Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
O condenado à morte
Inserido por: Darlou
Em: 07-23-2013 @ 10:53 am
 

 

Somos o que  acreditamos ser

 

Um cientista, da Universidade de Phoenix Arizona, queria provar a tese do controle psicológico sobre as reações fisiológicas de nosso organismo.

Conseguiu, na Penitenciária Federal, um voluntário condenado à morte, que seria executado em cadeira elétrica.

 

Devidamente autorizado pela Corte, o cientista propôs ao condenado o seguinte:

Ele participaria de uma experiência científica, na qual seria feito um pequeno corte em seu pulso, suficiente para gotejar o seu sangue até a última gota.

Ele teria uma chance de sobreviver, pois o sangue poderia coagular e estancar o ferimento. Se isso acontecesse, ele ganharia a liberdade, caso contrário, ele iria falecer pela perda do sangue, porém teria uma morte sem sofrimento e sem dor.

O condenado aceitou, pois era preferível assim do que morrer na cadeira elétrica, e ainda teria a chance de sobreviver.

 

O condenado foi então colocado em uma cama alta de hospital e teve seu corpo imobilizado para que não se movesse. Fizeram um pequeno corte em seu pulso, amarrado na borda do leito, e foi colocada uma pequena vasilha de alumínio, logo abaixo, para que ele pudesse ouvir o gotejar do sangue no recipiente.

 

O corte foi superficial e não atingiu qualquer veia ou artéria, mas suficiente para que ele sentisse o pulso sendo cortado, sem sangrar.

Ele ignorava que debaixo de sua cama tinha um frasco de soro com uma pequena válvula.

 

Ao ferir seu pulso, o cientista abriu a válvula do frasco para que ele acreditasse que era seu o sangue que estava pingando na vasilha.  Na verdade, era o soro do frasco que gotejava.

 

De 10 em 10 minutos, sem ser visto, o cientista fechava um pouco a válvula do frasco e o gotejamento diminuía. O condenado acreditava que seu sangue estava diminuindo.

 

Com o passar do tempo, foi perdendo a cor e ficando cada vez mais pálido.

Quando o cientista fechou a válvula, o condenado teve uma parada cardíaca e morreu, sem ter perdido uma gota de sangue.

 

O cientista conseguiu provar que a mente humana cumpre ao pé da letra, tudo que lhe é enviado, seja positivo ou negativo e a reação envolve toda sua fisiologia, principalmente os órgãos visados.

 

Essa pesquisa revelou um alerta para filtrarmos o que enviamos para nossa mente, pois ela não distingue o real da fantasia, o certo do errado, simplesmente grava e executa o que lhe é enviado.

 

 

Darlou D’Arisbo

Antropometrista

 

 


Última alteração em 07-23-2013 @ 10:53 am

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada