Olá Visitante! Junte-se a nós! ou Entre para inserir uma Letra.
[ Anuncie Já | Fórum | Blogs | Bate-Papo | Ajuda | Proposta ]
 
Página PrincipalPortal Militar Escute hinos e canções militares na Rádio do PortalHinos Fórum do Portal MilitarFórum Blogs Hospedados no PortalBlogs Converse no chat com militaresBate-Papo Videos do YoutubeVideo ArtigosArtigos AgendaAgenda Hotel de TrânsitoHotel Deixe um mensagem para todos do portal.!Fonoclama EntrarEntrar! Junte-se a nós!Junte-se a nós!
  Ir para Página Principal do Portal Militar
 
   
 
[ Todos as Letras de Hinos | Todos os Colaboradores | Os últimos 20 Colaboradores ativos ]

[ Dúvidas | Política de Publicação | Busca avançada ]

Usuários Colaboradores podem enviar Letras de Hinos, canções, marchas militares e outros, além de poder comentar as Letras enviadas por outros usuários!
© Todos os direitos reservados aos seus autores. Esta material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído sem prévia autorização de seus autores. As opiniões expressas ou insinuadas nesta revista pertencem aos seus respectivos autores e não representam, necessariamente, as do Portal Militar.com.br ou de quaisquer outros órgãos ou departamentos do governo brasileiro.
 

 
Velho Mallet
Inserido por: ACMA
Em: 10-01-2008 @ 04:20 pm
 

 

Agostinho Cassemiro de Camargo – 3o Sargento

(4 mai 64)

 

Nos idos de trinta e um

do século que se passou

foi Dom Pedro quem criou

a Artilharia Real,

Prá conservar esta terra

que a nossa glória encerra

dêsde tempo imemorial.

 

Em Tuiuti te sagraste

na epopéia de fogo,

cobriste de sangue o lôdo

dos chacos do Paraguai:

Eu imagino os valentes

que até lutavam contentes

morrendo sem dar um ái.

 

Foi a nossa liberdade

o troféu mais disputado

e foi por ti conservado

com carinho e com ardor,

e cada vez que a memória

invocar a nossa história,

compreendo o teu valor.

 

Quando ao fragor da batalha

o La Hitte então troava

e de fumaça cerrava

o sereno céu de anil,

o inimigo tremia

e bem logo compreendia

a voz grave do Brasil.

 

Já despontava a aurora

da nossa emancipação

e foi a voz do canhão

que bradou pelas coxilhas,

e o tirano lá do Prata

a nossa terra destrata...

e leva a primeira encilha.

 

 

No amanhecer da existência

desta terra que adoramos

houve muitos desenganos,

muita dor e sofrimento,

houve tristeza, foi duro,

mas foi mantido o futuro

e a honra do Regimento.

 

Se Mallet pudesse agora

falar aos seus comandados,

estaríamos admirados

do seu orgulho por nós:

Diria: - “Vocês me honraram,

e essa pátria conservaram

conforme eu deixei prá vós”.

 

E hoje que comemoras

na tua heróica jornada

mais uma data marcada

por lutas e por vitórias,

até me sinto orgulhoso,

e contigo vitorioso

compartilhando das glórias.

 

Cada peça que troava

era a voz das baterias

que ainda em nossos dias

aí estão p’rá afirmar

que a maior felicidade

é a sublime liberdade

que soubemos conservar.

 

E agora que a liberdade,

bateu asas sôbre nós,

podemos ouvir a vóz

dos nossos heróis passados,

que dão gritos de alegria

e a canção da Artilharia

entoam em fortes brados.

 

A tua herança é eterna

Oh! Velho Mallet querido,

por isso que até convido

a teus filhos valorosos

para que juntos saudemos

e com um hip-hurra honremos

os teus feitos gloriosos.

 


Última alteração em 10-01-2008 @ 04:24 pm

[ Envie esta Letra para um amigo! ]

 
Comentar
Comentar
Veja mais
Veja mais
Ouça Hinos e Canções
Ouça Hinos
Perfil do usuário colaborador
Perfil do usuário colaborador
Envie uma Mensagem Privada
Envie uma Mensagem Privada