Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
COLEÇÃO GRANDES LÍDERES - A Vida de Carlos Salvador - A Infância II
Inserido por: Itauna
Em: 05-05-2014 @ 08:08 pm
 

 

 

A infância

O quadro geral da situação das famílias no recôncavo baiano situadas na faixa de baixa renda era realmente ameaçador. A miséria na capital baiana crescia em proporções geométricas. O golpe de estado de 1937 ocorreu quando se aguardavam as eleições presidenciais marcadas para janeiro de 1938, a serem disputadas por José Américo de Almeida e Armando de Sales Oliveira, ambos apoiadores da revolução de 1930, foi denunciada, pelo governo, a existência de um suposto plano comunista para tomada do poder.
Este plano ficou conhecido como Plano Cohen, e depois se descobriu ter sido forjado por um adepto do integralismo, o capitão Olímpio Mourão Filho, o mesmo que daria início à Revolução de 1964.
Com a comoção popular causada pelo Plano Cohen, com a instabilidade política gerada pela Intentona Comunista, com o receio de novas revoluções comunistas e com os seguidos estados de sítios, foi sem resistência que Getúlio Vargas deu um golpe de estado e instaurou uma ditadura em 10 de novembro de 1937, através de um pronunciamento transmitido por rádio a todo o País.
O último grande obstáculo que Getúlio Vargas enfrentou para dar o golpe de estado foi o bem armado e imprevisível interventor no Rio Grande do Sul, Flores da Cunha, mas este não resistiu ao cerco de Getúlio e se refugiou no Uruguai, antes do golpe do Estado Novo (1937) .
A maioria das famílias viviam à época como animais na selva. Tinham que se defender de tudo e de todos. Os perigos rondavam de todos os lados. A vagabundagem aliada à malandragem típica do baiano da época, fortalecida pelo despreparo e pela falta de capacitação da força de trabalho, levava as pessoas procurarem sobreviver através de roubos e pequenos furtos no dia-a-dia. A fome grassava de forma ameaçadora o que levava se apelar para furtos de pequenos animais, tais como galináceos, caprinos, suínos e em casos de fome mais graves até bovinos também entravam no samba. Tenho, ainda, na memória fatos interessantes sobre a grande criatividade do baiano que a vida exigia para sua sobrevivência e da família. A cidade de Salvador era cortada por linhas de bonde e de trens. As pessoas empurravam o boi para a linha dos bondes ou dos trens para que os mesmos fossem atropelados “acidentalmente” e quando isso, fatalmente acontecia todos se bancateavam com o produto.
Vale à pena citar algumas ações empreendidas pelas crianças quando a sua situação está comprometida e em risco. Via de regra, as casas de moradia eram imensas e com bastante espaço, dotadas de grandes quintais onde se criavam pequenos animais. Colocávamos nos limites do quintal do vizinho até a porta da nossa casa uma trilha formada de milhos separados, uns dos outros, por pequenas distâncias e as galinhas vinham cantando, ciscando e comendo os milhos até que entravam em nossa casa e nós a pegávamos para a nossa alimentação do dia. Mas tudo fazia parte de um processo. No final tínhamos o cuidado de enterrar os detritos em covas bem fundas para que não fosse descoberto o furto pelo proprietário. Isso acontecia com relação à alimentação caseira diária ocasionada pela grande dificuldade existente, pois as famílias eram numerosas. As mulheres tinham em média 15 a 20 filhos com idades em série, acredito até que era por falta de conhecimento sobre prevenção e os homens, seguindo a tradição africana tinham duas ou mais famílias tal a facilidade que se oferecia no momento. As famílias não eram mais numerosas porque a natureza se encarregava de exercer o controle da natalidade por intermédio de abortos naturais, morte prematura de crianças por doenças infecto contagiosas tais como: nefrite, tuberculose, pneumonia, anemia aguda, hepatite, desinteria, morte súbita sem motivo aparentes, muito comuns na época. Porém se escapasse com vida e sobrevivesse aos desígnios da natureza, durante a sua adolescência, fatalmente, contrairia uma ou mais doenças sexualmente transmissíveis, tal a facilidade oferecida pela grande quantidade de mulheres damas (putas) e chibungos (viados) existentes, proliferando na cidade aos montes.
Os responsáveis pelas famílias, via de regra, eram usuários inveterados do uso de álcool e tabaco, de todos os tipos e modalidades existentes, desde os mais refinados, dependendo das posses de cada um até os mais “zurrapas”. Dependendo da situação financeira era usado até o alcool 90º diluído em água. O que não podia acontecer era deixar de beber. Era hábito se reunirem em família nos finais de semana na casa daquele que tinha mais posses e essa ”farra” sempre terminava em desavenças e pancadaria, o que eles tinham uma semana para se esquecerem do acontecido e recomeçarem tudo de novo.
Aos 09 e alguns aos 11 anos já viviam soltos e livres para se alimentarem de forma independente visando a sua sobrevivência. A nossa sorte era que, por incrível que pareça, a cidade de Salvador era realmente uma imensa fazenda ricamente arborizada por uma abundante flora. Nos seus recantos havia uma quantidade muito grande de recursos naturais à nossa disposição. Frutas tais como cajá, sapoti, pitanga, groselha, jenipapo, manga, jaca, carambola, caju, umbu, jambo, oiti, jabuticaba, fruta de conde, goiaba, carambola, fruta-pão, abacate, laranja, banana, mamão, cana, coco, nicuri, dendê, mangaba, cacau, abacate, pinha, tangerina, tudo em grande quantidade e a nossa disposição, porém, com as habituais disputas naturais de territórios que existiam entre os animais, também, existiam entre as crianças nessa faixa de idade.
Infância rica em folguedos, a maioria trazidos da África, bem como pelo europeu que imigravam para a Bahia em busca do ouro e outras facilidades e às vezes fugindo da justiça em débitos com a sociedade. Assim, esses folguedos proporcionavam aos jovens um desenvolvimento físico exuberante pela vida livre e natural que desfrutavam.
Os brinquedos eram elaborados e construídos pelos próprios usuários, usando os meios de fortuna como eram denominados. Isso proporcionava um desenvolvimento natural dos princípios de chefia e liderança.
Essa liberdade natural produzia em série jovens com uma experiência precoce que facilitava a sua sobrevivência nesse meio tão hostil.
Esse pequeno intróito mostra de forma cabal o que era a infância de uma criança sobrevivendo, rusticamente, em uma sociedade desprovida de eletrodomésticos, televisão, videocassete, DVD, Vídeo Game e outros benefícios que hoje são abundantes.
Aguardem que virão fatos cada vez mais interessantes!

 


Última alteração em 06-02-2014 @ 12:25 am

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada