Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
INFANTARIA PURA - Marechal Floriano
Inserido por: Itauna
Em: 05-15-2014 @ 10:22 pm
 

 

 

MINISTÉRIO DA DEFESA

G U Es

57º BATALHÃO DE INFANTARIA MOTORIZADO (Es)

(GRAREI)

Grêmio Recreativo Amigos do REI

"INFANTARIA PURA"

 

RESGATE HISTÓRICO DO REI


 

MARECHAL FLORIANO PEIXOTO

 

FLORIANO VIEIRA PEIXOTO – Empresta seu nome ao local onde o REI,  realiza suas formaturas e recepciona as autoridades que o visita.

  “O MARECHAL DE FERRO” , nasceu no ano de 1839 tem como pontos principais em suas biografia o desempenho de importantes comissões nas operações contra a invasão do Rio Grande do Sul. Em 1865, Floriano comandava o 2º Batalhão de Infantaria, em Bajé (RS), quando foi chamado a participar da Guerra do Paraguai. No comando de uma pequena e improvisada frota fluvial, impediu a junção das tropas inimigas que marchavam pelas margens do rio Uruguai, contribuindo para a retomada de Uruguaiana.

 

De 1878 a 1881, Floriano Peixoto dirigiu o Arsenal de Guerra de Pernambuco, tendo sido, depois, encarregado da inspeção dos estabelecimentos militares de Alagoas. Promovido a brigadeiro em 1882, exerceu o Comando das Armas no Amazonas, em Pernambuco e em Mato Grosso. Governou esta última província de 1884 a 1885, período em que se interessou pela indústria extrativa do mate e combateu índios rebelados.

 

Quando na consolidação da republica recusou-se a obedecer ordens do presidente do Conselhos de Ministros para resistir ao levante das tropas chefiadas pelo marechal DEODORO DA FONSECA (Proclamador da Republica)  Em 25 de fevereiro de 1891. Floriano Peixoto (Consolidador da República) elegeu-se Vice-Presidente da República, com grande maioria de votos, contra o candidato oficial, o Vice-Almirante Eduardo Wandenkolk. No exercício do cargo, foi um dos mais importantes elementos da reação ao golpe de 3 de novembro, quando o presidente Deodoro da Fonseca fechou o Congresso. Após o contragolpe de 23 de novembro, que obrigou Deodoro a renunciar, Floriano Peixoto assumiu o governo do país. Durante seu governo eclodiram a Revolta federalista, a revolta da Armada ao qual reprimiu de forma violenta inclusive com fuzilamentos , o “MARECHAL DE FERRO” , consolidava a Republica que passou às mãos do então eleito Presidente civil PRUDENTE DE MORAIS, em 15 de novembro de 1894.

 

MARECHAL FLORIANO PEIXOTO

 

Militar brasileiro que exerceu a presidência da República durante três anos ( 1891 - 1894 ). Primeiro Vice-presidente do Brasil, eleito, em pleito indireto, em 25 de fevereiro de 1891, Floriano Peixoto assumiu o governo em 23 de novembro desse ano, após a renúncia do Marechal Deodoro da Fonseca, e permaneceu no cargo até 15 de novembro de 1894.

Durante sua presidência, o Marechal Floriano Peixoto, chamado "o Marechal de Ferro" pelos que apoiavam seu autoritarismo, teve que enfrentar muitas revoltas. A Revolução Federalista, no Rio Grande do Sul, e a Revolta da Armada, chefiada pelos almirantes Custodio de Melo e Saldanha da Gama, foram as mais importantes.

Floriano Vieira Peixoto nasceu no engenho do Riacho Grande, em Ipíoca (Al), em 30 de abril de 1839, Aos 18 anos, decidiu-se pela carreira militar. Assentou praça em 1857 e, em 1861, entrou para a Escola Militar, Em dezembro de 1863, Floriano recebeu divisas de Primeiro-Tenente. Após a Guerra do Paraguai (1864-1870), da qual participou ativamente, sua formação seria completada pela conclusão de um curso de ciências físicas e matemáticas.

Em 1865, Floriano comandava o 2º Batalhão de Infantaria, em Bajé (RS), quando foi chamado a participar da Guerra do Paraguai. esteve presente no desfecho da guerra, em Cerro Corá (1º de março de 1870), quando morreu o ditador paraguaio. Dessa batalha, Floriano trouxe como lembrança a manta do cavalo de Solano Lópes.

 

CHEGADA À PRESIDÊNCIA  

 Em 25 de fevereiro de 1891. Floriano Peixoto elegeu-se vice-presidente da República, com grande maioria de votos, contra o candidato oficial, o vice-almirante Eduardo Wandenkolk. No exercício do cargo, foi um dos mais importantes elementos da reação ao golpe de 3 de novembro, quando o presidente Deodoro da Fonseca fechou o Congresso. Após o contragolpe de 23 de novembro, que obrigou Deodoro a renunciar, Floriano Peixoto assumiu o governo do país, conservando no entanto o título de vice-presidente

 

DATAS SOBRE FLORIANO

30/04/1839-Nascimento de Floriano Peixoto(Marechal Floriano)

30/12/1863-Floriano Peixoto é promovido a 1º Tenente

10/02/1865-Floriano Peixoto assume a 7º Companhia do 2º BI (Bagé-RS)

29/09/1865-Floriano Peixoto é promovido a Capitão

26/10/1866-Floriano Peixoto é nomeado Comandante do 44º de voluntários

09/04/1870-Floriano Peixoto é promovido a Tenente-Coronel

11/05/1872-Casamento de Floriano Peixoto com sua prima, Josina

13/01/1883-Floriano Peixoto é promovido a Brigadeiro

19/04/1890-Floriano Peixoto substitui Benjamin Constant no Ministério da Guerra

19/01/1892-Revolta das fortalezas de Lage e Santa Cruz contra Marechal Floriano Peixoto

29/06/1895-Morte de Floriano Peixoto (Marechal Floriano)

 

 

Nascimento:Ipioca (Floriano Peixoto) Maceió - AL, em 30.04.1839 Falecimento:

Divisa (hoje Floriano) - Barra Mansa - RJ, em 29.06.1895 Profissão:Militar (Marechal)                                                                           Período de Governo:23.11.1891 a 15.11.1894 (02a11m28d)

Idade ao assumir:52 anos         

Tipo de eleição:indireta

Votos recebidos:153 (Cento e cinqüenta e três)

Posse:Não constou do Livro de Posse dos presidentes, provavelmente por se tratar de complementação de mandato.

Observação:Como Vice-Presidente, exerceu a Presidência até o fim do quadriênio, autorizado pelo Congresso Nacional, em decorrência da renúncia de Deodoro da Fonseca

 

Biografia:

 

Floriano Vieira Peixoto nasceu de uma família simples em Ipioca, Alagoas, em 30 de abril de 1839, e só conseguiu ingressar na Escola Militar com a indicação de um parente senhor de engenho. Ocupava patentes baixas do exército até a sua participação na Guerra do Paraguai, quando passou a tenente coronel. Encarregado de serviços burocráticos, desde então recebeu o posto de comandante e presidente das armas da província de Mato Grosso em 1884. Dentro da política, ingressou no Partido Liberal e durante o ministério de Ouro Preto ocupou a posição de ajudante-general do exército.

 Nas eleições de 1891 foi eleito vice de Deodoro da Fonseca. Mas Floriano continuava na oposição, apoiando a revolta contra a sua tentativa de instalar um regime ditatorial que culminou na renúncia do presidente e na ocupação do cargo por ele.
        Retirou do poder os interventores dos estados que haviam apoiado as atitudes de Deodoro. A partir daí diversas rebeliões se espalharam por todo o país exigindo o seu retorno ao poder. Entre elas a Revolta Armada e a Revolução Federalista. Com diversas manobras políticas e militares, Floriano foi acalmando as revoluções até que, com o apoio de nações estrangeiras (França, Itália e Estados Unidos) tudo definitivamente se resolveu em outubro de 1893. Graças a suas vitórias contra as rebeliões recebeu o apelido de Marechal de Ferro. Os três anos de seu governo haviam representado três anos de guerras e ditadura militar.
         Com força política suficiente para tentar um golpe e para indicar um candidato, Floriano Peixoto, com problemas de saúde aceitou a candidatura de Prudente de Morais e deixou o poder em 1894. Morreu um ano depois, a 29 de junho, isolado da vida política numa fazenda em Barra Mansa, Rio de Janeiro.

Oficial General do nosso Exército e proclamador da República, o “Marechal de Ferro” acunha pelo qual passou à história do nosso Exército e da nossa Pátria, foi o primeiro presidente do Brasil.

O REI, como mantenedor das tradições de nosso Exército, não poderia se furtar a fazer uma justa homenagem a esse personagem ímpar da nossa história, emprestando seu nome a uma de suas alamedas (pátio de formatura).

 

FLORIANO PEIXOTO

 

 FLORIANO VIEIRA PEIXOTO – Empresta seu nome ao local onde o REI,  realiza suas formaturas e recepciona as autoridades que o visita.

  “O MARECHAL DE FERRO” , nasceu no ano de 1839 tem como pontos principais em suas biografia o desempenho de importantes comissões nas operações contra a invasão do Rio Grande do Sul. Em 1865, Floriano comandava o 2º Batalhão de Infantaria, em Bajé (RS), quando foi chamado a participar da Guerra do Paraguai. No comando de uma pequena e improvisada frota fluvial, impediu a junção das tropas inimigas que marchavam pelas margens do rio Uruguai, contribuindo para a retomada de Uruguaiana.

 

De 1878 a 1881, Floriano Peixoto dirigiu o Arsenal de Guerra de Pernambuco, tendo sido, depois, encarregado da inspeção dos estabelecimentos militares de Alagoas. Promovido a brigadeiro em 1882, exerceu o Comando das Armas no Amazonas, em Pernambuco e em Mato Grosso. Governou esta última província de 1884 a 1885, período em que se interessou pela indústria extrativa do mate e combateu índios rebelados.

 

Quando na consolidação da republica recusou-se a obedecer ordens do presidente do Conselhos de Ministros para resistir ao levante das tropas chefiadas pelo marechal DEODORO DA FONSECA (Proclamador da Republica)  Em 25 de fevereiro de 1891. Floriano Peixoto (Consolidador da República) elegeu-se Vice-Presidente da República, com grande maioria de votos, contra o candidato oficial, o Vice-Almirante Eduardo Wandenkolk. No exercício do cargo, foi um dos mais importantes elementos da reação ao golpe de 3 de novembro, quando o presidente Deodoro da Fonseca fechou o Congresso. Após o contragolpe de 23 de novembro, que obrigou Deodoro a renunciar, Floriano Peixoto assumiu o governo do país. Durante seu governo eclodiram a Revolta federalista, a revolta da Armada ao qual reprimiu de forma violenta inclusive com fuzilamentos , o “MARECHAL DE FERRO” , consolidava a Republica que passou às mãos do então eleito Presidente civil PRUDENTE DE MORAIS, em 15 de novembro de 1894.

MARECHAL FLORIANO PEIXOTO

 

Militar brasileiro que exerceu a presidência da República durante três anos ( 1891 - 1894 ). Primeiro Vice-presidente do Brasil, eleito, em pleito indireto, em 25 de fevereiro de 1891, Floriano Peixoto assumiu o governo em 23 de novembro desse ano, após a renúncia do Marechal Deodoro da Fonseca, e permaneceu no cargo até 15 de novembro de 1894.

Durante sua presidência, o Marechal Floriano Peixoto, chamado "o Marechal de Ferro" pelos que apoiavam seu autoritarismo, teve que enfrentar muitas revoltas. A Revolução Federalista, no Rio Grande do Sul, e a Revolta da Armada, chefiada pelos almirantes Custodio de Melo e Saldanha da Gama, foram as mais importantes.

Floriano Vieira Peixoto nasceu no engenho do Riacho Grande, em Ipíoca (Al), em 30 de abril de 1839, Aos 18 anos, decidiu-se pela carreira militar. Assentou praça em 1857 e, em 1861, entrou para a Escola Militar, Em dezembro de 1863, Floriano recebeu divisas de Primeiro-Tenente. Após a Guerra do Paraguai (1864-1870), da qual participou ativamente, sua formação seria completada pela conclusão de um curso de ciências físicas e matemáticas.

Em 1865, Floriano comandava o 2º Batalhão de Infantaria, em Bajé (RS), quando foi chamado a participar da Guerra do Paraguai. esteve presente no desfecho da guerra, em Cerro Corá (1º de março de 1870), quando morreu o ditador paraguaio. Dessa batalha, Floriano trouxe como lembrança a manta do cavalo de Solano Lópes.

 

CHEGADA À PRESIDÊNCIA

 

 Em 25 de fevereiro de 1891. Floriano Peixoto elegeu-se vice-presidente da República, com grande maioria de votos, contra o candidato oficial, o vice-almirante Eduardo Wandenkolk. No exercício do cargo, foi um dos mais importantes elementos da reação ao golpe de 3 de novembro, quando o presidente Deodoro da Fonseca fechou o Congresso. Após o contragolpe de 23 de novembro, que obrigou Deodoro a renunciar, Floriano Peixoto assumiu o governo do país, conservando no entanto o título de vice-presidente

 

DATAS SOBRE FLORIANO

 

30/04/1839-Nascimento de Floriano Peixoto(Marechal Floriano)

30/12/1863-Floriano Peixoto é promovido a 1º Tenente

10/02/1865-Floriano Peixoto assume a 7º Companhia do 2º BI (Bagé-RS)

29/09/1865-Floriano Peixoto é promovido a Capitão

26/10/1866-Floriano Peixoto é nomeado Comandante do 44º de voluntários

09/04/1870-Floriano Peixoto é promovido a Tenente-Coronel

11/05/1872-Casamento de Floriano Peixoto com sua prima, Josina

13/01/1883-Floriano Peixoto é promovido a Brigadeiro

19/04/1890-Floriano Peixoto substitui Benjamin Constant no Ministério da Guerra

19/01/1892-Revolta das fortalezas de Lage e Santa Cruz contra Marechal Floriano Peixoto

29/06/1895-Morte de Floriano Peixoto (Marechal Floriano)

Biografia:

Floriano Vieira Peixoto nasceu de uma família simples em Ipioca, Alagoas, em 30 de abril de 1839, e só conseguiu ingressar na Escola Militar com a indicação de um parente senhor de engenho. Ocupava patentes baixas do exército até a sua participação na Guerra do Paraguai, quando passou a tenente coronel. Encarregado de serviços burocráticos, desde então recebeu o posto de comandante e presidente das armas da província de Mato Grosso em 1884. Dentro da política, ingressou no Partido Liberal e durante o ministério de Ouro Preto ocupou a posição de ajudante-general do exército.

 Nas eleições de 1891 foi eleito vice de Deodoro da Fonseca. Mas Floriano continuava na oposição, apoiando a revolta contra a sua tentativa de instalar um regime ditatorial que culminou na renúncia do presidente e na ocupação do cargo por ele.
        Retirou do poder os interventores dos estados que haviam apoiado as atitudes de Deodoro. A partir daí diversas rebeliões se espalharam por todo o país exigindo o seu retorno ao poder. Entre elas a Revolta Armada e a Revolução Federalista. Com diversas manobras políticas e militares, Floriano foi acalmando as revoluções até que, com o apoio de nações estrangeiras (França, Itália e Estados Unidos) tudo definitivamente se resolveu em outubro de 1893. Graças a suas vitórias contra as rebeliões recebeu o apelido de Marechal de Ferro. Os três anos de seu governo haviam representado três anos de guerras e ditadura militar.
         Com força política suficiente para tentar um golpe e para indicar um candidato, Floriano Peixoto, com problemas de saúde aceitou a candidatura de Prudente de Morais e deixou o poder em 1894. Morreu um ano depois, a 29 de junho, isolado da vida política numa fazenda em Barra Mansa, Rio de Janeiro.

Oficial General do nosso Exército e proclamador da República, o “Marechal de Ferro” acunha pelo qual passou à história do nosso Exército e da nossa Pátria, foi o primeiro presidente do Brasil.

O REI, como mantenedor das tradições de nosso Exército, não poderia se furtar a fazer uma justa homenagem a esse personagem ímpar da nossa história, emprestando seu nome a uma de suas alamedas (pátio de formatura).

 

"O EXÉRCITO SÓ PODERÁ SER DESTRUIDO POR ELE MESMO"

 


Última alteração em 05-15-2014 @ 10:37 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada