Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
ninja.gif
MR-20 - Movimento Redentor 20 de Novembro - Passos dos Palmares
Inserido por: Itauna
Em: 05-16-2014 @ 09:00 am
 

 

MINISTÉRIO POPULAR

CTRH / Nú AE

SOCIEDADE CULTURAL

M R – 2 0

                     SOCIEDADE CULTURAL DO MOVIMENTO REDENTOR 20 DE NOVEMBRO

 

PASSOS DOS PALMARES

 

1597: Primeiras informações escritas sobre a existência de quilombos nos Palmares, uma região de serras e florestas entre o São Francisco e a altura do Cabo de Santo Agostinho (mais de 300 quilômetros), no que era então, o sul da capitania de Pernambuco. Ao longo de um século, constituíram-se as povoações negras de Macaco (oito mil pessoas, perto da atual União dos Palmares – AL), Amaro (cinco mil, perto de Serinhaém – PE), Subupira, Osenga, Zumbi (perto de Porto Calvo – AL), Acotirene, Tabocas, Alto Magano, Curiva (perto da atual Garanhuns – PE) e Danbrabanga.

1602: Início das expedições contra os quilombos.

1630: Calcula-se que vivam nos Palmares cerca de três mil pessoas.

1630-1654: A dominação holandesa em Pernambuco transcorre, na maior parte do tempo, sob guerrilhas dos colonos, desorganizando a produção do açúcar e dando certa tranqüilidade aos quilombolas. No início da invasão, grandes fugas de escravos.

1654: Expulsão dos holandeses com participação destacada de índios (liderados por Felipe Camarão) e negros, comandados por Henrique Dias, ao lado dos combatentes brancos, no que muitos historiadores definem como o nascimento do sentimento nativista brasileiro.

1654-1695: Expedições contra os Palmares são praticamente anuais. Em alguns anos, houve três ataques. Cada tropa era um custo – em pessoal e recursos – para donos de engenhos e povoações, levantando vivas reclamações, o que faria surgir, ao longo do tempo, uma opinião favorável a negociações de paz com os palmarinos. É o período de auge da chamada República Negra, cuja população vai calcular-se em 30 mil pessoas, por volta de 1670.

1667-1670: Aumentam os ataques palmarinos a engenhos e povoações do litoral. Ganga Zumba, nascido nos Palmares, é o Grande Chefe. Possui certa idade, pois já tem neto. Sua capital é o quilombo do Macaco, com oito mil moradores, e lá ele tem uma espécie de corte. Os quilombos formam um estado, co administração, justiça, religião (já sincrética) e força armada centralizadas. A terra é coletiva.

1672-1673: Expedição de Antônio Jácome Bezerra. Cita-se, pela primeira vez, o nome de Zumbi, apontado como o comandante geral das tropas palmarinas, apesar de jovens. É sobrinho de Gang Zumba e também nasceu nos Palmares. É casado e tem filhos. Sua mulher seria possivelmente uma moça branca. Zumbi dirige combates vitoriosos contra Jácome Bezerra, pois sua espionagem no litoral conseguira os planos de ataque do invasor, antes do início da campanha.

1676, maio: Expedição de Manuel Lopes Galvão (que atuava na região desde novembro de 1675) enfrenta forças palmarinas comandadas pessoalmente por Zumbi que é ferido com gravidade. Desde então, ficou coxo.

1676, julho-dezembro:  Ganga Zumba determina terríveis retaliações em todo o sul pernambucano: engenhos são destruídos, canaviais incendiados, povoações assaltadas. Por seis meses, a região é considerada à mercê dos palmarinos. Recife prepara o revide, mas a expedição, por má vontade dos proprietários, demora um ano para se pôr em marcha. Surgem as primeiras vozes a favor de uma negociação oficial com os palmarinos.

1677: Sai a expedição de Fernão Carrilho. Entre os objetivos, fazer refém a mãe Ganga Zumba, em Acotirene, para forçar uma negociação. Carrilho usa tática nova, implantando um forte nos Palmares, de onde lança ataques sistemáticos a todos os quilombos Gang Zumba, ferido a flechadas, escapa com seu irmão Gana-Zona de um cerco em Subupira. Carrilho sofre deserções e não consegue capturar a mãe do Grande Chefe, mas obtém um triunfo maior: prende vários de seus filhos e netos, além de alguns comandantes plamarinos (João Gaspar, João Tapuia, Ambrósio, Ganga, Muissa, Acaiuba). Imensas perdas palmarinas. O desastre só não se consumou porque os colonos recusaram novas contribuições para manter o forte de Carrilho em ação nas serras.

1678: Carrilho volta a Porto Calvo com muitos e preciosos prisioneiros. Solta dois, Mateus Dambi e Madalena, para que voltem e transmitam a Ganga Zumba mensagem em favor da negociação. Do Recife, o governador Pedro de Almeida envia um alferes negro com a proposta ao Grande Chefe: terras, liberdade e direitos a quem depusesse as armas.

1678, junho: O alferes negro retorna ao Recife com embaixada palmarina de 15 pessoas, inclusive outros três filhos de Ganga Zumba, um deles ferido e que ficará sem tratamento. Negociações com Pedro de Almeida, que está deixando o cargo, e com Aires de Souza e Castro que está assumindo. A embaixada aceita a exigência de devolver aos senhores os negros fugidos, conformando-se com terras, liberdade e direitos (negociar livremente seus produtos e serem considerados vassalos da Coroa) somente para os nascidos nos Palmares. No dia 19 de junho, o acordo é solenemente redigido e o alferes e a embaixada retornam, para colher assinatura de Ganga Zumba.

1678, cinco de novembro: Ganga Zumba chega ao Recife para selar o acordo, com delegação de 40 pessoas. Tem recepção solene. Como prova de amizade e respeito, o governador Aires de Souza e Castro anuncia que considerará como seus dois dos filhos de Zumba, que adotam o sobrenome Souza e Castro. Ganga Zumba e moradores de três dos quilombos instalam-se nas terras de Cucaú. Nos Palmares, ficam os que recusam o acordo, liderados por Zumbi, que se torna o novo Grande Chefe.

1678-1680: O Pacto de Recife está destinado ao fracasso. Em Cacau, Ganga Zumba sofre a má vontade dos colonos vizinhos e hostilidades dos palmarinos rebeldes. Ganga Zumba manda seu irmão Gana-Zona conferenciar com o sobrinho Zumbi, tentando convencê-lo à pacificação. Em 1680, como temia Ganga Zumba é envenenado, em meio a uma rebelião que desarticula a experiência da comunidade negra livre de Cucaú.

1680-81: Palmarinos estimulam grande movimento de fugas de escravos e realizam ataques a vilas e engenhos.

1683: Fernão Carrilho, o mesmo da vitoriosa campanha de 1677, é colocado à frente de uma força de 300 homens, para ataque aos Palmares. Favorável a negociações e já dono de uma fazenda de gado tolerada pelos negros na região, Carrilho acaba assumindo o risco solitário de fazer uma paz com Zumbi: seus soldados confraternizam com os combatentes quilombolas. Ao saber, o novo governador, João de Souza, destitui Carrilho, que acaba preso e condensado ao degredo. No ano seguinte, João de Souza reconheceria que negociar seria a melhor solução, mas senhores de engenho lhe impõem a ação militar.

1685: João da Cunha Souto Maior é o novo governador e traz instruções (possivelmente uma carta do rei endereçada ao “Capitão Zumbi dos Palmares”) para fazer um acordo.

1686: Souto Maior manda embaixada e Macaco, oferecendo negociações. Zumbi demora a responder, impõe condições e faz novas exigências, quando as primeiras são aceitas. E mantém as hostilidades contra engenhos e vilas, o que isola politicamente o governador, acusado por todos de falta de ação contra as ousadias palmarinas. Souto Maior cede à pressão e prepara investida. Perdoa Carrilho, que, na prisão de Olinda, aguardava a execução da sentença de exílio, e o nomeia comandante do ataque. Ao mesmo tempo, contata no Piauí o paulista Domingos Jorge Velho – mameluco conhecido como exímio caçador de índios e negros e temido pela violência de seu pessoal – para que venha guerrear os Palmares.

1687-1689: Carrilho ataca. Palmarinos revidam com grandes ataques ao litoral.

1691: Domingos Jorge Velho prepara-se para agir. Fernão Carrilho e o bispo fazem um último esforço junto a Zumbi para uma paz negociada, sem sucesso.

1692: Velho penetra nos Palmares, sem obter decisão.

1694, janeiro: O maior exército até então reunido no Brasil (9.000 homens) invade os Palmares, sob o comando geral de Velho. Confrontos sangrentos. Macaco, a capital, é cercada, no que é apontado como o erro estratégico de Zumbi, que abandonou a já secular e positiva tática da guerra de movimento para adotar o estilo estático, de defesa de posições, confiado nas instransponíveis muralhas de madeira e pedras que protegiam a capital. Velho pede reforços e artilharia.

1694, três de fevereiro: Em marcha forçada, uma guarnição chega de Porto Calvo com três canhões, arma nunca usada nos Palmares.

1694, madrugada de quatro para 5 de fevereiro: Canhões são posicionados numa elevação que domina Macaco. Zumbi manda executar a sentinela que não percebeu a manobra fatal.

1694, madrugada de cinco para 6 de fevereiro: Coluna de palmarinos, sob a chefia de Zumbi, tentar escapar de Macaco pela beira de um precipício, possivelmente para realizar um ataque pela retaguarda dos sitiantes. A ação é percebida pelo grupo chefiado por Bernardo Vieira de Melo e a coluna, atacada: centenas de palmarinos despencam no abismo. Outros 500 são mortos na luta aberta. Zumbi escapa.

1694, manhã de seis de fevereiro: Os canhões entram em ação e arrasam as defesas de Macaco. Tropas invadem a cidadela e o massacre se estende por todo o dia. Somente 510 são poupados. Destruída a capital, os dias seguintes são dedicados à eliminação dos outros quilombos próximos. O grosso da tropa deixa os Palmares, onde ficam apenas Domingos Jorge Velho e seu pessoal, com a missão de completar a desarticulação palmarina. A vitória é considerada tão importante quanto à de 1654 contra os holandeses.

1694, dezembro: Novos ataques negros no sul de Pernambuco, Domingos Jorge Velho calcula que fugitivos dos Palmares sejam dois mil, agindo em pequenos grupos. Aumentam notícias sobre Zumbi, que muitos consideravam morto na batalha do despenhadeiro.

1695: Em meados do ano, Zumbi é visto, muito abatido, num ataque à vila de Penedo, perto de São Francisco, onde procurava armas e munição.

1695, novembro: Moradores de Penedo capturam Antônio Soares, que liderava um grupo de ataque na região. Um dos comandantes das tropas de Velho, André Furtado de Mendonça apossa-se do prisioneiro, quando ele estava sendo conduzido ao Recife. Submete-se a torturas, para que indique o refúgio de Zumbi, sem sucesso. Muda de tática e garante-lhe a liberdade, obtendo então a informação.

1695 20 de novembro: Antônio Soares chega ao acampamento de Zumbi, na serra Dois Irmãos, e é recebido amistosamente pelo líder. Aproxima-se e o esfaqueia. Os paulistas avançam e massacram a pequena guarda pessoal. Zumbi é degolado e a cabeça levada para o Recife, onde fica pendurada num poste até consumir-se.

1697-1704: Restos palmarinos esparsos seguem, possivelmente, um líder chamado Camoanga, presumivelmente morto num combate em 1704, em Serra Negra, quando uma coluna de 60 negros foi dizimada.

1707: Criadas três guarnições fixas para melhor combater os restos de rebeldia no sul pernambucano: Arraiais de Nossa Senhora das Brotas, São João Caetano de Jacuípe e Cucaú.

 

"UNIR PARA EXPANDIR"

 

 

 

 


Última alteração em 05-16-2014 @ 09:08 am

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada