Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
Náufragos do Tempo: Itagiba e Baependy – 70 anos
Inserido por: teotonio2
Em: 02-16-2013 @ 05:42 pm
 

 

 Diante  do Monumento aos Náufragos, no histórico Forte do Imbuhy e 21º Grupo de Artilharia de Campanha, Jurujuba, Niterói – RJ,  velhos artilheiros, veteranos da FEB e familiares recordam  os tripulantes e passageiros que em agosto de 1942  fizeram sua ultima viagem para jamais retornar, tendo como tumulo os mares verdes do Nordeste.

O drapejar da bandeira nacional tremulando sobre a tropa emite um ruído característico, lembrando um navio que corta as ondas. A mesma bandeira de um pais pacifico e ainda rural, que também pontificava sobre os mercantes Itagiba e Baependy. Ainda assim, foram atacados sem aviso, por uma das mais mortíferas e ultramodernas armas da época, o submarino.

Decorridos 70 anos, apenas um dos náufragos sobreviventes do glorioso 7º. Grupo de Artilharia de Dorso pôde comparecer. O jovem soldado Dalvaro  viveu momentos de angustia e sacrifício junto com seus camaradas do 7º Grupo de Artilharia de Dorso (7º GADo), atual 7º Grupo de Artilharia de Campanha, em deslocamento do Rio para Olinda – PE.  Filhos e parentes de desaparecidos e sobreviventes também comparecem, para prestar mais uma homenagem a memoria dos entes queridos, inocentes vitimas de uma ideologia equivocada, contra a qual o Brasil iria se levantar em armas, enviando 25 mil dos seus melhores filhos para o Teatro de Operações Europeu, uma façanha que ainda hoje seria admirável.

A cerimonia é singela mas significativa. O Comandante do 21 GAC, Ten Cel LIMA, historia aquela história fantástica, de bravura e desprendimento diante da tragédia. O Comandante da Artilharia Divisionária e Guarnição Federal de Niterói, Gen FAILLACE, presta uma emotiva  homenagem, ele que no inicio da década comandou o próprio 7º GAC de Olinda.

As palavras de ordem são respondidas pela tropa em uníssono, trazendo de volta o eco refletido pelas montanhas que circundam o aquartelamento. Jovens soldados, entoam a Canção do Expedicionário, desfilam com garbo, mesmo os recém-incorporados há poucos dias. Jovens com a fibra do soldado brasileiro que doravante o serão, até o dia em que tiverem que deixar o quartel, do qual jamais se esquecerão.

O desfile é magnífico, os pavilhões nacional e os estandartes tremulando ao vento. As baterias com suas flâmulas vão se distanciando e passam ao lado do nicho onde Santa Bárbara inspira e protege os Artilheiros.

O Toque de Silencio corta os ares, enquanto ao longe se ouvem apenas as turbinas dos aviões distantes. Nestes momentos nos perguntamos porque tantos inocentes tiveram que pagar com a própria vida pelos desvarios de um déspota. Mas se nem ao próprio Patriarca Moises o Eterno se permitiu dizer porque seu Povo sofria, também nós, simples mortais, jamais teremos esta resposta.

Os velhos artilheiros recordam pensativos os irmãos de armas não mais aqui presentes e aqueles que não voltaram. Não existe consolo, mas suas almas se elevaram pela certeza de que um mundo melhor passaria a existir.

Seu sacrifício não foi em vão. Derrotadas as tiranias, uma nova era de democracia e liberdade despontou com a  Vitória. Três anos depois, uma pesada barragem de fogo da Artilharia da FEB contra as tropas alemãs encerraria a resposta às agressões sofridas pelo Brasil, com a perda de mais de um milhar de preciosas vidas de inocentes, nos torpedeamentos.

A cerimonia vai terminando. Imersos em pensamentos, todos retornam ao mundo do dia-a-dia deixando as recordações do passado… Velhos Artilheiros, cumpriram seu dever, honrando a memória da nossa gente. Simplesmente foram Soldados – do Exercito de Caxias – da Artilharia de Mallet, a bradar o eterno e sagrado comando, que ecoou em Tuiuti, Fornovo di Taro, e agora em Niterói:

Naufr 2012  10 Monumento II GM e Nicho Sta BArbara Naufr 2012  19 Naufr 2012  22
Naufr 2012  17 Naufr 2012  15 Naufr 2012  18 Naufr 2012  12
Naufr 2012  14 n Tenentes Rosenthal e Dalvaro Naufr 2012  16 Naufr 2012  04

Peça, Fogo  !!!

 Peça Atirou  !!!

“ Ma Force d’en Haut “
Minha Força vem do Alto
Brasão d’Armas do Marechal Mallet
Patrono da Artilharia Brasileira

Israel Blajberg

Fonte: Portal da FEB

 


Última alteração em 02-16-2013 @ 05:42 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada