Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
História da Força Aeronaval - Marinha pioneira da aviação militar brasileira
Inserido por: Coordenador
Em: 10-24-2006 @ 02:00 pm
 

 

Fonte: Comando da Força Aeronaval

    Da mesma forma que a humanidade deve a um brasileiro o pioneirismo do primeiro vôo em um "engenho" mais pesado que o ar, os brasileiros devem à sua Marinha o reconhecimento pelo significativo esforço por ela realizado, para a implantação da aviação no nosso país. Cinco anos após o vôo pioneiro de Santos Dumont, ou seja, em 1911, dois fatos já mostravam o interesse da Marinha sobre as aeronaves, em uma visão prospectiva das potencialidades do seu emprego no campo militar. Tais fatos foram: a 29/04/1911 recebia o seu "brevet" de piloto, na França, o Tenente da Marinha JORGE HENRIQUE MOLLER, primeiro militar brasileiro a receber tal qualificação; e a 14/10/1911 era fundado o Aero Clube Brasileiro, tendo como seu primeiro presidente o Almirante JOSE CARLOS DE CARVALHO.

     A história da Aviação Naval Brasileira se inicia a 23/08/1916, com a assinatura, pelo Presidente Wenceslau Braz, do Decreto de criação da Escola de Aviação Naval, primeira escola militar de aviação do país e, portanto, o berço da nossa aviação militar e o marco de nascimento da Aviação Naval.

     De suas instalações iniciais na carreira do antigo Arsenal de Marinha, a Escola de Aviação Naval passou depois para a ilha das Enxadas, e posteriormente para a ponta do Galeão, onde funcionou até 1941, quando, em função da criação do Ministério da Aeronáutica, a Marinha se viu privada do seu componente aéreo.

     Este período inicial de vinte e cinco anos - 1916 a 1941 - conhecido como a primeira fase da Aviação Naval, registra a ocorrência de diversos fatos marcantes, pelo pioneirismo das atividades desenvolvidas, tais como: realização dos primeiros "raids" aéreos entre as cidades do Rio de Janeiro e Angra dos Reis, e entre o Rio de Janeiro e Campos; transporte da primeira mala aérea civil e da primeira mala aérea militar; primeiro vôo de Santos Dumont, como passageiro, em uma aeronave militar brasileira; primeiro vôo de um Presidente da República em uma aeronave militar brasileira; e a participação de aviadores navais brasileiros em operações reais de patrulha, durante a Primeira Guerra Mundial, integrando o 10° Grupo de Operações de Guerra da Royal Air Force (RAF).

     Com a extinção da Aviação Naval em 1941, a Marinha participou da Segunda Guerra Mundial sem o seu componente aéreo orgânico, componente este que se mostrou indispensável para a condução das operações de guerra no mar, como a história daquele conflito tão bem demonstrou.

     Somente em 1952, portanto após um intervalo de onze anos, resurge a Aviação Naval,dando início à sua segunda fase, com a recriação da Diretoria de Aeronáutica da Marinha, prevista na Lei no 1658, de 04/08/52, que estabelecia uma nova organização administrativa para o Ministério da Marinha. Mais do que uma simples ação de reestruturação ditada apenas por questões administrativas, aquela Lei na verdade refletia o reconhecimento da necessidade da Marinha voltar a possuir a sua Aviação Naval Orgânica.

     Mais uma vez pode a Marinha contar com o idealismo e a abnegação de uma nova geração de pioneiros, que partindo praticamente do nada, construíram as bases sólidas da estrutura técnico-operativa de que hoje dispõe a Aviação Naval. A criação e a construção do Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval ( CIAAN ) em um terreno no quilômetro 11 da Avenida Brasil; a formação de pessoal; a construção do Complexo Aéreo Naval em São Pedro da Aldeia, para onde foi posteriormente transferido o CIAAN; a aquisição de unidades aéreas; e a incorporação do NAeL "MINAS GERAIS", são apenas alguns poucos exemplos do muito que foi feito.

     Esta segunda fase se estendeu até 1965, quando, por força de Decreto Presidencial, a Marinha ficou restrita às aeronaves de asa rotativa, os helicópteros.

     De 1965 até o presente momento a Aviação Naval vive a sua terceira fase, e o fez com muito orgulho. A Marinha do Brasil é uma das poucas marinhas do mundo que opera com helicópteros embarcados, inclusive no período noturno, em navios de porte relativamente pequeno.

     A Aviação Naval é composta, basicamente, da Força Aeronaval, sediada em São Pedro da Aldeia, à qual estão subordinadas a Base Aérea Naval de São Pedro da Aldeia, o Centro de Instrução e Adestramento Aeronaval o Depósito Naval de São Pedro da Aldeia, cinco Esquadrões de Helicópteros e um Esquadrão de Aviões, e de mais três Esquadrões de Helicópteros sediados um em Manaus, subordinado ao Comando Naval da Amazônia Ocidental, um em Ladário, subordinado ao Comando do 6° Distrito Naval e mais um subordinado ao 5° Distrito Naval.

     Além dos exercícios operativos que realizam com os nossos fuzileiros navais ou embarcados nos navios da Esquadra e das Forças Distritais, os nossos helicópteros também participam de comissões hidrográficas em navios da Diretoria de Hidrografia e Navegação, nas Operações Antárticas e, ainda, em diversas missões de apoio, destacando-se as de caráter humanitário, tais como as de busca e salvamento e as de transporte em programas sociais do governo federal.

     A partir de 08 de abril de 1998 com a assinatura do Decreto Presidencial nº 2538; começamos a viver a quarta fase da Aviação Naval, passando a Marinha a ter a capacidade de operar aeronaves a reação de asas fixas.
A sua Aviação Naval está, portanto presente sobre a imensidão azul dos nossos mares, no mundo verde da Amazônia, no Continente Branco, no Pantanal, e em qualquer outro cenário onde a sua atuação se faça necessária. A segunda fase da Aviação Naval teve seu início oficial em 1952 com a criação da Diretoria de Aeronáutica da Marinha. Somente em 1958 a Marinha receberia suas primeiras aeronaves e em 1961 chegaria ao Brasil o Nael "Minas Gerais". Até então não havia na Marinha um Comando Operativo Superior que centralizasse as tarefas inerentes à Aviação Naval. Esta falta foi suprida, quando em 5 de junho de 1961, pelo aviso Ministerial Nº 1003, foi criada a Força Aérea Naval. Por este aviso, o Comandante-em-Chefe da Esquadra exercia comulativamente, o Comando da então Força Aérea Naval, ficando sediado a bordo do Nael "Minas Gerais".

     A Força Aérea Naval era constituida do:

               NAeL "Minas Gerais"
               Comando do 1º Esquadrão de Aviões Anti-Submarino
               Comandos dos 1º e 2º Esquadrões de Helicópteros Anti-Submarino
               Comando do 1º Esquadrão de Helicópteros de Emprego Geral

     Em maio de 1965 pelo aviso ministerial nº 0830, a Força Aérea Naval passou a denominar-se Força Aeronaval, ficando subordinada diretamente ao Comandante-em-Chefe da Esquadra, tendo como Comandante um Oficial General do Corpo da Armada.

- A Missão do ComForAerNav -

"Assegurar o apoio aéreo adequado às Operações Navais, a fim de contribuir para a condição de pleno e pronto emprego do Poder Naval onde e quando for necessário."

     Somente em junho de 1971 o Comando da Força Aeronaval teve a sua sede transferida para o Município de São Pedro D'Aldeia, onde permanece até os nossos dias. 

     A partir de 08 de abril de 1998 com a assinatura do Decreto Presidencial nº 2538; começamos a viver a quarta fase da Aviação Naval, passando a Marinha a ter a capacidade de operar aeronaves a reação de asas fixas.

     A sua Aviação Naval está, portanto presente sobre a imensidão azul dos nossos mares, no mundo verde da Amazônia, no Continente Branco, no Pantanal, e em qualquer outro cenário onde a sua atuação se faça necessária.

 


Última alteração em 10-24-2006 @ 02:00 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada