Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
03 Nov – Segunda Batalha de Tuiuti – 1867
Inserido por: Coordenador
Em: 11-03-2009 @ 11:38 am
 

 

O Tenete-General Visconde (depois Conde) de Porto Alegre comandava o 2º corpo de exército brasileiro, então composto de 7.800 homens, e tinha mais às suas ordens, um contingente argentino de 700 homens, dirigidos pelo Coronel Baez. Essas tropas defendiam as trincheiras de Tuiuti, Potrero Pires e Passo da Pátria. Neste último ponto estavam 500 homens do 2º corpo; nas avançadas e nas trincheiras da esquerda e centro, 2.600 homens; em um fortim isolado na extrema direita, além dos redutos argentinos, o 4º batalhão de artilharia (major Cunha Matos); em marcha para Tuju-Cuê, escoltando as carretas de víveres, 1.600 homens, comandados pelo Coronel Antônio da Silva Paranhos. Foi, portanto, com menos de 2.700 homens que o General Porto Alegre pôde receber o ataque do General Barrios, o qual tinha às suas ordens 9.000 homens, segundo Resquín. Os paraguaios supreenderam e tomaram, às 4 horas e 45 minutos da madrugada, os 3 redutos argentinos, dispersando completamente a força que os guarnecia; apoderaram-se do fortim da extrema direita, aprisionando o 4º de artilharia, e avançando sobre o reduto central, onde Porto Alegre, tendo às suas ordens os generais Albino de Carvalho e Andréia, apresentou enérgica defesa, repelindo todos os assaltos. Na linha Negra (extrema esquerda), foram também repelidos os paraguaios pelo Tenente-Coronel de voluntários Albuquerque Maranhão. Ouvindo os tiros, a coluna do Coronel Paranhos retrocedeu e veio tomar parte no combate; do Passo da Pátria acudiram também reforços, e Porto Alegre, saindo do reduto central, tomou a ofensiva e pôs em completa derrota o inimigo, que em grande número se distraíra no saque e incêndio dos abarracamentos do comércio.

(Texto extraído do livro Efemérides Brasileiras, do Barão do Rio Branco, editado pelo Ministério das Relações Exteriores – acervo do Centro de Documentação do Exército)

 


Última alteração em 11-03-2009 @ 11:38 am

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada