Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
A defesa de Churchill
Inserido por: Piero
Em: 11-01-2006 @ 10:23 pm
 

 
Curriculum 
Vitae

 

 

 

Autor: * Dr.Dal Piero

Ao estourar a guerra, a três de setembro de 1939, Winstun Churchill ocupava o cargo de primeiro-larde do Almirantado, no gabinete presidido por Chamberlain. Churchill, desde o princípio, compreendeu, em toda a sua amplitude, o perigo que representavam os submarinos alemães e se esforçou para criar defesas adequadas para enfrentar os seus ataques.

O Almirantado havia já preparado em tempo de paz os planos destinados a aumentar rapidamente sua frota de barcos anti-submarinos, convertendo em navios armados várias unidades mercantes. Havia-se também previsto a construção de destróieres, cruzadores e navios caça-submarinos menores. Esse plano foi levado à prática apenas iniciada a luta.

Outro ponto de vital importância era o de organização do sistema de comboios. Em princípio, e diante da falta de unidades de escolta suficientes, decidiu-se limitar o seu emprego às águas da costa da Grã-Bretanha, onde os submarinos alemães se mostravam mais ativos. O afundamento do Athenia a oeste da Irlanda induziu, contudo, o Almirantado a estender a navegação em comboios às águas do Atlântico.

Também nesse setor se haviam tomado com antecipação as necessárias medidas de precaução. Os barcos mercantes e suas tripulações receberam, anteriormente ao início da guerra, orientação e materiais para operar em comboios.

Com sábia previsão, os britânicos haviam conservado os canhões utilizados na Primeira Guerra Mundial para defender os seus barcos mercantes contra os submarinos. Essas peças de artilharia foram rapidamente recondicionadas e montadas nos transportes, a fim de obrigar os submarinos a efetuar os seus ataques abaixo da superfície. Assim, nos três primeiros meses da guerra, os ingleses conseguiram artilhar cerca de mil barcos mercantes.

Numerosos navios de pesca (traw1ers) foram equipados com aparelhos "Asdic" – instrumento (sonar) para detectar submersíveis, consistente num transmissor de ondas ultra-sonoras que, ao chocar-se com um objeto submerso, se refletem e seu eco é recolhido, indicando automaticamente a distância e a posição do submarino. Esses barcos colaboraram eficazmente na luta contra os submarinos.

 


Última alteração em 11-01-2006 @ 10:23 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada