Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
CRUZAUM - Cartilha nº 20
Inserido por: Itauna
Em: 05-23-2014 @ 10:09 am
 

 

 

MINISTÉRIO CRISTÃO

SISTEMA D´AUMBHANDAN

UMBANDA INTEGRAL

 

Cartilha nº 20

 

O ÁTOMO É A PARTÍCULA DO MUNDO MATERIAL

 

Sempre que comparecemos a um qualquer evento em que ali vão duas, ou três ou muito mais homens e mulheres, não adquiriram ainda o costume de primeiramente colocar em evidência no pensamento o que somos: espírito, alma e localizado em cada um corpo.

A espécie de matéria de que um corpo é agregado pela energia espiritual atômica recebe o nome de substância. Ora, aquilo que obtem massa corpórea e ocupa lugar habitado no espaço recebe o nome de elemento material. Evidentemente, nós não somos o corpo, elemento material, e sim somos aquilo chamado alma, energia espiritual atômica. A alma é, portanto, a partícula infinitamente invisível. E qualquer elemento da matéria é formado ou agregado de partículas infinitamente pequenas, chamadas átomos. As partículas atômicas podem ser tangíveis ou parecem visíveis. Então por que são admitidos na comunidade científica especialistas que não crêem na onipresença do princípio ativo, a energia espiritual atômica chamada alma antimaterial? Ninguém compreende até hoje!

Todo corpo físico que se presta a uma determinada finalidade constitui um objeto, principalmente o homem ou a mulher.

A matéria se transforma por inteiro em 6 (seis) fases: nascimento, crescimento, agregação, produção de sub-produtos, desagregação e morte.

A substância conforme citamos acima é a unidade fundamental que cientificamente exprimimos no seguinte postulado: Tu és Aquilo – a partícula antimaterial –, podendo ser aquilo um mineral, um vegetal, um animal irracional, um animal racional chamado homem ou mulher, um anjo, um deus, um orixá, ou o próprio Criador incriado. Ora, isto não é teoria; isso é realidade permanente.

Morte. O mais misterioso, incansável e inevitável juiz implacável dos corpos físicos. A morte significa o juízo final reconhecida da Ciência de Deus e de todas as almas imortais. “O corpo nunca vive e a alma nunca morre”.

“A consciência é a prova inequívoca da onipresença da alma, que se encarrega da manutenção ou agregação da vida na gênese humana”. (Aumbhandan).

A morte, então, meramente, reabre a porta estreita para, novamente, tornar a mesma alma mudar-se para uma outra morada corpórea na existência terrestre.

Na sociedade humana, sempre que muitas personalidades não estando em contato com o dia-a-dia da Natureza nem com seus elementos fogo, água, terra, ar e éter, além de esquecidas do conhecimento primordial, acham que está na moda ridicularizá-los... E somente aceitam as coisas que vêem, tocam ou medem. Ou, como ouvem dizer “Ver para crer”.

Os aliados da comunidade científica não foram, ainda hoje, bem sucedidos em explicar de maneira convincente, nas pesquisas de laboratório, o mistério da consciência ou seu destino após a destruição do corpo humano durante a morte. A pesquisa nesse campo produziu até hoje muitas teorias divergentes, mas suas limitações devem ser reconhecidas nessas espécies da porção limitada de matéria propriamente ditas.

Não concluíram ainda que a vida mesma parece desenvolver e decair a partir da morte. Mas, na realidade, ela simplesmente submete-se em cada uma das muitas existências as seis transformações anteriormente já mencionadas. No entanto, muitos agentes especializados no assunto em pauta estabeleceram de certo modo um modelo para o átomo, segundo o qual ele é formado por três tipos fundamentais de partículas: elétrons, prótons e nêutrons.

Os prótons e os nêutrons formam a parte central ou núcleo do átomo: ao redor do núcleo giram os elétrons, que constituem a eletrosfera – a parte exterior chamada pelos mesmos elétrons.

 

Eis aí um modelo de átomo de sódio,

apenas como exemplo.

 

Conforme as observações clarividentes Annie Besant e Carlos W. Leadbeater, ambos responsáveis da publicação da obra “Química Oculta”, sustentam as pesquisas investigativas em laboratório da química acadêmica quando conclui que os elétrons mudam de posições e podem passar para acasalamento com a eletrosfera de outro átomo.

Desta mesma forma os elétrons podendo mudar de posição, passam com uma quantidade menor de massa que os prótons e os nêutrons. Estima-se que a massa de um elétron seja 1.840 vezes menor que a de um próton.

Tanto os prótons quanto os elétrons possuem carga elétrica, mas a carga elétrica de um elétron comporta-se de maneira oposta ou contrária à carga de um próton. (Não seria isso mesmo que ocorre durante o ato da concepção sexual corpórea entre um homem e uma mulher?) Ficou convencionado então que a carga ou quantidade energética dos elétrons é que chamamos “carga elétrica negativa” e a carga ou quantidade energética dos prótons, “carga elétrica positiva”.

“Os deuses pensam e agem de certa forma inteiramente diversa dos homens. Os pensamentos dos homens são imagens ou fantasias; os pensamentos dos deuses são seres vivos”. (Aumbhandan)

Evidentemente, o gérmen de ser humano tinha sua existência previsível já no princípio ativo solar, o Sol primevo, sob a forma de um embrião físico-etérico. Começou existir então desde as priscas eras como um verdadeiro ser vivo, tendo a projeção de uma forma elementar astral sob a modelagem de uma nuvem (fumaça) originalmente do fogo – princípio sobre a terra. E sobre a terra que o ser humano conquistou aí a consciência de seu desenvolvimento incipiente e de seus órgãos físicos densos e espirituais.

Então a comunidade científica atual aceita apenas o aprendizado da carga dos prótons de quantidade energética positiva e da carga dos elétrons de quantidade energética negativa.

Isto posto, preliminarmente, fazem com que  os fiéis umbandistas, por assimilação, firmem-se no melhor conhecimento primordial dos deuses e em seus pensamentos, e partam sempre do gérmen do ser vivo tendo a forma astral originária do fogo-princípio sobre a terra. Isto não é teoria; isso é um fato real. Primeiramente, devemos compreender a alma essa desconhecida. A alma é um deus pequeno. Compreendendo a amostra, então podemos conhecer e compreender o Todo atrativo...

Os elétrons da eletrosfera distribuem-se em camadas eletrônicas. Essas chamadas são em números de 7 (sete), no máximo, e hierárquica e alfabeticamente são designadas pelos caracteres ou letras do conhecimento humano intemporal.

A quantidade energética dos elétrons determina um nível de energia, que recebe UM VALOR NUMÉRICO CHAMADO NÚMERO QUÂNTICO. Os elétrons de cada uma camada, dentre as sete, possuem uma quantidade de energia sempre inferior à da camada seguinte. Por exemplo: a quantidade energética de um elétron da camada K é menor ou inferior do que a de um elétron da camada L: um elétron da camada L tem uma quantidade de energia inferior à de um elétron da camada M; e assim por diante até a de um elétron da camada Q.

Vimos sendo informados que o público leitor do sistema Aumbhandan e até alguns estudantes dos diversos graus de escolaridade, estão reconhecendo agora ter alcançado um melhor conhecimento social, político e cientificamente religioso em cima do comum dos ensinamentos, no território nacional.

As partículas infinitamente microcósmica estão intimamente próximas devidas à intensa atração, e graças a um poder místico onipresente do princípio ativo único antimaterial, a porção espiritual atômica. Do contrário a outra porção limitada de matéria só constitui um corpo morto. Porém, todo corpo vivo que se presta a uma determinada finalidade constitui uma coisa existente. Neste sentido, coloca-se em evidência a porção espiritual atômica, chamada alma – a centelha divina. Tendo-se compreensão da amostra, então cada um de nós pode conhecer e compreender o Todo-atração... Proprietário de tudo.

MUDANÇAS DE ESTADO DA MATÉRIA

 

 

Estes conceitos doutrinários são apurados junto os orixás de Umbanda típica do Brasil pelos fiéis umbandistas, desejando melhor compreensão das mudanças de estado das espécies de matéria de que um corpo é formado ou agregado e receber o nome de substância (atômica, subatômica, superetérica, etérica, sólida, líquida e gasosa).

As pesquisas investigativas do cientista e filósofo Heráclito observavam que através do elemento fogo subjaz a partícula antimaterial do princípio ativo fecundador de toda Natureza, sendo de suas transformações, que dar-se-ão as seis fases de mudanças de todas as coisas e de tudo, e de maneira infalível.

O elemento fogo é, inicialmente, a porta estreita pela qual penetra a energia espiritual atômica do exterior no interior dos seres humanos e de tudo. Eis aí está descrita a prova incontestável da medida orgânica da gênese humana. “Tudo está acontecendo durante a existência atual dos seres vivos e dentro de suas formas de vida criadas”. (Aumbhandan) Neste sentido, os pensamentos imagináveis de mundo divino, mundo monádico, mundo espiritual, mundo intuicional, mundo mental, mundo astral, mundo estérício, mundo físico moram nos seres existentes e com os seres existentes aqui agora.

“Com certeza e em verdade, o que é em cima é como o que está em baixo, perfazendo o grande milagre de uma coisa única sob Deus”. (Thoht)

Pensemos agora, então, num corpo sólido, onde as partículas atômicas se encontram agregadas. Aquecendo-se este corpo (o gelo, por exemplo), as suas partículas se movimentam com maior velocidade, distanciando-se umas das outras. Dessa forma fragiliza-se a força inicial de atração que havia entre tais partículas. Disso resultou que a anterior estrutura do que era sólido degenerou-se e aquilo que tinha massa sólida se muda em um outro estado da massa matéria, chamada matéria líquida, uma vez que não se perdeu nada da Natureza. Será que as outras lideranças religiosas (católicas e protestantes) insistem em negar este conceito científico do renascimento dos estados corpóreos da matéria? Lembremo-lhes que “os corpos nunca vivem e as almas nunca morrem”. Isto não é teoria de umbandista inculto; isso é a realidade permanente. Aquele que tiver noção mínima da química acadêmica, reconhece a Sabedoria primordial da Umbanda Integral na atualidade.

Por um semelhante processo científico, à mesma matéria líquida muda-se a porção espiritual atômica para um outro estado chamado gasoso. Obviamente, o fogo-princípio ativo aquecido se condensado torna-se vapor; este vapor tomando consistência, novamente, torna-se água; a água, pelo efeito e causa de nova condensação, torna-se terra (isto é, o estado sólido – o corpo propriamente dito).

Conclusão deste conceito científico: “O movimento de alto a baixo: - Inversamente, a terra, rarefazendo-se, mudar-se-á em água, da qual virá pouco a pouco todo o restante, por meio da vaporização que se opera em sua outra superfície. Assim se descreve o movimento de baixo para cima”.

Não se descarta em nenhum momento a precedência de um poder místico agindo através da invisibilidade junto, atrelado, a partícula antimaterial, quantidade de energia espiritual atômica em tudo e em todas as coisas existentes.

O elemento fogo é, não somente o princípio vivificante, do mesmo modo também o princípio dissolvidor das várias partículas infinitamente microcósmicas, chamadas átomos.

Diante desta exposição incontestável, o universo material foi fecundado (desvirginado) pela Providência através do fogo-princípio consumidor, e pelo mesmo fogo o universo inteiro deve ser destruído. O mundo material ilusório aparentemente  visível, também, gerado como sub-produto do universo deve se dissolver pelo fogo ou calor.

O elemento fogo ou calor sendo um estado imediatamente mais sutil e mais finíssimo que o ar, é conhecido esotericamente e recebe o nome de éter primordial. Poder-se-ia chamá-lo “matéria radiante”, segundo a observação acadêmica dos Crookes. Descobre-se, então, a origem das fotos kirlens, por assimilação, alcançadas do duplo etérico.

Compreendendo esses conceitos básicos das mudanças do princípio ativo, a centelha espiritual atômica dos estados corpóreos do mundo material, o leitor assíduo pode entender agora por que do corpo, alma e do homem-espírito, e das mudanças de estado físico e da transmigração da alma imortal.

Fusão – É a passagem de uma substância corpórea sólida para a líquida, pelo aumento de temperatura (calor). O corpo sólido que recebe a fusão funde-se sempre a uma temperatura determinada. Enquanto dura o processo de fusão, o calor se mantém constante na substância. É o que chamamos de “ponto de fusão”. Isso é o que está acontecendo nos laços de família, mediante a similaridade, entre homem e mulher.

Solidificação – É o contrário da fusão. Podemos definir a solidificação como à mudança de uma substância corpórea do estado líquido para o sólido, ocorre pelo abaixamento de calor (temperatura). Pensem nisso todos os casais. Mantido um ou outro até formar gelo, a partir daí, para um processo de solidificação. Estando a vários graus acima de zero, começa a baixar de temperatura até atingir 0o grau...

Vaporização – É a passagem de uma substância corpórea de estado líquido para o de vapor, pelo aumento de temperatura.

Sublimação – É a passagem direta do estado sólido para o de vapor e vice-versa. Percebe-se a existência de substâncias que, quando recebem calor, se transformam em vapor, sem passar pelo estado líquido. Mas quando os vapores dessas substâncias se chocam com uma superfície fria, acontece o inverso: cristalizam-se.

mudanças de estado de uma substância

Os fiéis umbandistas, ao longo dos anos, vieram estudando e pesquisando esta doutrina junto os orixás, podendo perceber que através do mundo material os sete graus de ordens densificadas, a saber: atômico, subatômico, superetérico, etérico, gasoso, líquido e sólido.

 

OS ELEMENTOS QUÍMICOS

 

Estima-se que o nosso organismo é conformado de 78% de água por 22% de sólido. Começamos nosso dia-a-dia e quase não nos lembramos que os elementos químicos são próprio do organismo do homem ou da mulher.

Não se sobrevive sem pelo menos dois elementos fundamentais: o hidrogênio e o oxigênio. Caso contrário, depara-se um corpo morto. Pois não se vive sem água. Neste sentido, começamos compreendendo a importância dos elementos químicos sob os conceitos científicos de Deus. “Sem Mim nada podem os homens”.

Partimos das substâncias simples formadas por um tipo de átomo. Por exemplo, o hidrogênio é um elemento químico universal que apresenta propriedades singulares. É um gás combustível, incolor, inodoro, insípido e pouco solúvel na água.

Os átomos são diferentes uns dos outros e podem ser identificados por seus números atômicos: todos os átomos de hidrogênio têm número atômico igual a 1. Todos os átomos de nitrogênio (N) têm número atômico igual a 7.

A partir desses conceitos doutrinários, podemos assegurar que é um elemento químico.

Concluímos: o elemento químico inerente a gênese humana e, como conseqüência, a toda a manifestação dos espíritos para a prática de misericórdia, é um conjunto de átomos físicos que têm o mesmo número atômico. Isto é conhecimento de Espiritualismo científico de Deus; isso é compreender Umbanda à luz dos elementos da natureza.

Diante desta exposição irrefutável, com o desenvolvimento e avanço da escalada científica, progredindo na mesma escala a religião universalista deste país, outros elementos foram sendo descobertos. Com isso, veio a necessária classificação dos elementos químicos na atualidade.

Sabemos quanto é meritório reconhecermos o esforço e a dedicação de um outro cientista célebre Jons Berzelius, o pioneiro da classificação dos elementos químicos (1814). Nesse tempo, ele dividiu-os em metais e metalóides. Hoje em dia o termo metalóide, considerado impróprio pelos químicos modernos, foi substituído por ametal ou não-metal.

As propriedades dos metais são muito diferentes das dos ametais. Por exemplo, os metais são eletropositivos: seus átomos têm tendência a perder elétrons. os ametais são eletronegativos: seus átomos têm tendência a ganhar elétrons.

Criou-se, com isso, a necessidade da classificação dos elementos químicos, agrupando os que possuíssem propriedades semelhantes. Continuando a descoberta de novos elementos, com algumas partículas materiais de propriedades às dos metais e outras semelhantes às dos não-metais, criou-se um novo grupo: os semimetais.

A Linguagem dos Símbolos – Cada elemento químico possui um nome e um símbolo que  o identifica. Conhecemos alguns desses símbolos por meio dos quais sabemos seus nomes, como o do hidrogênio (H), o do oxigênio (O), o do cloro (Cl), o do carbono (C), o do mercúrio (Hg) e outros.

 

USO DAS SUBSTÂNCIAS ORGÂNICAS

 

Todos nós seres humanos somos os mais consumidores da produção industria de doces que usa glicose, sacarose, chocolate, mel, coco, e muitas outras substâncias de origem vegetal e animal na fabricação de bombons, balas, etc.; são porções dos alimentos fazendo parte do nosso dia-a-dia alimentar. Desse mesmo modo algumas substâncias orgânicas integram a oferenda de fé dos fiéis umbandistas ao Criador Supremo, em respeitosa retribuição a Deus, no exemplo de Abel, e em obediência o prescrito no Antigo Testamento, livro de Isaías, capítulo LVI: 1 a 7.

A prioritária de todas as observâncias é “a oferenda de fé em todas as suas ações a Deus”, literalmente o fato de depositar todo retoagir perante o seu Criador Supremo, Oxalá, de colocá-la a seus pés e em um ambiente específico.

Oxalá através da Suprema Personalidade do Senhor Jesus Cristo é o Todo-misericordioso, Todo-compassivo em seu aspecto de poder místico, e, ainda que nada tenha a atingir ou a desejar, sempre adota no princípio de cada manifestação de natureza cósmica uma “forma plasmada” de pura Bondade, isento de qualquer escravização a todas as coisas do mundo material, para comunicar aos seus fiéis o conhecimento perfeito a expressar toda Escritura divinamente inspirados.

A cada dissolução do Universo material, essa “forma plasmada” de luminosidade e de inteligência incomparavelmente superior é reabsorvida no mundo material, para dele emergir novamente no momento da nova gênese humana. Ele assume esse “corpo”, mas não é absolutamente afetado pelo mundo material.

 

USO DAS SUBSTÂNCIAS INORGÂNICAS

 

Ao lembrarmos dos minerais, estamos tendo oportunidade de verificar o emprego dessas substâncias inorgânicas na produção industrial. Vemos que os utensílios domésticos são feitos do ferro, do zinco e do alumínio e outra fabricação de chapas, barras e outros. Vemos também que o ouro, a prata e as pedras preciosas são usadas na indústria de jóias, e que o cobre é empregado na fabricação de fios elétricos, etc.

Assim, a indústria utiliza largamente as substâncias inorgânicas  para a produção de uma variedade muito grande de produtos, e para a exploração e uso de todos os seres humanos. Mas será que lembramos de agradecer a Deus, diariamente, o único Proprietário de tudo? Ele nos doa todas as coisas existentes no mundo material, sem exigir pagamento algum em troca. Então como explicar a cobrança do dízimo? Este tipo de exigência financeira, é parte da exploração imposta segundo os preceitos dos homens (ver no Antigo Testamento, livro de Esdras, capítulo VII: 12 ao 26) séculos afora. É esse o “trabalho de evangelização”, por exigência politicamente das lideranças protestantes aos seus seguidores! A partir dessa medida eminentemente política, todos os reis dessas ocasiões impuseram a cobrança dos dízimos até mesmo aos profetas (ver o livro de Malaquias, capítulo III: 10-11). Caso não cumpram, todo aquele que não observar essa imposição política (Esdras, capítulo VII, versículo 12) citada na lei do governante (Esdras, cap. VII, versículo 26), seja condenado à morte, ou ao desterro, ou a confiscação de bens ou a prisão. Isso é um caso de investigação policial para os dias atuais!!! É uma vergonha! Há quem cumpre este estelionato ainda hoje, e julgue que seja o dízimo (dinheiro) a oferenda obrigatória a Deus; prestam serviços as suas lideranças religiosas apenas, mas não ao Senhor Jesus. Ele nunca exigiu nada em troca, a não ser a retidão para alcançar lugar no apostolado para a consciência de Cristo. “Deus é os detalhes e as almas estão nos detalhes”. Não lhe escapa nenhum ato ilícito ou lícito cometido pelos habitantes sobre a terra. O Senhor é Justiça Nossa! Eis aí está descrita a verdadeira Ação Missionária de Evangelização Mundial, proposta do sistema Aumbhandan. Isto não é teoria; isso é um fato já publicado.

USO DAS SUBSTÂNCIAS SINTÉTICAS

 

Após ter à disposição da gênese humana uma variedade muito grande de substâncias orgânicas e inorgânicas próprias da Natureza, o homem foi quem começou a transformar essas substâncias, obtendo outros tipos de materiais que, por serem produtos feitos artificialmente, foram chamados de substâncias sintéticas. Podem muitos brasileiros desconhecer, ainda hoje, que são usuários destas substâncias sintéticas, mas lhes faremos saber alguma fabricação desses tipos de materiais: borracha sintética empregada na fabricação de sola de sapatos; tintas que servem para cobrir a superfície do material que se quer tingir; corantes extraídos dos vegetais e dos animais e podemos citar o pau-brasil (vermelho) roubado do território brasileiro desde 1.500 até os dias atuais; e o fruto do urucum (alaranjado); os corantes sintéticos mais comuns são os derivados da anilina; sacarina que é um açúcar sintético usado por homens ou mulheres portadores da doença chamada diabete; detergentes utilizados para dissolver as gorduras e removê-las; e muitos outros.

A comunidade científica considera o francês Antoine Laurent de Lavoisier o fundador da Química moderna, isto é, da química acadêmica baseada em experiências científicas laboratoriais. Na antiguidade, os sábios realizando as pesquisas investigativas através da Química, foram muito além dos métodos científicos, aplicavam a magia e fórmulas da metafísica, e não adotavam a base experimental. Sempre souberam basear-se na Ciência de Deus, na imaginação e na crença de um poder místico sobrenatural e no princípio ativo sobrehumano de certas substâncias.

A fundamental contribuição do cientista francês Lavoisier foi a Lei da Conservação da Massa. Pode ser entendida ainda em sentido mais abrangente. Por exemplo, cada um dos homens já pensou que a matéria de que são formados os seres vivos não desaparece depois que eles morrem? Por que ninguém das lideranças científicas, religiosas ou políticas questiona este disparate? Ainda hoje, os intelectuais apoiam-se baseados nesta idéia falsa de que a vida nasce da matéria. Desde o ano de 1794 – a época da morte de Lavoisier – todo o mundo da ciência e da tecnologia acadêmicas estão achando que a criação é produzida por algum método químico ou biológico. A comunidade científica baseia-se em uma teoria errada.

“Espírito é Deus” (ver o Evangelho segundo João, capítulo IV, versículo 24) Ora, o ser vivo é Deus ou Espírito, isto é, a vida. Assim é que nós, os fiéis umbandistas exigimos que todas essas modernas teorias erradas trazidas para o ensino público brasileiro sejam corrigidas publicamente. Do contrário, o índice de violência e criminalidade tende aumentar mais e mais. A solução última para essa tragédia da ciência acadêmica dar-se-á a partir dessa correção.

Enquanto isso, todos os nossos estudantes no território brasileiro continuam sendo enganados, pois a própria lei mutável do cientista francês precisa ser corrigida literalmente: Na natureza nada se perde, nada se cria, tudo se transforma, Lavoisier deixou claro, não teria alcançado o aprendizado seguinte: É a matéria que se transforma nas seis fases já mencionadas, e não a vida. A vida vem da Vida do Criador incriado: é a matéria apenas que se transforma. A vida mora temporariamente dentro da matéria, mas ela não passa por essas seis fases de transformações materiais. A vida parece desenvolver-se e decair, mas na realidade ela simplesmente transmigra para um outro corpo à hora da morte. Então o corpo “velho” morre e a alma penetra em um novo corpo material. Primeiramente, vamos começar compreendendo a alma. A alma é um Deus pequeno, é a vida. Se entendermos a amostra, então cada um de nós pode compreender o Todo-atrativo. Este é o que cria. Lavoisier mostrou desconhecer esta realidade.

O cientista Lavoisier morreu guilhotinado aos 51 anos de idade (1743-1794), e só a partir destas pesquisas investigativas do fiel umbandista aquela  alma regozir-se-á com os fiéis umbandistas pela proposta de correção dessa teoria falsa aceita durante séculos na comunidade científica.

A ORIGEM DA ALMA

Com o elemento fogo, a matéria torna-se alma. A luz do mundo material é, portanto, realidade invisível. Indo do fogo-princípio à luz do mundo, adentramos no invisível mundo material etérico, e com a mesma energia espiritual atômica chamada vida, alma imortal. O inverso sucede através da fumaça procedente do fogo-princípio. Os arranjos em virtude da atomicidade de massa do meio ambiental não só os orixás de Umbanda e também os clarividentes vêem por meio da fumaça saída, ora de um charuto utilizado por nativos Caboclos, ora de um cachimbo dos antepassados “Pretos-velhos”, ora das cigarrilhas e até dos aperitivos contendo agregada uma mistura de substâncias, segundo a espécie extraída dos átomos específicos, podem explicar outra formação de moléculas combinando uns com outros componentes da matéria etérica. Queimando-se umas velas, podem-nos fazer saber outras “presenças” etéricas e a passagem do mundo material para o espiritual, produzindo a luz. Aí há sabedoria! Essa mudança de estados ou mundos passando do material para o antimaterial (espiritual) se embaça pela opacidade da fumaça de charutos ou cachimbos, por exemplo, sendo utilizados pelos guias espirituais. Com a fumaça, o fogo insere um “ente espiritual” nas partículas atômicas da matéria. Nesse sentido, não nasceu nada isoladamente. A matéria fecundada da vida. Sim, a vida vem da matéria.

Todo avanço ou progresso tem um  custo, mas se paga por um retrocesso inverso e proporcional. Aí onde se produz a luz, produz-se também a sombra. Com isso, explica-se o Ser vivo a saber: a verdadeira luz que, vinda ao mundo material, ilumina a todo homem e a tudo...; a todos quantos o aceitaram, deu-lhes o poder de serem constituídos filhos de Deus, a saber: aos que crêem no seu nome; os quais vieram de Deus (ver no Evangelho segundo João, capítulo I: 9, 12-13). Essa é uma das sentenças  que basta para revogar a teoria falsa de Lavoisier.

Passaram-se 309 (trezentos e nove) anos da morte de Lavoisier (1794-2003), e veio prevalecendo essa lei francesa, com vigência no ensino público brasileiro, a saber: essa teoria errada perigosíssima que a matéria de que são formados todos os seres vivos não desaparece depois que “todos os seres vivos morrem?” A matéria apenas se transforma. (Nós, os fiéis umbandistas, contestamos esta teoria absurda. A população brasileira atual confirma a contestação, os seres vivos, isto é: Deus, Espírito, Alma seriam então formados da matéria? Espírito, Deus, Alma morreriam mesmo? Os brasileiros acham mesmo que Deus ou Espírito morre? Assim é que temos que promover um ato público desafiando as lideranças científicas, religiosas ou políticas e dissolvê-los. Caso contrário, eles desencaminharão cada vez mais toda a população brasileira, e, com isso, contribuindo com o avanço da violência e da criminalidade, no Brasil e no mundo.

A vida localizada dentro da matéria, isto é, a alma é eterna; com certeza, o Espírito é eterno. Espírito é Deus (ver o Evangelho de João, capítulo IV, versículo 24).

Já se matou neste país índios e negros nos 500 anos da descoberta histórica, quando os invasores judeus, portugueses, franceses, ingleses, holandeses  e outros inventaram que escravos não possuem alma. Será que os atuais brasileiros, hoje, terão que aceitar essa teoria do sistema internacional anticristã? No ensino público brasileiro na atualidade não pode permanecer essa publicação secular danosa, e aceita pelo sistema internacional. Sendo boa essa lei para os estrangeiros, não é aceita no Brasil. “A alma é quem possui tantos corpos necessariamente para a sua evolução cíclica sob Deus, conforme os ditames da imutável Lei da Natureza”. (Aumbhandan) Eis aí descrevemos o Plano de Evolução Macrocósmico. Isto não é teoria; isso é um fato real!

O elemento da natureza Ar é nascido do fogo-princípio em virtude da transformação deste em fumaça; já a água logo que o ar estiver condensado em líquido; e o elemento terra resulta do estado líquido ao estado solidificado.

De acordo com este conceito doutrinário da Ciência de Deus, o Universo material é resultante do fogo-princípio concentrado e de Espírito  encantado que penetra do exterior no interior de toda matéria. O Universo material não se poderia explicar apenas com base num fenômeno de Eletricidade (isto é, de carga positiva e de carga negativa), sem a imediata superioridade eminente do Universo antimaterial. Assim é que a extrema análise se confunde com a extrema proto-síntese e que a ciência acadêmica convencional se confunde em comparação com a Sabedoria primordial.

 

PORÇÃO ETÉRICA DO CORPO

 

Abordamos aqui agora uma síntese coerente de uma porção etérica, ou quase toda, literatura que, cientificamente, se refere ao chamado duplo etérico, essa parte “invisível” do corpo material e fenômenos conexos, transmitidos à sociedade humana atual através das 22 representações pétreas dos Arcanos Maiores do Tarô egípcio antigo, e de pesquisas psíquicas investigativas.

Este pode ser um fato novo para alguns poucos estudantes mas estão dispersos em grande número de livros e artigos. Destes, consultamos vários.

Trata-se da natureza “invisível” e pertinente ao organismo físico, bem como os fenômenos adjacentes a essa parte orgânica.

Em resumo, veremos que, embora indispensável e necessariamente à vida localizada dentro do corpo, o duplo etérico não é, a bem dizer, um outro veículo ou instrumento de consciência independente. Mas é ele que absorve e distribui a quantidade de energia vital proveniente do Sol e que penetra do exterior no interior das formas de vida criadas, ligando-se intimamente à saúde física; situam-se no duplo etérico certos chacras ou núcleos de penetração da força vital que lhe são próprios; cada qual desempenha uma determinada função específica; a lembrança ou recordação da existência vivida parcialmente em sonho depende daquilo que tem massa etérica da matéria e que lugar limita no espaço; e veremos também que o duplo etérico exerce importante influência na constituição do formato no nível astral, que é destinado ao “eu consciente” em via de um outro renascimento ou reencarnação; que, à semelhança do corpo, também, desagregar-se-á o duplo até morrer, mas permitindo assim a alma transmigrar em uma outra forma de vida, de acordo com o plano único de evolução.

O duplo etérico tem existência particularmente associado a todos os tratamentos e cuidados pelos recursos do vitalismo ou magnetismo, e determinando o fator anestesiante, de cura ou até o transe psíquico ou mediúnico. Também é fator principal das manifestações mediúnicas, com a comunicação de mensagens faladas ou escritas por interlocutores, materialização de todo gênero etc.; a manifestação se processa por graus desenvolvendo-se do mais sutil ao mais grosseiro.

O desenvolvimento das faculdades individuais proporciona cada vez mais poderes latentes e revela muitos fenômenos astrais ou até mentais, dos quais algumas pessoas têm experiência vivida. Por meio da massa etérica do corpo é possível  magnetizar vários objetos, como é realizado junto aos seres vivos. Enfim, o duplo etérico propicia os componentes atômicos da substância chamada Ectoplasma.

As 11 (onze) faculdades individuais compreendem: 5 cognitivas, a saber: audição, visão, gustação, olfato e tato, tendo porta estreita de penetração os órgãos correspondentes, respectivamente: os ouvidos, os olhos, a língua, o nariz e a pele; 5 faculdades de ação, a saber: a palavra, a preensão, a locomoção, a excreção e a procriação, tendo por sede os órgãos correspondentes, respectivamente: a voz, as mãos, os pés, o ânus e o sexo.

A 11a faculdade, é a faculdade mental, o pensamento. Coordenando e dirigindo as 5 faculdades sensoriais (cognitivas) como do mesmo modo as 5 faculdades de ação, o pensamento tem exercido um papel centralizador, predominante. Resultam então 12 faculdades até aqui, tendo em conta o pensamento.

Mas a mente forma, juntamente com a noção do “eu consciente”, e o intelecto, isso que denominamos o sentido interior, em oposição aos 10 (dez) citados sentidos exteriores, perfazendo 13 sentidos.

Esses treze sentidos, ou melhor “instrumentos psíquicos” dos  quais três são internos e dez externos; comparam-se a 3 sentinelas e a 10 portas de entrada no domicílio chamado homem (as 5 sensoriais correspondem às penetrações do exterior no interior, as outras 5 faculdades de ação às portas de saída).

Porém, a ordem pela qual nossas faculdades funcionam é inversa aquela pela qual aparecem; utilizamos primeiramente nossos sentidos externos, conforme consideramos com a mente; sem delonga, é feita a explicação de indivíduo para indivíduo, referindo os objetos a si mesmos; e, por fim, cada um indivíduo determina o feito.

Do lado objetivo, procedem as 5 qualidades sensíveis no indivíduo, que são delimitações da espécie de matéria de que formada  a substância sutil (tanmâtra na linguagem sânscrita) em 5 qualidades fundamentais, a saber: sonora, visível (incluindo forma e cor), sápida, olfativa e tangível.

Esses 5 “tanmâtra”, o que quer dizer as delimitações da substância sutil, são os princípios respectivos dos quais procedem os elementos da natureza sensíveis ou elementos grosseiros, a saber: éter, ar, fogo, água e a terra. Esses cinco elementos da natureza, combinando suas formações atômicas em proporções variadas, PRESIDEM À FORMAÇÃO DO UNIVERSO MATERIAL E DO CORPO MATERIAL, e sob um poder místico. Notar-se-ão a complementariedade, as faculdades sensoriais ou cognitivas e as qualidades sensíveis manifestadas através dos elementos. As manifestações iniciais são dos órgãos da captação e as seguintes são da realidade captada. Isto não é teoria; isso é um fato real.

Ora, assim como os tattwa constituem o domínio subjetivo, as diferentes modalidades do mundo objetivo (cada elemento e sua qualidade sensível inerente) são potencialmente reconvertíveis uma na outra no sentido inverso de sua originação. Essa é essencialmente a “usina atômica indestrutível” do Universo, que visa fazer torna à vida a cada princípio ao princípio do qual saiu a alma imortal, energia espiritual atômica.

Na seqüência destas nossas pesquisas mostraremos que o estudo  dos tattwa inerente ao dos chacras é essencial ao nosso conhecimento, porque essas mesmas etapas da manifestação do espírito cósmico elas devem ser revividas na mesma ordem, e em sentido inverso, pelo fiel umbandista. Este iniciado, poder-se-ia assegurar, deve ascender à corrente discipular criativa da esfera astral a imediatamente superior mental e, começando dos tattwa inferiores, praticar cada princípio sucessivamente, um por um, ou grupo por grupo, até alcançar a sua completa reabsorção, mediunicamente, no não-manifestado estágio menor. Nesse sentido, os tattwa são para o fiel umbandista uma gradação de níveis hierárquicos na prática de Umbanda típica do Brasil.

O termo hindu que melhor traduz “duplo etérico” é Pranamâyakosha, isto é, o veículo distribuidor da energia vital chamada prâna. Após a morte do corpo, desvincula-se do moribundo, estando a alma numa outra substância (espécie de matéria etérica), chamam-na “fantasma” – a aparição ou o “espectro” conhecido dos cemitérios.

Toda parcela dos estados sólido, líquido e gasoso do moribundo está temporariamente envolta por um invólucro de substância etérica; o duplo como o seu nome indica, é, pois, a réplica exata da forma física densa. Ela ultrapassa toda a epiderme de mais ou menos 3 ou 4 centímetros. Entretanto, a aura etérica ou Aura da Saúde, como também é chamada, ultrapassa, normalmente, a epiderme, de 5 a 8 centímetros.

Um fato importante a assinalarmos: o corpo e o duplo variam concomitantemente em qualidade; por conseguinte, aquele que se aplique à purificação corpórea conforme o pensar, o falar e o retoagir, aperfeiçoa, ao mesmo instante e automaticamente, toda contraparte do formato etérico do próprio organismo.

Na composição atômica do duplo etérico penetram todas as categorias de massa etérica, porém em proporções que variam gradativamente, dependendo de vários fatores, tais como a raça, a sub-raça e partindo por aí até chegar no tipo do “eu consciente” e, também, a específica atividade kármica individual (apurada no mapa astrológico).

Então sobre as propriedades e funções particulares dos 4 (quatro graus de matéria etérica, aqui apresentamos para o público leitor aprofundar os seus estudos os diversos indicadores obtidos até o momento por nós:

 

1.   Matéria etérica: utilizada pela corrente elétrica (fohat) comum e pela qualidade sensível do som.

2.   Matéria superetérica: utilizada pela luz (procedente do elemento fogo, tattwa tejas).

3.   Matéria subatômica: utilizada pelas “formas sutilmente projetadas através de eletricidade”. Projetam-se uma variedade de cores.

4.   Matéria atômica: utilizada pelo pensamento, conforme a intencionalidade em sua passagem de um cérebro a outro alheio.

 

O quadro seguinte, de autoria de F. T. Peirce, publicado em 1922, comprova os diferentes estágios da manifestação da massa etérica e em onipresença do ser vivo, Deus.

 

Química oculta      Física                    Exemplo

E1 Atômico           Eletrônico             Elétron

E2 Subatômico      Núcleo positivo     Partícula alpha (mesons/nêutrons)

E3 Sp-etérico        Núcleo neutro       .  .  .

E4 Etérico             Atômico                Nêutron

                                                        Nêutron nascente

                                                        H. atômico

Gasoso                 Gás molecular       H2 N2 ou compostos gasosos

 

É muito provável, porém, que o átomo físico deva ser deslocado para o subnível gasoso, passando os nêutrons para o etérico e os mesons para superetérico. Neste caso, pode ocorrer duas hipóteses coerentes quanto aos subníveis atômico e subatômico: o elétron ou seria mantido no atômico, cabendo o subplano imediato a uma partícula ainda não estudada na ciência acadêmica, intermediária entre o meson e o elétron, e de massa 20 vezes maior do que a da última dessas partículas infinitamente pequenas, ou passaria para o subatômico, correspondente ao atômico, fóton e neutrino, cuja massa se supõe que seja 0,20 vezes menor do que a do elétron. A última hipótese parece ser mais viável.


Esquema de atuação dos tattwa conforme os diferentes estágios da manifestação da alma

5 faculdades sensoriais

1 faculdade mental

5 faculdades de ação

 

5 qualidades sensíveis

5 elementos da natureza

AUDIÇÃO

 

PALAVRA

 

SONORO

ÉTER

ouvido

 

voz

 

SABDA

AKASHA

TATO

 

PREENSÃO

 

TANGÍVEL

AR

pele

 

mãos

 

TOCAR

VAYU

VISÃO

 

LOCOMOÇÃO

 

VISÍVEL

FOGO

olhos

 

pés

 

 

TEJAS

GUSTAÇÃO

 

EXCREÇÃO

 

SÁPIDO

ÁGUA

>

língua

 

ânus

 

 

APAS

OLFATO

 

GOZO

 

OLFATO

TERRA

nariz

 

sexo

 

 

PRITHIVY

/table>

 

Logo, temos no total, a partir daquilo que tem massa etérica e ocupa lugar no espaço 24 (vinte e quatro) “tattwa”, isto é, delimitações da substância sutil (tanmâtra) que se agrupam, a saber: a) Suprema Inteligência: “eu consciente”, e as cinco delimitações da substância sutil, são na realidade produtor e sub-produtores do mundo dos seres vivos, princípio ativo do Universo Cósmico de outros princípios (Causalidade e efeitos) em relação a outros efeitos múltiplos); b) dimensão da matéria: é fecundada mas não  fecundadora (causa); c) os 5 (cinco) primeiros elementos da natureza e as 11 (onze) faculdades são produtos e não produtores (efeitos somente); d) e o Homem-espírito, que designa a essência final do homem (gênero humano).

Isto posto, preliminarmente, chega-se a conclusão seguinte: o cientista francês Lavoisier sem conhecer a verdadeira Química dos tempos milenares do conhecimento humanos imemorial, sem haver aceitado alguma informação científica alusiva a mesma pelos mais sábios da antiguidade e consciente do Espiritualismo científico de Deus, mesmo assim teria aceitado que a comunidade científica, os institutos de bioquímica das academias internacionais e de tecnologia lhe considerasse o fundador da química moderna, isto é, da química baseada em experiências de laboratórios. Entretanto, dedicou-se a outros estudos de Astronomia, Matemática, Física e Química moderna.

A GUERRA COMEÇADA DO MATERIALISMO VERSUS

A RETIDÃO DO ESPIRITUALISMO CIENTÍFICO

DE DEUS, EM TORNO DA CONSCIÊNCIA E VIDA.

 

Desde os milenares tempos imemoriais, a palpitante origem da consciência, dos seres vivos atrai o mais comum dos homens. Os homens práticos admitem que não existe algum ousado sistema ou pensador livre que não lhe tenha dedicado a mais séria ocupação. Essa questão dizendo respeito a gênese humana já recebeu conjecturas diversas da parte dos pastores protestantes, bispos, sacerdotes católicos, dos cientistas e de outros materialistas na atualidade.

Em nossa sociedade humana moderna, quando os observadores treinados basicamente em experiências de laboratório não estando em contato com a Natureza, os elementos fogo, água, terra, ar, mente, inteligência e “eu consciente ou ego psicológico” e o Conhecimento primordial, eles “acham que está na moda ridicularizá-los, riem e somente ficam com aquilo que tocam, cheiram, saboreiam, escutam e supõem ver. Ou, como fala o ditado da filosofia de velhacaria “Ver para crer”.

Mas quando alguns poucos se esforçam indo além para melhor compreender algo que está muito mais além do alcance dos órgãos dos sentidos materiais, ultrapassando os instrumentos de medição e da capacidade  de especulação cientificamente acadêmica, então, não existe alternativa, exceto achegar-se a um mais apurado aprendizado e em uma riquíssima fonte imediatamente superior de Conhecimento verdadeiro. Basta ter apenas simplicidade ou humildade das partes acordadas!

Nenhum instituto de bioquímica da academia de ciências e de tecnologias internacionais moderno promoveu, ainda hoje, para o conhecimento da opinião pública, nem foi bem sucedido em explicar duma forma compreensível, através de laboratório, o problema da origem da consciência, vida ou seu destino após a destruição do corpo material. A pesquisa nesse sentido produziu incontáveis teorias falsas ou divergentes, mas suas delimitações devem ser reconhecidas, e não aceitáveis por inteiro. Por isso, então, requer mudanças do ensino público no país. Ao ministério de Educação Nacional compete as providências.

“Nossa Guerra é contra a intolerância com o Espiritualismo científico de Deus”. (Aumbhandan)

De um modo geral, a teoria dos especialistas da comunidade científica distingue só dois mundos materiais circundantes: chamam-nos de mundo dos “seres vivos” e o da matéria propriamente bruta, inorgânica. Isto é o que os professores estão ministrando aos estudantes do ensino público e particular, no território nacional. Esse “mundo vivo” seria representado por uma infinidade de espécies animais e vegetais. Mas sobre o mundo material!!! Contudo, malgrado sua diversidade, os seres vivos (“desprovidos de consciência”), do homem ao mais minúsculo dos micróbios, teriam alguma coisa em comum, que os “aparenta”, e “distingue” a mais simples bactéria dos objetos “inanimados”. Essa alguma coisa “poderia” ter, o que toda a sociedade humana consciente denomina, vida, isto é, alma imortal, centelha espiritual atômica, na acepção mais elementar da realidade permanente. Mas, que é a consciência? que é a vida? Nenhum cientista foi bem sucedido em explicar, através de pesquisas de laboratório.

Se a vida, consciência, alma ou partícula infinitamente antimaterial fosse material, o Conhecimento primordial das Leis imutáveis que a regem dar-nos-ia, além das delimitações da substância sutil e da capacidade de especulação dos sentidos materiais, a possibilidade de também sujeitá-la igualmente em seis fases de transformação, a saber: nascimento, crescimento, manutenção, produção de sub-produtos, destruição e morte como acontece com a matéria, de modo consciente e dirigido por um poder místico. Se o que vive eternamente é criado, poderoso princípio espiritual ativo e se sua natureza é insondável para a comunidade científica e para os institutos de bioquímica da academia de ciências e de tecnologias do mundo material, só resta a toda a sociedade humana atual contemplar a vida e permanecer impotentes diante de seus fenômenos INCOGNOSCÍVEIS e de origem sobrehumana.

Os fiéis umbandistas, na qualidade de idealistas autênticos, sempre consideram a vida como Manifestação de um verdadeiro ser vivo, princípio espiritual ativo antimaterial: alma imortal, espírito universal, energia vital, “razão da Providência Divina”, etc.

A matéria é em si mesma algo inerente e privado de vida, servindo apenas de canal ou instrumento próprio da gênese humana para a edificação amplamente dos seres vivos que, provavelmente, nunca morrem, nem se destroem nem nunca pode nascer e existir, senão quando esse material tenha recebido um princípio ativo antimaterial que lhe confira forma de vida criada e estruturada convenientes.

"A SOLUÇÃO PARA OS PROBLEMAS DA UMBANDA ESTÁ NO FIEL UMBANDIISTA"
 


Última alteração em 05-23-2014 @ 10:29 am


 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada