento que recebeu despacho favorável do Conselho  Superior Militar, em 20 set 1851. 

Em 1972 levantamos a sua atuação como Comandante do Comando das Armas (atual 7a RM) em Recife e publicado em A Defesa Nacional (n o 641,jan/fev 1972). 

Costuma-se confundi - lo com seu citado  filho Marechal João Nepomuceno Medeiros Mallet, Ministro da Guerra (1898-1902) que deu inicio a Reforma Militar ,com a criação do EME e da Fábrica de Pólvora sem Fumaça em Piquete etc e foi o idealizador da Fundação Osório , por proposta feita ao Ministro da Guerra General Hermes da Fonseca e destinada a amparar órfas se militares do Exército e Marinha.

Personagem abordada pelo acadêmico da AHIMTB ,Osório Santana Figueiredo em A Terra dos Marechais (Santa Maria: Ed Pallotti,2000. O Patrono da Artilharia foi biografado pelo acadêmico emérito da AHIMTB,  Cel J.V Portela Ferreira Alves em Mallet ( Rio de Janeiro: BIBLIEx,1980) e também autor do clássico Seis séculos de Artilharia (Rio de janeiro :BIBLEX , 1957  esgotado ).

(x) Pela AHIMTB ,Claudio Moreira Bento acadêmico emérito presidente

 


Última alteração em 06-29-2006 @ 06:40 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada