Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
Primeira guerra mundial - A mãe de todas as batalhas
Inserido por: Coordenador
Em: 08-03-2009 @ 10:25 am
 

 

Fonte: Correio Braziliense


Há 95 anos, o planeta mergulhava no seu primeiro conflito generalizado, que provocou mudanças radicais no balanço de poder mundial e repercute até hoje

Rodrigo Craveiro

 

Era para ser apenas uma visita oficial a Sarajevo, na Bósnia. Em 28 de junho de 1914, porém, o arquiduque Franz Ferdinand, herdeiro do Império Austro-Húngaro, e sua mulher, Sophie, acaram mortos pelo sérvio nacionalista Gavrilo Princip. Os dois tiros foram suficientes para deflagrar um conflito cruel e sangrento, que custou a vida de 7.953.888 militares e deixou 21.770.196 de feridos. Exatamente 95 anos atrás, a Alemanha declarava guerra à Rússia, colocando a Europa sob perigo iminente. Pouco depois, seria a vez de França, Reino Unido, Japão e Turquia mobilizarem seus exércitos. Os Estados Unidos somente entrariam em combate em 6 de abril de 1917.

As hostilidades cessaram às 11h de 11 de novembro de 1918 e transformam o planeta: com o armistício, quatro impérios influentes ruíram como um castelo de cartas e o balanço de poder atravessou o Oceano Atlântico e migrou da Europa para os Estados Unidos. “O conflito também criou o comunismo como uma ameaça internacional dinâmica ao sistema capitalista global”, explicou ao Correio o britânico William Philpott, professor do Departamento de Estudos Bélicos do King’s College London e especialista em Primeira Guerra Mundial.

O impacto foi devastador também sobre as relações de poder econômico no planeta. Segundo Philpott, os laços entre as chamadas metrópoles e suas colônias tornaram-se mais débeis, especialmente em relação ao Império Britânico — os domínios ganharam status e poder e esperaram recompensas por suas contribuições aos esforços de guerra. No entanto, seria necessária outra guerra mundial antes de essas mudanças se confirmarem, em uma reviravolta rumo a uma ordem bipolar mundial e à descolonização europeia.

 

Reviravolta mundial

O velho sistema eurocêntrico mundial sacudiu e moveu-se, sem colocar um substituto à altura no lugar. Professora de história internacional da London School of Economics and Political Science (LSE) e autora de Untold war: new perspectives in first World War studies (A guerra não dita: novas perspectivas nos estudos da Primeira Guerra Mundial), Heather Suzanne Jones lembrou que as tensões de uma guerra total destruíram quatro grandes impérios: o Otomano, o Russo, o Austro-Húngaro e o velho Segundo Reich alemão.

Como a maior parte desses impérios era multiétnica, o resultado do conflito foi a ideia de um estado de múltiplas facetas culturais substituído pelo estado de nação em boa parte da Europa e da Ásia. “Esse processo levou ao aumento das tensões étnicas e desestabilizou o continente europeu”, observou Heather. De acordo com a especialista da LSE, as trincheiras também conduziram à Revolução Russa de 1917 e, indiretamente, levaram ao primeiro Estado comunista. Isso provocou novas tensões entre o Ocidente e o Oriente e entre os ideais comunista e capitalista.

Do ponto de vista militar, a Primeira Guerra Mundial foi inovadora, com os primeiros bombardeios aéreos às cidades de Londres, Karlsruhe e Freiburg (Alemanha). “Essa estratégia levou a uma ocupação militar cruel do norte da França, de toda Bélgica e dos países bálticos pelas tropas alemãs, além da invasão austro-húngara de parte do norte da Itália”, explicou Heather. O grande número de baixas civis forçou uma mudança de comportamento nos países envolvidos em combate: o recenseamento militar estava em alta; a necessidade de munições pesadas — capazes de confrontar os bombardeios — exigia que milhões de homens e mulheres trabalhassem em prol do esforço de guerra; e as mortes em massa determinaram que a sociedade aprendesse a lidar com o terrível legado do luto.

Philpott analisa o pós-guerra com olhos diferentes dos de Heather. “Por um momento, houve um balanço artificial de forças, com a França e o Reino Unido como os poderes mundiais dominantes, com os Estados Unidos retraídos ao isolamento, a Alemanha temporariamente aquiescente e desarmada, e a Rússia ameaçada pelo conflito interno”, explicou. O cenário, na opinião dele, pavimentou caminho para a ambição de novos poderes que estavam do lado vitorioso do conflito, a Tríplice Entente, formada por Sérvia, Império Russo, França, Império Britânico, Portugal, Itália, Estados Unidos e Japão. “Especialmente Itália e Japão empurraram sua influência crescente e suas colônias na Europa e no Oriente”, disse o especialista do King’s College London.

 

Batalhas

A chamada Primeira Batalha do Marne — travada de 5 a 10 de setembro de 1914 às margens do Rio Marne, a sudeste de Paris — foi decisiva para ditar os rumos do conflito. Segundo Heather, o Exército alemão tinha invadido a França, com o plano de capturar Paris. “Se Paris tivesse sido tomada, a Primeira Guerra talvez terminasse com uma derrota francesa em 1914”, opinou. No entanto, durante esse evento, a França, com o apoio britânico, empurrou o Exército Alemão de volta a seus limites e salvou a Cidade-Luz. Se os planos da Alemanha para uma guerra rápida haviam falhado, a Batalha do Marne também foi o presságio de uma longa guerra inevitável.

E se a Batalha do Marne foi importante do ponto de vista estratégico, a Batalha de Somme, em 1º de julho de 1916, mostrou-se crucial pelo número de baixas. “Somente no primeiro dia de combates, o Exército britânico perdeu 60 mil homens sem ganhar terreno”, lembrou Heather.

Para Philpott e Heather, jamais haverá uma guerra daquelas proporções. O especialista do King’s College London acredita que a sociedade não tem hegemonia suficiente para embarcar em um esforço nacional sujeito a consequências funestas. “Já estamos engajados em uma ‘Terceira Guerra Mundial’, se ela pode ser definida como um conflito ideológico prolongado”, alertou. “A Primeira Guerra Mundial era o evento climático de uma batalha entre liberalismo e autocracia, que durou de 1789 a 1917. A luta entre capitalismo e comunismo perdurou de 1917 a 1991. Agora, temos as rusgas entre democracia e teocracia”, acrescentou. Por sua vez, Heather lembra que, com a tecnologia militar, mudou a estrutura de poder das nações. “Não temos mais um sistema de classes rígido na Europa, algo que foi essencial para encorajar as pessoas a lutarem”, opinou.

 

Anos de horror

 

1914

28 de junho — Assassinato do arquiduque Franz Ferdinand, herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, em Sarajevo (Bósnia)

29 de julho a 9 de dezembro — O Império Austro-Húngaro invade repetidas vezes a Sérvia, mas é repelido

1º de agosto — Começa a guerra: a Alemanha declara guerra à Rússia

3 de agosto — A Alemanha declara guerra à França

4 de agosto — A Alemanha invade a neutra Bélgica e Londres declara guerra a Berlim. O presidente norte-americano, Woodrow Wilson, declara neutralidade dos EUA

14 de agosto — Começa a Batalha das Fronteiras. França e Alemanha intensificam os combates

17 a 19 de agosto — A Rússia invade a Prússia Oriental

23 de agosto — O Japão declara guerra à Alemanha

26 a 30 de agosto — Batalha de Tannenberg, na qual a Rússia é derrotada. Trata-se do maior sucesso alemão na Frente Oriental da guerra

5 a 10 de setembro — A Primeira Batalha do Marne suspende o avanço alemão e inicia a guerra de trincheiras

21 de dezembro — Primeiro bombardeio aéreo alemão sobre o Reino Unido

 

1915

4 de fevereiro — Navios alemães atacam embarcações de aliados e neutros

7 a 21 de fevereiro — A Rússia sofre pesadas baixas na Batalha do Inverno

22 de abril a 25 de maio — Primeiro uso de gás venenoso, pelos alemães, na Batalha de Ypres

 

23 de maio — Ao ignorar acordos com as Potências Centrais, a Itália declara guerra ao Império Austro-Húngaro

4 de agosto — Os alemães capturam Varsóvia

1916

21 de fevereiro a 18 de dezembro — A Alemanha ataca Verdun (França), na mais longa batalha da guerra

Abril — Forças britânicas chegam à Mesopotâmia e avançam em Bagdá

 

31 de maio e 1º de junho — Batalha de Juntland, a maior batalha naval da história, termina sem vitorioso

1º de julho — Começa a Batalha de Somme, com o maior número de baixas militares na história do Reino Unido (60 mil mortos)

28 de agosto — A Itália declara guerra à Alemanha

15 de setembro — Os tanques são introduzidos pela primeira vez na Batalha de Somme, pelo Reino Unido

18 de novembro — Termina a Batalha de Somme

 

1917

31 de janeiro — A Alemanha anuncia “guerra irrestrita”, com o uso de submarinos

3 de fevereiro — Os Estados Unidos rompem relações diplomáticas com a Alemanha

11 de março — Os britânicos capturam Bagdá

20 de março — O gabinete de guerra do presidente norte-americano, Woodrow Wilson, vota a favor da declaração de guerra contra a Alemanha

6 de abril — Os EUA entram na guerra

27 de junho — A Grécia entra na guerra, em apoio aos aliados

7 de novembro — A Revolução Bolchevique, na Rússia, resulta na implantação de um governo comunista, com Lênin no poder

7 de dezembro — Os EUA declaram guerra ao Império Austro-Húngaro

 

1918

31 de janeiro — A Alemanha lança a Ofensiva da Primavera e realiza cinco grandes avanços contra as Forças Aliadas

25 de maio — Navios alemães aparecem pela primeira vez nas águas territoriais norte-americanas

15 de julho — Fase final da Ofensiva da Primavera, com a Segunda Batalha do Marne

19 de setembro — Começo da ofensiva britânica na Palestina, a Batalha de Meggido

3-4 de outubro — Alemanha e Áustria enviam notas de paz ao presidente Woodrow Wilson, nas quais pedem armistício

3 de novembro — A Áustria-Hungria conclui o armistício

10 de novembro — A República da Alemanha é fundada, depois da renúncia e da fuga do Kaiser Wilhelm II

11 de novembro — Dia do Armistício. A guerra termina, às 11h

 


Última alteração em 08-03-2009 @ 10:25 am

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada