Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do PORTAL MILITAR
 
  Onde estou? Página Principal >> Historia  
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
70 anos do afundamento do U-199
Inserido por: heitor
Em: 07-29-2013 @ 10:16 pm
 

 

Caros amigos do portal. Recebi o email abaixo copiado na íntegra.

ASS_ 70 anos do afundamento do U-199.

Aos meus Chefes, Companheiros e Amigos,
 
No dia 31 de julho a Força Aérea Brasileira estará comemorando o septuagésimo aniversário do afundamento do submarino alemão U-199, ocorrido no litoral do Rio de Janeiro, próximo a Cabo Frio. 
Foi o único submarino inimigo comprovadamente afundado por uma aeronave da FAB na II GM. 
O hidroavião Consolidated PBY-5 Catalina nº 02 (posteriormente batizado de ARARÁ) era pilotado pelo Asp Of Av Res ALBERTO MARTINS TORRES que, logo depois, na Itália, integrando o 1º Grupo de Aviação de Caça (o famoso SENTA A PUA), foi o aviador brasileiro que mais missões de combate realizou na II GM (99 missões ofensivas e uma defensiva).
Remeto-lhes o artigo que escrevi sobre o episódio do afundamento do U-199 ("Tenente Torres - A Vitoriosa Reserva da FAB"), reproduzido também pela Revista IDEIAS EM DESTAQUE nº 40, do Instituto Histórico-Cultural da Aeronáutica (INCAER). 
 
Fraternalmente,
 
Ten Monteiro
- - -

 

TENENTE TORRES: A VITORIOSA RESERVA DA FAB
                                   por Sérgio Pinto Monteiro*
 
20 de janeiro de 1941. O Presidente do Brasil, Getúlio Vargas, pelo Decreto-Lei nº 2.961, cria uma Secretaria de Estado com a denominação de Ministério da Aeronáutica, incorporando as aviações Naval (da Marinha de Guerra) e Militar (do Exército). 
 
A segunda guerra mundial, iniciada em 1º de setembro de 1939, incendiava a Europa. 
O governo brasileiro, ainda em posição de neutralidade, se preparava para a necessidade de uma eventual defesa do país. 
 
A modernização do nosso poder aéreo era uma prioridade inquestionável. 
A criação da Força Aérea Brasileira, sob a denominação inicial de Forças Aéreas Nacionais, foi um desafio para os militares. Havia um indisfarçável “cheiro de pólvora no ar”. 
O ministro da Aeronáutica, Dr. Joaquim Pedro Salgado Filho, revelou-se um grande administrador, conseguindo encontrar soluções adequadas para os complexos problemas decorrentes da unificação de duas aviações com doutrinas diversas e equipamentos diferenciados.
 
Tudo era por demais urgente, inclusive, e principalmente, a formação de novos oficiais-aviadores. Pouco mais de dois meses após a criação do Ministério da Aeronáutica, surgiram, em 25 de março de 1941, a Escola de Aeronáutica, no Campo dos Afonsos, e a Escola de Especialistas, na Ponta do Galeão, no Rio de Janeiro. 
 
A Reserva Aérea, importante segmento de qualquer força armada durante uma guerra, foi alvo de 
providências imediatas. 
As Portarias Ministeriais nº 97 (de 20/8/42) e 107/108 (de 19/9/42) criaram três Centros de Preparação de Oficiais Aviadores da Reserva - CPOR Aer - nas bases aéreas do Galeão, São Paulo e Canoas. 
Tais organizações militares formaram 180 oficiais-aviadores da Reserva entre 1942 e 1945.
 
Simultaneamente, como ação emergencial, o Aviso Ministerial nº 121 (de 19/9/1942) baixou instruções para o envio aos Estados Unidos dos primeiros 200 (duzentos) candidatos a oficiais aviadores da Reserva para formação e treinamento de pilotos. Até o final da II GM, 281 oficiais-aviadores da Reserva foram preparados nas escolas de aviação norte-americanas.
 
Entre os oito primeiros voluntários candidatos a oficiais-aviadores da Reserva nos Estados Unidos estavam os jovens amigos Sérgio Cândido Schnoor e Alberto Martins Torres, que mais tarde seriam responsáveis pelo afundamento de um submarino alemão na costa do Rio de Janeiro. Torres, filho de diplomata, deveria, pela orientação dos pais, ingressar no ltamaraty, o que não aconteceu. 
Aos 22 anos, falava e escrevia fluente e corretamente português, espanhol, inglês, alemão, francês e turco. Iniciou o curso primário em Munique e o concluiu em Constantinopla. 
Regressando ao Brasil, completou o curso ginasial no Colégio São Bento. 
Como estava orientado para ser diplomata, ingressou na Faculdade de Filosofia, onde cursou dois anos, fazendo mais dois na Escola Nacional de Direito, ambas no Rio de Janeiro. Voluntário para a Reserva 
Aérea, abandonou os estudos e, candidato selecionado, embarcou em 12 de dezembro de 1941 num navio cargueiro americano sem escolta, rumo a Nova York, cinco dias após o ataque japonês a Pearl Harbor, com destino final a Randolph Field, Texas, uma das melhores escolas de aviação do exército dos EUA. 
Declarou, mais tarde que somente se deu conta do perigo que passou durante os 14 dias de viagem quando, ao desembarcar, encontrou o povo americano mobilizado para a guerra.
 
Aquela viagem acabou com o sonho do Dr. Aluízio e D. Lenita de verem o filho diplomata. 
A decisão de se tomar piloto foi exclusivamente dele. 
Dez meses depois de intenso treinamento em Randolph Field, recebeu o diploma de piloto e a "Silver Wing"
da força aérea do exército dos EUA. 
Foi declarado Aspirante-a-Oficial-Aviador da Reserva da Força Aérea Brasileira em 08 de outubro de 1942. 
 
De volta ao país com o curso de instrutor de voo, deveria ser designado para o CPOR Aer no Rio de Janeiro. 
Entretanto, a essa altura o Brasil já havia declarado guerra (31/08/1942) à Alemanha e à Itália. 
O Aspirante Torres foi então servir no 1º Grupo de Patrulha, unidade de combate sediada no Calabouço - no Aeroporto Santos-Dumont - equipada com hidroaviões Consolidated PBY-5, “Catalina”. 
Concluiu também um estágio operacional na Base Aeronaval da Marinha dos EUA, em Aratu, Bahia, 
tornando-se apto a cumprir missões de patrulha e cobertura de comboio, como comandante de aeronave. Realizou na unidade de patrulha 64 missões de guerra. 
Em uma delas, no dia 31 de julho de 1943, pilotando um “Catalina”, atacou e afundou o submarino alemão U-199, a 87 km ao sul do Pão de Açúcar.
 
U-199, O Lobo Cinzento 
 
No final de 1942, a Alemanha começou a lançar novos submersíveis para a sua frota oceânica. 
O tipo IXD2 tinha como principal missão bloquear, ainda mais, o fluxo de matérias primas necessário ao esforço de guerra de seus inimigos. 
Os submarinos do tipo IXD2 (very long-range) da 12º flotilha - Bordeaux - começaram a operar em novembro 
de 1942. 
Considerados na época como de última geração, eram capazes de executar patrulhas de ataque em regiões afastadas do Atlântico Sul. 
Em suas longas jornadas eram abastecidos em alto mar por unidades submarinas de apoio, chamadas “vacas leiteiras”, estendendo assim, ainda mais, sua grande autonomia de 44.000 Km. 
Deslocava 1.600 ton, atingindo na superfície a velocidade de 20,8 nós e submerso chegava a 6.9 nós. 
Como armamento de convés tinha um canhão naval de 105mm, dois canhões antiaéreos - de 37 e 20 mm - e duas metralhadoras pesadas. 
Podia operar com 24 torpedos e 44 minas. Sua tripulação era de 61 homens. 
O U-199 era comandado pelo Kapitänleutnant (capitão-tenente) Hans-Werner Kraus, de 28 anos.
 
O “Lobo Cinzento” U-199 (o submarino era pintado no estilo camuflado nas cores cinza-claro, marrom e azul cobalto, tendo na sua torre o desenho de uma embarcação viking) partiu de Kiel em 13 de maio de 1943, chegando à sua área de patrulhamento, ao sul do Rio de Janeiro, em 18 de junho. Durante a investida na costa brasileira o U-199 fez as seguintes vítimas:
 
- 27 de junho: disparou três torpedos contra o cargueiro artilhado norteamericano Charles Willson Peale, da 
Classe Liberty, a 50 milhas ao sul do Rio de Janeiro, errando dois torpedos e danificando o navio com o terceiro. 
A embarcação respondeu com seu armamento, provocando a fuga do submarino. O navio conseguiu chegar ao porto do Rio de Janeiro.
- 03 de julho: foi atacado, sem danos, por um avião A-28A Hudson, operando da Base Aérea de Santa Cruz, 
- 03 de julho: durante a noite foi atacado e abateu um hidroavião PBM 3 martin mariner do VP-74, esquadrão americano parcialmente baseado no Galeão, comandado pelo Tenente Harold Carey. Toda a tripulação pereceu.
- 22 de julho: atacou e afundou a tiros de canhão o pequeno barco de pesca brasileiro Shangri-lá, matando seus 10 tripulantes.
- 24 de julho: atacou e afundou o cargueiro inglês Henzada, de 4.000 ton.
 
O Afundamento do U-199
 
31 de julho de 1943, pela manhã. O U-199, navegando na superfície, avistou um avião ainda distante e o comandante Kraus, na torre, comandou força total à frente e mudança de rota. 
A tripulação teria entendido mal a ordem e iniciou uma frustrada submersão, que retardou a fuga do 
submarino. 
A antiaérea foi acionada. 
O avião americano, um PBM 3 martin mariner comandado pelo Tenente Walter F. Smith, lançou seis bombas de profundidade MK47 que danificaram o submarino impedindo-o de submergir. 
Dado o alerta pelo rádio, foi acionada a Força Aérea Brasileira através de um avião Hudson A-28A pilotado pelo Aspirante da Reserva Sérgio Cândido Schnoor, que lançou duas bombas MK17 que explodiram próximas ao alvo, sem, entretanto, provocarem maiores danos. 
Numa segunda passada, a nossa aeronave metralhou o convés do submarino, atingindo alguns artilheiros das peças antiaéreas. 
Finalmente, também alertado pelo rádio, surgiu um hidroavião “Catalina” PBY-5 da FAB, pilotado pelo Aspirante Torres que, especialista naquele avião, pode demonstrar toda a sua perícia. 
Na primeira passagem, com todas as suas metralhadoras .50 disparando, lançou três bombas MK44. 
Ele próprio, em seu livro “Overnight Tapachula” (1985, Ed. Revista de Aeronáutica) descreve o ataque: 
 
“Já a uns 300 metros de altitude e a menos de um quilômetro do submarino podíamos ver nitidamente as suas peças de artilharia e o traçado poligônico de sua camuflagem que variava do cinza claro ao azul cobalto. 
Quando acentuamos um pouco o mergulho para o início efetivo do ataque, o U-199 guinou fortemente para boreste completando uma curva de 90 graus e se alinhou exatamente com o eixo da nossa trajetória, com a proa voltada para nós. 
Percebi uma única chama alaranjada da peça do convés de vante, e, por isso, efetuei alguma ação evasiva até atingir uns cem metros de altitude, quando o avião foi estabilizado para permitir o perfeito lançamento das bombas.
Com todas as metralhadoras atirando nos últimos duzentos metros, frente a frente com o objetivo, soltamos a fieira de cargas de profundidade pouco à proa do submarino. 
Elas detonaram no momento exato em que o U-199 passava sobre as três, uma na proa, uma a meia-nau e 
outra na popa. 
A proa do submersível foi lançada fora d’água e, ali mesmo ele parou, dentro dos três círculos de espuma branca deixadas pelas explosões. 
A descrição completa sobre a forma por que as cargas de profundidade atingiram o submarino me foi fornecida em conversa que tive com o piloto do PBM, tenente Smith, que a tudo assistiu, de camarote, e que 
inclusive me presenteou com uma fotografia do U-199. 
Em seguida, nós abaixáramos para pouco menos de 50 metros e, colados n’água para menor risco da eventual reação da antiaérea, iniciamos a curva de retorno para a última carga que foi lançada perto da popa do submarino que já então afundava lentamente, parado. 
Nesta passagem já começavam a saltar de bordo alguns tripulantes. 
Ao completarmos esta segunda passagem é que vimos o PBM americano mergulhando em direção 
ao objetivo. 
Depois saberíamos de onde viera. 
Transmitimos com emoção o tradicional SSSS - SIGHTED SUB SANK SAME - em inglês, usado pelos 
Aliados para dizer: submarino avistado e afundado - e ficamos aguardando ordens, sobre o local. 
Em poucos segundos o submarino afundou, permanecendo alguns dos seus tripulantes nadando no mar agitado. 
Atiramos um barco inflável e o PBM lançou dois. 
Assistimos aos sobreviventes embarcarem nos três botes de borracha, presos entre si, em comboio. 
Eram doze. 
Saberíamos depois que eram o comandante, três oficiais e oito marinheiros”.
 
Era o fim do “lobo cinzento”, primeiro submarino do tipo IXD2 a ser afundado na II GM. 
Sobreviveram 12 tripulantes, resgatados pelo navio-tender americano USS Barnegat, (o mesmo que socorreu os náufragos do U-513, recentemente localizado no litoral de Santa Catarina), tendo sido encaminhados a uma unidade prisional em Recife e posteriormente enviados aos Estados Unidos. 
Alguns destes relatos foram obtidos do interrogatório dos tripulantes por autoridades americanas. 
O comandante Kraus negou o ataque do dia 3 de julho ao PBM3 martin mariner, afirmando que a aeronave 
explodiu antes de ser atingida pela antiaérea, o que parece improvável. 
 
O Tenente R/2 Torres foi o único piloto brasileiro que, comprovadamente, afundou um submarino alemão. 
Pelo feito,recebeu do governo americano a DFC - Distinguished Flying Cross (Cruz de Bravura). 
 
No início de 1944, o Tenente Torres deixou o 1º Grupo de Patrulha, seguindo como voluntário para 
servir no 1º Grupo de Aviação de Caça, que iria combater na Itália. 
Dos 49 pilotos brasileiros que entraram em combate na Europa, treze eram oficiais R/2. 
A Esquadrilha de Ligação e Observação - 1ª ELO - tinha onze aviadores, dos quais nove eram da Reserva. 
Dos oito aviadores que deram suas vidas à pátria no cumprimento do dever, um era R/2: o Aspirante-Aviador da Reserva Frederico Gustavo dos Santos, em 13 de abril de 1945, vitimado pela explosão de um depósito de munições alemão, que ele próprio metralhara, nas proximidades de Udine. 
Segundo relato do Brigadeiro Rui Moreira Lima (94 missões de guerra), “o Aspirante Santos conseguiu saltar da aeronave em chamas, mas faleceu na queda e foi enterrado pelos soldados alemães”. 
Um inimigo anônimo, a partir de um estojo de munição de 20mm, afixou, em alemão, na placa que assinalava a sepultura: "Homenagem ao Aviador Morto em Combate".
 
O Tenente Torres, pilotando o P-47 Thunderbolt A-4, integrou a esquadrilha vermelha e realizou 99 missões de guerra ofensivas (a primeira em 6 de novembro de 1944 e a última em 1º de maio de 1945) e uma defensiva - cobertura de um jogo amistoso de futebol entre combatentes da FEB e do VIII Exército 
inglês, realizado em Florença - completando um total de 100 missões, tendo sido o recordista brasileiro em missões de combate. 
Em uma delas, foi condecorado com outra DFC - Distinguished Flying Cross. Recebeu ainda dos EUA, a Air Medal com cinco estrelas, valendo cada estrela como mais uma medalha. 
Da França, recebeu a La Croix de Guerre Avec Palme e finalmente no Brasil foi agraciado com a Cruz de Aviação Fita A, Cruz de Aviação Fita B, Campanha da Itália, Campanha do Atlântico Sul e a Ordem do Mérito Aeronáutico. 
O Tenente-Aviador R/2 Alberto Martins Torres foi o grande patrulheiro e caçador da FAB na II guerra mundial.
 
Após retornar da Itália pilotando um P-47 Thunderbolt, Torres foi licenciado do serviço ativo e promovido ao posto de Capitão.
 
O Brigadeiro Rui Moreira Lima relata com emoção algumas passagens da vida civil do amigo e companheiro. 
 
“Entre as várias atividades civis exercidas no pós-guerra, fundou a empresa de aviação TABA - Transporte Aéreo da Bacia Amazônica - comprou dois aviões, um Catalina e um DC-3 - em que ele praticamente fazia tudo: vendia o bilhete, despachava a bagagem, embarcava o passageiro e assumia o comando da 
aeronave. 
Foi o seu único empreendimento que não deu certo. 
Vendeu a empresa em poucos meses e retornou à Escola Nacional de Direito, completando o curso 
anteriormente interrompido; já formado, foi nomeado para chefiar o programa de Agricultura do Ponto 04 - Acordo Brasil x EUA - dirigindo com sucesso um setor totalmente diferente de suas atividades anteriores; foi, também, funcionário destacado na empresa Texaco do Brasil SA, como gerente do Departamento de Planejamento e Vendas; durante a campanha eleitoral para presidente da república de Juscelino 
Kubitschek, foi seu piloto-comandante, tendo como co-piloto o veterano do Senta à Pua, Capitão João Milton Prates. 
O DC-3 de JK voou cerca de 870 horas, pousando muitas vezes em pistas não autorizadas. 
Durante esses vôos, nunca sofreu um acidente. 
Sobre o assunto, contou certa feita, em tom de brincadeira, que em termos de perigo, os vôos da Campanha de JK ganharam dos que enfrentou na Campanha da Itália; em 1966, implantou no Brasil a multinacional Brink's - Transporte de Valores SA, empresa pioneira nessa atividade em nosso país. 
A matriz americana deu-lhe plenos poderes para escolher sua equipe. 
Ele a recrutou entre companheiros da Reserva da FAB, nas pessoas de quatro veteranos do Senta à Pua: Joel Miranda, Theobaldo Antonio Kopp, Josino Maia de Assis e José Meira de Vasconcellos. 
Implantou a empresa, assumindo a função de superintendente, exercendo-a por quase trinta anos, tendo sempre como fiéis escudeiros seus camaradas de guerra; nas comemorações anuais de 6 de outubro - chegada do 1º Grupo de Caça ao Porto de Livorno, Itália, em 1944 - fez parte da comissão dos quatro companheiros organizadores da festa durante os 57 anos em que conviveu conosco; foi o responsável pelo Livro de Ata nº 3, hoje no arquivo histórico dos veteranos, considerado por nós uma obra de arte, onde seu amor pela unidade é constatado em cada página; escreveu suas memórias no livro Overnight Tapachula, onde o pesquisador que se interessar pelos detalhes sobre como foi criada a Reserva Aérea da Força Aérea Brasileira, encontrará material de excelente qualidade, sobretudo no que diz respeito aos famosos Asas Brancas (oficiais da reserva), que fizeram cursos na América entre 1941 e meados de 1946; durante seu tempo de Brink's projetou um modelo de carro forte, cujo protótipo foi construído sob sua supervisão e 
aprovado pela matriz nos EUA; finalmente foi ele o amigo que muito me apoiou e incentivou a escrever o livro Senta à Pua!, tornando-se, antes do lançamento, seu principal revisor.”
 
“Torres casou-se pouco tempo depois que regressou da Itália com a jovem Maria Theresa Lima, com quem teve cinco filhos, três homens e duas mulheres: Alberto e Jorge (falecidos), Henrique, Maria Theresa e Maria Inês, que geraram 09 netos. Um deles, filho da Maria Inês - o Jonas - foi ator de novela da TV Globo dos 7 aos 17 anos. Hoje é piloto civil na Flórida, e foi pára-quedista de elite do exército americano. Tem 
dupla nacionalidade - seu pai é americano - e mora nos EUA. Junto com Maria Theresa, criou e educou os cinco filhos. Divorciado, casou com D. Olga Barroso - mãe de três filhos: Maria Isabel, Heloisa e Hugo. O mais velho tinha cinco anos e Torres começou tudo de novo. Junto com Olga, criaram e educaram os três, que nunca o consideraram padrasto. A grande verdade é que foi um pai presente e carinhoso para os oito filhos.”
 
O Capitão-Aviador da Reserva Alberto Martins Torres faleceu no dia 30 de dezembro de 2001, aos 82 anos, e seu corpo foi cremado em São Paulo.
Antes do falecimento, o então comandante do 1º Grupo de Aviação de Caça, Coronel-Aviador Márcio Brissola Jordão - em outubro de 2001 - prestou-lhe significativa homenagem, mudando o nome do TROFÉU DO PILOTO MAIS EFICIENTE, prêmio conferido anualmente no final da instrução ao melhor piloto de caça da Unidade, para: TROFÉU ALBERTO MARTINS TORRES. 
Já bastante doente, não pode comparecer à cerimônia de entrega. Foram rezadas duas missas em sufrágio de sua alma - em São Paulo, na Igreja da N.S. do Brasil e no Rio de Janeiro, no Salão Nobre do Instituto 
Histórico-Cultural da Aeronáutica - ambas com grande presença da FAB - pessoal da caça e patrulha - representante do Comandante da Aeronáutica, a família - esposa e filhos - e amigos de todas as gerações. 
A seu pedido, suas cinzas foram lançadas no mar, nas cercanias do Aeroporto Santos-Dumont, antiga sede do 1º Grupo de Patrulha, a primeira Unidade em que serviu como oficial da FAB.
A urna foi conduzida de São Paulo, pessoalmente pelo Comandante do IV COMAR para a Base Aérea de Santa Cruz, que a recebeu com a presença do Comandante, uma Guarda de Honra, todo pessoal do 1º Grupo de Caça, 17 veteranos da Itália, um veterano da 1ª ELO, um representante da FEB, o presidente da Associação Brasileira dos Pilotos de Caça, três pilotos de patrulha e velhas águias dos idos de 1942 (Ivo 
Gastaldoni, Sérgio Cândido Schnoor e Gastão Veiga). 
Uma aeronave Búffalo conduziu a urna para o local da cerimônia, escoltada por dois aviões de patrulha, P-95 - Bandeirulha do 4º/7º GAv. e dois F-5 Tiger supersônicos do atual 1º Grupo de Aviação de Caça. 
Antes do lançamento das cinzas na Baía de Guanabara, os veteranos e presentes saudaram o Capitão 
Torres com um vibrante ADELPHI!, seguido por um sonoro A LA CHASSE!, grito de guerra da atual aviação de caça brasileira. 
Em seguida foi realizado o lançamento das cinzas e de uma coroa de flores, homenagem do Comandante da Aeronáutica. 
 
Durante os quarenta minutos do vôo, sem que ninguém ordenasse ou pedisse, houve a bordo uma concentração comovente dos participantes. 
A cerimônia foi realizada no dia 11 de janeiro de 2002.
 
Os veteranos, os velhos, os da Itália, consideram sempre o Torres como o piloto de caça padrão. E foi! Um adelphi para ele!
                                    Brigadeiro Luiz Felipe Perdigão, (85 missões de guerra)
 
Os Aviadores da Reserva - como de resto as Reservas das Forças Terrestres e Navais - foram fundamentais no esforço de guerra brasileiro. 
Seus integrantes, voluntários ou convocados, se ombrearam aos companheiros da Ativa na defesa da 
soberania e integridade da nossa pátria. 
Arriscaram suas vidas - e até mesmo a perderam - para que a liberdade e a democracia não sucumbissem diante do totalitarismo nazi-fascista. 
Os anos se passaram, o mundo se transformou, mas ameaças difusas ainda se fazem presente nos cenários nacional e internacional. 
Somos, inquestionavelmente, amantes e defensores da paz. 
Até porque, na guerra seremos os primeiros a morrer. 
Mas não devemos descuidar da nossa capacidade de defesa, em todos os sentidos e situações. 
O exemplo daquele punhado de jovens que na Segunda Guerra Mundial não hesitou em se sacrificar - no mar, na terra e no ar - pela manutenção dos princípios e valores que forjaram a nacionalidade, deve estar 
sempre presente nos corações e mentes dos verdadeiros brasileiros.
 
"O exército não é um reservatório de surpresas e ameaças, de tempestades e ciclones. É uma força imensa e indispensável de ordem e tranqüilidade, construção e progresso. Ele não professa o culto dos caudilhos, a idolatria dos ditadores. Quer homens de palavra e ação, de vontade e ciência, de lei e liberdade, que empreendam pela República Brasileira a obra de organização e verdade, reconstituição e democracia."
                                    Rui Barbosa, 1905, Senado da República
 
*o autor é professor, historiador e oficial da Reserva Não Remunerada do Exército Brasileiro. É presidente do Conselho Nacional de Oficiais R/2 do Brasil, Diretor de Cultura e Civismo da Associação Nacional dos Veteranos da FEB, membro da Academia de História Militar Terrestre do Brasil e da Academia Brasileira de Defesa. É autor do livro “O Resgate do Tenente Apollo” (2005 - Ed. CNOR)
 
ESTA É A HOMENAGEM DOS OFICIAIS R/2 DO EXÉRCITO BRASILEIRO AOS INTEGRANTES DA RESERVA AÉREA DA FAB NA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
 


Última alteração em 07-29-2013 @ 10:16 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada