Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
A Estrela do Duque de Caxias
Inserido por: ClaudioBento
Em: 07-03-2006 @ 10:05 pm
 

 

O Cometa brilhante de 1843,a ” Estrela de Caxias” pintado no Rio de Janeiro em 1843  por José dos Reis Carvalho, mestre de Desenho da Escola Naval .Pintura que se encontra em mau estado no IHGB. Foi  por nós fotografada e restaurada com auxílio de computação, pelo Capitão de Fragata Carlos Norberto Stumpf Bento, webdesigner do site da AHIMTB .  www.resenet.com.br/users/ahimtb. 

Em 9 nov 1842, precedido da justa fama de pacificador do Maranhão, Minas Gerais e São Paulo, o Barão de Caxias assumiu a Presidência e o Comando das Armas da Província do Rio Grande do Sul, com a missão de a pacificar ,depois de  8 anos de luta fratricida.

Tomou as medidas para apoiar a sua campanha e sair em campo, conforme abordamos em O Exército Farrapo e os seus chefes.(Rio de Janeiro:BIBLIEx,1993.2v).

 O Exército que iria  comandar, encontrava-se no Passo São Lourenço, no rio Jacuí, a montante de Cachoeira do Sul e a pé. Para remontá-lo executou ousada, incruenta e feliz manobra, ao transportar ,por terra, desde o Rincão dos Touros em Rio Grande, passando por Pelotas, São Lourenço, Camaquã e Tapes, 7.000 cavalos para reconquistar a mobilidade daquele Exército que lhe caberia comandar.

Ao iniciar, em 19 mar 1843,  sua marcha de Cachoeira - São Gabriel, seus  soldados divisaram nos céus um fenômeno jamais visto. Era um enorme cometa que os soldados logo batizaram- É a boa estrela do nosso general barão de Caxias !É a Estrela de Caxias !

E o imaginário popular entrou em cena! E a nova se espalhou pelo Exército como um rastilho de pólvora .E foi sendo passada ao povo gaúcho, em caminho, não demorando a chegar nos acampamentos dos farrapos em Alegrete ,onde eles  haviam se reunido em Constituinte, e o fenômeno os levou  a crer ser um mau presságio à causa!

O cometa possuía um enorme cauda apontando justo para o Alegrete. Foi vista enquanto durou a marcha de Caxias, de 16-30 mar 1843, no itinerário Cachoeira- São Sepé- São Gabriel- Alegrete-Santana. E neste local chegaram  em 30 de março ,Caxias, o seu Exército e a sua “Estrela “.

Sobre este fenômeno pedimos ao grande astrônomo Ronaldo Rogério Mourão, cientista pela Sorbonne e de renome internacional e nosso confrade no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB)que fizesse uma comunicação ao NEPHIM(Núcleo de Estudos e Pesquisas de História Militar ),do Instituto de Geografia e História Militar, que coordenávamos, no que fomos prontamente atendidos.

Sintetizando sua elucidativa explicação científica da “Estrela de Caxias”, que os soldados e o povo gaúcho tomaram como um sinal de sorte e fortuna para Caxias e, alguns farrapos, como um mau presságio para a causa que há 8 anos defendiam.

O que no Rio Grande foi denominada “Estrela de Caxias” que em realidade foi designado nos anais de Astronomia de Cometa Brilhante de 1843. Ele foi um dos mais notáveis que apareceram de 1800-1899.Tal era o seu brilho intenso que foi observado à luz do dia em diversos pontos do globo terrestre. Ele foi descoberto em 5 fev 1843. Foi observado na Europa em 17 e 18 mar 1843. Nos EUA a sua última observação foi em 19 abr 1843. No Rio de Janeiro astrônomos o observaram de  8 fev-3 abr 1843.

O Cel Pedro de Alcântara Bellegarde ,diretor da Escola Militar do Largo do São Francisco o estudou do Observatório Astronômico da Escola. Ele estimou sua cauda de tamanho igual ou maior do que a distância Terra- Lua, mas em realidade era o dobro desta distância, ou 323 milhões de quilômetros. Bellegarde previu até a colisão da Terra com a cauda do cometa, cujos efeitos seriam inapreciáveis por constituída de gazes.

O cientista D.Pedro II também o observou e afirmou que a cauda quase atingia o zênite.

O Cometa Brilhante de 1843 ou a “Estrela de Caxias”, foi pintada por José dos Reis Carvalho, mestre de Desenho da Escola Naval.

Esta pintura encontra-se em mau estado no Museu do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, na Lapa, no Rio. E na mesma dependência da invicta espada de 6 campanhas de Caxias e do seu binóculo com o qual acompanhou impressionado no Rio Grande do Sul  o cometa que passou à tradição e ao folclore  gaúchos como  a ”Estrela de Caxias.”

Decorridos 4 anos do aparecimento da “Estrela de Caxias”, o barão de Caxias foi admitido, em 11 mai 1847, no Instituto  Histórico e Geográfico Brasileiro(IHGB) ,como sócio honorário. Entidade que desde 1925 abriga como a sua maior relíquia ,a espada de campanha de Caxias, da qual, o hoje Espadim de Caxias ,arma distintivo  do cadete do Exército, ,criada em 1931,pelo então cel José Pessoa , é cópia fiel reduzida.

Sobre o Cometa Brilhante ,ou “Estrela de Caxias” Dutra Mello escreveu:

“Oh! quem diz que não são núncios do Eterno!

Oh !quem me diga que um tal astro um ser não possa,

O anjo do Sistema que passeia,

Visitando os domínios que dirige ?”

Indiscutivelmente , durante e após o aparecimento da “Estrela de Caxias” este teve muita sorte. Conseguiu consolidar a Unidade Nacional, em 1 o mar 1845 com a Paz de Ponche Verde em condições honrosas.

Foi eleito pêlos gaúchos senador vitalício, cargo que exerceu por cerca de 30 anos Eleição não por méritos políticos ,mas por reconhecimento e gratidão dos gaúchos, cuja psicologia e valores apreendeu e com eles bem se comunicar, ao ponto de certa feita dizer a seu grande amigo General  Osório e até de certo modo seu confidente, ao lhe encarregar de mobilizar o 3 o Corpo de Exército no Rio Grande ,para a Guerra do Paraguai em 1866:

 ”- Fale a estes guascas(bravos, destemidos, intrépidos) naquela linguagem que nos dois sabemos falar!”

O seu mandato de senador pelo Rio Grande lhe assegurou condições para chefiar o Governo do Brasil por mais de 4 anos ,como Chefe do Gabinete de Ministros; ser Ministro da Guerra por mais de 6 anos e, o Comandante– em- Chefe dos brasileiros em duas guerras externas em que estiveram em jogo a Soberania e Integridade do Brasil.

Foi um  brasileiro providencial! Se pode até afirmar sem erro que o século XIX foi o Século de Caxias no Brasil!

Falou-nos o ilustre astrônomo sobre a” Estrela de Caxias!” O que teriam a dizer-nos sobre ela os astrólogos ? Aguardemos !!!

(x)Presidente da Academia de História Militar Terrestre do Brasil e do Instituto de História e Tradições do Rio Grande do Sul e presidente emérito e fundador das academias Resendense e Itatiaiense de História.

 


Última alteração em 07-03-2006 @ 10:06 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada