Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma História Militar.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Histórias | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Histórias Militares ou relacionadas, além de poder comentar as Histórias enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
O Guararapes - Ano 2004 Out a Dez Nº 43 (2 de 2)
Inserido por: ClaudioBento
Em: 07-04-2006 @ 01:20 pm
 

 

Leia a parte 1/2

PARTE 2/2

Foi ai que surgiu a idéia do engenheiro militar com o duplo objetivo de melhor desenvolver tecnologicamente  o Exército e tornar seus oficiais com maior conceito social e melhores partidos. Mas na prática a idéia foi distorcida. O engenheiros em maioria abandonaram a tropa e disputavam cargos civis por nomeação ou eleição deixando a tropa aos cuidados dos não engenheiros que passaram a serem tratados por tarimbeiros, sem voz no desenvolvimento doutrinário do Exército. Havia casos de oficias que não apreciavam quando fossem tratados pelo posto e sim pelo titulo de Doutor. E por este equivoco o Brasil pagou pesado tributo em vidas na Guerra Civil na Região 1893/95 onde Bagé e Lapa foram submetidas a sítios por federalistas por mais de 40 dias e em Canudos foi preciso enviar 4 expedições para dominar a situação com lamentáveis perdas de irmãos brasileiros de ambos os lados.

 História é verdade e justiça .Eis uma importante página de nossa História para reflexão no centenário da Revolta da Vacina Obrigatória que prejudicou seriamente as vidas de muitos jovens militares que dela participaram. E mais graves não foram para eles os reflexos em suas vidas em razão do Inquérito Militar Instaurado seri neutralizado e tornado sem efeito pela atuação de Rui Barbosa o condenando.“ Quem não conhece a História corre o risco de repeti-la!” 

(Matéria da lavra do Cel Claudio Moreira Bento Presidente da AHIMTB)

Notas

1-     Biografamos o General Caetano de Farias na revista A Defesa Nacional nº 724 em 1086 e Osório Santana Figueiredo biografou o Marechal Hermes em São Gabriel Terra dos Marechais

AGRACIADOS E JUSTIFICATIVAS COM A MEDALHA DO MÈRITO HISTÓRICO MILITAR TERRESTRE DA ACADEMIA DE HISTÒRIA MILITAR TERRESTRE DO BRASIL NO 201º ANIVERSÀRIO DO DUQUE DE CAXIAS

                  EM NOME DA ACADEMIA DE HISTÒRIA MILITAR TERRESTRE DO BRASIL(AHIMTB),DEPOIS DE OUVIDA A COMISSÂO   DE MEDALHAS DA MESMA, E NA QUALIDADE DE GRÃO MESTRE DA MEDALHA DO MERITO HISTÓRICO MILITAR TERRESTRE DA AHIMTB E NA OPORTUNIDADE DO 201 º ANIVERSARIO DE NASCIMENTO DO DUQUE DE CAXIAS, PATRONO DA AHIMTB. AGRACIO COM A CITADA MEDALHA E NOS GRAUS  DE COMENDADOR , OFICIAL E CAVALEIRO AS SEGUINTES PERSONALIDADES, LEVABDO EM CONSIDERAÇÂO OS CRITÈRIOS DE: ESTIMULO, SOLIDARIEDADE, APOIO HISTÒRICO E DE CUSTEIO FINANCEIRO AS ATIVIDADES DA AHIMTB,TRABALHOS EXECUTADOS EM PRÓL DA SUA CAUSA E ANOS E PROJEÇÂO DE SERVIÇOS PRESTADOS PELOS AGRACIADOS A CAUSA DA PESQUISA, PRESERVAÇÃO, ELABORACÃO, CULTO E DIVULGAÇÂO DA HISTÓRIA MILITAR TERRESTRE DO BRASIL  Cláudio Moreira Bento Presidente

 (Apresentação dos agraciados em ordem alfabética)

MEDALHA COMENDADOR

 Cel ARIVALDO SILVEIRA FONTES Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e financeiro a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil propiciando com a ajuda do SENAI que presidiu, a edição dos Estatutos da AHIMTB, do primeiro volume das Orações de Posse e de Recepção de acadêmicos, além de proporcionar apoio a AHIMTB para realizar sete seções de posse na Fundação Osório durante a sua presidência.

Gen CARLOS DE MEIRA MATTOS.       Pelo estímulo, solidariedade e apoio como historiador a causa da AHIMTB. Veterano da FEB e da Missão de Paz em São Domingos, teve papel destacado na preservação da memória histórica daqueles eventos, através de publicações como as Memórias do Marechal João Batista Mascarenhas de Morais, seu patrono na AHIMTB e de quem é também o biógrafo.

            Prefaciou obra lançada pela AHIMTB sob o título Inspirações Geopolíticas das ações do Brasil no Prata e suas projeções no Rio Grande do Sul 1680-1906,  Enfim, seu nome é uma legenda na Historiografia Militar Terrestre do Brasil, como soldado valoroso que fez e escreveu História Militar Terrestre do Brasil..                                                                 Continuação pagina  12

 

 

Continuação de O Guararapes nº 43                           out/dez 2004                                página 12

Gen Bda CLAUDIMAR MAGALHÃES NUNES Pelo apoio, solidariedade e apoio histórico e administrativo como comandante da AMAN, a AHIMTB que é abrigada por instalações cedidas pela AMAN, além de apoio administrativo de recursos que recebe do DEP para apoiar as atividades da AHIMTB, além de prestigiar com sua presença eventos promovidos pela AHIMTB como os lançamentos das obras Caxias e a Unidade Nacional, Os 175 anos da Batalha do Passo do Rosário, As Batalhas dos Guararapes, Os 60 anos da AMAN em Resende, que apresentou, e Amazônia Brasileira – Conquista, Consolidação, Manutenção, História Militar Terrestre da Amazônia que posfácio

Gen Ex CLOVIS JACY BURMANN Pelo apoio, solidariedade e estímulo moral e financeiro como Presidente da FHE-POUPEX as atividades da AHIMTB, relacionadas com o desenvolvimento da História do Exército na Região Sul, tendo inclusive elaborado as orelhas da 6ª Divisão de Exército – Voluntários da Pátria. Pode-se afirmar não fora o apoio financeiro da FHE-POUPEX através de seu presidente, dificilmente a AHIMTB teria realizado o que se propôs nestes 8 anos de existência, alem de haver editado as obras  As Batalhas do Guararapes, descrição e análise militar,  no 10ºAniversário do Dia do Exército; Os 175 anos da Batalha do Passo do Rosário e, Amazônia Brasileira- Conquista. Consolidação. Manutenção – História Militar Terrestre da Amazônia 1616-2003. Gen Bda DOMINGOS VENTURA PINTO JUNIOR Pelo apoio, solidariedade e estímulo a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil e a História do Exército durante a sua longa, útil e dinâmica vida de soldado vibrante e traduzida pelas seguintes obras de sua lavra História da Polícia do Exército: Vida militar do General Zenóbio da Costa; O General Zenóbio da Costa e sua atuação e, A conquista de Monte Castilho e La Serra, e seu memorável discurso de posse na cadeira Marechal João Batista Mascarenhas de Morais, na Academia de História Militar Terrestre do Brasil no 1º BPE que comandou e que tem por patrono o Marechal Zenóbio da Costa. Merece destaque a sua posição como atual Presidente do Conselho Nacional das Associações de Ex- Combatentes do Brasil, em substituição ao heróico e falecido acadêmico emérito General Plínio Pitaluga. Gen Ex FRANCISCO ROBERTO DE ALBUQUERQUE         Pelo apoio, solidariedade e estímulo moral e financeiro a causa da AHIMTB como seu Presidente de Honra e Comandante do Exército, no Bicentenário do Duque de Caxias, patrono do Exército e da Academia.

Apoio, solidariedade e estímulo revelados através de gentis, estimulantes e constantes mensagens escritas, enviadas a AHIMTB e pela satisfação revelada em receber as funções de 1º presidente de Honra da AHIMTB, em cerimônia realizada em seu Gabinete e pela insígnia correspondente recebida, que fez incluir em seu currículo vitae ,para a satisfação de todos os integrantes da AHIMTB.E mais por considerar a Academia de História Militar Terrestre do Brasil ,através de seu Centro de Comunicação Social com integrante honorária da estrutura de Comunicação Social do Exército.

Cel GERMANO SEIDL VIDAL      Pelo estímulo, solidariedade e apoio intelectual e financeiro as atividades fim e meio da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, a qual integra com orgulho, como acadêmico emérito depois de ser o 2º ocupante de cadeira Marechal Mascarenhas de Morais, seu comandante na FEB. O acadêmico emérito tem colaborado com a Revista Eletrônica da AHIMTB e é autor do notável livro A Guerra Proscrita e mantém site com este título que assinala já milhares  de consultas. A documentação de sua posse na cadeira Marechal Mascarenhas de Morais é primorosa e exemplar. Gen Ex GLEUBER VIEIRA Pelo estímulo, solidariedade e apoio intelectual e financeiro as atividades fim e meio da Academia de História Militar Terrestre do Brasil de que foi o 1º Presidente de Honra como comandante do Exército e agora como seu membro acadêmico.

A sua ação como Chefe da DEP e do EME e depois como Comandante do Exército se deve a valorização e ampliação do ensino de História Militar no Exército e além o tornar realidade e publicadas as histórias orais da FEB na 2ª Guerra Mundial e da Contra- revolução de 1964, para assegurar a identidade do Exército nestas ações contemporâneas, hoje violentadas pelas estratégias adversas alternadas de Silêncio e Deformação da História das Forças Armadas do Brasil.                                                                                                               Continuação página 13

Continuação de O Guararapes nº 43                           out/dez 2004                                          página 13

Almirante HELIO LEONCIO MARTINS Pelo estímulo, solidariedade e apoio  intelectual e financeiro as atividade fim e meio da Academia de História Militar Terrestre do Brasil que o elegeu seu patrono de cadeira como o historiador do Corpo de Fuzileiros Navais, sem considerar ser ele o maior historiador vivo da nossa Marinha de Guerra e continuar a sua luta neste sentido aos 90 anos de vida utilíssima, onde destaca-se o fato de haver sido combatente na 2ª Guerra Mundial como tripulante do caça minas da Força Naval do Nordeste e haver sido o primeiro comandante de navio aeródromo Minas Gerais. A consideração que dispensa a Academia de História Militar Terrestre do Brasil este expressa em carta sua, publicada no Guararapes 41.                  

Cel JARBAS GONÇALVES PASSARINHO      Pelo estímulo, solidariedade e apoio intelectual e financeiro, este generoso, as atividades fim e meio da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, que o consagrou por seu excepcional brilho intelectual no Exército como seu patrono em vida de cadeira. Ressalte-se ser o Cel Jarbas Passarinho uma rara voz nacional, que merece respeito geral pelo seu equilíbrio e experiência como integrante destacado dos governos da Revolução de 1964, a enfrentar a esmagadora onda de desinformação nacional de Silêncio alternado por Deformação da História Política Contemporânea, relacionada com a Contra- Revolução de 1964 . E assim atua sem uma visão maniqueísta, analisando os fatos com autocrítica sensata e sábia. Cel JARDRO DE ALCÂNTARA AVELLAR       Pelo estímulo, solidariedade, apoio histórico com trabalhos de sua lavra e financeiro, generoso, e por vezes salvador, as atividades meio e fim da Academia de História Militar Terrestre do Brasil que o elegeu por seu passado de educador e historiador seu acadêmico emérito.

Seu reconhecimento a validade da Academia de História Militar Terrestre do Brasil se traduziu em homenagem pública que lhe prestou no Colégio Palas( Deusa da Sabedoria) na Tijuco, ao lado de professores deste educandário. Ao Cel Jardro como Presidente da Comissão para tratar de condecorações da AHIMTB se deve a criação e regularização da Medalha do Mérito Histórico Militar Terrestre do Brasil, com apoio em sua experiência  como autoridade no assunto.

Gen Ex JONAS DE MORAIS CORREA NETO Pelo estímulo, solidariedade e atuação em pról da causa da História Militar Terrestre do Brasil para a qual tanto tem contribuído ao longo de sua vida com artigos, conferências e intervenções em entidades históricas e organizações militares.

A ele se deve como Secretário do Exército a denominação de Arquivo Histórico do Exército e, no Instituto de História e Geografia Militar do Brasil, a criação do NEPHIM, Núcleo de Estudos e Pesquisas Histórico Militar do Brasil, ao presidi-lo seguindo tradição deixada por seu ilustre pai, o General Jonas Correa, patrono de cadeira que ocupou, em cerimônia no Colégio Militar do Rio de Janeiro, organização militar intensamente ligada a vida militar de ambos. Em todos os seus comandos ou chefias, como o Secretário Geral do Exército, 6ª Divisão do Exército, Comando Militar do Sudeste e como Ministro Chefe do Estado- Maior do Exército, sempre estimulou o estudo e a divulgação da História Militar e o Culto das Tradições do nosso Exército.

Gen Ex TÁCITO THEÓPHILO GASPAR DE OLIVEIRA          Pelo estímulo, solidariedade e apoio como historiador a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil e, no Ceará,  onde figura como acadêmico emérito que inaugurou a cadeira General Augusto Tasso Fragoso e Delegado de Honra da Delegacia da AHIMTB Cel José Aurélio S. Câmara. Colaborou com uma memória para a edição da obra 8ª Brigada de Infantaria Motorizada –Brigada  Manoel Marque de Souza editada pela AHIMTB da qual foi comandante. Ex combatente da FEB ligado a seu chefe deste então coube-lhe a honra de ajudar a vesti-lo com a farda de Marechal do Exército Brasileiro, com a qual foi sepultado. Como dirigente da SUDENE prestou valioso apoio a construção do Parque Nacional dos

Guararapes em 1971 e a edição da obra O Projeto Rondon nos Montes Guararapes traduzindo pesquisa sobre as Batalhas dos Guararapes realizada por universitários civis e cadetes em apoio a construção do Parque Guararapes

OFICIAIS

                                                                                                                         Continuação página 14 

Continuação de O  Guararapes nº 43                           out/dez 2004                                     página 14

Cel AMERINO RAPOSO FILHO Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e financeiro a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, onde inaugurou a cadeira de outro destacado pensador militar brasileiro o Cel João Baptista Magalhães.

            Tem sido notável como veterano faz FEB a sua contribuição a História Militar Crítica Terrestre do Brasil com suas obras, entre outras, A Manobra na Guerra e Caxias, inspirador da Doutrina Militar Terrestre Brasileira. Estudioso de Estratégia se dedica profundamente ao assunto no Centro de Estudos Brasileiros de Estratégia (CEBRES), no qual tem merecido a sua atenção a problemática relativa a preservação da Soberania Brasileira na nossa Amazônia.

Gen Div ARNALDO SERAFIM     Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e administrativo a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, como acadêmico emérito que inaugurou a cadeira General Francisco de Paula Cidade, e como seu dinâmico e combativo 2ª Vice Presidente e Delegado da Delegacia Marechal José Pessoa no Distrito Federal.

            De longa data se dedica as atividades relacionadas a História e Tradições do Exército, como no comando da 4ª Bda C Mec em Mato Grosso do Sul, o estímulo ao culto dos heróis de Dourados e na Diretoria de Assuntos Culturais, como Presidente da Comissão do Exército para as comemorações dos centenários da República e da Bandeira Nacional, atividade e realizações documentadas  na publicação Cadernos das Comemorações de Centenário da República e da Bandeira aditados em parceria pela BIBLIEX/SENAI, do qual elaborou o significativo e histórico prefácio. O Bicentenário do Duque de Caxias no âmbito de sua Delegacia em Brasília, foi marcante, cabendo-lhe o expressivo e histórico prefácio da obra Caxias e a Unidade Nacional editada sob a égide da AHIMTB.

Capitão de Fragata CARLOS NOBERTO STUMPF BENTO Pelo apoio a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil como webdesigner e administrador do site desta Academia já beirando 30.000 visitas e pela elaboração das capas das seguintes obras editadas pela AHIMTB, História da 8ª Bda Inf Mtz – Brigada Manoel Marques de Souza 1º; 6ª Divisão do Exército – Divisão Voluntários da Pátria; 3ª Bda Cav Mec – Brigada Patrício Correia da Câmara; 6ª Bda Inf Bld – Brigada Niederauer;  2ª Bda C Mec – Brigada Charrua; Caxias e a Unidade Nacional; Os 175 anos da Batalha do Passo do Rosário; As Batalhas dos Guararapes – análise e descrição militar; Os 60 anos da AMAN em Resende e Amazônia Brasileira – Conquista, Consolidação, Manutenção – História Militar Terrestre da Amazônia. Por tudo foi titulado pela AHIMTB, como seu Grande Colaborador. Participou do Concurso de Sites sobre as Batalhas dos Guararapes, promovido pelo Exército, tendo obtido o 2ª lugar. Cel PMSP EDILBERTO DE OLIVEIRA MELLO Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e financeiro a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, da qual é seu acadêmico especial cadeira General Miguel Costa, o comandante da Coluna Miguel Costa/Prestes e não Coluna Prestes, além de ser Delegado da Delegacia Cel Pedro Dias Campos na PMSP por ele instalada primorosamente  na Associação de Oficiais da Reserva da Polícia Militar de São Paulo que presidiu por longo e profícuo período. Autor de várias obras sobre a História da Polícia Militar de São Paulo, onde sobressai seu livro Raízes do Espírito Militar Paulista onde resgata a História das tropas de São Paulo de 1ª, 2ª e 3ª linhas e as que deram origem a Polícia Militar de São Paulo. Professor FLAVIO CAMARGO Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e com trabalho intelectual intenso e valioso, a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil que o consagrou como  seu acadêmico que inaugurou a cadeira General Emílio Fernandes de Souza Docca. Ao acadêmico Professor Flávio Camargo a AHIMTB está a dever a diagramação e edição das obras publicadas sob sua égide: Caxias e a Unidade Nacional; As Batalhas dos Guararapes – análise e descrição militar; Amazônia Brasileira – Conquista, Consolidação, Manutenção (História Militar Terrestre da Amazônia) das quais é o autor das abas ou orelhas e , Os 175 anos da Batalha do Passo do Rosário, que prefaciou e desenhou a capa. São de sua lavra os desenhos das medalhas do Mérito Histórico Militar Terrestre do Brasil. Veterano da  FEB JOSÉ CONRADO DE SOUZA        Pelo apoio, estímulo e apoio histórico e financeiro a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil da qual é, como veterano da FEB, seu acadêmico emérito, cabendo-lhe como acadêmico inaugurar a cadeira Gen Bda  Antônio Rocha Almeida, autor de preciosas obras de História Militar e o responsável pela pesquisa da notável galeria de comandantes da 3ª Região Militar.

            José Conrado de Souza é veterano da FEB e desde então atuou no meio civil sem esquecer e se orgulhar daquela força da qual preside e lidera de longa data a seção de Veteranos da FEB em Porto Alegre onde  mantêm unidos e coesos em torno de sua liderança os  veteranos e familiares.         Autor dos livros O Pracinha Conrado, O Museu da Campanha da FEB e acaba de prefaciar e reeditar a obra As Forças Armadas e a Marinha Mercante do Brasil na 2ª Guerra Mundial. É autor e patrocinador da idéia dos distintivos da Academia para seus membros usarem em seus automóveis e divulgarem .

Cel MANOEL SORIANO NETO Pelo grande estímulo, solidariedade e apoio histórico notável a causa da Academia de História Militar Terrestre, para a qual tem colaborado com subsídios biográficos para levantar o perfil biográfico de antigos comandantes das grandes unidades para as obras editadas pela AHIMTB, como as 6ª DE – Divisão Voluntários da Pátria; 8ª Bda Inf Mtz – Brigada Manoel Marques de Souza 1º; 3ª Bda C Mec – Brigada Patrício Correia da Câmara; 6ª Bda Inf Mtz – Brigada Cel Niederauer; 2ª Bda C Mec – Brigada Charrua; História do CML e História da 3ª RM.

            Notável tem sido a atuação do Cel Soriano para reforçar o culto das Tradições no Exército instruindo ou sugerindo, criteriosamente, nomes expressivos para denominações históricas de unidades, com ênfase para unidades do Exército em Pernambuco, onde despertou nos Guararapes, o espírito de Exército e da Nacionalidade Brasil Historiador atento a defesa dos interesses do Brasil na Amazônia sobre os quais alerta seus admiradores e ex cadetes que confiam em seus critérios. É um dos notáveis  historiógrafos  militares terrestres do Brasil, contemporâneos..

Cel MARIO JOSÉ DE MENEZES Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e financeiro, este regular, a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil de que é acadêmico ocupante da cadeira General Riograndino Costa e Silva e seu Delegado na da Delegacia Tem Cel BMRS José Luiz Silveira na Guarnição de Santa Maria, na qual é o historiador da 3ª Divisão de Exército Divisão Encouraçada, que será reeditada, ampliada com sua parceria. E co-autor da obra 6ª Brigada de Infantaria Blindada – Brigada Cel Niederauer onde figura como o biográfico deste notável herói que pertenceu aos quadros da Guarda Nacional do Rio Grande do Sul. Notável a sua atuação como organizador da Biblioteca do Colégio Militar de Santa Maria, onde atende voluntariamente a consultas históricas de seus alunos. Cooperou com subsídios sobre comandantes na História da 8ª Bda Inf Mtz – Brigada Manoel Marques de Souza 1º, sediada em Pelotas. Cel NILTON FREIXINHO Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e financeiro a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil na qual inaugurou a cadeira que tem por patrono o ‘’jovem turco’ Cel Mário Clementino, o autor do primeiro editorial em 1913 da Revista A Defesa Nacional. Personagem esquecida que resgatou de modo notável de se sob a patina do tempo que encobria  a sua útil vida e obra notável em prol do fortalecimento em seu tempo da Defesa Nacional

                                               Continuação página 16 

Continuação do Guararapes nº 43 out/dez 2004 página 16

Tem sido notável o estímulo do Cel Freixinho à Diretoria da Academia e o orgulho que manifesta em pertencer a seus quadros e a exaltar a sua importância

            Historiador e pensador militar e político fecundo, acaba de enriquecer a bibliografia da História do Brasil, com repercussões em sua História Militar, as alentadas e valiosas obras de História crítica do Brasil: O poder permanente da História, apresentado por Austregégilo de Athayde “ como original e do nível dos estudos que se fazem nos melhores centros universitários da Europa e EUA” ; Brasil os difíceis caminhos da Integridade, que serve de modelo de História Militar crítica das lutas que o Brasil enfrentou para preservar a sua Integridade ao longo do processo histórico e 500 anos e,500 anos depois de Gabriel Soares de Souza, um modelo de História crítica de estudo do passado, para entender o presente e projetar o futuro, no caso a ameaça do destino de grandeza Brasil pelo seu retardo econômico, tecnológico e industrial para enfrentar a cobiça manifestada por potências altamente industrializadas.”

Gen Div PAULO CEZAR DE CASTRO Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e financeiro a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil que integra como acadêmico ocupante da cadeira General Estevão Leitão de Carvalho, ex comandante da ECEME e cuja posse tive lugar nesta escola de Altos Estudos Militares, ao tempo em que a comandou. Ali aprovou plano de pesquisa com vistas às comemorações em 2005 do centenário desta Escola, além de haver convocado a AHIMTB para elaborar as seguintes publicações: Brasil Conflitos Externos, Brasil Lutas Externas, além de estudar separadamente estes eventos na Amazônia – o que deu origem  obra Amazônia Brasileira – Conquista, Consolidação, Manutenção (História Militar Terrestre da Amazônia 1616-2003). Notável foi o seu empenho como Chefe da Diretoria de Ensino Assistêncial em introduzir nos colégios militares Clubes de História e a divulgar  e comemorar como Comandante da 4ª RM/4ª DE o Bicentenário de Caxias. Gen RAIMUNDO MAXIMIANO NEGRÃO TORRES Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e financeiro a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil da qual é acadêmico ocupante de cadeira Cel Genserico Vasconcellos, historiador militar crítico da Guerra contra Oribe e Rosas 1851/52 na ECEME, como seu instrutor ao tempo da Missão Militar Francesa nesta escola de Altos Estudos Militares e, além o seu Delegado da Delegacia Gen Luiz Carlos Pereira Tourinho no Paraná, onde tem colaborado no programa História do Exército na Região Sul ,ao fornecer subsídios sobre a História da 5ª RM/5ª DI Heróis da Lapa e suas GU ,em desenvolvimento pela AHIMTB.

            O acadêmico tem sido uma voz coerente e respeitável em defesa da Contra Revolução de 1964 e suas conseqüências, dentro do critério de ser a História Verdade Justiça, movimento que  de longa data vem sendo o alvo de uma manipulação da História sem precedentes, com apoio consciente e inconsciente da Mídia em geral, salvo raras exceções e sem o direito de resposta para o desenvolvimento democrático um projeto Verdade que se impõe. Dentro deste contexto merece destaque sua obra recente O Fascínio dos Anos de Chumbo.                    

Cel  WALTER ALBANO FRESSATTI     Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico, financeiro e editorial na Revista da Sociedade de Amigos da 2ª Divisão de Exército (SASDE) da causa da Academia  de História Militar Terrestre do Brasil da qual é acadêmico, ocupante da cadeira General Affonso deCarvalho, autor de biografias sobre o Duque de Caxias e Barão do Rio Branco e editor da extinta revista Nação Armada. O Coronel Fressatti é o Delegado da Delegacia da AHIMTB General  Bertoldo Klinger, jovem turco e um dos 13 fundadores de Revista A Defesa Nacional., há 91 anos.

            Ao Coronel Fressatti se deve a edição da expressiva Revista da SASDE já com 92 números onde ele registra o hoje das organizações  militares da 2ª Divisão de Exército, que será a história do amanhã da mesma além de nela reservar um espaço para a divulgação  da AHIMTB.

 

Continuação página 17

Continuação do Guararapes nº 43                           out/dez 2004                                                         página 17

CAVALHEIRO Professor ADILSON CESAR       Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico, editorial e financeiro a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, como seu sócio correspondente e agora como seu acadêmico ocupante da cadeira Cel Diogo de Morais de Arouche Lara, paulista paulistano que foi o primeiro historiador militar terrestre do Brasil na condição de nação como Reino Unido do Brasil, Portugal e Algarve. É  além, o seu Delegado da Delegacia Aluízio de Almeida em Sorocaba, homenagem ao maior historiador militar da Revolução Liberal de 1842 em São Paulo e Minas Gerais, pacificadas pelo Duque de Caxias, patrono da AHIMTB.

            No acadêmico Adilson César a História Militar Terrestre do Brasil tem sempre encontrado apoio e divulgação em publicações do Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba, que acaba de agraciar a AHIMTB com o Colar Cruz dos Alvarenga e dos Heróis Anônimos em cerimônia na AMAN.

Cel ALCEU VILELA PAIVA Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico, administrativo e financeiro a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, como presidente de seu Conselho Fiscal e como acadêmico ocupante de cadeira Professor General Liberato Bittencourt, inaugurada pelo falecido acadêmico Cel Geraldo Levasseur França o desenhista do Brasão da AHIMTB.

            No acadêmico Cel Alceu a AHIMTB encontrou sempre pronto apoio seu como engenheiro para melhor preparar a instalação de sua sede administrativa.

            Como Presidente do Conselho Fiscal tem prestado preciosa orientação a Diretoria Executiva. É de sua lavra a publicação da AHIMTB focalizando o Dr. Tácito Vianna Rodrigues, o maior resendense do século XX, que acompanhou a excursão do Cel José Pessoa ao Itatiaia em 7 de setembro de 1931, para de lá extrair uma pedra para servir de Pedra Fundamental da AMAN.

Ten Cel ANTONIO GONÇALVES DE MEIRA Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico, financeiro e de divulgação da causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, onde ocupa como acadêmico a cadeira Cel Neomil Portella Ferreira Alves o grande idealizador e editor do Mensário Letras em Marcha, lamentavelmente, desativado depois de sua morte.

            O acadêmico Antônio Gonçalves Meira presta excelentes serviços a divulgação da História Militar Terrestre do Brasil, através de seus escritos e muito apreciadas crônicas no Mensário Ombro a Ombro, por ele idealizado junto com o falecido editor do mesmo o Cel Pedro Shirmer.

Sgt Ajudante( Portugal) ANTONIO ELEUTÉRIO SUCENA DO CARMO Pelo estímulo, solidariedade notável e apoio histórico a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil,como o seu primeiro correspondente estrangeiro e em Portugal.

Ao Sargento  Ajudante Antônio Eleutério do Exército de Portugal muito esta a dever a História Militar Terrestre do Brasil pelos seus belos escritos sobre assuntos de nossas Forças Armadas publicadas                                                                                                                    

em revistas militares de Portugal e França e em especial artigos sobre nossa Amazônia, assunto para o qual forneceu valiosos subsídios desconhecidos no Brasil, aproveitados pela obra editada pela AHIMTB, Amazônia Brasileira – Conquista, Consolidação, Manutenção (História Militar Terrestre da Amazônia 1616-2003). Revistas preciosas das quais manda exemplares a AHIMTB .além de livros de interesse da mesma.

Sub Ten ALVINO MELQUIDES BRUGALLI Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico, financeiro e de divulgação em Caxias do Sul, a partir do 3º Grupo de Artilharia Antiaérea - Grupo Conde de Caxias da causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil ,onde ocupa a cadeira especial Cel Art Arcy da Rocha Nóbrega, o primeiro comandante da citada unidade e do qual é biógrafo e também delegado da Delegacia da AHIMTB local Gen Morivalde Calvet Fagundes, autor de obra contemporânea notável sobre a Revolução Farroupilha.

            Alvino Brugalli é o historiador militar da Guarnição do Exército em Caxias do Sul, com valiosos livros editados e prestou valioso concurso para tornar realidade a confecção da Medalha do Mérito Histórico Militar Terrestre, em Caxias do Sul.

  Continuação página 18

 Continuação do Guararapes nº 43 out/dez 2004                                                        página 18

Engenheiro  CHRISTOVÃO AVILA PIRES JUNIOR Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e, de trabalho prestado a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, onde ocupa a cadeira Gen Francisco de Paula Azevedo Pondé, grande historiador militar terrestre brasileiro da área da Indústria Bélica. Cadeira que divide com seu filho, na condição de acadêmico Luis Felipe de Ávila, descendentes do Barão da Torre(de Garcia D`Ávila)

            Christovão tem sido o diligente coordenador da Delegacia da AHIMTB no Rio de Janeiro Marechal João Batista de Mattos e atualmente é o seu Delegado.

            Notável tem sido a sua contribuição a História Militar Terrestre do Brasil com seus estudos e divulgação da História da Torre de Garcia D’ Ávila  na Bahia, berço de seus heróicos ancestrais.

JOSÉ EBER BENTIN DA SILVA Pelo estímulo, solidariedade e apoio em subsídios históricos,  a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil da qual é seu correspondente em Campo Grande- MS, onde integra a Delegacia da AHIMTB Gen Méd João Severiano da Fonseca, autor de notáveis trabalhos históricos sobre a História de Mato Grosso.

            José Eber tem desenvolvido notável obra de instalação de museus e salas históricas em unidade do Exército no Rio Grande do Sul, como o demonstra seu rico currículo.

            Tem colaborado muito com subsídios no desenvolvimento pela AHIMTB na História da 2ª Brigada de Cavalaria Mecanizada – Brigada Charrua, e possui bom arquivo bibliográfico sobre História Militar do Rio Grande do Sul.

Cel JOSÉ SPANGENBERG CHAVES Pelo estímulo, solidariedade e apoio moral, histórico, financeiro e com subsídios históricos de valor ,a causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil onde ocupa a cadeira Cel Jonathas Rego Monteiro, consagrado historiador militar terrestre brasileiro que organizou o Arquivo do Exército e hoje Arquivo Histórico do Exército, e autor dos clássicos: A Colônia do Sacramento, Dominação Espanhola do Rio Grande do Sul e As primeiras reduções jesuíticas no Rio Grande do Sul, etc. O Cel Spangemberg tem sido um estimulador da Diretoria Executiva da AHIMTB e foi co-autor com o Presidente da AHIMTB, do artigo “ A importância da História Militar Crítica no desenvolvimento da Doutrina do Exército dos EUA”  na antiga Revista Cultura  Militar do Estado- Maior do Exército no 2º semestre de 1972.  Cel LUIZ CARLOS CARNEIRO DE PAULA Pelo estímulo, solidariedade e apoio histórico e de divulgação da causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil da qual é acadêmico ocupante da cadeira General Flamarion Barreto, o grande mestre de História Militar de várias gerações que cursaram a Escola de Comando e Estado- Maior do Exército.

O acadêmico Cel Carneiro tem sempre assistido a Academia com valiosos e inteligentes subsídios. Atualmente como editor das revistas do Exército e Defesa Nacional tem abrigado a colaboração da AHIMTB, seguindo uma tradição que deixou saudades do Cel Virgílio da Veiga. De longa igual que

seu patrono de cadeira o General Flamarion o acadêmico coronel Carneiro contribui no Clube Militar na preparação de candidatos a concurso a Escola de Estado- Maior do Exército

MARCELO PEIXOTO DA SILVA Pelo estímulo, notável solidariedade e apoio histórico, financeiro e administrativo à causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, da qual é seu acadêmico da cadeira especial Ten Cel José de Mirales, espanhol, considerado o primeiro historiador militar do Brasil.  Marcelo integra a Comissão de Concessão de Medalhas da AHIMTB para a qual contribuiu com projetos de medalhas estudadas e considerados  pela Comissão.

            A ele se deve a elaboração da Bandeira da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, exposta pela primeira vez no Clube Militar no lançamento pela AHIMTB da obra Caxias e a Unidade Nacional..

Sub Ten OSORIO SANTANA FIGUEIREDO     Pelo estímulo, solidariedade e apoio financeiro e histórico à causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, da qual é acadêmico ocupante da cadeira General João Borges, autor dos clássicos de História Militar Terrestre do Brasil:                

Continuação página 19

 Continuação do Guararapes nº 43                           out/dez 2004                                                        página 19

Brigadeiro José da Silva Paes e a fundação do Rio Grande, O Povoamento do Rio Grande do Sul e Cristóvão Pereira etc

            Osório Santana Figueiredo foi parceiro na obra editada pela AHIMTB 6ª Divisão Voluntários da Pátria, ao nela publicar síntese de todos estes Corpos de Voluntários da Pátria e autor das abas ou orelhas da História da 3ª Bda C Mec – Brigada Patrício Correia Câmara. É autor das obras A Caserna de Bravos, São  Gabriel – A Terra dos Marechais, São Gabriel desde o Princípio, de interesse da História Militar Terrestre:  e Caxias, no Bicentenário de Caxias e sob a égide da AHIMTB.

Cel PAULO AYRTON DE ARAUJO Pelo estímulo, solidariedade e apoio financeiro e histórico que lhe é possível, por circunstâncias familiares, na causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, como seu acadêmico ocupante da cadeira Marechal Tristão Alencar de Araripe, historiador militar terrestre contemporâneo e amigo do Gen Augusto Tasso Fragoso de quem é biógrafo e ex-comandante da ECEME, além de Delegado da AHIMTB, na Delegacia Cel  José Aurélio da Câmara, historiador militar cearense e inclusive do heróico General Tibúrcio e da Escola Militar do Ceará.

            Paulo Ayrton presidiu o Instituto Histórico e Geográfico do Ceará onde em sua revista sempre acolheu e divulgou trabalhos de História Militar Terrestre.

Cel RUY DUARTE Pelo estímulo, solidariedade e divulgação da causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, depois de curto período como seu correspondente no Palácio Duque de Caxias e agora como acadêmico ocupante da cadeira General Waldemiro Pimentel, inaugurada pelo acadêmico emérito Cel Jardro Alcântara Avellar.

            O Cel Ruy Duarte edita há mais de 15 anos a Coluna Polainas e Charlateira do mensário Ombro a Ombro e agora também no Jornal do Grupo Inconfidência, onde divulga sua coluna social da família militar brasileira e registra fatos de relevo da atividade militar terrestre do Brasil que se constituirá a História do Amanhã e suas  conseqüências,  além de preciosa fonte histórica a concorrer com seus subsídios ao desenvolvimento de História Militar do Brasil.

 Continuação do O Guararapes nº 43                           out/dez 2004                                     página 19

Princípio, de interesse da História Militar Terrestre:  e Caxias, no Bicentenário de Caxias e sob a égide da AHIMTB.

Cel PAULO AYRTON DE ARAUJO Pelo estímulo, solidariedade e apoio financeiro e histórico que lhe é possível, por circunstâncias familiares, na causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, como seu acadêmico ocupante da cadeira Marechal Tristão Alencar de Araripe, historiador militar terrestre contemporâneo e amigo do Gen Augusto Tasso Fragoso de quem é biógrafo e ex-comandante da ECEME, além de Delegado da AHIMTB, na Delegacia Cel  José Aurélio da Câmara, historiador militar cearense e inclusive do heróico General Tibúrcio e da Escola Militar do Ceará.

            Paulo Ayrton presidiu o Instituto Histórico e Geográfico do Ceará onde em sua revista sempre acolheu e divulgou trabalhos de História Militar Terrestre.

Cel RUY DUARTE Pelo estímulo, solidariedade e divulgação da causa da Academia de História Militar Terrestre do Brasil, depois de curto período como seu correspondente no Palácio Duque de Caxias e agora como acadêmico ocupante da cadeira General Waldemiro Pimentel, inaugurada pelo acadêmico emérito Cel Jardro Alcântara Avellar.           O Cel Ruy Duarte edita há mais de 15 anos a Coluna Polainas e Charlateira do mensário Ombro a Ombro e agora também no Jornal do Grupo Inconfidência, onde divulga sua coluna social da família militar brasileira e registra fatos de relevo da atividade militar terrestre do Brasil que se constituirá a História do Amanhã e suas  conseqüências,  além de preciosa fonte histórica a concorrer com seus subsídios ao desenvolvimento de História Militar do Brasil.

DIVERSOS

-         1- A AHIMTB criou em Santos Dumont – MG, ao abrigo do 4º Esqd Cav Mec, a Delegacia Ten Brig. do Ar NELSON FREIRE LAVANERE - WANDERLEY que será instalada em 3 dez 2004.2 -  A UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL esta reproduzindo em cadernos para distribuição dirigida a escolas  a obra CAXIAS e a Unidade Nacional, sob coordenação do acadêmico da AHIMTB Mario Gardelin, assessor do  reitor para assuntos de Povoamento, Imigração e Colonização. O citado acadêmico inaugurará 16 nov, no Grupo Conde Caxias, em Caxias do Sul a cadeira especial Cel Arthur Ferreira Filho. –3-  O patrono de Cadeira na AHIMTB, Cel Jarbas Passarinho escreveu artigo no Estado de São Paulo 17 jul 2004, sob o título Assim se faz a História em que finaliza comentário de que o Dr. Roberto Marinho em 1984 fazia em artigo, comentário favorável a Revolução de março de 1964 e que "vinte anos depois, teria ele autorizado que milhões de telespectadores da Globo sepultassem no lixo da História as suas palavras de julgamento da Revolução, daí haver adotado como título de seu artigo a frase de Voltaire, Assim se faz a História . E em apoio a nossa interpretação da grande injustiça da novela a Casa das Sete Mulheres, contra os Generais Bento Manoel Ribeiro e Davi Canabarro que foram por ela linchados moralmente, e que este novela "Ficará 140 anos depois , como sórdido incitamento contra os militares “e brasileiros concluírem como foram covardemente manipulados. – 4 -O ilustre acadêmico Alte Esq Arlindo Vianna Filho em carta dirigida ao Presidente da AHIMTB Cel Cláudio Moreira Bento assim comentou seu livro Caxias e a Unidade Nacional: “  Após leitura atenta e revigorante para o espírito, permito-me expor minha visão: " Nestes tempos muito difíceis que vive nossa Nação, quando apátridas e oportunistas teimam em, preconceituosamente, rescrever nossa História para desfazer verdades e os maiores valores de nossa Sociedade ( e, em particular, de seu segmento intrínseco, as Forças Armadas ), muito bem faz ler Caxias e a Unidade Nacional,  de autoria do Coronel Cláudio Moreira Bento.Recordando a vida e as lutas enfrentadas por Caxias, com destemor e civismo, bravura, nobreza e patriotismo, reanimam-se as esperanças com o futuro de nossa Pátria, ancorada nos feitos heróicos e nas virtudes e cívicas do Patrono do nosso Exército.

O coronel Cláudio Moreira Bento ao escrever Caxias e a Unidade Nacional tem o especial mérito de legar às atuais e futuras gerações de brasileiros autêntica interpretação, ancorada em fontes primárias, da História de nossa Pátria .Neste Brasil em que estamos vivendo, Caxias e a Unidade Nacional é uma lição do passado para o presente e para o futuro de grandeza de nossa Pátria amada.”                                                            

       Continuação do O Guararapes nº 43                           out/dez 2004                             página 19

 Foi omitida por razões técnicas a foto com legenda da entrega de Medalhas do Mérito Histórico Militar Terrestre da AHIMTB, no IME enviada com o Guararapes 43 pelo correio

FALECIMENTO DE ACADÊMICO  DA AHIMTB

Faleceu em Curitiba em 25 outubro de 2004 o Cel HUMBERTO JOSÉ CORRÊA aos 74 anos. O Cel Corrêa era membro acadêmico especial da Academia de História Militar Terrestre do Brasil ( AHIMTB). Sua posse teve lugar 4  jul 2001, no auditório do CENTRO INTEGRADO DE GUERRA ELETRONICA (CISGE) em Brasília onde foi recepcionado em nome da AHIMTB pelo sócio efetivo da sua Delegacia Marechal José Pessoa do Distrito Federal e comandante do CISGE Cel João Roberto Castilho que focalizou a relevância e o pioneirismo do Cel Corrêa na implantação da estrutura de Guerra Eletrônica no Exército Brasileiro, tendo  iniciado sua oração saudando o novo acadêmico Cel Corrêa "como o pioneiro da implantação  da Guerra Eletrônica no Exército Brasileiro.

Toda a documentação desta histórica seção se encontra preservada pela AHIMTB em seu volume nº 32 de Posses de Acadêmicos e de Correspondentes as páginas  24/72 e inclusive o detalhado currículo do Cel Corrêa relacionado com a sua atividade cultural intensa ligada ä Guerra Eletrônica.

E sobre a valiosa obra do Cel Corrêa vale lembrar de sua lavra a Coleção de 6 volumes intitulada Guerra Eletrônica - Temas Históricos, prefaciada pelo patrono em vida da cadeira 50 da AHIMTB o Cel Jarbas Passarinho. Coleção preciosa cuja publicação recebeu da Secretária de Ciência e Tecnologia parecer favorável  para publicação. Nela o Cel Corrêa fez um retrospecto histórico mundial desde  o despertar do assunto no Japão em 1905, até os dias atuai nos conflitos entre árabes e judeus, passando pela 2ª Guerra Mundial e enfatizando a Batalha do Atlântico em 1940 a 1945.

O Cel Corrêa era carioca nascido em 5 jun 1930 e ultimamente residia em Urussanga – SC, junto a família de sua esposa D. Maria Inez Custódio de Oliveira, tendo sido recolhido para hospitalização em Curitiba onde faleceu e será  cremado e talvez suas cinzas espalhadas ou preservadas no CISGE.

Era Aspirante a Oficial de Artilharia declarado na AMAN em 6 nov. 1952.

Embora artilheiro, sua vida ligou-se as Comunicações e especialmente a Guerra Eletrônica. E neste particular a sua contribuição ä doutrina de Guerra Eletrônica no Exército foi pioneira, original e intensa.

Talvez um dia venha ele a  ser consagrada patrono da Arma de Guerra Eletrônica em nosso Exército, caso ela se transforme em Arma, com a Engenharia que nasceu na Artilharia , as Comunicações que nasceu na Engenharia. Ou então denominação histórica do CIGE, onde deu o melhor de seu esforço, inteligência, dedicação e saúde. Aqui o pesar l da AHIMTB pela perda de seu ilustre acadêmico, do qual ela preserva a documentação que baliza sua útil caminhada pioneira e original em prol do desenvolvimento da nossa Doutrina Militar Terrestre (Cláudio Moreira Bento presidente da AHIMTB)

 AGRADECIMENTOS

A ACADEMIA DE HISTÓRIA MILITAR TERRESTRE DO BRASIL, PRÓXIMO DE COMPLETAR 9 ANOS DE PROFÍCUA EXISTÊNCIA, AGRADECE A TODOS QUE COM O SEU APOIO CULTURAL E FIANECEIRO E ESTÍMULO MORAL, DEVIDAMENTE REGISTRADOS EM SUA HISTÓRIA, CONTRIBUÍRAM PARA QUE ELA PERMANECESSE ATUANDO E MUITO REALIZANDO DENTRO DO OBJETIVO PARA O QUAL FOI CRIADA. E NESTE ÚLTIMO O GUARARAPES   DE 2004 ELA FORMULA  A TODOS OS SEUS INTEGRANTES VOTOS DE UM FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO.

 


Última alteração em 07-04-2006 @ 01:20 pm

[ Envie esta História para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada